Nor Lípez: entre desertos, salares e as incríveis lagoas bolivianas

Atualizado em 18 de outubro de 2022 – 2 min de leitura

Nor Lípez

O departamento de Potosí ocupa todo o sudoeste da Bolívia e abrange duas atrações muito famosas: o Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, e o deserto de Siloli, que tem maravilhas infinitas, como você pode ver em Deserto Siloli: um mundo de maravilhas.

O que muita gente não sabe é que existe outro deserto por aqui. Chamado simplesmente de Nor Lípez – o mesmo nome da província que o abriga –, ele ocupa uma imensa área na fronteira com o Chile.

Toda essa região está próxima dos 4.000 metros acima do nível do mar e, devido à altitude, o ar é rarefeito e o clima sempre frio, mesmo no verão.

Nor Lípez

Muito pouco povoado, viajo por quilômetros e mais quilômetros sem avistar vilarejos ou qualquer outra evidência humana, a não ser aquelas deixadas por nós, turistas.

Falando nisso, bem perto do hostel em que dormi, há um pequeno povoado onde são vendidas duas especiarias bolivianas. Neste que é um dos poucos – e famosos – pontos de parada, viajantes do mundo todo experimentam a cerveja feita da folha da coca e da quinoa.

Produzidas artesanalmente, você não as encontrará em outra parte do deserto. Então, prove e, se gostar, estoque.

Cruzo o Salar de Tiguana, que não é tão branco como o de Uyuni, mas nem por isso menos encantador. Aqui, paro na linha férrea que leva os trens a Sucre, a capital constitucional boliviana.

Toda essa planície está rodeada por vulcões, alguns ainda ativos, e admirá-los no horizonte, de longe, é um privilégio.

Nor Lípez

Seguindo viagem, encontro a Laguna Canãpa. Cheia de belos e elegantes flamingos, essa lagoa de águas salobras tem quase 1,5 quilômetro de extensão e um tom levemente esverdeado.

Nor Lípez

Depois dela, outras duas lagoas estão na minha rota: Laguna Hedionda e Honda, esta última quase seca – a estação chuvosa deste ano trouxe menos água do que o esperado, logo, todas as lagoas estão muito abaixo do nível normal para esse período.

Planeje sua viagem pelo deserto Nor Lípez

Quando ir

Há duas estações ideais para visitar o deserto: entre setembro e novembro e entre março e maio. Aqui, a amplitude térmica é muito acentuada – variando de zero a 40 graus no mesmo dia – e, nesses períodos, as temperaturas são mais amenas.

Como chegar

A melhor maneira de chegar a Nor Lípez é contratando um tour que pode partir de San Pedro de Atacama, no Chile, ou de Uyuni. Partindo de Uyuni, eu paguei BOB 850 pelo passeio com hospedagem e alimentação inclusos por três dias.

De carro, esteja certo de que estará acompanhado de um bom guia. Aqui, GPS não funciona bem, e os relatos de pessoas desaparecidas não são raros.

Nor Lípez

Onde ficar

No meio do nada, as opções de hospedagem são bem poucas. Eu me hospedei no Hostal Samarikuna, que fica numa vila chamada Candelaria. Ele é todo feito de sal: parede, chão, cama, cadeira e mesa. Tudo é de sal.

O banho quente custa BOB 15. O delicioso jantar é servido às 20h30: frango assado, arroz e salada, com uma sopinha de entrada. Tudo limpo e muito bom.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser estendido por mais 90 dias.

Documentos

Você pode usar o passaporte, com validade de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.

Vacinas

A vacinação contra febre amarela é obrigatória. Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

Informações sobre covid-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  2.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  3. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você os detalhes das regras Resolución Multi-Ministerial 001, de 27 de abril de 2022.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem um seguro viagem com cobertura para covid-19 não é uma boa ideia. 

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Se você for fazer qualquer atividade de risco – como trekking em vulcões, cruzar o Salar de Uyuni de carro ou conhecer a Amazônia boliviana, por exemplo – o seguro passa a ser essencial para sua viagem. Pode confiar em mim!

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para a Bolívia, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas da Bolívia

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

2 Comentários

  1. Elaine

    Valeu pelas dicas, Altier! Estou planejando uma visita à Bolívia em dezembro e você me ajudou muito.

    Responder
    • Altier Moulin

      Por nada, Elaine. Aproveite a viagem.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *