Trem da morte: como era a viagem no trem mais alternativo da Bolívia

Atualizado em 24 de outubro de 2022 – 5 min de leitura

Foto: Divulgação

Uma das formas mais baratas de chegar à Bolívia é embarcando no Trem da Morte. A linha férrea nos leva de Puerto Quijarro, na divisa com o Mato Grosso do Sul, até Santa Cruz de la Sierra, uma das principais cidades bolivianas.

Mas, antes de prosseguir, preciso explicar que esse nome surgiu porque essa linha férrea era usada para transportar doentes de uma grave epidemia de febre amarela que aconteceu na região de Santa Cruz no século passado.

A viagem no trem operado pela Ferroviaria Oriental representa o verdadeiro estilo mochileiro de viajar. O roteiro é feito de forma independente, sem luxo e, principalmente, tem baixo custo.

O primeiro passo para quem deseja pegar o Trem da Morte é chegar a Corumbá de ônibus ou de avião. Infelizmente, a ferrovia brasileira que parte de Bauru, no interior de São Paulo, só transporta cargas. Foi isso que os viajantes Ives Duque, de Campos, no Rio de Janeiro e Gledson de Oliveira Raymundo, de São Paulo, fizeram.

O meu objetivo era entrar na Bolívia por terra atravessando a fronteira em Corumbá. De lá, ia seguir no Trem da Morte até Santa Cruz de la Sierra e atravessar toda a Bolívia. Assim, chegaria a Machu Picchu, no Peru”, conta Ives.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

O trem da morte

Antes de comprar sua passagem, você precisa decidir qual o veículo e a classe que deseja viajar. Isso vai influenciar diretamente no seu conforto e na sua segurança durante esta longa viagem.

Três modelos de trens fazem a rota que liga o Brasil ao coração da Bolívia. O mais clássico é o Expresso Oriental, que demora cerca de 17 horas de Puerto Quijarro a Santa Cruz de la Sierra. Esse veículo tem vagão restaurante e as cabines são bem equipadas. Todas têm televisão, música ambiente, luzes de leitura, banheiros químicos e ar-condicionado. A passagem na classe Super-púllman custa BOB 100.

Eu viajei no Trem Expresso Oriental. Ele é confortável, mas a verdade é que os bolivianos não ligam para luxo. Inclusive, colocam as crianças no chão do trem sem cerimônias”, explica Gledson.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

Foto: Gledson Raymundo

Já o Ferrobus, o mais caro deles, tem vagões com cama. A viagem demora menos de 14 horas até Santa Cruz de la Sierra. Suas cabines são equipadas com ar-condicionado, televisão, música ambiente e banheiros. Além disso, toda a alimentação e o serviço de bordo estão inclusos no preço da passagem, que custa BOB 235.

A outra categoria, chamada de Mixto, não é indicada para turistas. Ainda assim, muitos mochileiros escolherem esta opção por causa do preço. Custando apenas BOB 45, a viagem é feita em vagões sem ar-condicionado e com o mínimo de conforto que você pode imaginar.

Neste veículo, você correrá o risco de ficar completamente cercado por bagagens. Os passageiros têm o costume de colocar as suas malas e bolsas sob os assentos, na frente de seus pés e em todos os lugares onde restar um pouco de espaço. Isso pode tornar sua viagem muito desconfortável, já que você não poderá se movimentar.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

Foto: Gledson Raymundo

Como comprar a passagem

Os trens partem diariamente de Puerto Quijarro e aqui você pode consultar os horários e as tarifas. Algumas agências de viagem que funcionam em Corumbá vendem a passagem, e você pode comprá-la assim que chegar à cidade, mas é sempre melhor adquirir o bilhete com antecedência no site da Ferroviaria Oriental.

Outro meio muito comum de conseguir um bilhete é através de cambistas. Brasileiros e bolivianos negociam livremente as passagens na fronteira, mas se você escolher esta modalidade terá que arcar com os riscos de comprar uma passagem falsa.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

Foto: Gledson Raymundo

Foi exatamente isso que aconteceu com Ives. Ele sabia que é comum encontrar moradores vendendo tíquetes com um valor um pouco maior para viajantes que não mais encontram as passagens no guichê da estação ferroviária. Mesmo sabendo dos riscos, ele pagou pela passagem do cambista.

Eu atravessei a fronteira, saindo de Corumbá e chegando direto na estação em Puerto Quijarro. Quando cheguei, conheci outros viajantes, todos com suas mochilas esperando um morador local que havia prometido trazer os tíquetes, pois na bilheteria eles já estavam esgotados.

Depois de muita espera, o boliviano chegou com nossos tíquetes. Negociamos um pouco o preço, mas acabamos comprando, já que não tínhamos outra opção. Nesse momento começamos a perceber que estava acontecendo algo de errado, que só tivemos certeza quando entramos no trem: nós não recebemos os tíquetes, mas o guarda nos deixou entrar mesmo assim, e o funcionário que confere os bilhetes nos pulou e, acreditem, o vagão estava vazio”, conta o viajante.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

Foto: Ives Duque

Essa história não acaba aqui. Na manhã seguinte, antes do desembarque, um policial entrou no vagão de Ives para conferir os bilhetes. Nessa hora, nem ele nem os outros viajantes do seu grupo tinham a passagem para apresentar. Mesmo explicando o que havia acontecido, Ives e os amigos tiveram os passaportes apreendidos.

Então, fomos a um posto da polícia na estação de Santa Cruz de la Sierra, onde tomaram nosso depoimento e assinatura. Nessa hora, eles nos colocaram um terror falando que muitas coisas poderiam ter acontecido com a gente, pois caímos na rede de uma quadrilha que envolvia moradores locais e funcionários do trem. Mas, no final, depois desse grande susto, os policiais nos liberaram”, lembra Ives.

Cruzando a fronteira

A maioria dos brasileiros chega ao ponto da divisa entre o Brasil e a Bolívia de táxi. Daqui pra frente, você terá que exercitar um pouco a sua paciência. É que dependendo da época, os postos de imigração brasileiro e boliviano ficam lotados e você precisa aguardar na fila para receber os carimbos autorizando sua viagem.

A saída terrestre do Brasil para a Bolívia é muito ruim. Temos que encarar a fila da Aduana Brasileira para dar a sua saída do Brasil e do lado boliviano mais fila de turistas para dar entrada no país”, lembra Gledson.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

Para entrar na Bolívia, brasileiros podem apresentar a carteira de identidade, desde que esteja em boas condições e que tenha sido emitida há pelo menos dez anos, ou o passaporte dentro da validade. Carteira de motorista, certidão de nascimentos ou qualquer outro documento não será aceito.

Se você estiver planejando visitar áreas da Floresta Amazônica boliviana, o governo brasileiro sugere que você seja vacinado contra a febre amarela. Para saber mais, leia: Dicas para evitar malária e febre amarela.

Cuidados na viagem

Além de ficar esperto na hora de comprar sua passagem no Trem da Morte, é muito importante ter cuidado com objetos pessoais e com sua bagagem. A Bolívia é um país muito pobre e, apesar de não ter tanta violência, você sempre estará cercado por pessoas tentando se aproveitar de você de todas as formas.

Histórias como a de pessoas entrando no bagageiro do ônibus para furtar mochilas durante a viagem e bloqueios na estrada com apedrejamento são reais, acredite, aconteceu comigo. Mas cada momento foi incrível”, alerta Ives.

Já o Gledson teve uma viagem mais tranquila. Mesmo comprando a passagem com um cambista, ele fez a viagem tranquilamente e recomenda. “Em nenhum momento eu me senti inseguro. A viagem foi muito tranquila, não dá medo algum. Com certeza muito do que se fala sobre o Trem da Morte é lenda”, ressalta.

Bolívia: como é a viagem no Trem da Morte

Foto: Ives Duque

Um conselho que todo viajante deve observar é quanto à alimentação: leve algo para beber e comer durante a viagem. Dentro do vagão, você pode comprar lanches rápidos e, como eu já expliquei, algumas passagens incluem refeições, mas veja o que nos conta Ives Duque:

Nas paradas, muitos vendedores vão até a janela para oferecer alimentos. Se tiver coragem, isso pode ser sua salvação, caso não tenha suprimentos na mochila. A refeição do trem não sustenta muito”, alerta.

Se você quiser saber mais sobre os cuidados mais comuns que você deve ter em uma viagem à Bolívia, leia: Cuidados ao viajar para a Bolívia.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser estendido por mais 90 dias.

Documentos

Você pode usar o passaporte, com validade de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.

Vacinas

A vacinação contra febre amarela é obrigatória. Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

Informações sobre covid-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  2.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  3. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você os detalhes das regras Resolución Multi-Ministerial 001, de 27 de abril de 2022.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem um seguro viagem com cobertura para covid-19 não é uma boa ideia. 

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Se você for fazer qualquer atividade de risco – como trekking em vulcões, cruzar o Salar de Uyuni de carro ou conhecer a Amazônia boliviana, por exemplo – o seguro passa a ser essencial para sua viagem. Pode confiar em mim!

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para a Bolívia, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas da Bolívia

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

86 Comentários

  1. Diego

    Olá
    Você saberia me informar se esse trem ainda continua na ativa, pois acompanho um casal no YouTube que passou por lá essa semana e relatou que não estava mais em funcionamento o trem.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Diego.
      Provavelmente era uma parada temporária, pois as passagens estão disponíveis para venda no site da companhia.
      Um abraço!

      Responder
      • Charles R. C. Silva

        Entra no site e tenta comprar para ver. Não disponibiliza a passagem, só as datas. Não atualizaram o site. Não há informação alguma que saiu de operação, e se vai voltar algum dia.

        Responder
        • Altier Moulin

          Oi, Charles.
          O trem parou de transportar passageiros na pandemia e ainda não retornou.
          Um abraço.

          Responder
    • Alexandre

      O Mundo sem fim né, eu também estranhei, acho que eles comeram alguma bola na hora de comprar a passagem…

      Responder
      • Jair Leno

        Amigo eu moro na Bolívia já fazem 4 anos e desde que inicio a pandemia o trem para passageiros não está mais em funcionamento, somente cargas. Se por um acaso a passagem está disponível a venda no site, talvez seja algum erro do sistema…espero que seja útil essa informação.

        Responder
    • CaioSF

      foi o mundo sem fim? eu vi eles falando isso também achei estranho na hora, mas pelo que vi foi apenas que o trem estava em manutenção

      Responder
  2. Fabio

    Altier, bom dia. Tudo bem? Grande relato, obrigado pelas dicas. Você saberia me indicar alguma agencia de Corumbá onde eu poderia comprar as passagens de trem de Puerto Quijaro a Sta Cruz? No site Tickets Bolivia já não tem mais para a minha data de viagem.

    Responder
    • Jair Leno

      O trem já não está mais disponibilizando serviços para passageiros amigo. Somente cargas desde o início da Pandemia.

      Responder
  3. Astrolabio Fraga Serejo

    Boa tarde, navegantes.
    Eu fiz esse trajeto, desde o RJ com o flecha de prata, a fepasa, noroeste de Bauru e o trem da morte, cheguei a Cusco, no Peru, nos tempos em que Ronald Reagan fumigava plantações de coca no altiplano boliviano.
    Saudades dos bons tempos.
    Saludos.

    Responder
  4. Marlos

    Excelente relato. Ja fiz um mochilao incrivel pela Bolivia, desta fronteira ate La Paz passando por Santa Cruz, Sucre (imperdivel), Uyuni e o Salar (tbm imperdivel). Na epoca nao consegui ticket para o trem e fiquei muito desconfiado do assedio dos cambista e preferi ir de bus ate S Cruz, que para minha surpresa foi extremamente confortavel e barato.

    Pretendo refazer a viagem nas proximas semanas. Queria saber se ha valor minimo de cobertura COVID no seguro viagem. Nao encontrei informacao no site de imigracoes.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Marlos.
      Você pode fazer uma cotação no site da Seguros Promo.
      Um abraço.

      Responder
  5. Alécio Ferraz

    Eu fiz essa viagem em 1970, foi a viagem mais incrível de minha vida. Jamais esquecerei as horas que passei nesse trem, faria novamente com prazer.

    Responder
    • Frederico

      Incrível…essa época devia realmente ser uma aventura.

      Responder
      • Altier Moulin

        Sem dúvida, Frederico.
        Não foi por acaso que essa viagem foi por muitos anos uma das mais emblemáticas da América do Sul.
        Incrível, né?!

        Um abraço.

        Responder
    • Manoel Rosa da Cruz

      Olá fiz esta viagem em 1974,sou também cidadão do mundo vivi para viajar …estou com 74 anos e recentemente subi uma montanha da cadeia do Marumby de 1534 metros sendo uma das mais difíceis do Brasil e isso me dá certa coragem de pegar minha familia esposa e filho e fazer essa rota…não conhêço POTOSI na Bolivia Quero conhecer o PORTAL DO SOL,pois Machu Pichu ja visitamos em 2014 agora me falta este ultimo reduto dos Cordões Umbelicais das Civilizações ,ditas Extra Terrenas a conhecer …!

      Responder
  6. MARCELO HENRIQUE DA SILVA

    Oi, Altier!

    Sabe me dizer como faço para ir até a estação de trem, uma vez atravessada a fronteira de Corumbá com Puerto Quijarro? É possível ir caminhando pegar o trem?

    Responder
  7. Patricia Tavares

    olá, estarei saindo do acre( primeiro mochilão só rsrsrs), pretendo passar apenas por cidades bolivianas, tem como ir sem passar no peru(apenas mochilando de ônibus, trajetos)?, esse trem pode comprar passagem de Santa Cruz de la Sierra a Puerto Quijarro?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Patrícia.

      Não tenho esta informação sobre o ônibus.
      A respeito do trem, sim, você pode comprar o caminho inverso.

      Um abraço.

      Responder
  8. Eder

    Oi. Estou pesquisando sobre a viagem no trem da morte. Gostei muito do seu relato é a sua disposição de colaborar com outros aspirantes àquela viagem. Pergunto-lhe: é possível cambiar moeda em Corumbá ou Puerto guirrajo?

    Responder
    • Altier Moulin

      Sim, Eder.
      É fácil trocar moeda na divisa, mas evite os cambistas, porque o risco de pegar nota falsa é alto.

      Um abraço.

      Responder
  9. Filipe Lima

    Olá Moulin, parabéns pelo blog, tem sido de grande utilidade. Eu gostaria de pegar o Expreso Oriental, mas como talvez eu viaje com uma pessoa, pensei no Ferrobús mesmo, como o horário de saída desse é às 18h, você acha que vou perder toda a beleza do trajeto por ser noite?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Filipe.

      Muita gente prefere viajar à noite mesmo, porque dorme e passa mais rápido.
      Há quem fale que a paisagem não é lá essas coisas e, por isso, prefere viajar à noite.
      Eu prefiro viajar à noite, mas durante o dia você terá a real experiência de viajar no Trem da Morte.

      Um abraço.

      Responder
  10. bianca

    Olá tudo bom? Gostaria de fazer esse mesmo roteiro Bolivia – Peru agora em novembro de 2018. Seria possível conversamos para pegar melhores dicas? Obrigada!

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Bianca.

      Pode colocar suas dúvidas aqui que eu sempre respondo.
      Assim, ajudo a você aos demais viajantes.

      Um abraço.

      Responder
  11. Mariane

    Amei seu relato! Contribuiu imensamente, muito obrigada.

    Responder
      • ALESSANDRA SILVA DOS SANTOS

        Olá,Adorei seu Blog e suas experiências
        Pretendo pegar este trem oriente Expresso en julho,mas estou um pouco perdida como Posso fazer .Vou até Corumbá e depois de lá tenho que pegar taxi para chegar até a estação de trem?

        Responder
  12. nair

    ola
    estou planejando fazer esse roteiro de trem em dezembro, gostaria de saber , se o trem da morte parte tb de santa cruz ate lima?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Nair.

      Não. O trajeto que o trem faz está descrito no texto.

      Um abraço.

      Responder
  13. Laura Vieira

    Olá, muito bom seu texto, farei essa viagem no próximo ano e gostaria de saber se você tem algumas dicas sobre como chegar até machu pichu, saindo de Santa Cruz. Obrigada!

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Laura.

      O caminho mais viável é por Puno, na divisa do Peru com a Bolívia.
      Você pode fazer o seguinte roteiro: Santa Cruz – Cochabamba – La Paz – Copacabana – Puno – Cusco/Machu Picchu.

      Dá pra fazer tudo de ônibus ou de avião até Puno.
      De Puno a Cusco há, também, a opção de trem. Mas fica mais caro.

      Um abraço.

      Responder
  14. Eduardo

    Olá. Os preços de táxi saindo da rodoviária de Corumbá até o terminal de Puerto Quirrajo são muito caros?

    Responder
      • Davi Rodrigues

        Olá, tem como atravessar a fronteira a pé saindo de Corumbá?

        Responder
    • Luiz

      barato

      Responder
  15. oz

    agradeço o relato! devo ir em julho! ?

    Responder
  16. Peter Willians Dario

    Fiz esta viagem pelo Trem da Morte em 1980.
    Foi fantástica, e até hoje a guardo na lembrança.
    Não tive nenhum problema com relação à segurança.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Peter.

      Importante este seu relato.
      Acredito que a sensação de segurança varie de acordo com cada pessoa.

      Um abraço.

      Responder
  17. Valter

    Gostei das suas aventuras pela bolivia , estou plannejando fazer esta viagem este em novebro de 2018 .sou valter de savador ( campista)

    Responder
  18. Clayton

    Muito bom seu post,nunca tinha ouvido falar do trem da morte ,”impolgante”.
    Estou me planejando para ir a Bolívia em maio talvez farei esse roteiro.
    Valeu abraços

    Responder
    • Altier Moulin

      Tem muitas dicas aqui no blog sobre a Bolívia, Clayton.
      Já fui duas vezes e curti demais.

      Um abraço.

      Responder
  19. Milenny Gramajo

    Oi eu quero ir na Bolivia mais eu nem sei por onde começar. Eu moro em Goiania Goias. Eu achei os parantes do meu pai depois de 63 anos.

    Responder
    • Altier Moulin

      Primeiro você precisa saber a cidade pra onde vai, Milenny.
      Depois, traçar uma rota de avião e de ônibus para chegar lá.

      Um abraço.

      Responder
  20. Stenio

    Olá vc chegou a fazer o trajeto de Santa Cuz até uyuni?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Stenio.

      Não. Como está no texto, eu entrevistei pessoas que fizeram a viagem no trem.

      Um abraço.

      Responder
  21. Debora

    Olá! Farei essa viagem em breve. Embora seja possível comprar a passagem do trem pela internet, ouvi dizer que chegando lá em Corumbá é necessário pegar um “permiso” na Polícia Federal brasileira e boliviana, e que este procedimento é um caos. Portanto, tenho medo de comprar a passagem de trem pela internet, chegar lá e não conseguir embarcar por problemas neste permiso. Você saberia me orientar?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Debora.

      Pelo que sei, este ‘permisso’ é a imigração, o procedimento de entrada e saída nos países, que é normal em qualquer fronteira.
      Basta se programar para não chegar em cima da hora que dá certo.

      Um abraço.

      Responder
  22. everton

    oi, estou saindo de curitiba nesta sexta, 15 de setembro, pra fazer essa trip do trem da morte… todas essas informações vão ser muito uteis, porem queria saber quanto tempo durou, quanto vc gastou, e se tem algum roteiro que eu possa entrar na Bolivia e sair no paraguai.. outra coisinha, é necessário barraca ou compensa mais dormir em hotéis ? muito obrigado, aguardo sua resposta. 😀

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Everton.

      Desculpe a demora em responder.

      Não entendi muito bem suas perguntas. Você quer saber quanto tempo durou a viagem de trem ou a minha viagem ao país? Eu fui duas vezes à Bolívia e fiz roteiros bem diferentes.

      Nas duas vezes, fiquei cerca de 10 dias. Não saberia lhe dizer quanto gastei.

      Um abraço.

      Responder
  23. Paula

    Quantos dias são necessários para pegar o trem da morte na Bolívia até Santa Cruz de La Sierra, atravessar toda a Bolívia até Machu Pichu no Peru. Ficando um pouco em cada cidade?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Paula.

      Difícil sua pergunta, hein!
      Você pode fazer isso em 15 dias, mas também em 30. Depende do quanto você quer ficar em cada cidade.
      De Santa Cruz, você pode seguir até Chochabamba, La Paz, Copacabana, atravessar a fronteiro para o Peru em Puno e subir até Cusco/Machu Picchu.

      Um abraço e boa aventura.

      Responder
  24. Thiago Duarte

    Lembrando que esse Trem Mixto fora desativado,eu já suspeitava algum tempo e perguntei a um funcionário que me confirmou a informação, só há saídas do Expresso Oriental e Ferrobus em dias alternados,eu percebi que nas férias e festividades o Expresso Oriental sai extremamente cheio, creio que para suprir ausência do mixto ele faça viagens extras nesse trajeto,pois vi ele voltando a fronteira em um dia em que não funciona,e a fila no terminal bimodal de Santa Cruz para o embarque ao Expresso Oriental era absurda de imensa.

    Responder
  25. Thiago Duarte

    Muito bacana as postagens sobre a Bolívia,moro em Corumbá e já fui 4 vezes a Santa Cruz de La Sierra,quanto a questão do roubo e insegurança nunca aconteceu nada comigo,pra mim sempre foi muito tranquilo viajar pra lá.Sempre fui de ônibus,o conforto é extremo por um preço extremamente barato, fui de trem na última vez que estive lá na classe super pulmam e foi incrível a viagem,recomendo.(Eu paguei 70 Bo em junho, acredito que nas férias seja 100 bo pois os preços de tudo sobem em julho,dezembro e janeiro).Em julho irei a La Paz e Copacabana, meu sonho é conhecer esta outra Bolívia!

    Responder
  26. Adriana

    Olá, Moulin!
    Farei o caminho inverso, de Santa Cruz a Puerto Quijarro. E pra chegar em Corumbá é tranquilo?

    Responder
  27. MANOEL MESSIAS DOS SANTOS

    BOM DIA
    Chegando Corumbá no Mato Grosso do Sul essa cidade é fronteira com Puerto Quijarro ou seja não precisa pegar nenhum ônibus p chegar.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Manoel.

      Quem chega a Corumbá vai precisar pegar uma condução até o terminal de trens, no lado boliviano.

      Um abraço.

      Responder
  28. Tiago Batista

    Parabéns pelo ótimo relato! pretendo ir em julho e foi de uma ajuda imensa! obrigado e boas viagens!

    Responder
    • Altier Moulin

      Aproveite, Tiago.

      Responder
    • dayanna rodriguez

      olá, eu estou planejando fazer esse rota, mas tenho bem pouca informaçao, so queria saber se vc já foi e poderia me passar mais informaçao sobre esta viagem, estarei muito agradecida.

      Responder
  29. Juliana Rios (Juny)

    Muito interessante o relato, vai ajudar muitos viajantes que querem fazer essa rota.
    E que tenso essa história do pessoal que comprou a passagem falsa com o cambista e teve os passaportes apreendidos.

    Responder
    • Altier Moulin

      Obrigado, Juliana. 😉

      Responder
  30. Gisele Prosdocimi

    O trem da morte me pareceu uma aventura bem interessante, realmente típica de mochileiro, mas eu até toparia para conhecer mais alguns destinos. Aprovado, com ressalvas!!!

    Responder
    • Altier Moulin

      Também acho interessante complementar o roteiro, Gisele. 😉

      Responder
  31. CAMILA PEREIRA

    Excelente relato! Sempre tive curiosidade de saber como era viajar nesse trem e quais eram os preços do bilhetes.
    Adorei a dica para ficarmos de olho nas passagens falsas. Eita que a pilantragem é fogo, né?

    Responder
    • Altier Moulin

      Isso é muito sério, Camila. Temos que ser espertos. 😉

      Um abraço.

      Responder
  32. Gisele Rocha

    Muito completo o seu post, Altier. Imagino o trabalhão que deu para escrever.
    Esse lance de gente que entra no bagageiro rola no Peru tbm, é tenso. Sempre que possível, viajo com o meu mochilão perto de mim.

    Responder
    • Altier Moulin

      Essa região é mesmo ‘tenebrosa’, Gisele. Por isso é bom ficar esperto.
      Mas, claro, são países apaixonantes.

      Um abraço.

      Responder
  33. nana

    Que legal!! eu quando fui nao tive coragem!

    Responder
    • Altier Moulin

      Deixa pra próxima, Nana. 😉

      Responder
  34. Fábio Mendes

    Adorei o relato. Essa ferrovia está no imaginário de muitos viajantes! Lembro de quando o ramal brasileiro de passageiros, ainda no Estado de SP, foi desativado. Mas ainda quero fazer essa viagem. Abraços!

    Responder
    • Altier Moulin

      É realmente uma experiência incrível, Fábio. Ninguém se esquece.

      Um abraço.

      Responder
    • ALESSANDRA SILVA DOS SANTOS

      Olá,Adorei seu Blog e suas experiências
      Pretendo pegar este trem oriente Expresso en julho,mas estou um pouco perdida como Posso fazer .Vou até Corumbá e depois de lá tenho que pegar taxi para chegar até a estação de trem?

      Responder
      • Altier Moulin

        Exatamente, Alessandra.
        Um abraço!

        Responder
      • Eloá Miranda

        Oi Alessandra!

        Também pretendo fazer essa viagem, só que em agosto. Você irá com um grupo?
        Vi em um comentário em um vídeo que não tem mais trem, não sei se é verdade

        Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10