Onde comer em Lima: conheça os pratos típicos da cozinha limenha

Atualizado em 5 de outubro de 2022 – 2 min de leitura

Quando estou planejando uma viagem, depois de escolher quando ir e como chegar, outra prioridade é descobrir onde encontro comida boa e barata. Por isso, eu fiz questão de listar minhas dicas de onde comer em Lima.

É que a culinária regional é um dos elementos que mais conta a história do povo e dos lugares. Além disso, experimentar os pratos locais é uma atividade muito prazerosa.

→ Onde ficar em Lima

Lima não é apenas a maior e mais importante cidade do Peru. Ela é o símbolo mais significante da harmônica riqueza cultural que o encontro das etnias que formam o país criou. Comer em Lima é uma experiência à parte.

Onde comer em Lima

A boa mesa, que concilia os frutos do mar com a herança dos povos que habitam as montanhas, faz da culinária limenha um patrimônio peruano.

Por isso, eu sugiro que, quando for comer em Lima, você comece o seu tour gastronômico pelo tradicionalíssimo ceviche, prato preparado com peixe marinado em suco de limão.

Para comer um bom ceviche, você pode procurar as tradicionais chevicherías. Eu indico a Mibarrunto, onde um prato individual custa cerca de S/. 49.

Saboreie também o lomo saltado, um filé em tiras, servido com legumes e arroz que você vai comer celebrando cada pedaço e desejando mais. No Tanta, um dos melhores restaurantes da cidade, e no Nanka você paga cerca de PEN 65 pelo prato.

Para acompanhar, peça uma Inka Cola. A bebida não tem a cor, o sabor e nem o gás da concorrente americana, mas aqui, faz tanto – ou mais – sucesso quanto ela.

No inverno de Lima, um dos pratos mais consumidos é o aji de gallina, feito com frango desfiado e cozido em um molho apimentado feito com leite, queijo parmesão e nozes.

A papa rellena pode ser comparada à coxinha brasileira. Esse aperitivo é feito com uma massa de batatas que é moldada e recheada – na versão clássica – com carne moída apimentada e bem temperada.

O melhor lugar para comer essa delícia é o Wayro, onde você paga PEN 5 por uma bem grande.

Quando for comer em Lima, você também encontrará deliciosas sopas, mas eu quero destacar a sopa criolla.

Esse clássico prato peruano mistura carne e macarrão com um forte tempero e um toque de pimenta. Ele foi trazido para o país por imigrantes italianos.

Se tiver oportunidade, experimente a chicha morada. Essa bebida típica peruana é preparada a partir de um milho roxo conhecido como maiz morado e tem um gosto bem intenso.

Hoje em dia, a chicha pode ser comprada engarrafada em bares e supermercados. Mas, no processo tradicional de preparo o milho roxo é cozido com pedaços de abacaxi, canela e cravo até que tudo vire um líquido roxo e doce.

À noitinha, vá ao Picas, um bar que fica no bairro de Barranco, o mais boêmio da capital peruana. Lá, experimente o pisco sour, um dos mais populares drinques do país.

Para adoçar a boca, não deixe de comer em Lima os tradicionalíssimos picarones, um tipo de rosquinha frita feita com batata doce e servida com uma calda de melado que você encontra facilmente nas esquinas da cidade.

Já o tres leches se tornou uma sobremesa típica no país há poucos anos. Ele é um pão de ló simples molhado com uma calda feita com leite condensado, creme de leite e leite integral. O tres leches é extremamente doce e um pouco pesado para quem está de dieta.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar no país e o prazo máximo de permanência é de 90 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias.

Documentos

Você deve apresentar o passaporte, com seis meses de validade, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos e em bom estado de conservação.

Dinheiro

A moeda peruana é o nuevo sol, identificado pela sigla PEN e pelo símbolo S/. Para sua viagem, leve dólares e troque nas casas de câmbio.

Vacinas

A vacina contra febre amarela é recomendada para quem for viajar para a região amazônica. Veja como solicitar o certificado pela internet.

Informações sobre covid-19

Desde que reabriu suas fronteiras, o Peru adotou várias regras de prevenção e controle dos casos de covid-19. Isso significa que é preciso cumprir alguns requisitos sanitários e legais para entrar no país.

De forma geral, os documentos exigidos para a entrada de brasileiros – além dos já citados acima – são os seguintes:

  1. Comprovante de vacinação contra covid-19 com esquema vacinal completo – a terceira dose é exigida para maiores de 40 anos –, esta regra vale para viajantes maiores de 12 anos;
  2. Resultado negativo de teste RT-PCR feito há, no máximo, 48 horas antes do embarque, exigido apenas de viajantes não vacinados;
  3. Formulário Declaração de Autorização de Saúde e Geolocalização preenchido e enviado eletronicamente até 72 horas antes da partida, exigido de todos os viajante.
  4. Comprovante de hospedagem, que pode ser solicitado para que as autoridades peruanas monitorem seu estado de saúde.

É importante saber que, para viajantes vacinados, a dose final deve ter sido administrada pelo menos 14 dias antes da viagem.

Todos os viajantes – vacinados ou não – podem ser submetidos a verificação de temperatura e a testes aleatórios para detecção de covid-19 na chegada ao Peru. Se o resultado der positivo, será necessário seguir as instruções das autoridades de saúde e pode ser necessário cumprir quarentena de até 14 dias.

No caso de crianças menores de 12 anos, basta que estejam assintomáticas para embarcar, não sendo exigido comprovante de vacinação ou teste RT-PCR.

É obrigatório o uso de máscara dupla – uma máscara cirúrgica e uma máscara de pano ou apenas uma do modelo KN95 – durante os voos e nos aeroportos peruanos.

Em todo o Peru, o estado de emergência continua em vigor. Por isso, o comprovante de vacinação contra covid-19 pode ser exigido para entrar em museus, sítios arqueológicos, shoppings, supermercados, restaurantes e em outros ambientes fechados.

Você pode acompanhar os números oficiais da covid-19 no site do Governo do Peru.

Retorno ao Brasil

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem o seguro viagem durante a pandemia não é uma boa ideia.  Ainda que você esteja com o esquema vacinal completo, é bom saber que terá atendimento médico e hospitalar na hora que precisar.

Além disso, o preço do seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele também garante que você estará amparado em situações como cancelamento da viagem, extravio de bagagem e muitas outras.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para o Peru, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas do Peru

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Peru.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.