Três dias pelo Salar de Uyuni: as paisagens mais lindas da Bolívia

43

Atualizado em 12 de abril de 2021

O maior deserto de sal do mundo é uma das principais atrações da Bolívia e uma das melhores opções, aqui, é fazer a viagem de três dias pelo Salar de Uyuni.

A essa terra cheia de misticismo – entenda a lenda contada sobre esse lugar –, chegam milhares de turistas todos os anos para saborear um pouco das maravilhas dessa região.

Eu já tinha visitado o Salar no esquema bate-volta, e eu explico tudo em: O passeio de um dia no Salar de Uyuni.

Agora, embarco em uma viagem que sai de Uyuni e chega a San Pedro de Atacama, no Chile. Para lhe ajudar, eu conto os principais detalhes dessa inesquecível viagem que, além de muito barata, é segura e muito mais tranquila do que você talvez imagine.

Um mundo de sal

A minha viagem de três dias pelo Salar de Uyuni começa às 11h30, meia hora depois do horário combinado.

O motorista – que também cumpre o papel de guia – não parece ser a pessoa mais simpática do mundo, mas exerce bem sua função.

Três dias pelo Salar de Uyuni

Estamos em seis passageiros, todos brasileiros, e a primeira parada do grupo é no cemitério de trens, onde carcaças de antigos vagões e máquinas movidas a carvão descansam depois de terem sido substituídas por veículos mais modernos.

Paramos por não mais que 20 minutos e seguimos viagem.

A segunda parada é em Coichani, um vilarejo bem pobre onde visito uma feira de artesanatos que vende lembrancinhas de sal e outros produtos.

Três dias pelo Salar de Uyuni

Aqui é uma das paradas onde você poderá usar o banheiro pagando BOB 2.

Depois dessa parada, a viagem avança rumo ao Salar. Estou no maior e mais alto deserto de sal do mundo.

São mais de 10.000 quilômetros quadrados de puro sal, e a paisagem branca domina todo o cenário.

Efeitos especiais

Normalmente, nessa época do ano, o Salar estaria coberto por uma camada de água que chega com as chuvas de janeiro e duram até março.

Entretanto, tem chovido pouco nesses últimos meses e o que vejo são apenas algumas áreas alagadas, um cenário bem diferente do que encontrei da outra vez, quando visitei Uyuni.

Três dias pelo Salar de Uyuni

Coberto pela água, o Salar proporciona uma paisagem fantástica. Chamado pelo pessoal que vive aqui de espejismo, o reflexo da água forma um efeito como se o céu e a terra fossem apenas uma coisa.

Mas, se por um lado, encontrar o Salar alagado é bom, por outro, isso pode impedir que alcancemos algumas áreas, caso o nível da água seja muito alto.

Três dias pelo Salar de Uyuni

A minha terceira parada é justamente no meio de uma dessas áreas alagadas. Com o pé no chão, coberto de água salgada, tenho 20 minutos para tirar todas as fotos que desejo.

O motorista segue mais um pouco e chega ao primeiro hotel de sal construído em Uyuni e que, hoje, é um museu e um ponto de encontro onde almoçamos.

A fabulosa Isla Incahuasi

Depois de cruzar mais uma parte do imenso Salar, chego à Isla Incahuasi, que significa casa do Inca, na língua quéchua.

Com mais de 24 hectares, essa pequena montanha é abundante numa espécie de cacto gigante que produz uma madeira cheia de furos e com a qual os nativos fazem peças de decoração e até casas.

Para subir até o topo da ilha, é preciso pagar uma tarifa de BOB 30, mas é possível caminhar ao redor dela e até mesmo subir a uma altura considerável sem se registrar. Eu fiz isso.

Depois de cerca de 40 minutos, seguimos viagem. Era hora de nos abrigar antes que a noite chegasse.

Três dias pelo Salar de Uyuni

No meio do nada, as opções de hospedagem são bem poucas. Eu me hospedei no Hostal Samarikuna, que fica numa vila chamada Candelaria. Ele é todo feito de sal: parede, chão, cama, cadeira e mesa. Tudo é de sal.

Três dias pelo Salar de Uyuni

O banho quente custa BOB 15. O delicioso jantar é servido às 20h30: frango assado, arroz e salada, com uma sopinha de entrada. Tudo limpo e muito bom.

O fantástico deserto Siloli

O segundo dia da minha viagem de três dias pelo Salar de Uyuni começa cedo. Acordo às 6h e o café da manhã é servido às 6h30. O motorista dirige pelo Salar de Tiguana e faz a primeira parada na linha de trem que vai até Sucre, a capital constitucional da Bolívia.

Daqui em diante, estamos no deserto Nor Lípez, do qual foi desmembrado o Salar de Uyuni. Para saber como foi a minha viagem por esse deserto, leia Nor Lípez: entre salares e lagoas bolivianas. No post, eu conto todos os detalhes das belas lagoas Canãpa, Hedionda e Honda.

Mais tarde, sigo em direção ao deserto de Siloli, e as atrações aqui são tantas que eu detalhei tudo em Deserto de Siloli: um mundo de maravilhas. É no Siloli que estão a Laguna Colorada, o vulcão Ollagüe e a Arbol de Piedra.

Três dias pelo Salar de Uyuni

Com tantas atrações, é impossível ver tudo em um dia e preciso pernoitar no Siloli. Eu me hospedei no Hostal Turístico São Bernardo.

Aqui, fui logo recebido com um chá acompanhado de biscoitos. Mas as mordomias acabaram logo. Os quartos são simples, têm seis camas, mas são bem melhores do que imaginei.

A energia elétrica – para lâmpadas e tomadas – é ligada às 19h30 e desligada às 21h30. O banho quente custa BOB 15. O jantar é servido às 20h30. Depois disso, se contente em observar a perfeição do céu no deserto.

Gêisers e Laguna Verde

Se eu achei que tinha acordado cedo ontem, o último dia da minha viagem de três dias pelo Salar de Uyuni me surpreendeu.

Acordo às 4h e, como não há energia no hostel nem mesmo para fechar as malas, tudo é mais complicado. O café é servido por volta das 4h30 e, em seguida, parto rumo aos gêiseres do Sol de Mañana que ficam a aproximadamente 40 minutos do hostel São Bernando, em pleno deserto.

A próxima parada é na Laguna Verde e, depois, na piscina de águas termais. Todos os detalhes dessa aventura estão em Deserto de Siloli: um mundo de maravilhas.

Para quem faz o roteiro completo – saindo e retornando para Uyuni – a viagem de volta é longa e com uma parada apenas para o almoço. Como eu estou indo para San Pedro de Atacama, no Chile, preciso passar pela imigração.

Chego para fazer os procedimentos legais e não há nada além de uma construção simples no meio do deserto. Aqui, espero por cerca de uma hora até que chegue a minha vez de receber o carimbo de saída do país.

Três dias pelo Salar de Uyuni

Quanto custa

Em toda a viagem você gastará, no mínimo, BOB 1.200, incluindo o passeio e as taxas que pagamos para visitar alguns locais – tudo isso está detalhado neste texto. O transporte até o Chile custa BOB 50 e é feito em vans.

Quem leva

Eu contratei a empresa Estrella del Sur para esta viagem de três dias, mas não a indico. Na primeira vez que estive aqui, escolhi a Uyuni Tour Bolívia.

Se preferir, você pode chegar na tarde anterior ao seu passeio e fazer sua reserva em uma das muitas agências que oferecem o passeio.

Como chegar

A melhor maneira de fazer essa viagem é contratando um tour que pode partir de San Pedro de Atacama ou de Uyuni. Partindo de Uyuni, eu paguei BOB 850 pelo passeio incluindo hospedagem e alimentação nos três dias.

Se for de carro, esteja certo de que estará acompanhado de um bom guia. Aqui, GPS não funciona muito bem e os relatos de pessoas desaparecidas não são raros.

O que levar

Você vai precisar comprar água, já que isso não está incluso no passeio. Somente durante as refeições é que são servidos refrigerante e água.

Jamais se esqueça de passar protetor solar e de levar óculos de sol. Mesmo durante o dia as temperaturas são baixas e o frio pode lhe incomodar.

INFORMAÇÕES BÁSICAS
Visto | Brasileiros não precisam de visto para entrar no país e o prazo de permanência é de 90 dias, podendo ser estendido por, no máximo, mais 90 dias.
Documentos | Você pode usar o passaporte, com validade mínima de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.
Dinheiro | A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Para sua viagem, você pode levar reais ou dólares. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.
Vacinas | A vacina contra covid-19 não é obrigatória, mas é preciso apresentar teste RT-PCR (veja abaixo). A vacinação contra febre amarela é obrigatória: veja como solicitar o certificado.

INFORMAÇÕES SOBRE COVID-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Seguro viagem com cobertura para covid-19, obrigatório para todos os viajantes – faça uma cotação do seguro viagem;
  2. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  3.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  4. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você pode acompanhar atualizações no site da Embaixada do Brasil em La Paz.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

SEGURO VIAGEM

Desde que reabriu suas fronteiras,  o seguro viagem com cobertura para covid-19 passou a ser obrigatório  para a Bolívia. Sem ele, você pode ser impedido de entrar no país.

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

Veja mais dicas da Bolívia

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.