O que fazer em Copacabana: o essencial da cidade mais alternativa da Bolívia

Atualizado em 10 de outubro de 2022 – 7 min de leitura

O que fazer em Copacabana

Copacabana fica a 155 quilômetros de La Paz. Esta é uma cidade pequena, simples, de aparência exótica e carente de limpeza. Aqui, mesmo sob o sol do verão, o clima é sempre ameno. O vento gelado que vem do Lago Titicaca, muitas vezes, nos afasta da rua. Justamente por isso, a cidade é uma das mais exóticas da Bolívia e tem boas opções. Veja, então, o que fazer em Copacabana.

A Plaza 2 de Febrero é o principal ponto de encontro da cidade. Enquanto a Avenida 6 de Agosto é a mais movimentada, com hostels, bares, cafés, mercados e lojinhas de artesanato. Descendo a ladeira, essa avenida termina no imenso Lago Titicaca. Se você quiser fugir dessa zona mais turística basta ir uma quadra acima, na Avenida Jaregui. Lá você conhecerá melhor o lado local da cidade, já que é onde estão os mercados de rua e as mercearias frequentadas por moradores.

O prato mais consumido em Copacabana é a truta, que chega fresquinha do lago que abençoa a cidade. Aqui, praticamente todos os restaurantes servem o peixe a um preço sempre convidativo. Se preferir algo mais pesado, há muitos lugares que servem pizzas e massas.

O que fazer em Copacabana

Copacabana tem cerca de 20 mil habitantes. Você vai perceber com facilidade é que a infraestrutura continua bem precária. Apesar de ser uma cidade turística, as ruas são esburacadas, há falta de energia elétrica com frequência, a internet funciona mal e, mesmo assim, paga-se caro para usá-la em hostels e cafés. Embora a maioria dos serviços ainda seja de má qualidade, existem caixas eletrônicos por toda a cidade, especialmente na área turística. Vale lembrar que poucos estabelecimentos aceitam cartões de crédito ou débito.

O que fazer em Copacabana

Lago Titicaca

Estrategicamente localizado na fronteira entre o Peru e a Bolívia está o Lago Titicaca. Ele tem mais de 8.300 quilômetros quadrados e está a 3.821 metros acima do nível do mar. Isso faz dele o lago navegável mais alto do mundo e o segundo maior da América Latina. Pede apenas para o lago de Maracaibo, na Venezuela.

Para muitas culturas latino-americanas, o lago é considerado sagrado e, por isso, é cercado de histórias e mistérios. Conta a lenda que foi das águas do Lago Titicaca que emergiu Manco Capac, quem deu início à construção do Império Inca.

O Lago Titicaca atinge um comprimento de 165 quilômetros, com largura máxima de 60 quilômetros. Ele tem dois estreitos: nos arredores de Puno, no Peru, está a Península de Chucuito, e no lado boliviano, na região de Tiquina, a Península de Wiñaymarca, onde está a cidade de Copacabana. A maior profundidade do lago, com 274 metros, foi verificada no setor nordeste da ilha de Campanario.

Em Copacabana, a praia formada pelo Lago Titicaca é bem agradável para passeios no fim da tarde. Depois da caminhada, uma boa escolha é fazer uma parada em um dos cafés ou bares da região para esquentar do frio. O ar gelado sempre aparece no começo da noite.

Isla del Sol

Visitar esta ilha é uma das coisas que você não pode deixar de fazer em Copacabana. Durante o Império Inca, a Isla del Sol era considerada um santuário onde estava o templo dedicado ao deus Sol. Hoje, a ilha é habitada por comunidades de origem quéchua e aimará. Elas se dedicam basicamente à agricultura, ao turismo, ao artesanato e à criação de lhamas e outros mamíferos.

A ilha fica a 20 quilômetros de Copacabana, e seu ponto mais alto atinge os 3.925 metros. Então, se você quiser subir a escadaria que leva até o topo, esteja consciente de que essa poderá ser uma caminhada muito mais cansativa do que habitualmente seria.

O passeio até aqui custa, em média, BOB 25. Mas, o valor é altamente negociável, dependendo do número de pessoas que viajam juntas. A maioria das embarcações deixa Copacabana no início da manhã. Este é o horário escolhido pela maioria dos turistas que vai fazer o bate-volta, mas há também traslados por volta do meio-dia. O retorno é sempre às 16h.

Para saber mais detalhes leia O imperdível passeio na Isla del Sol.

Isla de la Luna

Bem menor, a Isla de la Luna fica a oito quilômetros da Isla del Sol. Você pode chegar aqui de barco partindo da Isla del Sol ou de Copacabana. A ilha também é habitada por comunidades indígenas e é ainda menos desenvolvida turisticamente.

Entre os locais mais visitados na Isla de la Luna, estão o Palácio das Virgens e o Templo da Lua. Mas, o que muita gente vem fazer aqui é simplesmente experimentar o modo de vida nativo de uma pequena ilha do imenso Lago Titicaca.

Basílica de Copacabana

A Basílica de Copacabana começou a ser construída em 1601 e é uma das mais antigas igrejas da Bolívia. Ela é um excelente exemplo da arquitetura renascentista e barroca. Além disso, abriga a imagem de La Virgen de la Candelaria, muito devotada em todo o país por seus poderes curadores.

A estátua original foi esculpida a partir de cacto, em 1583, pelo sobrinho do imperador inca Huayna Capac. Isso fez dessa igreja boliviana o local de peregrinação mais reverenciado de todo o país. Sua reputação chegou ao Rio de Janeiro, onde foi construída uma capela na praia que se tornou a mais famosa do Brasil.

O que fazer em Copacabana

Museo  del Poncho

Esse museu tem uma variedade de tecidos e peças do vestuário de comunidades andinas e mostra como o poncho é mais do que uma peça de roupa. Este é um símbolo da identidade, da classe social e de autoridade no país. Rua Tito Yupanqui, 42. A entrada custa BOB 15.

Caminho de Yampupata

Esse é um passeio muito interessante. A rota entre Yampupata, no final da Península de Wiñaymarca, e Sampaya tem cerca de 17 quilômetros e pode ser concluída em cinco horas. A estrada por onde é feita a caminhada foi utilizada por diferentes civilizações, incluindo os antigos incas. Atualmente é usada por diferentes grupos camponeses das aldeias da região.

Um dos grandes atrativos dessa atividade é a indescritível paisagem do caminho. Uma boa opção é fazer o trecho de ida caminhando e, depois, voltar de carro ou de ônibus. Geralmente, o período da manhã é o mais indicado para o passeio.

Cerro el Calvario

O Cerro El Calvário fica a 900 metros da Praia de Copacabana. Subir até o topo, passando pelas estações que marcam a Via Dolorosa, é muito comum entre os peregrinos que chegam à cidade. Especialmente durante a Páscoa e no dia da Virgem de Copacabana.

Entretanto, todos os dias do ano, esse lugar é procurado por turistas do mundo inteiro. Daqui, se tem uma bela vista do lago e da cidade. Mas, para admirar a paisagem, é preciso vencer uma subida de cerca de 30 minutos que exige pulmões bem robustos. Infelizmente, há muito lixo espalhado por vários pontos do monte.

Programe sua viagem para Copacabana

Quando ir

Copacabana está a mais de 3.800 metros acima do nível do mar, e os ventos gelados vindos do imenso Lago Titicaca sopram durante o ano todo. Já as chuvas são mais comuns entre novembro e março. Então, a melhor época para visitar a cidade é entre abril e outubro. É nesse período que os dias são mais longos e ensolarados.

Como chegar

O aeroporto mais perto de Copacabana fica em La Paz. Nele pousam aviões das companhias nacionais Boliviana de Aviación (BoA),Transporte Aéreo Militar (TAM), Lloyd Aéreo Boliviano (LAB), Aerocon, Amaszonas e Northeast Bolivian Airways.

Da rodoviária de La Paz, partem ônibus diários para Copacabana. Mas, se o seu estilo for mais econômico, há opções saindo também do terminal do Cemitério – especialmente as empresas Manco Kapac e Transporte 2 de Febrero. Geralmente, a viagem dura cerca de 3h30, e as tarifas mais baratas custam cerca de BOB 25. As principais empresas de ônibus do país são Transcopacabana, Todo Turismo, Panasur,  Tour Peru,Mopar e Trans Omar.

É muito comum que viajantes cheguem a Copacabana partindo de Puno. A viagem também dura cerca de 3h30, mas é preciso lembrar que esse tempo pode ser maior devido às formalidades de fronteira. É inevitável passar por ela para deixar um país e ingressar em outro. Há três ônibus diários de Puno para Copacabana e a passagem custa, aproximadamente, BOB 30.

Tanto para quem vem de La Paz ou de Puno, é preciso descer do ônibus para fazer a travessia de balsa por um braço do Lago Titicaca. O valor cobrado para essa travessia gira em torno de BOB 2.

Chegar à Copacabana foi a maior aventura dessa viagem. Eu tomei um táxi do terminal de ônibus de Puno até o terminal de van – sim, elas são ilegais. Depois, peguei uma van até Yunguyo e, então, um táxi até a fronteira entre o Peru e a Bolívia. Ali apresentei o passaporte para toda aquela burocracia que conhecemos. Só depois disso, entrei novamente em outra van até Copacabana.

Eu só precisei fazer isso tudo porque não comprei minha passagem no ônibus de turismo com antecedência e, para não perder um dia de viagem, resolvi embarcar nessa maratona. Somente quando estava dentro do táxi, apenas eu e o motorista, é que me dei conta de que poderia estar correndo perigo. Pela foto tirada de dentro da van dá para ver minha expressão de tensão.

Onde ficar

A região mais movimentada de Copacabana fica no entorno da Avenida 6 de Agosto, que é cheia de hotéis e hostels baratinhos. Copacabana é a cidade mais alternativa que visitei na Bolívia e, aqui, tudo é realmente muito simples e barato. Se você quiser economizar um pouco mais, à medida que se afastar da área turística, os preços ficam ainda mais baixos.

Como a cidade é pequena, dá para fazer tudo a pé, sem gastar muito tempo. Se preferir, você pode chamar um táxi, que também tem tarifas muito em conta. A opção mais procurada da cidade é o Hostal Brisas del Titicaca, que tem um agradável estilo vintage, inspirado na era disco dos anos 1970.

Para quem quer um pouco mais de privacidade e conforto, boas opções são o Hotel Utama, famoso pelo café da manhã, e o Hotel Rosario Lago Titicaca, um três estrelas considerado um dos melhores da cidade. Quem procura um pouco mais de ostentação, a escolha certa é o Hotel Gloria Copacabana, que fica na margem do Lago Titicaca e tem acomodações incríveis.

Diferentemente de outras cidades bolivianas, não há anfitriões cadastrados no CouchSurfing em Copacabana. Saiba mais sobre esse programa em Como economizar com hospedagem.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser estendido por mais 90 dias.

Documentos

Você pode usar o passaporte, com validade de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.

Vacinas

A vacinação contra febre amarela é obrigatória. Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

Informações sobre covid-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  2.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  3. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você os detalhes das regras Resolución Multi-Ministerial 001, de 27 de abril de 2022.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem um seguro viagem com cobertura para covid-19 não é uma boa ideia. 

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Se você for fazer qualquer atividade de risco – como trekking em vulcões, cruzar o Salar de Uyuni de carro ou conhecer a Amazônia boliviana, por exemplo – o seguro passa a ser essencial para sua viagem. Pode confiar em mim!

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para a Bolívia, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas da Bolívia

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

20 Comentários

  1. Carlos

    Olá! Obrigado pelas dicas

    Vc saberia informar como é a Estrada que liga Puerto Maldonado até Copacabana?

    Um Abraço!

    Responder
  2. Larissa

    Olá! Obrigada pelas dicas!!
    Vou dormir em Puno e pretendo pegar o ônibus das 06h para Copacabana no dia seguinte. Vc acha que corro o risco de não conseguir a passagem comprando um dia antes?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Larissa.

      Depende da época. Se for na alta temporada, sim.
      Isso aconteceu comigo. 🙁

      Um abraço.

      Responder
  3. Lilian

    Olá! Vc sabe dizer se tem algum dia da semana que a Basílica de N.S. de Copacabana fica fechada? E q hs abre e fecha? Desde já agradeço!

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Lilian.

      Infelizmente não sei lhe informar isso. Desculpa!

      Um abraço.

      Responder
  4. Lais

    Olá Altier.
    Primeiramente, parabéns pelo site que esclareceu váriassss dúvidas hahah
    Porém, tenho ainda uma dúvida.
    Será que é possível fazer um bate volta de La Paz a Copacabana? Pretendo dormir em La Paz e no outro dia, cedinho pegar um ônibus para Copacabana, fazer o passeio na Isla del Sol, e voltar para La Paz. Meu receio é os horários que os barcos saem para a Isla. Será que isso tudo é possivel??

    Muito obrigada

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Lais.

      Não indico fazer isso e, na verdade, nem dá tempo.

      Um abraço.

      Responder
  5. Viviane

    Parabéns pelo relato, está muito rico em detalhes.

    Altier, você sabe dizer quais são as empresas ou os horários dos ônibus que saem de Puno para Copacabana? É possível comprar a passagem pela internet? Penso em fazer o passeio no lado peruano do Titicaca durante o dia e pernoitar em Copacabana.

    Um abraço!

    Responder
  6. Rosa

    olá
    estamos indo pra Bolívia em junho;
    É necessário alguma vacina?
    obrigada

    Responder
  7. Luiza

    Boa noite, adorei seus comentários e peguei algumas dicas de Copacabana.
    Vou pra lá em julho com umas amigas, e queria saber quais são os melhores locais pra comer por la.Comida boa e com preço razoável.
    Obrigada pelas dicas.
    Luiza

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Luiza.

      Tudo em Copacabana é muito simples e barato. Restaurantes, bares e hotéis estão, praticamente, concentrados na Avenida 6 de Agosto. Aqui, você vai achar bons lugares para comer.

      Um abraço.

      Responder
  8. marlon

    Eu quero ir, mas não tenho companhia. Seria um país indicado pra ir sozinho?

    Responder
    • Altier Moulin

      Claro, Marlon. Eu fui pra Bolívia sozinho em minha primeira viagem.

      Um abraço.

      Responder
  9. Tatiana

    Seus posts sobre a Bolívia tem me ajudado bastante mas deixa eu te falar e te perguntar: dia 1º de janeiro embarco para o meu mochilão bolívia/peru/chile. Em que época do ano tu viajou? Sei que vou pegar um frio por lá, mas a maioria dos relatos que vejo são de pessoas que vão em julho, no inverno. Queria saber como que fica a temperatura no verão.

    Obrigada desde já! Super beijo.

    Responder
  10. Vanessa

    Otimo post! Vc dormiu na Ilha do Sol ou em Copacabana?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi Vanessa,

      Dormi em Copacabana porque achei mais interessante para aproveitar a noite por lá e fiz o passei de um dia pela Isla del Sol.

      Um abraço!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9