Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul: como chegar, o que fazer e onde ficar

4

Atualizado em 8 de outubro de 2021

Santo Ângelo

Quem não conhece Santo Ângelo, a 432 quilômetros de Porto Alegre, pode até achar que ela é uma cidade como outra qualquer do interior do Rio Grande do Sul, mas essa primeira impressão muda ao passo que a gente começa a explorar a cidade. Aí, as descobertas começam e não param mais.

É que a história de Santo Ângelo começa no tempo dos jesuítas, quando Portugal e Espanha brigavam por toda essa região rio-grandense e parte da Argentina e do Paraguai.

Santo Ângelo

Para marcar posição, foram criadas as missões jesuíticas que ficaram conhecidas como Povos das Sete Missões.

Essa história é um tanto longa e se você quiser saber mais, eu sugiro dar um pulinho na cidade de São Miguel das Missões, para visitar as ruínas da maior missão jesuítica.

Santo Ângelo

Santo Ângelo era uma dessas missões e, apesar de ser a mais nova de todas, foi a que mais se desenvolveu.

Hoje, é considerada a capital das missões no Rio Grande do Sul e é a base dos passeios que levam até São Miguel das Missões, no lado brasileiro, e San Ignácio Mini e outras ruínas jesuítas, no lado argentino.

Santo Ângelo

Essa escolha, claro, não é por acaso.

É que Santo Ângelo oferece mais opções de hospedagem, alimentação e diversão do que todas as outras desse circuito.

O que fazer em Santo Ângelo

Então, vale a pena destinar um tempo – pelo menos um dia inteiro – para andar pelas ruas e conhecer um pouco da cidade: se você gosta de História, vai se surpreender com o tanto de coisas legais que Santo Ângelo tem.

Catedral Angelopolitana

A catedral foi construída sobre as ruínas da Igreja da Redução de Santo Ângelo Custódio.

Ela é semelhante ao templo de São Miguel e em sua fachada estão os sete santos padroeiros dos Sete Povos das Missões.

Santo Ângelo

Ainda do lado de fora, é possível entender mais sobre o processo de destruição do acampamento jesuíta que aqui existia a partir das ruínas identificadas em escavações arqueológicas.

Praça Pinheiro Machado

A Praça Pinheiro Machado fica em frente à Catedral.

Nela, há vários elementos que retratam o processo de catequização dos guaranis.

Santo Ângelo

São ruínas, esculturas e um portal com o nome das reduções – como eram chamadas as missões – e a data de fundação de cada uma.

Não deixe de notar que, em cada canto da praça, há uma cruz jesuítica original  – ela é o símbolo dos povos das missões.

Santo Ângelo

Museu Municipal Dr. José Olavo

Funcionando em um belíssimo casarão do século 19, o pequeno museu tem uma maquete da antiga redução de Santo Ângelo.

Santo Ângelo

Além disso, há peças que relembram a evolução da cidade, desde a chegada dos jesuítas até épocas mais recentes.

Ele funciona de terça a domingo, das 9h às 12h e das 14h às 17h. Entrada gratuita.

Monumento ao Índio

Este monumento da década de 1960 fica em frente ao Teatro Municipal Antônio Sepp. Ele é uma homenagem à bravura e a coragem do guarani.

Santo Ângelo

Memorial Coluna Prestes

O Memorial Coluna Prestes foi montado no prédio da antiga Estação Ferroviária, construído em 1921.

O pequeno museu tem um acervo com fotos, livros e instrumentos utilizados pela Coluna Prestes, movimento socialista comandado por Carlos Prestes.

Talvez você não saiba, mas as primeiras reuniões do movimento foram em Santo Ângelo.

No mesmo prédio funciona um pequeno museu que guarda peças do tempo em que o trem era o meio de transporte mais importante da região.

O memorial abre de terça a domingo, das 9h às 12h e das 14h às 17h. Entrada gratuita.

Monumento À Coluna Prestes

Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, esse monumento construído em concreto tem nele marcado o caminho percorrido pela Coluna que saiu de Santo Ângelo e seguiu até Teresina, no Piauí.

Foto: Reprodução/Memorial Coluna Prestes

Como chegar a Santo Ângelo

Santo Ângelo até tem um aeroporto regional, mas as opções de voos são poucas e – para falar a verdade – caras.

Então, as opções que restam são viajar de carro ou de ônibus.

Para quem vai viajar de ônibus, a empresa Ouro e Prata tem saídas regulares de Porto Alegre. Você também pode conferir os horários no site da Rodoviária de Santo Ângelo.

De carro, a viagem é feita pela BR-448, passando por Lajeado e Soledade até chegar ao município de Tapera. A partir desse ponto, a viagem segue pelas RS-223 e BR-377 até a Cruz Alta. Daqui em diante, o percurso é feito nas RS-342 e BR-285 até o entroncamento com a RS-356.

Onde ficar em Santo Ângelo

Como  falei, Santo Ângelo é a cidade base para quem quer conhecer as missões jesuíticas no lado brasileiros e argentino.

A cidade é uma graça e há muitas opções de restaurantes, alguns bares bem legais, mercados e todos os serviços que a gente pode precisar durante a viagem, com farmácia e banco, por exemplo.

A melhor opção para se hospedar na cidade é o Villas Hotel. Ele é um hotel super bem cuidado, com quartos extremamente confortáveis e bem decorados – são também espaçosos e arejados.

Tem uma área com piscina que é bastante agradável e uma sala de musculação para quem não fica sem fazer atividade física.

O Villas Hotel fica a cinco minutos de carro do Centro, onde está a Catedral. Se quiser um hotel mais perto do Centro, você pode dar uma olhada no Hotel Maerkli.

RECOMENDAÇÕES DE VIAGEM - COVID-19

Devido à pandemia de Covid-19, novas medidas de saúde e segurança foram adotadas. Elas são importantes para evitar o contágio, protegendo você, quem trabalha diretamente com o turismo e as comunidades locais.

Antes de viajar, verifique a situação do seu destino para não encontrar atrativos fechados e, claro, não colocar a sua vida e a de seus familiares em risco.

Veja algumas medidas adotadas:

  • Álcool gel disponível nos quartos e nas áreas comuns;
  • Uso obrigatório de máscaras nas áreas comuns;
  • Respeito às regras de distanciamento físico;
  • Uso de produtos de limpeza eficazes contra o coronavírus;
  • Café da manhã pode ser servido no quarto.

Veja mais dicas do Rio Grande do Sul

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Rio Grande do Sul.

SOBRE O AUTOR

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

4 Comentários

Escreva um comentário