O que fazer em Havana: o imperdível da capital cubana além de seus clichês

4

Atualizado em 9 de junho de 2021

Havana tem destaque na minha história de viajante. Só que para ir além dos clichês da cidade, é muito importante planejar o que fazer em Havana.

Eu digo isso, porque além de conhecer os pontos turísticos, é bom destinar um tempo para caminhar pelas ruas absorvendo um pouco da vida na cidade: você vai notar que Havana parece ter parado no tempo.

Porém, mesmo que você queira fugir dos lugares comuns, é importante prestar atenção nos pontos mais emblemáticos, aqueles famosos cartões-postais da cidade.

Eu passei cinco dias em Havana e visitei todos os lugares que descrevo. Mas, se você terminar a viagem achando que o tempo foi pouco – assim como eu –, fique tranquilo, porque Havana merece várias visitas.

O que fazer em Havana

Praça da Revolução

Este é um lugar indispensável para sua lista de coisas para ver e fazer em Havana. Visitar a Praça da Revolução reforça todos os clichês da cidade, com a clássica imagem de Che Guevara estampada na parede do Ministério do Interior.

Palco dos clássicos pronunciamentos de Fidel Castro, ela foi construída pelo ex-ditador Fulgencio Batista. O nome era Plaza Cívica. Pelo menos até 1959, quando os rebeldes marxistas cubanos derrubaram o governo totalitário que massacrava o país.

Para entender melhor a importância deste lugar, leia: Praça da Revolução, o cartão-postal de Havana.

Memorial José Martí

Em frente à Praça da Revolução, você encontra uma grande estátua de José Martí e um observatório com quase 130 metros de altura.

Esse é o ponto mais alto da cidade. Então, fique à vontade para admirar a visão panorâmica privilegiada de Havana.

Para conhecer o interior do Memorial José Martí e subir no elevador é preciso pagar CUP 120.

Capitólio Nacional

Esse lugar jamais pode ficar de fora da sua lista de coisas para ver e fazer em Havana. Construção imponente da cidade, o Capitólio é uma das principais atrações turísticas de Havana e, realmente, vale uma visita.

O prédio foi a sede do governo nacional até a revolução cubana. Hoje, é a sede da Academia de Ciências e da Biblioteca Nacional.

Reserve um tempo para apreciar a impressionante fachada e sua grande escadaria protegida por colunas de 14 metros de altura.

Um fato muito curioso sobre esse lugar é que ele foi  inspirado no capitólio americano,  que fica em Washington.

Museu da Revolução

O acervo do Museo de la Revolución é vasto e cheio de objetos, fotos e documentos que contam a história da Revolução Cubana e de seus participantes, entre eles, Fidel Castro, seu irmão Raul, Che Guevara e Camilo Cienfuegos.

São três andares com exposições bem interessantes. Para aproveitar melhor a visita, eu sugiro que você destine, pelo menos, duas horas para conhecer o Museu. Entender esse momento histórico da vida de Cuba será indispensável para sua viagem.

A entrada custa CUP 192 e as visitas podem ser feitas todos os dias, das 9h30 às 16h.

Fábrica de charuto

Não há como negar que um dos maiores símbolos de Cuba é o charuto – chamado de tabaco pelos cubanos. Só que há uma grande pegadinha: as lojas que encontramos nas ruas de Cuba são apenas para gringo ver.

O que vi foram preços exorbitantes, caixas cheias de enfeites e personalizadas e, mesmo assim, existe a chance de você comprar algo falsificado.

Um golpe muito aplicado em turistas acontece quando alguém convida para conhecer uma cooperativa de tabaco.

Supostamente, eles vendem produtos mais baratos. Só que isso nada mais é do que uma farsa para vender produtos falsos.

Se quiser conhecer uma fábrica de verdade, você pode visitar a Partagás. Ela é a única que aceita visitas e é onde você pode comprar seu charuto sem medo, mas, claro, vai pagar mais caro por isso.

A antiga fábrica da Partagás que funcionava atrás do Capitólio fechou e, hoje, o prédio é apenas uma loja. A fábrica voltou a funcionar no seu antigo prédio. A entrada custa CUP 240.

Museu do Rum

Dá para visitar uma antiga fábrica de produção de rum, mas esse é um programa bem turístico. Para mim, é meio sem graça.

Você paga CUP 168 para fazer um passeio guiado e vê objetos utilizados na produção da mais famosa bebida do país.

Malecón

Caminhar no Malecón é um programa imperdível. Na avenida beira-mar, a Calle Primera, tem um calçadão largo e muito movimentado, especialmente no pôr do sol. Aos sábados à noite, a movimentação triplica.

A sensação que tive é que esse lugar é ponto de encontro da cidade. É onde jovens aparecem para se encontrar – lembra que a internet não é tão popular em Cuba? Então, coloque isso em sua lista de coisas para fazer em Havana.

Havana Vieja

O Centro Histórico de Havana é Patrimônio da Humanidade reconhecido pela Unesco. Há tantas coisas legais para ver que um dia é pouco. Dá pra fazer tudo caminhando e esse é o grande barato.

Na parte mais turística, há bares, restaurantes e muitas lojas. Nas ruelas menos movimentadas, moradores aproveitam para colocar a conversa em dia com o vizinho e fazem suas atividades rotineiras.  É esse lado de Havana que eu gostaria que você descobrisse. 

Claro, você pode – e deve – entrar nos museus, nas igrejas, como a Catedral de São Cristóvão, e fazer todos os programas mais turísticos, mas destinar uma atenção para observar o povo da cidade faz toda diferença.

E não será fácil puxar um assunto: uma boa ideia é falar sobre as novelas brasileiras, já que elas são idolatradas pelos cubanos.

Castelo da Força Real

Eu não acho que este seja um lugar indispensável para sua lista do que fazer em Havana. Honestamente, apesar de ser o forte mais antigo das Américas, hoje, ele abriga o Museu Marítimo, que tem um acervo bem simples.

O legal mesmo é a arquitetura do lugar, mas para entrar é preciso pagar CUP 72. As visitas acontecem de terça a domingo, das 9h30 às 17h.

Castillo del Morro

Atravesse o túnel da cidade para chegar ao Castillo del Morro. Ele fica na entrada do canal para a Baía de Havana, e foi projetado para evitar invasões de piratas e corsários.

A construção do El Castillo de los Reyes Magos del Morro começou em 1585, como um pilar fundamental na vigilância e proteção da cidade.

O farol e sua torre mais alta, junto com as dezenas de canhões, talvez sejam as características mais emblemáticas da fortaleza.

Uma boa dica é aproveitar seu tempo para passear pelos corredores que parecem labirintos, observar o mar e ver Havana por outro ângulo. A visita pode ser feita todos os dias, das 9h30 às 17h, e custa CUP 120.

Fortaleza de San Carlos de La Cabaña

Esta é a maior fortaleza da América Latina. Reconhecida como Patrimônio Mundial da Unesco, a construção também ocupa um dos lados da entrada do canal para a Baía de Havana.

De longe, você percebe a imponência e a grandiosidade do prédio. Mas, é caminhando dentro dele que a gente visita o escritório de onde Che Guevara comandou parte das tropas cubanas por algum tempo.

Depois da tomada do poder, Che acompanhou, pessoalmente, o fuzilamento daqueles que representavam uma ameaça aos ideais defendidos por seu líder, Fidel Castro.

Em sua maioria, eles eram partidários do ex-ditador Fulgêncio Batista, que tinham sido condenados, à revelia, por crimes de guerra.

Hoje, no prédio do antigo escritório, funciona um museu. Dá para ver objetos, fotos e documentos do revolucionário mais amado de Cuba.

Um item bem curioso é a cópia do passaporte de Che Guevara disfarçado de Ramón Benítez Hernández, que ele usou para entrar na Bolívia, em 1966, sem ser capturado.

Cristo de Havana

Ainda do outro lado da Baía de Havana, você pode conhecer o Cristo de la Habana, uma enorme estátua de mármore de Jesus Cristo que, ao longo das décadas, tornou-se um ícone da cidade. Por isso, ele deve estar na sua programação de atividades para fazer em Havana.

Dizem que é a segunda estátua de Cristo mais famosa do mundo, depois do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Ela tem 20 metros de altura, mas como fica no topo de uma colina de 80 metros. A gente consegue observá-los de vários pontos da cidade. A visita é gratuita.

Drogueria Johnson

Um dos lugares que descobri caminhando pelas ruas de Havana foi essa antiga farmácia. A Gran Farmacia Johnson foi fundada em 1886, mas foi a partir de 1914 que ela passou a ocupar o prédio atual, na Calle Obispo. A visita é um dos programas gratuitos que você pode fazer em Havana.

Além de vender remédios, a empresa foi uma das pioneiras na produção de perfumes e desodorantes. Depois da revolução cubana, a farmácia foi nacionalizada e funcionou bem até 2006, quando o prédio pegou fogo.

No incêndio, foram destruídos não apenas a estrutura do prédio, mas porcelanas, cristais e equipamentos históricos que nunca mais foram recuperados.

Depois de uma restauração longa, o prédio voltou a funcionar como um tipo de museu, vendendo apenas produtos produzidos por terceiros. Ah! O nome Johnson & Johnson nada tem a ver com a marca que hoje conhecemos.

La Bodeguita del Medio

Este poderia ser apenas mais um restaurante, mas entra para a lista do que fazer em Havana por ter um valor histórico na cultura de Cuba.

O La Bodeguita fica em Havana Vieja e serve pratos típicos da culinária local. Mas, seu maior atrativo é, na verdade, uma bebida: a receita original do mojito surgiu neste lugar, por isso a visita é indispensável.

O restaurante abre para almoço, a partir do meio-dia. Na prática, você vai comer as mesmas coisas que comeria em qualquer outro lugar, só que pagando bem mais.

Então, a minha dica é entrar, comprar um mojito e tomar na calçada ouvindo a música do La Bodeguita del Medio.

Paseo del Prado

O Paseo del Prado nada mais é que um calçadão urbano que nos leva até o Capitólio Nacional. Mas, não se engane pela simplicidade da definição.

Andar por ele é um programa relaxante, para curtir a paisagem bonita e arborizada. Este é um ambiente limpo com diversas crianças brincando e artistas expondo arte todos os dias.

Um fato engraçado é que muitas pessoas usam essa área para acessar a internet. Então, não se espante quando vir pessoas usando o computador.

Caminhos de Che Guevara

Apesar de ter nascido na Argentina, Ernesto Guevara de la Serna se tornou um dos maiores ícones da Revolução Cubana, que tomou o país em 1959 e, até hoje, está no poder.

Nas ruas da capital, tudo nos lembra sua trajetória e, para conhecer um pouco mais de seu legado, eu sugiro que você visite alguns lugares onde morou e trabalhou Che Guevara em Havana.

É possível visitar diversos pontos turísticos relacionados a um dos maiores ícones da Revolução Cubana. Por todo lado, na cidade, você encontra fotos, memoriais e cartazes de Che em Havana.

Tudo comprovando o quão venerado ele é pelos cubanos. Para conhecer um pouco mais de seu legado, e incluir esse roteiro nas atividades para fazer em Havana, eu sugiro que você leia: Os caminhos de Che Guevara em Havana.

Depois que Cuba unificou a moeda, produtos e serviços têm tido aumentos consideráveis. Portanto, é importante saber que os preços apresentados servem apenas como base para seu planejamento, que deve incluir com uma margem de segurança de 10% a 20%.
Informações Básicas
Visto | Brasileiros precisam de visto para entrar em Cuba. Veja como obter o visto no aeroporto.
Documentos | É preciso apresentar o passaporte dentro do prazo de validade. Carteira de identidade não é aceita.
Dinheiro| Cuba unificou as duas moedas que circulavam no país em janeiro de 2021. O peso cubano tem câmbio fixo: CUP 24 valem USD 1. Saiba mais: Dinheiro em Cuba.
Vacinas | A vacina contra febre amarela é obrigatória e, sem o Certificado Internacional de Vacinação, você não entra no país. Veja como solicitar o certificado.

O seguro viagem é obrigatório. Sem ele, você pode ser impedido de entrar em Cuba. Faça sua cotação.

Veja mais dicas de Cuba

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas de Cuba.

SOBRE O AUTOR

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

4 Comentários

    • Que maravilha, Marta.

      Vale muito a pena conhecer Cuba.
      Se você gosta de praia, então, vai adorar.
      O mar mais lindo que já vi no mundo.

      Um abraço.

Escreva um comentário