Ojo del Inca: a cratera de vulcão que virou lagoa na cordilheira boliviana

Atualizado em 10 de outubro de 2022 – 3 min de leitura

Ojo del Inca

Potosí, na Bolívia, é uma das cidades mais altas do mundo e tem atrativos que lhe farão se sentir revigorado. Assim é o Ojo del Inca, uma lagoa de águas termais no meio das montanhas.

Aqui, nosso coração bate a  uma altitude de 4.070 metros  e o ar, muitas vezes, parece fugir por entre os seus dedos causando uma constante sensação de cansaço e desânimo, que quase sempre vem acompanhada de dor de cabeça e náuseas.

O lago e o vulcão

O Ojo del Inca é, na verdade, a cratera de um vulcão inativo que jorra água a uma agradável temperatura de pouco mais que 30 graus.

São quase cem metros de circunferência e o seu desenho é um círculo perfeito e, por isso, é chamada de olho do Inca, uma referência a Tupac Amaru, último líder do Império Inca que dizem ter repousado nessas águas antes de ter sido preso e condenado à morte durante a conquista espanhola.

Ojo del Inca

A lagoa é uma das várias fontes de águas termais que ficam a cerca de 30 quilômetros do centro de Potosí.

Entretanto, esta é a única que permanece com um cenário mais natural, sem muita interferência humana. Sem nada ao seu redor – a não ser algumas construções – a lagoa é a suprema protagonista.

Ojo del Inca

Tome alguns cuidados

Mas se, por um lado, essa pouca interferência é sadia, por outro a desorganização pode ser um perigo. Não há um controle coerente dos visitantes, nem salva-vidas e muito menos qualquer sinalização sobre a profundidade da lagoa, que chega a 22 metros.

Para conseguir relaxar, é preciso estar sempre encostado na borda, segurando na vegetação. Embora eu não tenha ouvido essa orientação enquanto estive lá, dizem  não ser aconselhado nadar até o meio da lagoa.  Sei lá, é um vulcão, né!?

Mas, calma. Os bolivianos não são tão relapsos assim. Há uma piscina construída na parte de trás da lagoa onde podemos nos acalmar e nos banhar com tranquilidade, já que a água não ultrapassa a altura da cintura.

Para quem procura mais conforto, a poucos quilômetros daqui estão o Complejo de Tarapaya e as piscinas de Miraflores, balneários públicos onde você pode nadar em piscinas artificias.

Eu preferi me aquietar no Ojo del Inca cujas águas, como muitos acreditam, têm poderes medicinais. Para mim, elas fazem mesmo é muito bem à alma.

Como visitar o Ojo del Inca

Quanto custa

É cobrada uma tarifa de BOB 10, mas não há um sistema regulamentado para essa cobrança – isso significa que não há recibo, bilheteria, controle de acesso. Nada disso. Com esse valor você pode tomar banho na lagoa e usar o vestuário. É possível acampar nos arredores da lagoa.

Quando ir

Independentemente da estação, sempre é possível chegar aqui. Nos dias mais ensolarados, o cenário fica mais bonito, mas no frio a água quentinha pode ser uma boa pedida. Evite ir nos finais de semana quando os moradores dos povoados vizinhos frequentam as piscinas naturais da região.

Como chegar

A forma mais tranquila e econômica de chegar ao Ojo del Inca é de transporte público. Nos arredores do mercado municipal de Potosí, tome um micro-ônibus até o Mercado Chuquimia – a passagem custa BOB 1,50.

No mercado, as vans partem para Miraflores assim que todos os lugares forem ocupados. Fique de olho porque rola uma fila – de tão desorganizada, nem sei se posso chamá-la assim. A passagem custa BOB 5. Não se esqueça: informe ao motorista que deseja descer na entrada do Ojo del Inca. A viagem dura cerca de 1h.

A van para na rodovia e para chegar à lagoa é preciso caminhar por cerca de 15 minutos. Vá com calma. Como o Ojo del Inca está a 3.400 metros de altitude, qualquer esforço poderá causar mal-estar. A última van parte da lagoa por volta das 18h.

Poucas agências fazem excursão para cá, já que o custo acaba não sendo atrativo diante da facilidade de usar o transporte público.

Ojo del Inca

Onde ficar

O Hostal La Casona foi a minha escolha em Potosí. Funcionando em um antigo casarão, ele fica a duas quadras da praça principal, em uma área de fácil circulação tanto durante o dia quanto à noite. Apesar do atendimento não ser o mais simpático que já experimentei, ele pode ser uma opção para se hospedar na cidade.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser estendido por mais 90 dias.

Documentos

Você pode usar o passaporte, com validade de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.

Vacinas

A vacinação contra febre amarela é obrigatória. Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

Informações sobre covid-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  2.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  3. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você os detalhes das regras Resolución Multi-Ministerial 001, de 27 de abril de 2022.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem um seguro viagem com cobertura para covid-19 não é uma boa ideia. 

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Se você for fazer qualquer atividade de risco – como trekking em vulcões, cruzar o Salar de Uyuni de carro ou conhecer a Amazônia boliviana, por exemplo – o seguro passa a ser essencial para sua viagem. Pode confiar em mim!

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para a Bolívia, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas da Bolívia

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

8 Comentários

  1. Salu Aristimunha

    Ótimas dicas, vou passar por Potossi em setembro de 2018.

    Responder
  2. Tadeu Michetti

    Banhar-se no Ojo Del Inca está proibido em virtude de algumas mortes de turistas. Contudo, a fiscalização é realizada por uma moradora do local. Mesmo assim, se o banho for rápido vale o risco, rsrsrs. A piscina construída mais abaixo também é uma boa opção para um banho tranquilo.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Tadeu.

      Como ficou sabendo da proibição? Pode me explicar, por favor.
      Quanto fui, não havia nenhuma placa ou sinalização no local.

      Um abraço.

      Responder
  3. Carol

    Adorei a indicação, pretendo passar por lá mês que vem! 😀
    Mas fiquei com uma dúvida: como exatamente faço para voltar? Porque pelo o que eu entendi temos que descer numa rodovia. As vans de volta saem do mesmo lugar?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi Carol,

      É isso mesmo. Quando você descer da van, combine com o motorista. Eles param na rodovia, em frente à rua que dá acesso ao Ojo del Inca.

      Um abraço.

      Responder
  4. Andréia

    Como sempre, adorei a dica!
    Amo os “povos andinos”, simpáticos, simples, exóticos… e lugares fantásticos!

    Responder
    • Altier Moulin

      Obrigado, Andréia!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11