Conheça a Cidade Velha de Varsóvia

2

Atualizado em 9 de maio de 2018

Quem anda pelas ruas da Cidade Velha de Varsóvia não pode imaginar que quase tudo aqui foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial. Invadida pelos nazistas alemães, a capital da Polônia teve mais de 85% de seu território devastado. E, isso inclui boa parte de seus prédios históricos.

Com uma população reduzida drasticamente para cerca de 10% – de 1,3 milhão de pessoas, a cidade passou a ter pouco mais de 150 mil – o maior desafio era, então, reconstruir palácios, igrejas, praças e monumentos arrasados no tempo da guerra. Mas Varsóvia fez isso muito bem e, hoje, a gente pode passear pela Cidade Velha – Stare Miasto, em polonês – e se deliciar com seu charme.

O ponto de partida para conhecer essa região é a Praça do Castelo. Aqui, ficam, pelo menos, três importantes pontos turísticos da cidade: a Coluna Sigismundo, o Castelo Real e a Igreja de Santa Ana.

Reserve já o seu hotel em Varsóvia e garanta os melhores preços.

Coluna Sigismundo | Um dos mais emblemáticos monumentos da cidade fica no coração do centro histórico. Aqui, a Coluna Sigismundo e o Castelo Real de Varsóvia fazem uma dobradinha perfeita.

A Coluna, construída em 1644, é uma homenagem ao rei que fez de Varsóvia a capital nacional. Ela é algo bastante simbólico para a nação: dizem que, quando a espada de Sigismundo está erguida para o céu, o país está em paz e, quando toca o chão, é porque a Polônia vive seus piores dias. Assim foi quando os nazistas derrubaram a Coluna fazendo com que a estátua se misturasse aos destroços dos prédios ao seu redor.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A estátua do Rei Sigismundo.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

Os destroços da Segunda Guerra. Foto: Arquivo Nacional da Polônia

Castelo Real de Varsóvia | O Castelo Real de Varsóvia é bem diferente daquele conceito que, muitas vezes, temos de castelo. Aqui, viveram os reis que governaram o país a partir do século 14 e, atualmente, ele é o maior símbolo da resistência e do poder de renovação desse povo.

Hoje, o Castelo abriga um museu e você pode conhecê-lo pagando PLN 22, mas no domingo a entrada é franca. As visitas acontecem nas segundas, quartas e sábados, das 10h às 18h, nas quintas, das 10h às 20h e aos domingos, das 11h às 18h.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O cenário típico da Cidade Velha de Varsóvia.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O Palácio e a torre do Taras Widokowy.

Para ver toda Praça do Castelo do alto, suba até o topo da torre que fica no Taras Widokowy, um terraço que tem uma vista linda para o Rio Vistula, de onde também vemos o Estádio Nacional. A entrada custa PLN 5.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A vista da Praça do Castelo.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O Rio Vistula e o Estádio Nacional.

Igreja de Santa Ana | Erguida originalmente no século 15, essa igreja foi se transformando com o passar dos anos e, hoje, é a mais bem decorada da cidade. O órgão e o altar com impressionantes detalhes no estilo barroco são, sem dúvida, os que mais impressionam.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A fachada da Igreja de Santa Ana.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O interior da igreja mais bem decorada da cidade.

O passeio vai seguindo pelas ruas da Cidade Velha de Varsóvia e nos mostrando uma nova história a cada esquina.

Memorial do Pequeno Insurgente | Aqui, perto da Praça do Castelo, fica um dos monumentos mais intrigantes da Cidade Velha, e as histórias contadas a respeito dele são igualmente curiosas. Essa estátua de uma criança vestida com roupas militares e segurando um fuzil representa todas as crianças e adolescentes que lutaram no Levante de Varsóvia, em 1944.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O Monumento ao Pequeno Insurgente.

Monumento aos Insurgentes | Os judeus e poloneses que lutaram contra o exército nazista no movimento de 1944 também têm um memorial na Cidade Velha de Varsóvia. Obrigados a viverem em uma área restrita e cercada por muros, esse heróis anônimos deram sua vida pela liberdade da Polônia e, hoje, são lembrados com carinho nesse lugar.

Se você quiser saber mais sobre essa história, leia: A triste memória do Gueto de Varsóvia.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O memorial que lembra o Levante de Varsóvia.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

Heróis anônimos e suas muitas histórias.

Praça do Mercado | Essa praça também é um grande marco da reconstrução da cidade. Os prédios, que hoje vemos ao seu redor, foram completamente destruídos e, mais tarde, reerguidos para que Varsóvia voltasse a ser o que era antes da guerra. Aqui, no centro da Praça, fica o símbolo da cidade: uma sereia.

Segundo a lenda contada pelos primeiros moradores de Varsóvia, Sawa era uma sereia que tinha sido salva pelo pescador Wars e, como agradecimento, ela prometeu que o protegeria para o resto da vida. Daí surgiu o nome da cidade: Warszawa, em polonês.

Até o século 19, era comum ouvir relatos de pessoas que viam Sawa nadando pelo Rio Vístula, mas, depois da Segunda Guerra Mundial, a sereia desapareceu e o que restou foi somente a sua bela história.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A Praça do Mercado antes e depois da guerra.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O curioso símbolo da cidade.

Catedral de Varsóvia | A Polônia é um país muito religioso e os ritos católicos são os mais adotados pela população, que se orgulha muito de João Paulo II, polonês que alcançou o cargo mais alto da igreja romana.

Na Cidade Velha de Varsóvia, as igrejas estão espalhadas por todos os lados, e uma das mais curiosas é a Catedral de São João Batista, construída no estilo gótico e que tem uma fachada que parece um órgão.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A arquitetura da Catedral de Varsóvia.

Praça do Sino | Mas, como vimos no caso da sereia, Varsóvia também tem espaço para lendas e superstições. A história que envolve o sino que fica no meio de uma pequena praça atrás da igreja de São João Batista, por exemplo, é mais um dessas crenças populares: acredita-se que dar três voltas ao redor dele nos permite ter um desejo realizado.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O sino que pode realizar seu desejo.

Academia de Teatro | O grande barato desse prédio é sua fachada. Ele, na verdade, não é um dos maiores atrativos da cidade, mas não há quem não pare para ver e fotografar a enorme mão que aparece na sacada do prédio. E sabe o que ela significa? Absolutamente nada. Dizem que o pessoal estava achando o prédio muito apagado, sem graça e, então, eles resolveram incluir essa obra de arte para chamar a atenção.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O prédio da Academia de Teatro.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A mão que todos querem ver.

Muralhas da cidade | Os primeiros vestígios dessa cidade apareceram na Idade Média, mas Varsóvia se desenvolveu mesmo foi a partir no século 14. Nessa época, ela estava cercada por uma grande muralha que, com o crescimento da cidade, acabou desaparecendo. Reconstruída séculos mais tarde, hoje o principal ponto de observação da fortaleza é o Barbakan Warszawski, que já foi o principal portão de acesso à Cidade Velha.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

A muralha que cerca a Cidade Velha de Varsóvia.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

Um dos pontos de observação da muralha.

Bar Mleczny | Aqui perto, você não pode deixar de conhecer esse tipo de restaurante que surgiu nos tempos do comunismo. A ideia era oferecer refeições locais a preços muito baixos para que todos os poloneses pudessem fazer, pelo menos, três refeições por dia. Eu explico mais sobre esse assunto e conto como é a culinária polonesa em: Comidas da Polônia: o que comer e beber no país.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O modelo de restaurante comunista.

Planeje sua visita à Cidade Velha de Varsóvia

Quanto custa | A entrada no museu do Castelo Real custa PLN 22, e para subir na torre do Taras Widokowy é preciso pagar PLN 5.

Quando ir | O verão na Polônia é bem curto, já o inverno é longo e muito frio. Os meses mais gelados vão de outubro a abril, quando os termômetros marcam temperaturas abaixo de zero. Entre maio e setembro, os dias tendem a ser mais ensolarados, com temperaturas variando entre 20 e 27 graus. O mês mais quente é julho, e o mais frio é janeiro, com temperaturas chegando a menos cinco graus.

Quem leva | Há várias empresas que levam você para conhecer a Cidade Velha de Varsóvia. Veja a lista, os preços e faça sua reserva. Há, ainda, a opção de fazer o Free Walking Tour que realmente é muito bom e você não paga nada.

Um passeio pela Cidade Velha de Varsóvia

O grupo que fez o passeio comigo.

Como chegar | Para chegar à Cidade Velha de Varsóvia, você pode pegar um dos trens elétricos que cortam a cidade. As linhas 4, 13, 20, 23 e 26 chegam bem perto da Coluna Sigismundo. De ônibus, as opções são as linhas 160, 190, 527, N11, N21, N61 e N71.

O Aeroporto Frederic Chopin (WAW), em Varsóvia, é o mais importante da Polônia. Aqui, chegam voos nacionais e internacionais, mas não há voo direto do Brasil para o país. Veja mais informações em: Voos para a Polônia: companhias aéreas e aeroportos.

Onde ficar | Varsóvia é linda. Em suas avenidas largas, a arquitetura clássica contrasta com prédios modernos. Então, escolher um lugar para ficar por aqui será fácil. Para quem está interessado na parte histórica da cidade, a região da Stare Miasto – o Centro Histórico – é ideal. Para quem quiser aproveitar um pouco mais da vida moderna da cidade, o Centro, especialmente a área perto do Palácio da Cultura e da Ciência, é sensacional.

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até noventa dias, mas você precisará apresentar o passaporte dentro do prazo de validade. Carteira de identidade e quaisquer outros documentos brasileiros não serão aceitos. O seguro viagem é obrigatório e, sem ele, você pode ser proibido de entrar na Polônia. Veja como comprar seu seguro viagem com desconto.

Outras informações | Para ver outras informações sobre o país e planejar sua viagem com mais precisão, leia: Viagem para a Polônia: informações essenciais. Para quem gosta de cinema, uma boa dica é dar uma olhada nessa lista: Nove filmes sobre a Segunda Guerra Mundial.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

2 Comentários

Escreva um comentário