Viagem pós-pandemia: quando será seguro e possível viajar?

16

Atualizado em 5 de julho de 2020

Viagem pós-pandemia

Quem ainda não pensou na primeira viagem pós-pandemia, que atire a primeira pedra. Depois de alguns meses trancados em casa, vivendo de saudosismo e de postar #tbt, não é feio assumir que estamos ansiosos para voltar a viajar. Mas, quando isso será possível?

O que todo mundo quer saber neste momento é quando a pandemia de Convid-19 vai acabar. A doença mudou os hábitos do mundo inteiro e está impedindo milhões de viajantes de saírem de casa.

Claro que a gente entende que as medidas orientadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) são extremamente necessárias, e que agora é hora de ficar em casa. Afinal de contas, foram as viagens que ajudaram a espalhar o vírus ao redor do mundo e, portanto, suspender a circulação de pessoas é uma decisão óbvia para tentar conter o avanço da doença.

É hora de voltar?

No Brasil, já são mais de três meses de aeroportos vazios, hotéis fechados e atrações turísticas abandonadas.

Aos poucos, vemos tentativas de retomar as atividades econômicas – comércio e serviços, principalmente – mas, não são raros os casos de retrocesso. Isso aconteceu em Belo Horizonte, que voltou a fechar o comércio devido ao aumento dos casos de Covid-19.

Em alguns países a quarentena até funcionou bem, mas ainda é cedo para dizer que um território está livre da doença. Como é o caso da, Nova Zelândia que segue registrado novos casos, mesmo depois de afirmar ter zerado as infecções por coronavírus e retomado à normalidade, no começo de junho.

Com isso você já consegue imaginar que qualquer viagem pós-pandemia não será como antes, certo?

Eu vou explicar melhor algumas mudanças já anunciadas e quais impactos elas terão na nossa vida e no nosso bolso.

Viagem pós-pandemia

Preços das passagens aéreas

As companhias aéreas foram grandemente afetadas pela suspensão das viagens, chegando a cancelar 90% de seus voos em alguns aeroportos. Sem um horizonte de recuperação, as aéreas já anunciaram prejuízo superior a R$ 200 bilhões no segundo trimestre.

Isso significa que, além de terem que renegociar dívidas, cortar custos e reduzir equipes, as empresas aéreas precisaram se adequar aos novos protocolos de viagem pós-pandemia.

No mundo corporativo, qualquer mudança ou ajuste requer investimentos e isso vai desde a compra dos EPIs (equipamentos de proteção individual), como álcool em gel e máscaras, por exemplo, até o treinamento de funcionários em todos os níveis de atendimento: nos escritórios, nos aeroportos e nas aeronaves.

Se há impacto financeiro, as empresas precisam recuperar isso de alguma forma, certo? O Governo chegou a anunciar que vai virar sócio de empresas aéreas para ajudar na crise do coronavírus, mas é inevitável que esse rombo não tenha reflexos no nosso bolso.

Então, um dos impactos imediatos que iremos sentir será o aumento no preço das passagens, tanto aqui no Brasil, quanto para o exterior. Isso se dará, também, porque o número de voos seguirá reduzido por um tempo que ninguém sabe quanto vai durar. Com pouca oferta, o mercado reage elevando os preços.

Dólar e euro nas alturas

Quem prefere viajar para o exterior tem outro grande problema: a alta absurda do dólar e do euro. No exato momento que escrevo este artigo, a moeda americana custa R$ 5,31. A cotação mais alta registrada na pandemia foi de R$ 5,83.

Infelizmente, as notícias de recuperação do real não são positivas.

Viagem pós-pandemia: dólar

É que a nossa moeda já vinha tendo um desempenho fraco no mercado internacional e isso se agravou com a pandemia: o real é a segunda moeda que mais perdeu valor neste ano. O nosso desempenho só não é pior que o bolívar, da Venezuela.

Então, é melhor se acostumar com dólar e euro nas alturas, porque dificilmente veremos cotações abaixo dos R$ 4 – que eu já acho caríssimo.

Pacotes muito baratos

Algumas empresas têm lançado pacotes e passagens aéreas com preços realmente muito tentadores. São viagens para destinos caros como Japão, Aruba e Las Vegas, por exemplo, anunciadas para 2021 com pagamento parcelado em parcelas fixas.

Anúncios que a gente não via quando a economia estava mais forte, quando não havia uma crise sanitária e econômica instalada, resolveram encher nossas redes sociais da noite para o dia.

Eu não seria leviano em afirmar qualquer coisa sobre as empresas envolvidas nessas promoções. O meu alerta é no sentido de lhe fazer entender que viagem é um investimento. E, em muitos casos, pode ser um investimento de risco.

De hoje para amanhã uma companhia aérea pode parar de voar, o hotel pode fechar as portas, o destino pode passar a exigir visto ou outro documento que antes não era necessário. Enfim, há inúmeros riscos que você deve administrar, mas o maior deles é entender como a pandemia vai se comportar nos próximos meses.

Eu, com toda sinceridade, não planejaria nada sem ter segurança, e, nesse caso, a maior segurança que podemos ter é a vacina contra o novo coronavírus, anunciada com entusiamo para o começo de 2021.

Hotéis e atrações turísticas

Muitas mudanças ainda devem ser anunciadas nos próximos meses, mas o que já sabemos é que hotéis vão operar com capacidade reduzida por um bom tempo. Isso será necessário para manter o distanciamento social.

Outras mudanças já foram anunciadas na limpeza dos quartos, dos ambientes comuns, na cozinha e até no uso da piscina, por exemplo.

Parques, monumentos, museus e outras atrações turísticas devem criar seus protocolos de acordo com as orientações da OMS, mas o que já vemos é a necessidade de agendamento antecipado pela internet – o que acaba com as filas gigantescas, muito comuns em lugares mais famosos e, provavelmente, com a superlotação de áreas de interessa ambiental.

Neste aspecto, as mudanças deverão ser muito positivas, mas ainda é cedo para afirmar qualquer coisa, já que cada país deve seguir uma tendência mais ou menos flexibilizada.

Viagem pós-pandemia

Fronteiras fechadas

Outra situação chata, mas que será nossa realidade por um bom tempo é o fechamento das fronteiras para brasileiros.

Como o Brasil é um dos países que mais registra casos de Covid-19, e, pelo que tudo indica, a situação ainda está longe de ser controlada, muitos países já declararam que não vão permitir a entrada de brasileiros até que isso se reverta.

Isso já foi oficialmente anunciado pelos países da União Europeia, pelos Estados Unidos e até por vizinhos aqui da América do Sul.

Viagem pós-pandemia é no Brasil

A solução, então é priorizar viagens dentro do Brasil e, neste ponto, a gente não pode reclamar, porque nosso país é rico, lindo e ainda muito pouco explorado turisticamente.

Veja algumas ideias para sua viagem pós-pandemia:

  • Fazer roteiros curtos dentro do estado onde mora;
  • Viajar de carro para conhecer as capitais e seus arredores;
  • Viajar de ônibus para economizar na passagem – viagens noturnas são ótimas;
  • Aproveitar as diferenças climáticas para curtir as praias do Nordeste;
  • Descobrir um pouco mais da História do Brasil visitando cidades antigas;
  • Desbravar a riqueza natural do Centro-Oeste e do Norte;
  • Conhecer povos tradicionais e se enriquecer da cultura do seu país;
  • Aproveitar destinos de luxo no Brasil – quem disse que só tem no exterior?
  • Traçar a meta de visitar todos os estados brasileiros e o Distrito Federal.

Viu como nem tudo está perdido? O que a gente precisa agora é estar bem, saudável e aproveitar para planejar as próximas viagens. Que serão muitas.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um viajante apaixonado pelas coisas desse mundo. Um jornalista que adora contar boas histórias e compartilhar informações de viagem. Meu propósito de vida é ajudar outras pessoas a conhecerem lugares novos e a viverem experiências inesquecíveis.

16 Comentários

  1. Avatar

    No momento acho que o melhor a fazer pra não correr rico de vida e colocar vidas em risco é ficar quieto em casa. Até aqui no Brasil, fica sem sentido. Viajar sem poder ter segurança que não vai se contaminar, é uma aventura sem muitos atrativos.
    Entendo e imagino que quem depende de viajar e tbm para o setor hoteleiro a situação e muito difícil.
    Rezo para que descubram um medicamento que combata essa doença pra já!
    Vaipassar…🙏

    • Altier Moulin

      Você está certíssima, Nikki.
      Agora devemos nos cuidar e cuidar para que todos se recuperem logo.
      Depois a gente viaja, né?

      Um abraço.

  2. Avatar

    oi, você tem alguma notícia referente a entrada de Brasileiro na Ásia? Estava com um programação de viajar final do ano para a Tailândia… 🙁

    • Altier Moulin

      Oi, Thays.

      A Tailândia está com restrições para turistas até dia 31 de agosto, mas esse período de ‘quarentena’ pode ser ampliado.
      Uma informação importante é que o país já está exigindo um laudo médico atestando que o viajante esteja negativo para COVID.
      Esse exame deve ter sido feito 72 horas antes da partida.
      O seguro viagem também passou a ser obrigatório.
      Mas, claro, nada é definitivo, porque as regras vão mudando de acordo com a pandemia.

      Neste post tem um mapa com as informações de cada país:
      https://www.penaestrada.blog.br/mapa-de-viagens-pos-pandemia-veja-as-restricoes-de-cada-pais/

      Um abraço.

  3. Avatar

    Oi Altier!
    Será um bom momento para redescobrir o Brasil para fazer turismo. Valorizar as paisagens e cidades brasileiras pode ser um passo para resgatar a confiança do país. Creio que a escolha por destinos considerados “imperdíveis” principalmente os de fora do país seja completamente repensado. As viagens no pós pandemia irão adquirir um novo sentido e a escolha para um destino será por aquilo que realmente traga experiências e não apenas viajar por viajar.

    • Altier Moulin

      Concordo com você, Alexssander.

      De certa forma, vamos dar outro valor ao ato de viajar. Nossas escolhas não serão como antes e certas posturas e atitudes não serão mais aceitas ou vistas com “bons olhos”. No fim de tudo isso teremos aprendido uma grande lição.

      Um abraço!

  4. Avatar

    Artigo nota 1000 Altier! Concordo muito quando você fala de conhecermos mais as belezas e riquezas culturais que nosso Brasil nos oferece! Já estou planejando uma ida a chapada Diamantina, Jalapão e lençóis Maranhenses! A vontade de ir pra fora é grande mas além de inviável, seja financeiramente ou por condições de bloqueios de fronteiras, tá mais do que na hora de desbravar ainda mais nosso país!

    • Altier Moulin

      Obrigado, Verzeletti.

      Temos a grande chance de nos voltar para nosso país e de conhecer tanta coisa boa. Olha só os exemplos que você deu. São demais!

      Viagem pra fora vai ter que esperar. 🙂

      Um abraço!

  5. Avatar

    As vezes bate uma falta de juízo no cabeção e ficamos com vontade de sair comprando tudo que tem de pacote com preço baixo por aí… mas, lembramos de suas dicas e mantemos os pés bem firmes no chão rsrs Excelente conteúdo meu amigo! #acabalogocovid ☹️

    • Altier Moulin

      Oi, Maagnos.

      É preciso ter cautela. A vontade é comprar todos e passo o próximo ano viajando é grande. Heheh Mas muita água ainda vai rolar…

      Um abraço.

  6. Avatar

    Que material excelente! Parabéns pelo conteúdo objetivo e coerente.
    Espero que possamos vislumbrar melhorias em um tempo não tão distante. E que possamos aproveitar as oportunidades de sobreviver nesse momento e no pós.
    E que venham muitas viagens!

    • Altier Moulin

      Obrigado, Josafá!

      Acho que as coisas começam a melhorar daqui pra frente, mas é preciso manter as medidas de prevenção. Vai dar tudo certo.

      Um abraço.

  7. Avatar

    Com tudo que está acontecendo em todo o mundo por conta desta pandemia mundial do Covid-19, acredito que estamos loucos para coloca o pé fora de casa e sair por aí livre sem rumo quando tudo isso estiver acabado.

    • Altier Moulin

      Oi, Edibergue.

      O mais importante é entender o momento que estamos vivendo. Tudo vai se ajeitando com o tempo.

      É o que esperamos. 🙂

      Um abraço.

Escreva um comentário