A inesquecível viagem para Machu Picchu

22

Atualizado em 6 de abril de 2018

Por tantas vezes, eu ouvi falar desse lugar, li sobre seus mistérios e até me imaginei em Machu Picchu. Para mim, é impossível não se encantar com esses horizontes e não ter a mínima vontade de conhecer as mais famosas ruínas do Peru. E se você está lendo esse post é porque, provavelmente, concorda comigo e, agora, está planejando uma viagem para Machu Picchu.

Isso é um bom sinal. Mas eu devo lhe dizer que chegar a Machu Picchu não é tão fácil assim. O ponto de partida para essa viagem é Cusco, cidade histórica considerada a capital do Império Inca. Daqui, as únicas formas de chegar às ruínas são de trem ou a pé. Isso porque, não há estradas que nos levem a Machu Picchu de carro ou de ônibus.

SOBRE O IMPÉRIO INCA

Os domínios do Império Inca se estendiam à região que hoje conhecemos como Peru, Equador, Bolívia e norte da Argentina e do Chile. Esse estado-nação era governado por um imperador que era considerado divino e reconhecido como o Filho do Sol. Foi durante o reinado do imperador Pachacuti que os incas expandiram os seus domínios, tornando-se uma das maiores e mais importantes civilizações das Américas.

De acordo com o que contam os historiadores, o Império Inca teve início no século 7. Na época, sua capital era a cidade de Cusco, que na língua quéchua significa Umbigo do Mundo, a cidade mais importante do Império.

A civilização inca não desenvolveu uma escrita, e para o registro de cálculos matemáticos eles usavam um feixe de cordas com nós chamado quipi. A arquitetura inca era voltada, principalmente, para a construção de templos religiosos. A maioria dessas edificações foi feita sem o uso de argamassa, por isso os blocos de pedras eram encaixados perfeitamente.

A sucessão do império não raramente gerava disputas entre os próprios membros da família imperial. Quando os espanhóis chegaram à região inca, os irmãos Atahualpa e Huascár brigavam pelo trono. Enfraquecidos pela luta interna, eles foram surpreendidos e derrotados pela expedição militar comandada por Francisco Pizarro.

A inesquecível viagem para Machu Picchu

Os terraços utilizados pelos incas para a agricultura.

A agricultura inca era extremamente desenvolvida. Os degraus formados nas encostas das montanhas, chamados de terraços, eram utilizados para ampliar a área de cultivo. Além disso, canais de irrigação foram construídos para desviar o curso dos rios.

As pesquisas agrícolas desenvolvidas por eles chegaram a criar centenas de tipos de batata, tornando-as mais resistentes às diferentes condições climáticas da Cordilheira dos Andes. Além disso, eles plantavam feijão e milho, esse último considerado um alimento sagrado.

Em Cusco, pego um transporte até Ollantaytambo, viagem que dura uma hora e meia, aproximadamente. Daqui, embarco no trem da Peru Rail que me leva até à estação de Águas Calientes. Essa é a parada final para quem quer subir a montanha sagrada. Duas horas mais tarde, finalmente, entro em um ônibus que me leva até à mais famosa cidade dos incas.

ATUALIZAÇÃO | Atualmente, é possível pegar o trem que sai de Cusco e vai direto para a estação de Águas Calientes. Ou seja, sem fazer a viagem até Ollantaytambo.

O clima sobre a montanha é imprevisível. Na estação chuvosa, cai água do céu todos os dias, mas nem sempre é possível saber quando ela vai chegar. Isso acontece porque a cidade está a 2.400 metros de altitude, encravada no meio da floresta tropical.

Sabendo disso, escolho subir até Machu Picchu bem cedo para ter mais opções de horários sem chuva. Com sorte, eu alcanço a cidade perdida dos incas às 8h53, sem chuva. Um excelente sinal.

mapi05

A minha visão nublada de Machu Picchu.

A inesquecível viagem para Machu Picchu

A famosa cidade perdida dos incas.

Um pouco de história

A cidade de Machu Picchu, um dos maiores exemplos da arquitetura inca. Ela foi descoberta em 1911, e revelou toda a eficiente estrutura urbana dessa sociedade. Entretanto, segundo historiadores, a cidade sagrada de Machu Picchu não chegou a ser totalmente construída.

A principal tese defendida é que ela teria sido alcançada e invadida pelos espanhóis antes que todos os prédios fossem erguidos. Especula-se, ainda, que aqui funcionava um importante centro de treinamento dos incas, uma espécie de universidade, nos dias atuais.

Localizada no vale do Rio Urubamba, a cidade resiste há séculos e esconde mistérios ainda não revelados. Alguns deles são as ferramentas utilizadas para esculpir as pedras e como elas eram transportadas até o alto dos montes.

Guia explica o modelo de construção dos incas.

Guia explica o modelo de construção dos incas.

A inesquecível viagem para Machu Picchu

Os muitos turistas que visitam Machu Picchu todos os dias.

A inesquecível viagem para Machu Picchu

O templo do sol.

Caminho pelas trilhas de Machu Picchu acompanhado por centenas de turistas que visitam esse lugar todos os dias do ano, sem interrupções. Na porta do Templo do Sol, lembro-me de um documentário que assisti, há alguns anos, sobre a arquitetura inca: as janelas foram posicionadas estrategicamente para que os raios de sol iluminassem o templo tanto no inverno, quanto no verão, as escadas esculpidas na pedra, o altar e os nichos onde eram guardadas as múmias dos antigos imperadores inca. Tudo agora se concretizava à minha frente.

Muitas pessoas afirmam que a cidade tem uma energia especial. A aclamada atriz Fernanda Montenegro, fazendo uma alusão a essa energia transformadora que emana da ruínas perdidas, certa vez disse que ‘existe um antes e um depois na vida de qualquer pessoa que visita Machu Picchu’. Por essas características que a fazem tão especial, pelas obras e pela localização geográfica, Machu Picchu foi reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, em 1987.

Planeje sua viagem para Machu Picchu

Quanto custa | Para planejar sua viagem e fazer um orçamento bem realista, eu sugiro que você leia: Quanto custa viajar para Machu Picchu.

Quando ir |  A melhor época para fazer uma viagem para Machu Picchu é entre os meses de maio e setembro, quando quase não chove por aqui, mas, em compensação, as temperaturas são bem mais baixas. Os melhores meses são, exatamente, junho e julho. A temporada de chuva começa em outubro, e os meses que mais chovem são de dezembro a março.

Quem leva | Diariamente, apenas 2.500 visitantes podem subir até a Cidade Perdida. Para o Caminho Inca são permitidos apenas 500 viajantes. E para subir a Huayna Picchu, e ter aquela visão espetacular de cima de Machu Picchu, somente 400 autorizações são concedidas a cada dia.

As entradas devem ser compradas com antecedência pelo site do Ministério da Cultura ou em agências de turismo em Cusco. Você também pode comprar pacotes com todos os serviços: incluindo traslado, guia e ingressos. Veja a lista completa de opções.

Como chegar | De Ollantaytambo, a viagem de trem leva entre três a quatro horas até chegar ao povoado de Águas Calientes. Nesse local, há ônibus que levam cerca de 30 minutos para chegar a Machu Picchu, pela rodovia Hiram Bingham.

Pelas trilhas do Caminho Inca, em uma caminhada de quatro dias, chega-se a Machu Picchu pela porta do Sol. São 45 quilômetros a pé, pernoitando em acampamentos.

Você pode também fazer a trilha curta de duas maneiras: em dois dias, com pernoite no alojamento próximo às ruínas de Wina Wayna, chegando à porta do sol pela manhã; ou caminhar os 12 quilômetros em um único dia, chegando a Machu Picchu no final da tarde.

A inesquecível viagem para Machu Picchu

Estação ferroviária de Ollantaytambo: embarcando para Machu Picchu.

A inesquecível viagem para Machu Picchu

Pela janela do trem, a paisagem de vales, montanhas e rios.

Onde ficar | O mais comum é ficar hospedado em Cusco e, daqui, seguir viagem para Machu Picchu. Se estiver com tempo, você pode, também, dormir nos arredores de Machu Picchu. O Belmond Sanctuary Lodge, por exemplo, é o único hotel com vista para as ruínas.

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no Peru por até 90 dias. Na chegada, você poderá apresentar a carteira de identidade, desde que ela tenha sido emitida há menos de dez anos e que esteja em bom estado de conservação, ou o passaporte.

O seguro viagem não é obrigatório, mas eu não aconselho que você viaje sem ele, já que é muito comum ser afetado pelo mal de altitude. Veja como comprar seu seguro viagem com desconto.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

22 Comentários

  1. Avatar

    Excelente texto. Ótimas dicas. Penso em ir em outubro, mas tenho dúvida se, nessa época, chove muito lá. Abração e boas futuras viagens.

    • Altier Moulin

      Leonardo,

      Vale muito a pena visitar Machu Picchu. Escolha a estação menos chuvosa para aproveitar mais.

      A melhor época para ir a Machu Picchu é entre os meses de maio a setembro. As temperaturas são bem mais baixas, mas não chove tanto como nos outros meses. Os melhores meses são junho e julho. A temporada de chuvas começa em outubro. Os meses que mais chovem são de dezembro a março.

      Boa viagem!

    • Altier Moulin

      Juliane,

      Algumas pessoas podem, sim, sentir mal-estar, dor de cabeça e tontura devido a altitude. Para evitar esse problema, eu sugiro que você reserve um dia em Cusco para descansar e para que seu corpo se acostume com a altitude. Só depois siga em direção a Machu Pichu. Tome, também, o chá de coca, que além de ser muito gostoso vai te ajudar a superar esse desconforto. Há, ainda, pílulas que ajudam a vencer o mal de altitute. Elas são facilmente encontradas em farmácias. No meu caso, não tive nenhum problema. Nem mesmo dor de cabeça, que é mais comum. Portanto, não tenha medo. Boa viagem!

      Um abraço,

    • Altier Moulin

      Fabrício,

      Eu recomendaria dois dias em Machu Picchu apenas se você for escalar a montanha de Wayna Picchu, que fica em frente à montanha de Mapi. Para isso, você precisará comprar um ingresso que garanta a sua entrada nos dois sítios. Lembre-se que ambos tem limitação diária de visitantes.

      Um abraço!

      • Avatar

        Quero subir sim! Comprei o tkt para subir as 7 da manhã. Vou dormir em aguas calientes. Pensei em acordar cedo e pegar o primeiro onibus. Passar o dia todo no parque.
        O que acha?

        • Altier Moulin

          Fabricio,

          Acho uma boa programação. Águas Calientes é uma cidade pequena com pouca programação a noite, mas durante o dia você poderá visitar alguns mercados de artesanato por lá, caso decida voltar mais cedo. Ah, você não pode entrar em Machu Picchu com água ou qualquer tipo de alimento. Portanto, não deixe que os oficiais do parque percebam isso. Leve uma mochila e guarde-os lá dentro. Em alguns casos eles pedem para abrir sacola e mochilas para verificação. 🙁

          Sucesso na viagem.

  2. Avatar

    Olá Altier, tenho minha viagem ao Peru programada desde o dia 28 de Janeiro ate o dia 15 de Fevereiro. Estarei em Cusco entre os dias 4 e 9 de Fevereiro e estou programando ir desde Lima a Cusco de avião e na volta pegar um ônibus que pare em algumas cidades interessantes, você tem alguma recomendação?

    • Altier Moulin

      Janine, tenho duas sugestões. A primeira é pegar um ônibus para Arequipa, para visitar o Cânino do Rio Colca. A segunda, ir até Puno – que é no Lago Titicaca e ir parando pelas cidades do caminho. Acho que você vai gostar.

      Um abraço!

  3. Avatar

    Oi. Estou programando uma viagem ao Peru. Escolhi Cusco e Machu Picchu, porém só tenho uma semana para sair de Manaus. Você acha que consigo fazer essa viagem saindo de Rio Branco – Cusco – Machu Picchu em 1 semana? Qual o melhor roteiro?

    • Altier Moulin

      Oi Rebecca,

      Consegue sim. O roteiro pode ser Rio Branco – Puerto Maldonado – Cusco – Machu Picchu. É corrido, mas possível.

      Um abraço.

  4. Avatar

    Olá!!! Primeiramente Parabéns pelo blog! Adoro suas dicas!
    Viajo ao Peru nos entre os dias 3 e 8 de julho…vou direto pra Cuzco. Gostaria de ir no dia 4 a Aguas Calientes, dia 5 Machu Picchu e depois ainda tenho 3 dias. Alguma dica pra fazer nesses dias que me sobram? Obrigada.

    • Altier Moulin

      Oi Aline,

      Primeiro, obrigado por acompanhar o blog. Sim, você pode aproveitar para ir às Salineras de Maras, visitar Moray e fazer todo o Vale Sagrado. Claro, destine um tempo para conhecer melhor Cusco e os sítios arqueológico ao redor, como Sacsayhuamán.

      Veja esse app: http://penaestrada.blog.br/guia-peru/

      Um abraço.

  5. Avatar
    Altair Machado on

    Depois do trem pega-se o ônibus até Machu Picchu. Depois do ônibus tem que andar quanto tempo? Pretendo levar meus pais de 72 e70 anos.

    • Altier Moulin

      Oi Altair,

      O ônibus para na entrada das ruínas de Machu Picchu. A caminhada mais longa é feita lá dentro, com descidas e subidas de escadas. Mas com calma dá pra fazer tudo tranquilamente.

      Um abraço.

  6. Avatar

    Olá Altier,
    Tenho uma deficiência física, então só pra entender melhor: posso sair de trem e depois ônibus para a entrada de Machu Picchu, a subida é difícil acesso? Tem que pagar algum valor ou só para quem vai na trilha? Obrigado e parabéns pelo trabalho!!!

    • Altier Moulin

      Oi Elano,

      O ônibus nos leva até o estacionamento das ruínas, cerca de cinquenta metros da entrada. Esse trajeto é tranquilo e o terreno é regular, só um pouco inclinado.
      Eu não sei o grau de sua deficiência, mas o terreno de MaPi é bastaste irregular e tem muitas escadas de pedra. Isso. talvez, possa ser um complicador.
      Não é preciso pagar nada além do tíquete que eu explico no texto.

      Um abraço!

  7. Avatar

    Olá, infelizmente só tenho como ir a Lima e Cuzco em dezembro – 23 a 28. Tem alguma festa típica lá? Achas que chove mto a ponto de nao ir no vale sagrado?

Escreva um comentário