São Miguel das Missões: como visitar as ruínas da maior missão jesuítica

21

Atualizado em 5 de setembro de 2021

São Miguel das Missões

Você, provavelmente, já deve ter ouvido falar dos Sete Povos das Missões, certo? Em São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul, ficava a maior e mais importante missão jesuítica e, desde 1983, o que restou dela é considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Mas, antes de mostrar como planejar sua visita às ruínas, eu vou explicar o que eram esses povoados e porque eles foram tão importantes para a nossa História.

São Miguel das Missões

Os Sete Povos das Missões

Apesar de terem um cunho religioso, o estabelecimento das grandes reduções – como eram chamados os povoados – foi uma estratégia do governo espanhol para colonizar a região do Rio da Prata.

São Miguel das Missões

Assim, elas ocuparam o território onde hoje é o extremo noroeste do Rio Grande do Sul, parte da Argentina e do Paraguai.

A primeira redução a ser criada foi a de São Francisco de Borja, em 1682, pelo padre Francisco Garcia.

São Miguel das Missões

Ao todo, existiram 30 reduções em sete regiões: São Francisco Borja (1682), São Nicolau (1687), São Luiz Gonzaga (1687), São Miguel Arcanjo (1687), São Lourenço Mártir (1690), São João Batista (1697) e Santo Ângelo Custódio (1707) – por isso o nome Sete Povos das Missões.

São Miguel Arcanjo – que fica na cidade gaúcha de São Miguel das Missões – foi a maior de todas elas.

São Miguel das Missões

A missão de São Miguel

A redução de São Miguel Arcanjo chegou a ter 7.400 moradores organizados em casas onde viviam até cinco famílias guaranis.

Apesar de serem maioria, os guaranis dividiam espaço com outras etnias.

E, como você pode imaginar, os conflitos já começavam por aí – sem falar que os jesuítas tinham como meta estabelecer entre os índios os padrões da sociedade europeia, com aquela velha história de catequização.

São Miguel das Missões

Só para dar alguns exemplos, eles combatiam a poligamia, o politeísmo e o canibalismo, práticas comuns entre os indígenas daquele tempo.

Havia outro fator importante nesse contexto: os jesuítas precisavam enfrentar os bandeirantes, que invadiam a floresta em busca de índios para escravizar.

Os índios, por sua vez, precisavam fugir dos bandeirantes e, muitas vezes, acabavam aceitando viver nas reduções por ser um lugar seguro e livre dos bandeirantes.

Essa história é longa e só termina quando Portugal e Espanha fazem um acordo – o Tratado de Madri. Com ele, as reduções do sul do Brasil ficaram com os portugueses, que deram em troca a cidade de Colonia del Sacramento, no Uruguai.

Depois disso, os guaranis foram obrigados a deixar as reduções, já que elas seriam eliminadas por Portugal.

O resto você vai aprender quando visitar São Miguel das Missões.

Uma volta ao tempo

Enquanto caminhava pelo gramado que nos leva até as portas das ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo, me senti como se estivesse voltando ao século 17.

Com as explicações da guia, conseguia perceber os vestígio das moradias – que foram todas demolidas – e da área onde funcionava a escola e onde se reunia os líderes da redução.

São Miguel das Missões

Por falar nisso, a administração das reduções era de responsabilidade dos caciques e dos padres, que formavam o Cabildo. Eles exerciam o papel semelhante ao de uma Câmara de Vereadores, se comparássemos com os dias atuais.

A caminhada também passa pelo antigo cemitério, onde crescem pequenos arbustos.

São Miguel das Missões

Suntuoso e ocupando uma posição estratégica, o templo que começou a ser construído em 1735, demorou dez anos para ficar pronto.

Mesmo assim, foi inaugurado sem uma das torres previstas no projeto inicial.

São Miguel das Missões

Feito para durar para sempre, ele sobreviveu a invasões, tempestades, incêndios e intervenções humanas.

Declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, em 1983, está protegido em uma área de 37 hectares.

São Miguel das Missões

Como visitar São Miguel das Missões

A cidade de São Miguel das Missões é um pequeno município com poucos atrativos. Nas ruas calmas, onde o calçamento é de pedra cortada, o tempo parece passar mais devagar, e quase todo mundo que chega querer mesmo é visitar as famosas ruínas.

Como chegar

São Miguel das Missões fica a 475 quilômetros de Porto Alegre. As rodovias que nos conduzem até a cidade são as BR-448, passando por Lajeado e Soledade até chegar ao município de Tapera.

A partir deste ponto, a viagem segue pelas RS-223 e BR-377 até a Cruz Alta. Daqui em diante, o percurso é feito nas RS-342 e BR-285 até o entroncamento com a RS-356.

Para quem vai viajar de ônibus, a empresa Ouro e Prata tem saídas regulares de Porto Alegre até a cidade de Santo Ângelo. De Santo Ângelo, a viagem até São Miguel das Missões é feita com a Antonello.

Você também pode conferir os horários no site da Rodoviária de Santo Ângelo.

Quando ir

O sítio arqueológico onde estão as ruínas de São Miguel das Missões funciona todos os dias, mas há um apequena variação nos horários.

De terça-feira a domingo e nos feriados, ele abre das 9h às 12h e das 14h às 18h. Na segunda-feira o funcionamento é de 13h30 às 18h.

Quanto custa

O ingresso para adultos custa R$ 14. Estudantes, crianças acima de seis anos e adultos acima de 60 anos pagam R$ 7.

O Espetáculo Som e Luz acontece todos os dias. De novembro a fevereiro, às 20h30, e de março a outubro, às 20h.

Os ingressos são vendidos a partir de uma hora antes do espetáculo e custam R$ 25, para adultos, e R$ 10 para estudantes e adultos acima de 60anos.

Guia

Ao chegar, ainda na recepção, você vai assistir ao vídeo de apresentação e ali mesmo você já pode contratar um guia local. Sem dúvida, vale muito a pena, porque tudo ganha outro sentido com as explicações.

Basta pedir aos atendentes que eles ligam para a Associação de Guias e tudo se resolve rapidamente.

São Miguel das Missões

Eu contratei a Lucia Engel, uma professora aposentada que sabia todas as respostas na ponta da língua.

Museu Lúcio Costa

No Museu Lúcio Costa, que fica dentro do sítio arqueológico, você encontra esculturas feitas pelos guaranis.

São Miguel das Missões

Perceba que o padrão europeu é diferente do estilo Barroco aplicado pelos indígenas: os santos têm o rosto mais arredondado, semelhante aos deles.

Espetáculo Som e Luz

À noite, as ruínas recebem iluminação especial para uma dramatização com as vozes de Fernanda Montenegro e outros renomados atores brasileiros.

O Espetáculo Som e Luz que acontece diariamente – com ou sem chuva – a partir das 20h e tem duração de 48 minutos.

São Miguel das Missões

Caminho das Missões

Para quem gosta de caminhada, o Caminho das Missões é um roteiro que passa pelas antigas estradas missioneiras que ligavam as Reduções Jesuítico-Guarani.

O percurso é feito a pé e de bicicleta e começa em São Borja, onde ficava a primeira redução jesuítica dos Sete Povos das Missões, segue até Garruchos, passando por várias comunidades, fazendas e estâncias sempre próximo ao rio Uruguai, fronteira natural com a Argentina.

O ponto final da caminhada é Santo Ângelo, de frente para a Catedral Angelopolitana.

Onde ficar em São Miguel das Missões

Vale a pena dormir uma noite em São Miguel das Missões por dois motivos: fazer um bate-volta saindo de Porto Alegre é impossível e, à noite, tem o espetáculo Som e Luzes.

POUSADAS DAS MISSÕES

A Pousada das Missões, que também é um hostel, foi, por muitos anos, a única opção de hospedagem da cidade. E, de fato, ela é muito aconchegante e atende bem quem chega para visitar as cidade.

Bem cuidada, ela fica a apenas 150 metros das ruínas, ou seja, parece que você está no quintal dos guaranis. Os quartos são básicos e o café da manhã é sensacional, com tudo fresquinho.

TENONDÉ PARK HOTEL

O Tenondé Park Hotel também fica pertinho das ruínas e tem a melhor infraestrutura da cidade. Ele é um hotel grande, espaçoso, arejado e tem uma piscina sensacional, perfeita para quem quer aproveitar mais os dias de viagem.

Os quartos são pequenos, mas bem resolvidos e, para falar a verdade, isso não vai fazer tanta diferença, porque você vai querer mesmo é desfrutar das outras áreas do hotel. Vale a pena!

Filme “A Missão”

Se quiser entender mais um pouco sobre o que se passou durante as missões jesuíticas, uma boa dica é o filme A Missão.

Ele destaca os efeitos da disputa entre portugueses e espanhóis pelo território dos Sete Povos das Missões e mostra o drama dos indígenas que habitavam essa região.

A Missão é uma produção britânica de 1986 com Robert De Niro, e recebeu a Palma de Ouro de melhor filme no Festival de Cannes e várias indicações ao Oscar.

Foto: Reprodução/Warner Bros.

Veja mais dicas do Rio Grande do Sul

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Rio Grande do Sul.

SOBRE O AUTOR

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

21 Comentários

    • Oi, Luciane.
      A visitação ao Sítio Histórico de São Miguel Arcanjo e o espetáculo Som e Luz estão suspensos durante a vigência da Bandeira Preta do protocolo de distanciamento controlado do Rio Grande do Sul.
      Um abraço.

  1. OLá. Irei visitar São Miguel no próximo Carnaval. A guia, professora aposentada, cobra 60 reais por quanto tempo de acompanhamento? O valor é por pessoa?
    Abraço

  2. Boa tarde

    Você acha que preciso ficar 2 noites em São Miguel para conhecer as ruínas?
    Aí nao preciso pagar duas diárias de hotel.

    • Não, Vitor. Um dia e uma noite são suficientes.
      Mas, olha, o sítio foi bem danificado com as últimas chuvas que aconteceram no Rio Grande do Sul.
      Veja: http://goo.gl/OqBZzY
      Acho bom dar uma ligada pra eles antes de ir.

      Um abraço.

    • Oi Tatiana,

      Eu fiz o trajeto saindo do centro do Rio Grande do Sul, portanto não saberia lhe indicar um local para almoçar neste trecho que você propôs.

      Um abraço.

Escreva um comentário