Comidas de Cuba: veja o que comer e beber em sua viagem ao país sem gastar muito

Atualizado em 5 de outubro de 2022 – 4 min de leitura

Comidas de Cuba

A culinária cubana é muito semelhante à brasileira. Embora modesta, a mesa dos cubanos tem suas peculiaridades e, por isso, eu explico os segredos das comidas de Cuba e mostro o que você deve experimentar – ou não – em sua viagem ao país.

Neste artigo, eu vou explicar sobre:

Comidas de Cuba

moros y cristianos é o principal prato de Cuba. Servido de norte a sul da ilha, ele nada mais é que um mexido de arroz e feijão com um tempero característico.

O arroz branco, bem comum aqui no Brasil, e o feijão de caldo, como comemos, também são fáceis de encontrar, embora só tenha visto feijão preto por aqui.

Entre as carnes, a de porco reina absoluta. Principal proteína do país, ela é servida como bife – chamado por eles de bistec – ou em cubos.

A carne de boi não é tão consumida nas casas de quem vive em Cuba, mas sempre estará no cardápio de restaurantes destinados a turistas.

Comidas de Cuba

Isso tem um motivo: grande parte da carne bovina consumida na ilha é importada – inclusive dos Estados Unidos – e, por isso, é mais cara.

Mas, não é só isso.

Dizem que o que chega aqui é o resto do mercado internacional e, por isso, a qualidade é duvidosa.

Como não dá para acreditar em tudo o que se ouve por aí, eu comi a ropa vieja sem culpa. Esse cozido de carne tem sabor de casa.

Sabe aquela carne suculenta que nossas mães fazem na panela de pressão? É isso. Ainda tem a vaca frita, que, como o nome entrega, nada mais é que carne bovina cortada em cubos e frita.

Fartura de peixes e mariscos

Entre as comidas de Cuba, há, também, uma grande riqueza de frutos do mar. Camarão, lagosta, peixe e tantos outros pescados e mariscos chegam fresquinhos à nossa mesa.

Um prato curioso – que eu não gostei – é a paella cubana. Essa versão caribenha do famoso prato espanhol parece um risoto e não tem a explosão de sabor que eu esperava.

Se há fartura marinha, falta diversidade no quem vem da terra. A variedade de legumes e verduras passa longe da que temos aqui no Brasil.

Nos resorts de cidades como Varadero, Cayo Guillermo, Cayo Coco e Cayo Largo isso melhora bastante, mas essa não é a realidade dos cubanos.

A vianda frita – banana frita – é muito consumida e é um acompanhamento comum nos pratos do país. Nas saladas, o pepino, o tomate e a alface se sobressaem.

Comidas de Cuba: o que comer e beber no país

Em Havana, é fácil comprar frutas em barraquinhas pela rua, mas nas cidades turísticas isso fica reduzido ao dia da feira, que varia em cada lugar.

Nos mercados, as opções são poucas, quando existem, e isso pode complicar um pouco a vida de quem tem restrições alimentares.

Comidas de Cuba: o que comer e beber no país

Eu experimentei e gostei muito do suco de mamey, que tem um gosto que lembra o abacate com a cor de mamão. Eu também experimentei e aprovei a fruta, que é uma das preferidas dos cubanos.

Comidas de Cuba: o que comer e beber no país

As famosas padarias

As padarias cubanas são famosas no mundo inteiro, mas não pela fartura ou pela qualidade. Eu vi várias padarias como a desse vídeo que fiz em Cuba.

Veja que as opções são pouquíssimas e a higiene é precária, pois a atendente pega o dinheiro e os pães sem qualquer proteção.

Comidas de Cuba

Todo cubano tem direito a um pão por dia a um preço simbólico de CUP 0,05. Se quiser comer o segundo, ele terá que pagar CUP 1.

Sem muitas opções, a gente tem que se virar com o que tem. A tortica, um tipo de biscoito amanteigado feito de milho ou de trigo, é uma das gostosuras que a gente encontra nas padarias. Ele também custa CUP 1.

Doces e as sobremesas

Entre os doces, os mais famosos são o pudim, que tem um sabor bem industrializado, e o flan, que na verdade é o pudim de leite que comemos no Brasil.

Comidas de Cuba: o que comer e beber no país

O chivicho, que a gente compra em barraquinhas nas ruas, é uma massa frita, semelhante à de um pastel, coberta com açúcar.

Eu gostei muito do sorvete Varadero.

A terra do mojito

O rum é a bebida nacional e dele são feitos vários drinques. O mais tradicional, que nasceu nas ruas de Havana, é o mojito. Logo depois vem o daiquiri.

O primeiro mojito foi servido no La Bodeguita del Medio, em Havana Vieja, e uma visita aqui é indispensável.

As refeições são servidas do meio-dia às 23h, mas se não quiser pagar um pouco mais caro aqui, apenas visite o animado – e lotado – bar para experimentar a bebida mais famosa da casa por CUP 120.

Entre as cervejas, você pode experimentar a Cristal e a Bucanero. A Cristal é leve, refrescante e, portanto, ideal para beber na praia. Não é por acaso que seu rótulo traz a frase: cerveja preferida de Cuba.

A Bucanero é mais forte e encorpada do que a Cristal, e o seu teor alcoólico é de 5,4%.

É fácil achar toda linha da Coca-Cola, mas elas são mais caras que as marcas locais.

Chamadas de refresco, a linha da TuKola supre bem nossas necessidades, apesar de ser mais doce. Eu experimentei, também, um refrigerante de mate e gostei.

Comidas de Cuba: o que comer e beber no país

Paladares: as melhores comidas de Cuba

Independentemente do que você vai experimentar das comidas de Cuba, é indispensável saborear os pratos dos paladares.

Esses negócios familiares surgiram depois de 1998, quando o Papa João Paulo II visitou o país, e pediu ao governo que criasse meios da população aumentar sua renda.

Foi nessa onda que também surgiram as Casas Particulares, que eu explico em: Super dicas de hospedagem em Cuba.

Há vários restaurantes que se intitulam como paladares, mas o que você precisa ter em mente é que os originais são simples, informais e, principalmente, baratos.

Há vários desses em Havana, mas eu recomendo um especial.

Ele fica perto do Capitólio, na Rua San Martín, 268, entre Galiano e Águila. Um prato bem servido aqui custa a partir de cerca de CUP 25.

A refeição é feita na cozinha da dona e inclui arroz, feijão, salada de repolho, banana e bistec, o famoso bife de carne de porco. O sabor é sensacional.

Outra opção é o paladar que fica na rua lateral do Hotel Inglaterra, também perto do Capitólio. O La Calesa Cafeteria tem pratos por apenas CUP 60.

Há, claro, restaurantes mais caros e requintados, mas eu não tenho dúvida que os paladares são os melhores lugares para você experimentar as autênticas comidas de Cuba.

Em Vedado, na parte mais nova da cidade, uma boa opção para lanches e refeições é o Toke. Na esquina das ruas Infanta e 25, ele é um café e restaurante gay-friendly que serve boas e fartas refeições a preços justos.

A maioria dos estabelecimentos não cobra 10%. Em compensação, o atendimento, quase sempre, é ruim.

NOTA
Como tem acontecido com vários países ao redor do mundo, Cuba tem registrado uma escalada nos preços de forma geralizada. Em 2021, a inflação registrada no país foi de 70% e, em 2022, tem permanecido irredutível.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros precisam de visto para entrar em Cuba, mas é possível obter o visto no aeroporto.

Documentos

É preciso apresentar o passaporte com validade mínima de seis meses e outros documentos obrigatórios.

Dinheiro

Cuba unificou as duas moedas do país em janeiro de 2021, mas o ideal ainda é é levar euros e trocar seu dinheiro em Cuba.

Vacinas

A vacina contra febre amarela é obrigatória e sem o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) você não entra no país.

Informações sobre covid-19

Desde o dia 6 de abril de 2022, Cuba flexibilizou as medidas para o controle de entrada e saída de viajantes estrangeiros. Com isso, não é necessário apresentar certificado de vacinação ou testes negativos para covid-19, independente se você estiver vacinado ou não.

Atualmente, estas são as regras para entrar no país:

  1. Seguro viagem com cobertura para covid-19, exigido de todos os viajantes – faça uma cotação do seguro viagem;
  2. Testes de antígeno (teste rápido) podem ser realizados de forma aleatória e, caso o resultado dê positivo, as autoridades podem sugerir medidas cabíveis, como a quarentena;
  3. Enviar o Formulário de Saúde preenchido até 48 horas antes da chegada ao país;
  4. Certificado de vacinação contra febre amarela (CIVP) – veja como solicitar o CIVP pela internet.

Você pode acompanhar atualizações sobre o controle sanitário no Cuba Travel divulgado pelo governo cubano.

Retorno ao Brasil

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo ou RT-PCR, coletado até das 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

 O seguro viagem para Cuba é obrigatório.  Sem ele, você poderá ser impedido de entrar no país.

É que mesmo tendo um serviço de saúde pública considerado referência, os hospitais e clínicas de Cuba só atendem gratuitamente quem mora no país – até os cubanos que vivem no exterior precisam de um seguro viagem.

→ Veja como comprar o seguro viagem certo para Cuba

Esta regra é antiga, foi implementada em maio de 2010, como mostra este comunicado.

A Seguros Promo é a plataforma que eu sempre uso para comparar os preços do seguro viagem, mas, apesar dela oferecer várias opções de seguro para a América Central, a única seguradora aprovada pelo governo cubano é a Assist Card, e o plano mais indicado é o AC 35 MUNDO COVID-19 (Exceto EUA).

→ Faça uma cotação do seguro viagem

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

INTERNET EM CUBA

Num país onde a imprensa é controlada com mão de ferro pelo governo, o acesso à rede mundial de computadores ainda é precário e está longe de satisfazer nossos desejos de conectividade. Na prática, a internet em Cuba é restrita a poucos pontos onde você pode se conectar. E já adianto: será preciso pagar por isso.

É que, em Cuba, não existe internet de graça, como encontramos em hotéis, restaurantes, cafés e até praças públicas ao redor do mundo. Então, mesmo que exista a rede wi-fi, você precisará pagar pelo cartão que dá acesso à internet.

Os cartões são vendidos nos comércios locais e nas lojas da ETECSA, a empresa estatal de comunicação, e custam entre CUP 12,50 e 125, mas pode ser que você encontre variações nos preços quando comprar os cartões na rua.

Eu vi gente cobrando o equivalente a CUP 70 pelo cartão de uma hora. Há também quem negocie o acesso no mercado paralelo. Nessa modalidade, o cartão de uma hora sai por mais ou menos CUP 25.

velocidade da internet em Cuba não é lá grandes coisas. O grande problema é que, como são poucos, os pontos de internet sem fio vivem cheios. E, como sabemos, o sinal nem sempre fica bom quando há muitas pessoas conectadas a uma mesma rede.

De forma geral, não percebi restrições às redes sociais. O Whatsapp funciona bem, apesar de ser um pouco difícil de enviar e receber arquivos por causa da velocidade da conexão. Instagram e Facebook também demoram um pouco para carregar.

Veja mais dicas de Cuba

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas de Cuba.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

10 Comentários

  1. Eliana Bentes

    Li as postagens sobre Cuba e me pareceu bem didático e convincente

    Responder
    • Altier Moulin

      Obrigado, Eliana. 🙂
      Um abraço!

      Responder
  2. cristiano munhoz

    Olá, tudo bem?
    Altier, inicialmente parabéns pelo blog, muito completao.
    Gostaria de uma opinião: estarei nos EUA em maio de 2022 e pensei em conhecer Havana e Varadero.
    Você considera um período político/econômico adequado?

    Responder
    • Altier Moulin

      Não vejo problema, Cristiano.
      Dá para ir sim.
      Um abraço.

      Responder
  3. ALDINO GAZONI

    Altier, boa tarde. Já acompanhei muitas postagens suas. São muito interessantes e proveitosas. Estou vendo esta de Cuba e dispertou minha atenção. Quem fornece o visto, como faço para adquiri-lo? Estamos no dia 12 de julho/2021, como estão os custos lá em Cuba? É seguro andar por lá? E a qualidade dos hotéis?

    Responder
  4. Maria Janete

    Mesmo se tratando de um lugar precário tomando por base alguns países desenvolvidos Vale a pena viajar para a ilha paradisíaca, afinal cultura e coisa regional mesmo cada qual no seu quadrado.
    Tenho interesse de em breve visitar a ilha preciosa.

    Responder
    • Altier Moulin

      Com certeza,Maria.
      É um experiência incrível.

      Um abraço.

      Responder
  5. Samuel Brauer Nascimento

    Olá Altier, estou aqui estudando seus posts para uma viagem à Cuba em agosto.
    Parabéns pelo cuidado, nível de detalhamento e principalmente pela sensibilidade cultural.
    Abraço e obrigado.

    Responder
    • Altier Moulin

      Muito obrigado, Samuel.
      Você vai gostar de Cuba.

      Um abraço.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15