O que fazer em Lima

14

Atualizado em 2 de janeiro de 2019

Lima não é apenas a maior e mais importante cidade do Peru. Ela é o mais significante símbolo da harmônica riqueza cultural que o encontro das etnias que formam o país criou. Os povos da floresta, mais ao norte, da Cordilheira dos Andes e do litoral, trouxeram para a capital peruana suas cores, suas histórias e seus sabores. É justamente essa mistura de tradições que faz a Cidade dos Reis ser tão especial. Então, para ver isso com seus próprios olhos, veja as minhas sugestões do que fazer em Lima.

É bom saber que a capital peruana oferece inúmeros espaços culturais como museus e galerias de arte. Além disso, o governo tem trabalhado pesado para se tornar a líder sul-americana em oferta cultural. Assim, cada vez mais, ela tem sido reconhecida mundialmente como um importante polo para o desenvolvimento das artes.

Reserve já o seu hotel em Lima e garanta os melhores preços.

O clima na cidade é quase sempre agradável, sem calor ou frio extremos. O que para nós, brasileiros, pode ser uma ameaça aparente são os frequentes terremotos que balançam a cidade. A maioria deles, na verdade, não apresenta riscos para a população, mas eu confesso que é estranho sentir o chão tremer.

O que fazer em Lima

Plaza San Martin | Essa importante praça limenha foi construída ao redor do monumento que homenageia o general argentino, José de San Martin. Ele lutou pela independência de vários países latinos. Localizada dentro da área reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, em 1988, ela é um dos espaços públicos mais representativos da cidade.

01

Plaza de Armas | Também chamada de Plaza Mayor, ela é ladeada por grandes construções. No tempo do reinado espanhol, essa construções eram moradias dos mais abastados e, por isso, a praça tem um ar europeu. Bonita, limpa e sempre bem movimentada, é um dos principais pontos turísticos da cidade.
02

Palacio de Gobieno | O Palacio também é conhecido como a Casa de Pizarro por ter sido construída no terreno onde viveu o fundador de Lima, o espanhol Francisco Pizarro. Hoje, a sede do poder executivo peruano é considerada uma das mais belas do continente por sua influência colonial. Seus belos saguões incluem o salão dourado, inspirado na famosa galeria dos espelhos, do Palácio de Versalhes, na França. Visitas guiadas são permitidas diariamente, das 9 às 13h.

Lima, Peru

Fachada do Palacio de Gobierno.

Convento e Igreja de São Francisco | O maior conjunto de arte colonial das Américas é uma das poucas construções que resistiu ao terremoto de 1746. Uma visita ao o convento e à igreja nos proporciona uma breve introdução à história limenha e peruana. Porém, a maior experiência que tive dentro deste prédio do Século 17 foi, sem dúvida, andar pelos estreitos e pouco iluminados corredores do antigo cemitério subterrâneo. Ele funcionou até o ano de 1821.

Estima-se que pelo menos 250 mil pessoas tenham sido sepultadas aqui. Como o espaço é pequeno, os corpos foram colocados um sobre o outro, separados por uma fina camada de terra e cal para acelerar a decomposição. Depois de alguns anos, os ossos eram retirados e levados para o ossuário geral. Lá, eles eram organizados como se fossem peças de decoração.

Nas catacumbas subterrâneas, encontro salas inteiras com restos mortais e tumbas gigantes cheias de ossos. A maior delas tem dez metros de profundidade e quatro de largura. É uma viagem pela história e pela crença de que, sendo sepultados debaixo da cúpula da igreja, os mortos teriam acesso direto a Deus.

A visita guiada ao Convento e à igreja vale muito a pena. A construção, os quadros gigantescos e os enormes altares entalhados em madeira – alguns cobertos por ouro e prata – fascinam qualquer pessoa. O convento abre diariamente, das 9h30 às 17h30.

Lima, Peru

Fachada do Convento e Iglesia San Francisco.

Lima, Peru

O ossuário geral onde os restos mortais eram organizados.

Basílica Catedral e Museu de Arte Sacra | Mais uma vez, o costume de sepultar os mortos no subsolo da cúpula principal de igreja se repete. Porém, aqui os privilegiados foram as autoridades eclesiásticas e los niños, crianças que pertenciam à elite da cidade.

A Catedral de Lima é um templo religioso construído no estilo barroco com interior simples. Ao lado da Catedral está o Museu de Arte Sacra, antiga sede da Igreja que agora está disponível para visitação popular. As visitas aqui podem ser feitas de segunda a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados das 10h às 13h. Aos domingos a entrada é restrita às celebrações.

Lima, Peru

Interior do prédio onde funciona o Museu de Arte Sacra.

Huaca Pucllana | No movimentado bairro de Miraflores, uma das áreas mais nobres de Lima, encontro o Huaca Pucllana. Esta é uma imensa pirâmide que data do período pré-colombiano. A construção, com cerca de 25 metros de altura, se estende por seis hectares e as pesquisas sobre sua origem, motivo e novos sítios arqueológicos não cessam.

Em 2011, foram descobertos novas tumbas com múmias que ficaram escondidas desde o ano 850 d. C. Considerado um dos mais importantes centros cerimoniais da cultura de povos pré-hispânicos no país, atualmente abriga um museu que conserva peças encontradas durante as escavações. Você pode visitar esse sítio arqueológico de quarta a segunda, das 9h às 17h.

Lima, Peru

Huaca Pucllana: uma imensa pirâmide do período pré-colombiano.

Shopping Larcomar | Esse centro comercial limenho foi construído às margens do Pacífico, no charmoso bairro de Miraflores. Ele é constantemente visitado por turistas estrangeiros, assim como pelos moradores da capital. Por isso, tem ótimas opções de restaurantes e lojinhas com produtos turísticos. Aproveite a área descoberta para apreciar o fim de tarde e se surpreender com o pôr-do-sol limenho.

Onde Comer e beber

A hora do almoço em Lima é uma atração à parte. A boa mesa, que concilia os frutos do mar com a herança dos povos que habitam as montanhas, faz da culinária limenha um patrimônio peruano.

Comece pelo tradicionalíssimo ceviche, um prato preparado com peixe marinado em suco de limão. No Tanta, um dos melhores restaurantes da cidade, saboreie o Lomo Saltado, um prato para comer celebrando cada pedaço e desejando mais. Para acompanhar, peça uma Inka Cola, que não tem a cor, o sabor nem o gás da concorrente americana.

À noitinha, vá ao Picas, um bar que fica no bairro de Barranco, o mais boêmio da capital peruana. Por lá, experimente o Pisco Sour e o Maracuya Sour. Barranco foi, por muitos anos, o bairro dos ricos, já que tem uma vista privilegiada para o mar do Pacífico. Ainda hoje moram ali personagens da cena cult limenha, entre eles o peruano Prêmio Nobel de literatura, de 2010, Mario Vargas Llosa.

Lima, Peru

O saboroso ceviche.

Peru, Lima

Lomo Saltado: um prato para comer agradecendo.

Planeje o que fazer em Lima

Quando ir | O melhor período para visitar Lima é entre dezembro e abril, quando as chances de dias ensolarados são maiores. Nessa época também não faz tanto frio à noite. O clima na cidade é quase sempre agradável, sem calor ou frio extremos. Entretanto, a umidade relativa do ar é sempre alta, podendo chegar a 95% mesmo sem chuva. É isso que causa os nevoeiros tão constantes na atmosfera de Lima.

O que para nós brasileiros pode ser uma ameaça aparente são os frequentes terremotos que balançam a cidade. A maioria deles não apresenta riscos para a população, mas é estranho acordar de madrugada sentindo o chão tremer, como aconteceu comigo. Para saber onde aconteceram os últimos tremores de terra e qual a intensidade de cada um deles, você pode acessar o site do Instituto Geofísico do Peru.

Quem leva | Lima tem muita coisa para a gente ver, fazer e experimentar. Aqui, qualquer viajante encontra um programa ideal. Eu listei alguns pacotes para você planejar seus dias pela capital peruana. Veja a lista completa aqui.

Como chegar | O Aeroporto Internacional Jorge Chávez (LIM) está a 30 minutos do centro de Lima. Há voos diários de diferentes companhias aéreas que partem do Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU), em São Paulo, com destino à capital peruana. Sem escalas, a viagem dura aproximadamente cinco horas. De Lima, partem vários voos para as principais cidades do país. Para saber quais as principais empresas aéreas do país, leia: Companhias aéreas do Peru.

Também é possível chegar a Lima de ônibus. A viagem pode durar mais de 30 horas, partindo de Rio Branco, a capital do Acre. Há saídas também de São Paulo. Os detalhes dessa aventura você pode ler em: Como é viajar de ônibus para o Peru.

A capital peruana é ligada às principais cidades por um serviço de transporte de passageiros moderno e que supera, em muitos aspectos, os oferecidos no Brasil. Para citar alguns exemplos, a maioria dos ônibus tem dois andares, cadeiras confortáveis, serviço de bordo com refeições, internet sem fio e boas opções de entretenimento. As melhores empresas rodoviárias são Cruz del Sur e Oltursa.

De uma forma geral, as rodovias peruanas estão em bom estado de conservação, principalmente aquelas que ligam grandes centros urbanos. Brasileiros podem dirigir no Peru usando a Carteira Nacional de Habilitação por até seis meses. Para saber como é a viagem de carro até aqui, leia: Peru de carro: o que você precisa saber.

Onde ficar | Como toda grande cidade, Lima tem opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos. O bairro de Miraflores tem as melhores opções de hospedagem da cidade. Bem cuidada, essa região é cheia de bons restaurantes e hotéis. Ficar hospedado por aqui pode até ser mais caro do que em outras áreas de Lima, mas os benefícios compensam cada centavo a mais.

Aqui pertinho está o bairro San Isidro, que é ainda mais residencial e, portanto, mais tranquilo. Essa é uma região muito interessante para quem viaja com família e quer ficar perto de tudo, mas não tão perto a ponto de se sentir incomodado. Você pode ver todas as minhas dicas de hospedagem em Lima no post: Onde se hospedar em Lima.

Uma sugestão que eu dou é não se hospedar no Centro Histórico. Embora os preços por lá sejam os melhores, você vai perder em conforto e em segurança – principalmente à noite.

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no Peru por até 90 dias. Na chegada, você poderá apresentar a carteira de identidade, desde que ela tenha sido emitida há menos de dez anos e que esteja em bom estado de conservação. Pode também apresentar o passaporte.

O seguro viagem não é obrigatório, mas eu não aconselho que você viaje sem ele. Isso porque, é muito comum ser afetado pelo mal de altitude. Veja como comprar seu seguro viagem com desconto.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

14 Comentários

    • Altier Moulin

      Oi Vanessa,

      Obrigado por passear pelo blog. Espero que ele te ajude a descobrir um pouco dessa terra que tanto me fez bem.

      Boa viagem e um abraço!

  1. Avatar

    Por favor, como eu faço para comprar uma passagem aérea de LIMA/CUZCO/LIMA. Eu vi que a Peruvian Air tem valores baixos, mas parece que tem que comprar em solo peruano. Como é o jeito mais barato de ir ate o Machu Pitchu?

  2. Avatar

    Olá Altier, estou indo para a Colômbia com uma parada de 10 horas em Lima. Gostaria de passear pela capital mas tenho medo do deslocamento do aeroporto até o centro. O que você me diz..é complicado ou tranquilo..
    Que lugares posso conhecer…o que você indica…
    Obrigada pela atenção.
    Forte abraço.

  3. Avatar
    Romulo de Aguiar on

    Ola!!!
    Estou querendo fazer esta viagem de ônibus para poder explorar ao maximo as paisagens, mas tenho dúvida em relação a estadia e o que de fato deveria levar na bagagem.

    • Altier Moulin

      Oi, Josi.

      Junho é um mês bastante frio e seco nas montanhas peruanas. Leve casacos, luvas, gorros e botas, por exemplo. Isso tudo você pode comprar lá, claro.

      Um abraço.

Escreva um comentário