Isla del Sol: o imperdível passeio na ilha sagrada de Copacabana, na Bolívia

Atualizado em 10 de outubro de 2022 – 4 min de leitura

Isla del Sol

Durante o Império Inca, a Isla del Sol era considerada um santuário onde estava o templo dedicado ao deus Sol. Hoje, a ilha é habitada por comunidades de origem quéchua e aimará. Eles se dedicam basicamente à agricultura, ao turismo, ao artesanato e à criação de lhamas e outros mamíferos.

A ilha fica a 20 quilômetros de Copacabana, na Bolívia, e seu ponto mais alto atinge os 3.925 metros. Muita gente escolhe subir a escadaria que leva até o topo. Se você for um desses, esteja consciente de que poderá ser uma caminhada muito mais cansativa do que habitualmente seria.

Eu já expliquei um pouco sobre o famoso mal de altitude. Nosso corpo reclama com dor de cabeça e enjoo, quando alcançamos altitudes superiores a 3.500 metros acima do nível do mar. Por isso, você deve evitar movimentos rápidos ou fazer grandes esforços. Assim você não sente tanto os efeitos.

Para chegar à Isla del Sol, é preciso navegar por cerca de uma hora pelo Lago Titicaca. Os barcos partem, geralmente, da praia do centro da cidade. Ela fica no final da Rua 6 de Agosto, e chegam ao simples cais da ilha.

Isla del Sol

ATUALIZAÇÃO | A parte norte da Isla del Sol está fechada por tempo indeterminado devido a conflitos entre as comunidades locais.

Na Isla del Sol, há dois píeres conhecidos como Portal Sul e Portal Norte. A maioria das pessoas que visitam a ilha chega à parte norte, na localidade chamada de Challapampa. Depois, fazem a caminhada de sete quilômetros até o lado sul, na área conhecida como Yumani. Dali, tomam o barco de volta a Copacabana.

O imperdível da Ilha

Na chegada, você será abordado por guias locais que prometem lhe mostrar o melhor da ilha durante seu tempo de permanência aqui. Contratar esse serviço é realmente opcional, já que dá para explorar muita coisa sozinho.

Caminhando pela ilha, você vai conhecer diferentes sítios arqueológicos. Além disso, terá oportunidade de entrar em contato com os moradores, que quase sempre se comunicam nas línguas indígenas.

Isla del Sol

Alguns atrativos que você não pode deixar de visitar. São eles: o Museu do Ouro da Cidade Submersa, a Pedra Sagrada, o Templo del Inca, a Mesa de Rituais e as ruínas do Templo de Chicana. Este último também é conhecido como El Labirinto.

É bom saber que as comunidades indígenas que vivem aqui cobram uma taxa de BOB 15 de quem deseja visitar os atrativos da ilha.

Diferentemente de alguns turistas que reclamam dessa cobrança, você deve estar ciente de que essa é uma forma de ajudar as comunidades a desenvolverem o turismo e se sustentarem. Além disso, o valor é tão baixo que não há motivos para reclamações.

Isla del Sol

Programe seu passeio na Isla del Sol

Quanto custa

O passeio na Isla del Sol custa, em média, BOB 25. O valor é altamente negociável, dependendo do número de pessoas que viajam juntas. Grande parte das embarcações deixa Copacabana no início da manhã. Esse é o horário escolhido pela maioria dos turistas que vai fazer o bate-volta. Também há traslados por volta do meio-dia. O retorno é sempre às 16h.

Para quem quiser pernoitar na ilha, a fim de descobrir seus diferentes pontos de vista, há algumas alternativas de acomodação. Todas elas são bem simples, com opções básicas e refeições em que a truta é, quase sempre, o prato principal.

Quando ir

Copacabana está a mais de 3.800 metros acima do nível do mar, e os ventos gelados vindos do imenso Lago Titicaca sopram durante o ano todo. Já as chuvas são mais comuns entre novembro e março. Então, a melhor época para visitar a cidade é entre abril e outubro, quando os dias são mais longos e ensolarados.

Como chegar

O aeroporto mais perto de Copacabana fica em La Paz, onde pousam aviões das companhias nacionais Boliviana de Aviación (BoA), Transporte Aéreo Militar (TAM), Lloyd Aéreo Boliviano (LAB), Aerocon, Amaszonas e Northeast Bolivian Airways.

Da rodoviária de La Paz, partem ônibus diários para Copacabana, mas, se o seu estilo for mais econômico, há opções saindo também do terminal do Cemitério – especialmente as empresas Manco Kapac e Transporte 2 de Febrero. Geralmente, a viagem dura cerca de 3h30, e as tarifas mais baratas custam cerca de BOB 25. As principais empresas de ônibus do país são Transcopacabana, Todo Turismo, Panasur,  Tour Peru,Mopar e Trans Omar.

É muito comum que viajantes cheguem a Copacabana partindo de Puno, no Peru. A viagem também dura cerca de 3h30, mas é preciso lembrar que esse tempo pode ser maior devido às formalidades de fronteira, necessárias para deixar um país e ingressar em outro. Há três ônibus diários de Puno para Copacabana e a passagem custa, aproximadamente, BOB 30.

Tanto para quem vem de La Paz ou de Puno, é preciso descer do ônibus para fazer a travessia de balsa por um braço do Lago Titicaca. O valor cobrado para essa travessia gira em torno de BOB 2.

Onde ficar

A região mais movimentada de Copacabana fica no entorno da Avenida 6 de Agosto, que é cheia de hotéis e hostels baratinhos. Copacabana é a cidade mais alternativa que visitei na Bolívia e, aqui, tudo é realmente muito simples e barato. Se você quiser economizar um pouco mais, à medida que se afastar da área turística, os preços ficam ainda mais baixos.

Como a cidade é pequena, dá para fazer tudo a pé, sem gastar muito tempo. Se preferir, você pode chamar um táxi, que também tem tarifas muito em conta. A opção mais procurada da cidade é o Hostal Brisas del Titicaca, que tem um agradável estilo vintage, inspirado na era disco dos anos 1970.

Para quem quer um pouco mais de privacidade e conforto, boas opções são o Hotel Utama, famoso pelo café da manhã, e o Hotel Rosario Lago Titicaca, um três estrelas considerado um dos melhores da cidade. Quem procura um pouco mais de ostentação, a escolha certa é o Hotel Gloria Copacabana, que fica na margem do Lago Titicaca e tem acomodações incríveis.

Diferentemente de outras cidades bolivianas, não há anfitriões cadastrados no CouchSurfing em Copacabana. Saiba mais sobre esse programa em Como economizar com hospedagem.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser estendido por mais 90 dias.

Documentos

Você pode usar o passaporte, com validade de seis meses, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

A moeda oficial é o boliviano, representado pela sigla BOB. Veja como usar seu dinheiro na Bolívia.

Vacinas

A vacinação contra febre amarela é obrigatória. Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

Informações sobre covid-19

As regras para viajantes vacinados e não vacinados são um pouco diferentes. Por isso, é preciso ter atenção na documentação exigida pela imigração boliviana.

Além de todos os documentos básicos de uma viagem internacional, como passaporte ou carteira de identidade, passagem de ida e volta e comprovante de hospedagem, por exemplo, é preciso ter em mãos os seguintes comprovantes:

  1. Certificado de vacinação contra covid-19 com, pelo menos, duas doses, sendo que a última deve ter sido aplicada, no mínimo, 14 dias antes da viagem – exigido apenas de viajantes vacinados;
  2.  Resultado negativo de teste RT-PCR, feito até 72 horas antes da viagem, ou antígeno (teste rápido), feito até 48 horas antes da partida para a Bolívia – exigido apenas de viajantes não vacinados maiores de cinco anos;
  3. Formulário de Localização de Passageiros, disponível no site da Direção-geral de Aviação Civil – apenas um por família.

De forma geral, viajantes brasileiros não precisam fazer quarentena na chegada ao país, mas é importante estar preparado para que restrições que afetem viagens internacionais entrem em vigor com pouco ou nenhum aviso prévio por parte das autoridades bolivianas.

Você os detalhes das regras Resolución Multi-Ministerial 001, de 27 de abril de 2022.

Apesar de não haver restrições nacionais para covid-19, os departamentos e municípios têm a autonomia para impor restrições em nível local.

Acesse o site oficial para acompanhar os números de casos de covid-19 na Bolívia.

RETORNO AO BRASIL

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem um seguro viagem com cobertura para covid-19 não é uma boa ideia. 

O custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você também terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

Se você for fazer qualquer atividade de risco – como trekking em vulcões, cruzar o Salar de Uyuni de carro ou conhecer a Amazônia boliviana, por exemplo – o seguro passa a ser essencial para sua viagem. Pode confiar em mim!

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para a Bolívia, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas da Bolívia

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida é só deixar sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Bolívia.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

16 Comentários

  1. monica

    Olá, sabe me dizer se está liberado para brasileiros? como estão na prática as restrições do covid?

    Responder
    • Altier Moulin

      Não sei, Mônica.

      Responder
  2. Dalila

    Sabem se tem como ir da isla del sl direto para o aeroporto de Juliaca?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Dalila.
      Não, tem que passar por Copacabana.

      Um abraço.

      Responder
  3. Paulo

    Obrigado pelo Blog. Está me ajudando muito no meu planejamento para ir à Bolívia em meados de julho.

    Responder
    • Altier Moulin

      Que maravilha, Paulo.
      Eu gosto demais da Bolívia.
      Já fui duas vezes e quero voltar.

      Um abraço.

      Responder
      • Bruno Lucena

        Quantos dias vc indica ficar na Isla del Sol e Copacabana ?

        Responder
        • Altier Moulin

          Dois ou três dias, Bruno.
          Um abraço.

          Responder
  4. Felipe

    Oi, tudo bem?
    Pode me confirmar que horas chega os barcos chegam em Copacabana? Queria saber se dá tempo de pegar um bus em Puno as 22h para Arequipa.
    Obrigado!

    Responder
    • Altier Moulin

      Há vários horários, Felipe.
      Você pode conferir no momento que for comprar o bilhete.

      Um abraço.

      Responder
  5. Roberto Campos

    Primeiramente, seu blog é excelente. Parabéns!
    Tenho lido bastante, repetidas vezes inclusive rs.
    Agora infelizmente, a parte norte da Isla del Sol está fechada por conta de uma disputa entre as comunidades, acredita? Parece que o pessoal do centro da ilha está ficando a ver navios na repartição dos pedágios e taxinhas que os locais cobram dos turistas. Inclusive parece que até destruíram alguns monumentos =/

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Roberto.

      Obrigado!
      Realmente houve um conflito entre os moradores na metade do ano passado, mas eu não tenho informações de como está a situação agora.
      Você tem notícias atualizadas?

      Um abraço.

      Responder
      • Roberto Campos

        Boa noite, Altier. Fui procurar por passeios e encontrei um que fazia bate e volta, partindo de La Paz as 7:00 e terminando às 23:00 de volta a La Paz. Puxado né ?! Perguntei como seria o passeio e se poderia ficar na região para visitar toda ilha e me disseram que a parte norte estava fechada para turistas. Fiquei intrigado e dei uma pesquisada, li sobre a disputa e até sobre a destruição de monumentos. Mas só sei disso mesmo, sem maiores detalhes. Uma pena.

        Responder
        • Altier Moulin

          Obrigado, Roberto.

          Procurei por informações atualizadas e não encontrei.

          Um abraço.

          Responder
      • Cris Falsetti

        Oi Altier,
        Estou aqui em Copacabana agora e infelizmente a parte norte da Isla del Sol está fechada mesmo… Segundo a guia já faz um tempo que estão rolando conflitos entre as comunidades e fecharam essa parte da ilha.

        Responder
        • Altier Moulin

          Muito obrigado pela informação, Cris.
          Vou incluir no post.

          Um abraço.

          Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11