Memória Negra de Vitória: 10 lugares que falam de resistência e orgulho

0

Atualizado em 5 de setembro de 2021

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Iemanjá

Um passeio rápido pelas ruas da capital capixaba pode revelar muita coisa sobre a memória negra de Vitória: a gente consegue visitar vários lugares que, ainda hoje, nos falam de resistência e orgulho.

Os primeiros registros da presença do negro africano no Espírito Santo datam de 1540, quando o  trabalho escravo  era o que movimentava as plantações de cana de açúcar.

Mas, foi depois de 1621 que a capitania hereditária do Espírito Santo começou a fazer a compra direta de negros escravizados.

De lá para cá muita coisa mudou. Conquistas importantes aconteceram – ainda que tardias – e devem ser celebradas, mas ainda há muito o que dizer – e principalmente, a ouvir.

Quer um exemplo claro disso? Há algum tempo, eu estava caminhando pelo Centro de Vitória e vi um cartaz. Era apenas uma imagem, sem nenhuma palavra, mas ela me disse muita coisa. A imagem era essa:

Eu confesso que depois disso eu comecei a olhar as ruas da minha cidade de uma forma diferente e – falando a verdade – eu aprendi muito com isso.

Então, eu selecionei alguns monumentos, pontos de interesse e prédios históricos que representam a memória negra de Vitória. Sempre que descobrir lugares novos, vou atualizando a lista e, se você tiver alguma dica, fique à vontade para deixar sua sugestão nos comentários.

Roteiro da Memória Negra de Vitória

Estes são os lugares que considero importantes  para saber mais sobre a memória negra de Vitória – e no Espírito Santo de forma mais ampla.

  1. Museu Capixaba do Negro
  2. Ladeira do Pelourinho
  3. Igreja do Rosário
  4. Monumento à Dona Domingas
  5. Píer de Iemanjá
  6. Vila Rubim
  7. Monumento Guerreiro Zulu
  8. Festas de Congo
  9. Bares do Nei e da Zilda
  10. Escolas de Samba

Esses lugares, que eu também destaquei no mapa abaixo, são um pouco do movimento de resistência do povo preto, que  precisa de mais espaços  para repetir, repetir e repetir sua história para que todos nós a aprendamos.

Museu Capixaba do Negro

No Centro de Vitória, pertinho do Parque Moscoso, fica o Museu Capixaba do Negro Verônica da Pas – Mucane.

Ele conta a história da cultura negra no Estado por meio de exibições fotográficas, exposições de obras de arte, apresentações culturais, lançamentos de livros, rodas de estudo, cursos e aulas temáticas.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Mucane

O Mucane funciona em um casarão antigo com mais de 700 metros quadrados, que foi totalmente restaurado. A estrutura é muito boa: tem auditório, biblioteca, área para eventos e mezaninos e um anexo construído mais recentemente.

É um lugar movimentado o ano todo, com várias atividades super importantes e a maioria é gratuita. Eu já fiz alguns cursos lá e achei muito interessante.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Mucane

O Mucane fica na Avenida República, 121, Centro Histórico. As visitas podem ser feitas de terça a sexta, das 12h às 19h.

↑ Voltar à lista

Ladeira do Pelourinho

Pouco falada nos livros de História, a Ladeira do Pelourinho ligava a Cidade Alta, onde hoje está o Centro Histórico, à parte baixa, próxima ao mar.

É importante lembrar que o termo pelourinho se refere a uma coluna de pedra que, geralmente, ficava no centro de uma praça onde escravos fugitivos ou desobedientes eram castigados.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Escadaria Maria Ortiz

No processo de modernização da cidade a Praça do Pelourinho desapareceu – como acontece em muitas cidades brasileiras – e a ladeira que dava acesso a ela foi transformada na Escadaria Maria Ortiz, em homenagem à heroína capixaba que protegeu a cidade dos holandeses invasores.

Dizem que do alto de seu sobrado, ela avistou os invasores que subiam pela ladeira do pelourinho e começou a lançar, sobre eles, paus, pedras, água fervendo, e incentivou seus vizinhos a fazerem o mesmo.

Coagidos, os holandeses voltaram para os barcos e desistiram de entrar em Vitória.

↑ Voltar à lista

Igreja Nossa Senhora do Rosário

Essa Igreja foi erguida em apenas dois anos pelos membros da Irmandade Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e para chegar até ela é preciso vencer uma extensa escadaria que tem vista para a baía de Vitória – só que a igreja fica bem escondida, quase imperceptível.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Igreja do Rosário

Muito mais do que um templo religioso, este prédio tem uma  importante relação com a luta pelo fim da escravidão em terras capixabas. 

Um símbolo disso é a Casa de Leilão, construída ao lado da igreja, onde os membros da Irmandade arrecadavam dinheiro para comprar a liberdade de negros escravizados.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Igreja do Rosário

No interior do prédio, tem um pequeno museu com peças da época que reconta um pouco mais da memória negra de Vitória.

A igreja tem ainda ossuários nos seus corredores e um cemitério na lateral. Até hoje, a procissão de São Benedito é seu evento mais importante.

↑ Voltar à lista

Monumento à Dona Domingas

Esse curioso monumento retrata Dona Domingas, mulher negra que andava pelas ruas de Vitória catando papel. Domingas tinha baixa estatura e as costas curvadas pelo peso que carregava, mas não se desgrudava de seu cajado, que servia com bengala para as pernas enfraquecidas.

A escultura foi feita pelo artista italiano Carlo Crepaz, que morava na mesma região que Domingas, no bairro Santo Antônio. Ele percebeu na vizinha algo peculiar e, então, se dedicou a reproduzi-la.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Dona Domingas

Inaugurado na década de 1970, Domingas foi imortalizada no monumento que  homenageia o trabalhador negro.  A escultura fica a poucos metros do Palácio Anchieta, principal prédio do governo do Espírito Santo.

Muitos  nem percebem a presença de Domingas  em meio à grandiosidade da escadaria, do Palácio e do Porto de Vitória, que fica de frente, mas eu acho isso muito simbólico: quantos invisíveis estão por nossas ruas e a gente não se dá conta?

↑ Voltar à lista

Píer de Iemanjá

Como símbolo da luta pela liberdade religiosa, este lugar resistiu à intolerância e ao preconceito, mostrando que é possível e preciso respeitar todas as crenças e culturas. 

A escultura de Iemanjá tem 3,60 metros e foi encomendada pelo prefeito de Vitória na época, Hermes Laranja, com o objetivo de homenagear os praticantes dos cultos afro-brasileiros no Estado.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Iemanjá

A escultura foi feita pelo artista grego Iannis Zavoudakis e levou dois meses para ficar pronta. Mas, na época da sua inauguração, a Igreja Católica foi contrária.

Houve muita polêmica em torno do assunto, a discussão rendeu e até tentaram impedir a inauguração judicialmente. Mas isso não andou e a estátua, que já estava pronta desde o final de 1987, teve que ficar guardadinha até que o prefeito decidisse fazer a inauguração da imagem, no dia de Iemanjá, 02 de fevereiro do ano seguinte.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Iemanjá

A festa foi grande e manifestantes das religiões de matriz africana celebraram a conquista e a beleza da imagem, mãe dos orixás.

É possível fazer uma escultura e perpetuar no tempo. Eu acreditei nisso. Acredito que ela representa a resistência dos afro-brasileiros que não deixaram aquilo cair aos pedaços, como muitos tinham acreditado e estão lutando”, disse o artista em entrevista na época do lançamento.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Iemanjá

Durante muitos anos,  a imagem de Iemanjá foi depredada e pichada,  mas há muito tempo que isso não acontece.

Apesar de não ter nenhum vínculo com as religiões afro, é um lugar de Vitória que me conecta, me emociona e me faz acreditar que a tolerância e a liberdade sempre vencerão.

O píer é um lugar lindo, especialmente nas luzes do pôr do sol. Além dos turistas, há vários frequentadores assíduos, pescadores de conversa boa, riso fácil e cheios de histórias interessantes.

↑ Voltar à lista

Vila Rubim

A Vila Rubim é um comércio popular de Vitória. Hoje, essa parte é menos valorizada, mas já foi o principal comércio entre Vitória e Vila Velha, quando a ligação das duas cidades era feita exclusivamente pelas Cinco Pontes – Ponte Florentino Avidos, oficialmente.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Vila Rubim

Peixes, carnes, hortaliças, cestos, peças de couro, panelas e equipamentos para os trabalhadores da área rural: era – e ainda é – fácil encontrar de tudo na Vila Rubim.

E isso incluía os produtos usados nos rituais das religiões de matriz africana: muitas lojas era especializadas em produtos para oferendas aos orixás e objetos de culto, como velas, estátuas, guias e patuás.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Vila Rubim

Ainda hoje, algumas lojas mantém essa tradição, fazendo da Vila Rubim um lugar super interessante do roteiro de memória negra de Vitória.

↑ Voltar à lista

Monumento Guerreiro Zulu

Em 2006, uma das principais avenidas da cidade ganhou um monumento à comunidade negra, o Guerreiro Zulu.

Representando uma casaca, instrumento musical típico do Congo, o monumento de Ireneu Ribeiro é um reconhecimento à importante contribuição do povo afrodescendente em favor do desenvolvimento e da cultura capixabas.

O Guerreiro Zulu tem cerca de sete metros e fica na calçada da Assembleia Legislativa do Espírito Santo, de frente para o principal shopping da cidade, o Shopping Vitória.

↑ Voltar à lista

Festas de Congo para São Benedito

A Festa de São Benedito faz parte do calendário oficial de Vitória e é um dos grandes momentos do roteiro da memória negra de Vitória.

Ela começou a ser celebrada no iniciou no século 16 em reuniões de negros africanos, cristãos novos e escravizados no pátio da Igreja e Convento de São Francisco, no Morro da Piedade, em torno de Nossa Senhora do Rosário e do Menino Jesus.

É uma festa que  mistura aspectos de diversas crenças  com manifestações culturais riquíssimas, como o Congo, a realização de missas e procissões em devoção ao santo negro.

Memória Negra de Vitória, Espírito Santo: Congo

Festas nos bairros

Em Santa Martha, a festa acontece em três momentos. Começa com Cortada do Mastro, no dia 8 de dezembro, e segue no dia 24, véspera de Natal, quando acontece a Procissão de São Benedito, com concentração na Igreja Católica de Santa Martha.

No dia 25, é a vez da Puxada e Fincada do Mastro, com concentração na casa do Mestre Ricardo Sales e participação da banda de congo Amores da Lua.

Em Goiabeiras, a programação começa por volta do dia 12 de dezembro, com a Cortada do Mastro. Já os festejos da Puxada do Mastro acontecem no dia 25, com concentração na praça Treze de Maio e cortejo da banda Panela de Barro.

Na Fonte Grande, as comemorações de São Benedito começaram no dia 12 de dezembro.

Os festejos continuam no dia 27, quando acontece a Procissão de São Benedito, com concentração na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Centro Histórico, com caminhada até a Catedral Metropolitana e congada da banda Vira Mundo.

↑ Voltar à lista

Bares do Nei e da Zilda

Estes dois bares super tradicionais no Centro de Vitória são famosos pelas rodas de samba, som que veio dos antigos batuques trazidos pelos africanos feitos escravos no Brasil.

O Bar da Zilda faz feijoadas com roda de samba aos sábados.

↑ Voltar à lista

Escolas de Samba

Vitória tem, pelo menos, dez escolas de samba. Crescendo a cada ano em qualidade, número de alegorias e de agremiados, elas fazem bonito no Sambão do Povo, o sambódromo de Vitória.

Os desfiles acontecem uma semana antes do Carnaval oficial, na sexta e sábado, e é sensacional.

 Eu já desfilei várias vezes e se você conseguir programar sua viagem para esta data, vale a pena comprar uma fantasia e cair na avenida.

A Lieage reúne todas as escolas do grupo especial e você pode acompanhar as publicações para saber quando acontecem os ensaios e os desfiles. Também é possível agendar visitas para conhecer os galpões e as comunidades.

↑ Voltar à lista

Coletivos da Cultura Negra

Há várias iniciativas super interessantes de resistência e de preservação da memória negra de Vitória.

Entre os mais influentes eu destaco o Instituto das Pretas e o Núcleo Afro Odomodê. Tem também o Instituto Elium, do respeitado professor Cleber Maciel, autor do livro Negros no Espírito Santo.

Outras Cidades

Além da Capital, outras cidades capixabas têm comunidades, monumentos e pontos de memória importantes para população afro-brasileira.

Quilombolas de São Mateus

No Norte, especialmente nas cidades de São Mateus, há várias comunidades quilombolas.

Entre elas, eu destaco Divino Espírito Santo e Sapê do Norte, que tentam preservar as tradições africanas enquanto lutam para não perder seu território.

Uma iguaria produzidas pelos descendentes de quilombolas é o biju de mandioca.

São José do Queimado

Na cidade de Serra, na região Metropolitana, a Igreja de São José do Queimado guarda as marcas da maior e mais importante revolta de negros escravizados do Espírito Santo.

Liderados por Elisiário, Chico Prego e outros escravos, a Insurreição de Queimados exigia a alforria dos negros do vilarejo e, sem espaço para o diálogo, a revolta foi grande e terminou com a igreja incendiada.

Os negros rebelados foram presos, julgados e cinco foram condenados à morte. Chico Prego foi capturado e enforcado no dia 11 de janeiro de 1850. Elisiário escapou e se refugiou nas matas do  Mestre Álvaro e nunca foi recapturado. Por isso, é comum se referir a ele como Zumbi de Queimados.

Quilombolas de Santa Leopoldina

A Comunidade Quilombola de Retiro, em Santa Leopoldina, tem cerca de 300 pessoas, todos descendentes do senhor Benvindo Pereira dos Anjos, fundador da comunidade e que busca manter suas raízes.

Em uma visita à comunidade é possível conhecer a cultura quilombola, através da história de luta contada pelos mais velhos, seu modo de vida, suas casas simples, a banda de congo, o artesanato e muito mais.

Onde ficar em Vitória

Eu sou capixaba. Nasci e moro no Espírito Santo e, por isso, sei muito bem quais as melhores áreas para se hospedar na minha cidade do coração.

Para começar, tenha em mente que Vitória é uma capital pequena, quando comparada com outras do Sudeste.

→ Onde ficar em Vitória

Vitória é pequena e muito bem cuidada. Na parte mais nobre da cidade, há muitas opções de hospedagem com um custo-benefício interessante.

Como tudo é perto, dá para usar o transporte público, pedir um Uber, alugar uma bicicleta e até fazer bastante coisas a pé mesmo.

Estas são as áreas mais interessantes para ficar em Vitória.

  • Praia do Canto, fica na área nobre e é muito bem localizado;
  • Jardim da Penha, bairro universitário e perto da principal praia;
  • Jardim Camburi, perto do aeroporto e mais barato;
  • Enseada do Suá, área comercial com pouca movimentação à noite;
  • Reta da Penha, uma das principais avenidas da cidade.

Na minha opinião, os melhores bairros são Praia do Canto e Jardim da Penha. Veja algumas opções que eu considero interessantes nessas áreas

IBIS PRAIA DE CAMBURI

O padrão básico desta rede internacional acaba sendo uma ótima opção, porque a gente não tem surpresas. O Ibis Praia de Camburi fica de frente para a Praia de Camburi, uma área realmente muito boa.

Onde ficar em Vitória

Há restaurantes há poucos metros e muitas opções para quem quer usar o transporte público. Os quartos são básicos, confortáveis e bem resolvidos. Mas, o ponto forte do hotel é a localização – e o preço, claro.

BOURBON VITÓRIA HOTEL

O Bourbon Vitória Hotel tem um estilo que eles chamam de residence, já que muitas unidades parecem mesmo apartamentos completos. O hotel fica perto de tudo e também tem um custo-benefício muito interessante.

O grande barato é que os quartos da frente têm uma varanda muito legal com uma vista incrível da Praia de Camburi.

BRISTOL ALAMEDA VITÓRIA

De frente para a Praia de Camburi, o Bristol Alameda Vitória é perfeito para quem já quer acordar e curtir a orla, caminhar até o Píer de Iemanjá ou alugar uma bicicleta para pedalar pela cidade.

Os quartos são bem confortáveis e a área da piscina é boa para relaxar no fim do dia. A localização é realmente muito boa, perto de tudo: praia, comércios, bancos e aeroporto.

IBIS PRAIA DO CANTO

Com padrão já bem conhecido, o Ibis Praia do Canto é uma ótima opção para se hospedar em Vitória. Fazendo jus ao nome da rede, este hotel tem tudo que você precisa e não cobra um fortuna por isso.

Onde ficar em Vitória

Os quartos são modernos e depois de uma caminhada de dez minutos, você coloca os pés na Praia de Camburi. O Triângulo das Bermudas fica praticamente na esquina.

Onde ficar em Vitória

BRISTOL EASY HOTEL

Nesta unidade do Bristol Easy Hotel os quartos são básicos, com televisão, internet e ar condicionado – o essencial. Ele fica a apenas alguns metros da Rua da Lama e do Parque Pedra da Cebola, um ótimo lugar para relaxar e ficar perto da natureza.

Onde ficar em Vitória

A Ponte da Passagem fica, praticamente, de frente para hotel. O café da manhã é muito elogiado.

Onde ficar em Vitória

IBIS BUDGET VITÓRIA

O Ibis Budget Vitória é mais uma opção para se hospedar na cidade com a rede Ibis. Esta unidade, que está em uma das principais avenidas da capital, garante conforto e comodidade a preços justos.

Onde ficar em Vitória

Nesta área, você estará próximo de um centro comercial e do Triângulo das Bermudas. É fácil usar o transporte público.

RECOMENDAÇÕES DE VIAGEM - COVID-19

Devido à pandemia de Covid-19, novas medidas de saúde e segurança foram adotadas. Elas são importantes para evitar o contágio, protegendo você, quem trabalha diretamente com o turismo e as comunidades locais.

Antes de viajar, verifique a situação do seu destino para não encontrar atrativos fechados e, claro, não colocar a sua vida e a de seus familiares em risco.

Veja algumas medidas adotadas:

  • Álcool gel disponível nos quartos e nas áreas comuns;
  • Uso obrigatório de máscaras nas áreas comuns;
  • Respeito às regras de distanciamento físico;
  • Uso de produtos de limpeza eficazes contra o coronavírus;
  • Café da manhã pode ser servido no quarto.

Veja mais dicas do Espírito Santo

Viu como há muitos lugares importantes para a memória negra de Vitória? Se tiver alguma dúvida, é só deixar nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @penaestrada. Agora, veja outras dicas do Espírito Santo.

SOBRE O AUTOR

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

Escreva um comentário