Viagem de ônibus para o Peru: informações e relato de viajantes

69

Atualizado em 17 de junho de 2022

Como é viajar de ônibus para o Peru

Há algum tempo, havia uma alternativa bastante econômica para quem quisesse conhecer Machu Picchu e outras cidades peruanas: viajar de ônibus para o Peru.

Só que, infelizmente, a viagem que começava em São Paulo e terminava em Lima, passando por várias capitais brasileiras – como Porto Velho e Rio Branco – e tantos cartões-postais peruanos, como os que ficam nos arredores de Cusco,  já não é mais possível por uma questão burocrática  que ainda parece estar longe de ser resolvida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), quem dá o aval para os ônibus voltarem a rodar.

Mas, antes que você desista de vez de cruzar o Brasil com destino à terra dos incas, eu lhe aconselho a  ler com atenção as informações atualizadas sobre o retorno das viagens. 

Assim, você poderá acompanhar tudo diretamente com a empresa que tem a licença para operar a rota, a Trans Acreana.

Viagem de ônibus para o Peru

Eu conversei com Anderson Nascimento, representante da Trans Acreana, para entender melhor por que as operações da empresa para a rota Brasil-Peru foram suspensas.

Ele me explicou que, desde que a antiga empresa que fazia a rota parou de rodar – primeiro por causa da pandemia e, depois, por questões comerciais –, não existe mais opções de transporte regular de passageiros para cruzar a fronteira peruana de ônibus.

“Desde que a Ormeño parou de operar, nós solicitamos a autorização para fazer a rota Rio de Janeiro-Lima. A autorização foi concedida, nós compramos veículos novos, contratamos profissionais e nos preparamos para começar as viagens, mas elas nunca aconteceram porque há um entrave burocrático que, aparentemente, só pode ser resolvido com um acordo entre os dois países”, explica.

O acordo em questão envolve o seguro obrigatório, que, segundo Nascimento, já foi adquirido pela empresa tanto no Brasil quanto no Peru, mas há um impedimento legal  que determina que a seguradora seja uma empresa brasileira – tanto para as operações no Brasil quanto no Peru.

Só que o grande problema é que, atualmente, não existe uma seguradora brasileira que ofereça esse tipo de serviço. Assim, a solução encontrada pela empresa de Nascimento foi a mesma coisa que nada: a ANTT não aceitou o fato de ter duas empresas em países diferentes.

Sabendo disso, não nos resta outra opção a não ser esperar que tudo se resolva.

A venda de passagens de ônibus para o Peru continua suspensa e, portanto, não há um cronograma de partidas, mas você pode acompanhar a situação de duas formas:

GRUPO DE WHATSAPP

A Trans Acreana tem um grupo de Whatsapp para manter atualizados os viajantes que se interessam pela rota. Lá, você pode fazer perguntas e saber como anda o processo de retorno das viagens.

Para entrar no grupo, você só precisa clicar aqui.

TELEFONE E SITE

O escritório da empresa em Rio Branco disponibiliza um número de telefone para contatos: (68) 9997-77800 – também é Whatsapp.

Outra forma de ter informações e consultar a disponibilidade das passagens é acessando o site da Trans Acreana.

Preços da passagem e tempo de viagem

A viagem completa começa no Rio de Janeiro e termina em Lima. São mais de 100 horas dentro do ônibus, algo entre cinco e seis dias, dependendo das condições das estradas e do clima, por exemplo, – não custa lembrar que em determinadas épocas é preciso ter cuidado dobrado com a neve na Cordilheira dos Andes.

O percurso todo não sai por menos de R$ 1.250.

Saindo de Rio Branco, capital do Acre, a viagem até Lima dura cerca de 40 horas e custa R$ 750.

Relato de quem já fez a viagem

Eu já contei – com a ajuda do viajante Antonio Oliveira Neto – como é chegar a Cusco de carro. Ele partiu de Rio Branco, a capital do Acre, em direção ao Peru. Agora, eu ensino o caminho das pedras para quem quer fazer a viagem de ônibus para o Peru.

Para isso, eu terei a ajuda do Tony Marle, um servidor público apaixonado por viagens.

A viagem começa na Rodoviária Internacional de Rio Branco, de onde partem os ônibus da empresa peruana Ormeño, que opera o trecho de São Paulo a Lima, passando por Rio Branco e Cusco (leia informações atualizadas acima).

O ponto de partida é onde você poderá almoçar e reabastecer o seu estoque de lanche para o resto da viagem, já que a próxima parada, de fato, será apenas em Puerto Maldonado, no Peru.

A partir de Puerto Maldonado, o ônibus só para em Cusco, por volta das 6h do próximo dia. Veja a dica do Tony sobre alimentação nesse trajeto.

“Eu sugiro não comer nada que tenha uma digestão lenta, como uma feijoada, uma dobradinha, por exemplo. Na subida das montanhas andinas isso pode trazer consequências como enjoos e mal-estar. Eu também sugiro que os viajantes levem remédios para dor de cabeça e enjoo”, orienta.

Esses sintomas, que podem evoluir para vômitos, tontura e sonolência, atacam alguns viajantes quando o ônibus alcança os 3.500 metros. Conhecido como mal da altitude, esses incômodos nada mais são do que os reflexos da dificuldade do organismo humano em absorver oxigênio para suprir as suas necessidades.

Embora sejam raros, em condições extremas, esses efeitos podem causar a morte.

→ Como se prevenir do mal de altitude

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz contra o mal de altitude. No entanto, o uso do chá pode ser mais saboroso. O Gravol, que é encontrado facilmente em farmácias peruanas, pode te ajudar a vencer esses sintomas.

Apesar desses probleminhas, o Tony garante que conforto e segurança não faltarão durante a sua viagem.

“Em relação à segurança e ao conforto da viagem, os ônibus são novos e bem confortáveis. As estradas estão totalmente concluídas e com uma qualidade excelente, principalmente a parte peruana. Não tenho notícias de assaltos nem de acidentes recentes com ônibus nesse trajeto”, conta.

Portanto, relaxe e aproveite a paisagem que passa na janela ao seu lado, descrita assim por nosso amigo viajante:

“Eu gosto muito da parte das Cordilheiras e observar que, em poucas horas, podemos passar de uma densa floresta amazônica para um vegetação desértica é deslumbrante. Essas montanhas são gigantes em belezas e em desafios para os viajantes”, nos inspira o Tony.

Outras opções

Em Rio Branco, você também pode pegar um ônibus da Real Norte até a cidade de Assis Brasil, no Acre.

Depois de cruzar a fronteira para Iñanpari, no Peru, tome um táxi até a cidade de Puerto Maldonado para uma viagem que dura em média três horas. Lá, pegue um dos ônibus das várias empresas que fazem o trajeto até Cusco.

O melhor horário de partida é por volta das 19h, assim você chegará ao seu destino final já com o dia claro.

Os ônibus da Real Norte partem diariamente em dois horários, às 6h e às 12h,  a viagem dura em média seis horas. Para o trajeto de volta, de Assis Brasil a Rio Branco, a empresa também oferece dois horários diários, às 6h30 e às 15h30.

As passagens são vendidas somente nas lojas de atendimento da empresa, que pode ser contatada pelo telefone (68) 3224-4293. É altamente recomendado que você compre a sua passagem com antecedência.

Na Rodoviária Internacional de Rio Branco, você também vai encontrar táxis que te levam até Assis Brasil quando todos os lugares do carro estiverem ocupados com quatro pessoas, além do motorista. Caso não encontre companhia para a viagem, não perca tempo, negocie o valor do carro e siga viagem pagando um pouco mais.

Eu preciso registrar que o nosso amigo Tony não indica fazer a viagem com o ônibus da Real Norte. Segundo ele, além de não ser nada confortável, o ônibus para em várias cidades pelo caminho. Já sobre a viagem de táxi, ele afirma ser um bom negócio.

“Eu indico, pois é muito bom e muito confortável”, afirma.

De qualquer forma, cabe a você escolher a melhor opção levando em consideração o seu cronograma e o seu orçamento para a viagem de ônibus para o Peru.

Cruzando a fronteira

A tríplice fronteira – Brasil, Bolívia e Peru – fica na cidade acriana de Assis Brasil e a primeira coisa a fazer é o procedimento de saída do país. Os documentos exigidos são a carteira de identidade – que deve estar em bom estado de conservação e ter menos de dez anos de emitida – ou o passaporte. Isso também vale para crianças e menores de 18 anos.

O Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), expedido pela Anvisa, pode ser exigido para comprovar que você é vacinado contra a febre amarela. A carteira de habilitação e a certidão de nascimento não são válidas como documento de identificação.

→ Como solicitar o certificado de vacinação

INFORMAÇÕES SOBRE COVID-19

Depois que reabriu as fronteiras, o Peru passou a exigir que viajantes brasileiros comprovem estar vacinados contra covid-19 ou que tenham em mãos um teste RT-PCR negativo feito até 24 horas antes da viagem.

Segundo informações de quem cruzou a fronteira pelo Acre, os oficiais da imigração estão exigindo a terceira dose para viajantes acima dos 40 anos. Os demais vacinados devem apresentar o comprovante das duas doses.

Se você não foi vacinado, é muito importante prestar atenção no fato de que dificilmente você conseguirá um teste RT-PCR dentro do prazo exigido, já que nas imediações da fronteira não há muitas opções. Então, é possível que você tenha que pernoitar em Assis Brasil.

Viajar de ônibus no Peru

Os ônibus são o meio mais popular de transporte interurbano no Peru. As tarifas são razoáveis e o serviço é regular. As linhas de ônibus cobrem 75% das rotas que ligam Lima às principais cidades e áreas turísticas, como Arequipa, Cusco, Puno, Paracas, Ica, Nazca, Chiclayo, Trujillo, Cajamarca, Huaraz, Tumbes, Mancora, Piura, Ayacucho e muito mais.

Entretanto, o trajeto que no mapa parece uma distância relativamente curta pode levar horas a mais do que o esperado, devido à qualidade das estradas ou a grandes mudanças de altitude ao longo do caminho.

As principais empresas que operam o transporte rodoviário e oferecem serviços turísticos recomendados por proporcionarem conforto e segurança com o melhor preço são a Cruz del Sur, a Ormeño e a Oultursa.

Esta última, eu experimentei durante a minha viagem ao Peru e, apesar de ter o preço um pouco mais alto do que as suas concorrentes, ela tem um excelente serviço de bordo, além de ônibus com cadeiras mais confortáveis, equipados com internet e tomadas para você ligar o notebook ou carregar as baterias da sua câmera fotográfica.

INFORMAÇÕES BÁSICAS
Visto | Brasileiros não precisam de visto para entrar no país e o prazo máximo de permanência é de 90 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias.
Documentos | Você deve apresentar o passaporte, com seis meses de validade, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos e em bom estado de conservação.
Dinheiro| A moeda peruana é o nuevo sol, identificado pela sigla PEN e pelo símbolo S/. Para sua viagem, leve dólares e troque nas casas de câmbio.
Vacinas | A vacina contra febre amarela é recomendada para quem for viajar para a região amazônica. Veja como solicitar o certificado pela internet.
Seguro viagem | Apesar de não ser obrigatório, viajar sem o seguro viagem durante a pandemia não é uma boa ideia. Veja quanto custa o seguro viagem.
Covid-19 | Você pode apresentar o comprovante de vacinação contra covid-19 ou o teste RT-PCR negativo. Veja as regras abaixo.

INFORMAÇÕES SOBRE COVID-19

Desde que reabriu suas fronteiras, o Peru adotou várias regras de prevenção e controle dos casos de covid-19. Isso significa que é preciso cumprir alguns requisitos sanitários e legais para entrar no país.

De forma geral, os documentos exigidos para a entrada de brasileiros – além dos já citados acima – são os seguintes:

  1. Comprovante de vacinação contra covid-19 com esquema vacinal completo – a terceira dose é exigida para maiores de 40 anos –, esta regra vale para viajantes maiores de 12 anos;
  2. Resultado negativo de teste RT-PCR feito há, no máximo, 48 horas antes do embarque, exigido apenas de viajantes não vacinados;
  3. Formulário Declaração de Autorização de Saúde e Geolocalização preenchido e enviado eletronicamente até 72 horas antes da partida, exigido de todos os viajante.
  4. Comprovante de hospedagem, que pode ser solicitado para que as autoridades peruanas monitorem seu estado de saúde.

É importante saber que, para viajantes vacinados, a dose final deve ter sido administrada pelo menos 14 dias antes da viagem.

Todos os viajantes – vacinados ou não – podem ser submetidos a verificação de temperatura e a testes aleatórios para detecção de covid-19 na chegada ao Peru. Se o resultado der positivo, será necessário seguir as instruções das autoridades de saúde e pode ser necessário cumprir quarentena de até 14 dias.

No caso de crianças menores de 12 anos, basta que estejam assintomáticas para embarcar, não sendo exigido comprovante de vacinação ou teste RT-PCR.

É obrigatório o uso de máscara dupla – uma máscara cirúrgica e uma máscara de pano ou apenas uma do modelo KN95 – durante os voos e nos aeroportos peruanos.

Em todo o Peru, o estado de emergência continua em vigor. Por isso, o comprovante de vacinação contra covid-19 pode ser exigido para entrar em museus, sítios arqueológicos, shoppings, supermercados, restaurantes e em outros ambientes fechados.

Você pode acompanhar os números oficiais da covid-19 no site do Governo do Peru.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

SEGURO VIAGEM

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem o seguro viagem durante a pandemia não é uma boa ideia.  Ainda que você esteja com o esquema vacinal completo, é bom saber que terá atendimento médico e hospitalar na hora que precisar.

Além disso, o preço do seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele também garante que você estará amparado em situações como cancelamento da viagem, extravio de bagagem e muitas outras.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para o Peru, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Peru.

Veja mais dicas do Peru