Como funciona a internet em Cuba

20

Atualizado em 7 de julho de 2020

Num país onde a imprensa ainda é controlada com mão de ferro pelo governo, o acesso à rede mundial de computadores ainda é precário e está longe de satisfazer nossos desejos de conectividade. Na prática, a internet em Cuba é restrita a poucos pontos onde você pode se conectar. E já adianto: será preciso pagar por isso.

É que, em Cuba, não existe internet de graça, como encontramos em hotéis, restaurantes, cafés e até praças ao redor do mundo. Aqui, mesmo que exista a rede wi-fi, você precisará pagar pelo cartão que lhe dá acesso à internet.

Como funciona a internet em Cuba

Quanto custa internet em Cuba

Esses cartões são vendidos nos comércios locais e nas lojas da ETECSA, a empresa estatal de comunicação. Eles custam entre CUC 0,75 e 7,50, como mostro na tabela abaixo. Pode ser que você encontre variações nos preços quando comprar os cartões na rua.

Eu vi gente cobrando CUC 3 pelo cartão de uma hora. Há também quem negocie o acesso no mercado paralelo. Nessa modalidade, o cartão de uma hora sai por CUC 1.

Duração Preço
Cartão de 30 minutos CUC 0.75
Cartão de 1 hora CUC 1.50
Cartão de 5 horas CUC 7.50

Para usar os cartões, você precisa se conectar ao sinal wi-fi, entrar no site portal.nauta.cu e digitar o usuário e a senha que aparecem no cartão. Assim que terminar de usar a internet, é muito importante fazer o log-out no aparelho, pois, caso contrário, seu saldo continuará sendo consumido. Os cartões têm validade de 30 dias depois do primeiro acesso.

Velocidade e restrições

A velocidade da internet não é lá grandes coisas, mas para quem está acostumado com a qualidade dos serviços brasileiros, o sofrimento é menor. O grande problema é que, como são poucos, os pontos de internet sem fio vivem cheios. E, como sabemos, o sinal nem sempre fica bom quando há muitas pessoas conectadas a uma mesma rede.

Como funciona a internet em Cuba

Ao caminhar pelas ruas das cidades cubanas, como Havana, você logo notará onde estão esses pontos de internet.

É que as pessoas ficam aglomeradas, sentadas em bancos, nas calçadas, dentro dos carros ou em pé segurando seus celulares, tabletes e até computadores: a cena é realmente um fato antropológico. Se preferir, você pode consultar os locais neste site.

Como funciona a internet em Cuba

De forma geral, não vi muitas restrições às redes sociais. O Whatsapp funciona bem, apesar de ser um pouco difícil de enviar e receber arquivos por causa da velocidade da conexão. O Instagram e o Facebook também demoram um pouco para carregar.

Eu também consegui usar o Google Maps com todas as marcações de lugares que queria visitar no país, aproveitando, inclusive, o GPS do aplicativo.

Alguns sites que têm relação financeira com os Estados Unidos não funcionam a partir da Ilha. O PayPal, por exemplo, nem abre.

Cenexão 3G

Depois de ouvir tanta desgraça sobre a internet em Cuba, eu já estava pronto para ficar longe do celular por algum tempo. Mas, ainda bem, isso não aconteceu: logo que desci do avião, em Havana, eu vi que meu aparelho registrava o sinal de 3G e isso foi motivo para uma pequena euforia.

Como tenho um plano de roaming internacional, consegui me conectar em todas as cidades por onde passei. Claro que em algumas áreas o sinal era péssimo e carregar qualquer página da internet era impossível, mas pelo menos o Whatsapp nunca me deixou na mão.

Isso foi possível porque minha operadora aqui no Brasil, a Vivo, tem uma parceria com a Cubacel, a empresa de celular do país. Mesmo quem não tiver o plano ativo no aparelho pode comprar acessos diários. Para saber mais, leia todas as informações sobre o roaming. Em Cuba não existe sinal 4G.

Veja todos os posts de Cuba

Conseguiu entender como funciona a internet em Cuba? Se ficou com alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo. Aproveite para ler outros posts sobre o país.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um viajante apaixonado pelas coisas desse mundo. Um jornalista que adora contar boas histórias e compartilhar informações de viagem. Meu propósito de vida é ajudar outras pessoas a conhecerem lugares novos e a viverem experiências inesquecíveis.

20 Comentários

    • Altier Moulin

      Oi, Luiz.

      Sim, se quiser acessar o wi-fi tem que pagar. Eu paguei algumas vezes para testar.
      Sim, usando meu celular, eu acessava fora dos locais determinados, mas não é sempre que funciona e a velocidade é muito lenta.

      Um abraço.

  1. Avatar

    Oa. Se entendi bem. A internet em Cuba só funciona aonde tem o post wifi ou em qualquer lugar ? No caso o plano Vivo V . ê ilimitado geral. Eu teria que pagar mais alguma coisa lá ?

  2. Avatar

    Ola, gostaria de saber como faz esse “log out” do celular… É só desativar o wifi do proprio celular? Ou precisa entrar novamente no site da ETECSA e apertar em algum lugar??

    • Altier Moulin

      Oi, Gabriel.

      Se conseguir uma conexão, você poderá acessar a maioria dos sites.
      Apenas alguns serviços que envolvem pagamentos via Estados Unidos não funcionam. Isso vale para alguns sites de reserva de hotéis, por exemplo.

      Um abraço.

    • Altier Moulin

      Oi, Angela.

      Não dá pra dizer exatamente porque isso depende da operadora e do plano que você contratar.
      Para ter uma ideia, a Vivo tem um pacote que custa R$ 29/dia e tem cinquenta minutos de ligações e internet ilimitada.
      Pesquisa com sua operadora.

      Um abraço.

  3. Avatar

    Olá!
    Viajo para Cuba no próximo mês e tenho muitas dúvidas em relação aos planos de telefonia. Você poderia me informar qual o valor do plano de roaming internacional que usou durante a viagem? Obrigada!

    • Altier Moulin

      Oi, Caroline.

      Como expliquei no texto, eu uso o roaming da Vivo. Veja:

      “Isso foi possível porque minha operadora aqui no Brasil, a Vivo, tem uma parceria com a Cubacel, a empresa de celular do país. Mesmo quem não tiver o plano ativo no aparelho pode comprar acessos diários. Para saber mais, leia todas as informações sobre o roaming. Em Cuba não existe sinal 4G”.

      Um abraço.

Escreva um comentário