De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia e saiba as regras do trânsito

15

Atualizado em 27 de setembro de 2022

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

O bancário Luiz Cláudio Mauro fez uma viagem de carro na Bolívia com a família. Ele saiu de Brasília, chegou a Corumbá, cidade do Mato Grosso do Sul que faz fronteira com o país, e passou por Santa Cruz de la Sierra, Sucre, Potosí, Uyuni, Oruro e Cochabamba, de onde retornou para Santa Cruz.

Um dos grandes problemas que ele relatou na viagem foi a atuação da polícia boliviana. “Fomos parados 14 vezes pela polícia. Ao contrário do Brasil, onde raramente você é parado, na Bolívia, é difícil passar por um posto policial sem que lhe peçam os documentos”.

→ Não viaje para a Bolívia sem o seguro viagem

Ele conta que, em muitas cidades, há uma corda, com um pedaço de pano amarrado, atravessando a estrada e você só passa depois de mostrar os documentos. “A maioria dos policiais me pediu somente a habilitação e a Declaração Jurada. Mas, em dois casos, tive que apresentar o documento do veículo também”.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Como é viajar de carro pela Bolívia

Luiz Cláudio conta que, no posto policial chegando a Santa Cruz de La Sierra, as exigências foram maiores: era necessário, inclusive, ter dois triângulos no porta-malas e um kit de primeiro socorros.

Como eu tinha feito o dever de casa e estava com todos os documentos e equipamentos, eles disseram que minha ordem de circulação – que havia emitido na fronteira – era branca e que eu tinha que pagar R$ 50 pela ordem de circulação do formulário verde”, conta.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

O bancário até tentou argumentar, mas, simplesmente, foi orientado pelo policial a trazer uma Brahma para eles da próxima vez e, assim, evitar problemas.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Gasolina com preço diferente

No posto policial de La Angostura, saindo de Santa Cruz, a família foi parada novamente. Desta vez, o policial exigiu os recibos dos postos de gasolina para provar que ele tinha comprado o combustível no valor de estrangeiro. “Isso me pegou de surpresa”, conta.

Eu expliquei ao policial que não tinha guardado os recibos e, no final, ele ficou com o galão de combustível extra, de 20 litros, que eu carregava no porta-malas, e me deixou passar”, lembra.

Não são todos os postos de gasolina que vendem combustível para estrangeiros, é necessário ter um sistema, no qual são inseridos os dados do carro e do motorista. Por lei, o posto deve cobrar um valor mais caro de estrangeiros.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Em janeiro de 2018, o preço cobrado de estrangeiros era de BOB 8,80, cerca de R$ 4,40. Para os bolivianos, o preço era de, aproximadamente, R$ 1,10”, informa.

O viajante de Brasília conta que, mesmo nas cidades maiores, é preciso ficar circulando de posto em posto até achar um onde é possível encher o tanque do carro. Isso aconteceu com Luiz Cláudio em Santa Cruz de la Sierra. Então, uma dica muito importante é nunca deixar o tanque na reserva. “E guarde a porcaria do recibo emitido pelo posto”, alerta.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Vão parar seu carro na Bolívia

Depois disso, Luiz Cláudio e sua família passaram por outros onze postos policiais, que apenas pediram os documentos e os deixaram seguir sem custos adicionais. “A declaração jurada é o documento mais pedido de todos”, alerta.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

DECLARAÇÃO JURADA

Para entrar e dirigir no território boliviano é preciso ter a Declaración Jurada de Ingreso y Salida de Vehículos de Uso Privado. Ela é emitida pela Aduana Nacional de Bolívia, geralmente, nos principais postos de fronteira.

O problema é que muitos brasileiros que viajam de carro na Bolívia ignoram essa obrigação. Eles entram no país livremente, sem o bendito documento, e seguem até serem parados pela fiscalização.

Como a lei boliviana garante ao Estado o direito de confiscar qualquer veículo com placa de outro país que trafegue por aqui sem a declaração, alguns policiais aproveitam para extorquir os motoristas.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Na volta para casa, quando passou pelo posto La Angostura pela segunda vez, Luiz Cláudio conta que o policial disse que as duas ordens de circulação – a branca e a verde – tinham todas as cidades, mas não diziam que ele voltaria para Santa Cruz.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Ele me cobrou BOB 30 – cerca de R$ 15 – para emitir a terceira ordem de circulação. Enquanto eu estava discutindo com ele – inutilmente, só pelo prazer do debate –, o policial recebia propina de um boliviano, que, ameaçado de ter o veículo confiscado, pagou para seguir viagem”, desabafa o viajante.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

A polícia é corrupta mesmo?

Antes de viajar, Luiz Cláudio leu muitos relatos de corrupção por parte da polícia da Bolívia. Hoje, a impressão que tem é de que o problema está setorizado ao redor de Santa Cruz de la Sierra, pois, dos 13 postos policiais que os pararam, em dois, os policiais eram desonestos.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Carro com placa do Brasil é como uma galinha dos ovos de ouro: você será parado e achacado, principalmente, em Santa Cruz de la Sierra e La Angostura”, diz.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

O viajante complementa seu relato dizendo que algumas estradas estão sendo asfaltadas – como a que liga La Palizada a Sucre. “São muitos trechos em obras e a estrada é cheia de pedras, isso é pior do que uma estrada de terra”, alerta o viajante.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

Segundo ele, as melhores rodovias estão entre Corumbá e Santa Cruz de la Sierra, e entre Uyuni e Oruro. Mas, é importante atentar para que a maioria dos terrenos não tem cerca e os animais ficam livres para atravessar a estrada.

De carro na Bolívia? Fique esperto com a polícia

No mais, tirando os trechos de estrada péssima e os postos policiais de Santa Cruz e La Angostura, viajar de carro na Bolívia foi ótimo, e os cenários são lindos, cheios de lhamas e vicunhas. Tenho vontade de repetir, mas daqui a alguns anos, quando as obras estiverem terminado”, conclui.

INFORMAÇÕES BÁSICAS
VISTO

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser estendido por mais 90 dias.

DOCUMENTOS

Você pode usar o passaporte, com validade de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.

DINHEIRO

A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.

VACINAS

A vacinação contra febre amarela é obrigatória. Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

SEGURO VIAGEM

O seguro viagem não é obrigatório, mas altamente recomendado. Veja quanto custa o seguro viagem.

COVID-19

Apesar de não ser obrigatório, é recomendado estar vacinado contra covid-19. Veja as regras abaixo

INFORMAÇÕES SOBRE COVID-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  2.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  3. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você os detalhes das regras Resolución Multi-Ministerial 001, de 27 de abril de 2022.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

SEGURO VIAGEM

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem um seguro viagem com cobertura para covid-19 não é uma boa ideia. 

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Se você for fazer qualquer atividade de risco – como trekking em vulcões, cruzar o Salar de Uyuni de carro ou conhecer a Amazônia boliviana, por exemplo – o seguro passa a ser essencial para sua viagem. Pode confiar em mim!

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para a Bolívia, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.

Veja mais dicas da Bolívia