A impressionante visita ao Vale dos Reis

2

Atualizado em 9 de setembro de 2017

No lado oeste do Rio Nilo, na cidade de Luxor, fica o Vale dos Reis. Esse imenso sítio arqueológico é, na verdade, um conjunto de 63 tumbas construídas sob uma imensa montanha rochosa  que tem o cume em forma de pirâmide. E foi justamente por causa desse detalhe que ela foi escolhida para ser a morada eterna dos poderosos imperadores egípcios.

Aqui, debaixo do solo árido do deserto, estão escondidos os retos mortais de dezenas de faraós e importantes figuras da antiguidade egípcia, que descansaram em paz até que as escavações começassem no final do século 18 e não parassem mais.

Como as pesquisas são contínuas, pode ser que, de um dia para o outro, esse número de 63 aumente. Isso não significa que a gente poderá conhecer a nova descoberta da arqueologia assim tão rápido.

Para você saber, nem todas as tumbas do Vale dos Reis estão abertas para visitação, e algumas ficam fechadas periodicamente para serem restauradas ou para obras de manutenção, em razão do grande número de turistas que chega aqui todos os dias. Ah, e não é permitido fotografar dentro delas.

A impressionante visita ao Vale dos Reis

O ambiente árido do Vale dos Reis. Foto: Andrea Prave

A impressionante visita ao Vale dos Reis

Vista de uma das tumbas. Foto: Troels Myrup

O esquema da visita é bem simples. Depois de comprar a entrada, você caminha por uns 10 minutos até chegar ao ponto de visitação. Se o sol estiver muito quente ou se simplesmente você não quiser caminhar, dá para pegar uma condução interna pagando EGP 8.

Eu considero muito importante estar acompanhado de um guia para entender melhor tudo o que você está vendo. Mesmo não sendo permitida a entrada desses profissionais nas tumbas, eles podem explicar detalhadamente o que há no interior de cada uma delas.

Dentro das tumbas é um pouco escuro, e eu vi algumas pessoas usando lanterna e até a luz do celular – eu não acho legal porque pode prejudicar esse grande patrimônio. Mas não se preocupe, pois há áreas mais iluminadas e dá para ver tranquilo o que é mais interessante.

Todas as tumbas são vigiadas, e há um certo limite de visitantes para cada uma delas por vez. Esse controle é uma das exigências da Unesco, que incluiu o Vale dos Reis com toda a necrópole na lista de Patrimônios Mundiais da Humanidade, em 1979.

A história de Tutancâmon

No Vale dos Reis, foi encontrada a mais famosa múmia do antigo Egito. Na tumba de Tutancâmon, descoberta em 1922 por Howard Carter, além do corpo do jovem faraó que assumiu o trono ainda na adolescência e morreu aos 19 anos, também estavam parte de seu tesouro – incluindo sua preciosa máscara mortuária moldada em ouro, cravejada por pedras semipreciosas e adornada de vidro colorido, que pode ser vista no Museu Nacional do Egito, no Cairo.

Quando eu estava pesquisando sobre os lugares que queria conhecer no Egito, eu li algo sobre a maldição de Tutancâmon. Há uma série de fatos inexplicados que ainda hoje são alvo de especulações sobre a violação da tumba. Veja o que eu encontrei sobre esse assunto na Wikipedia.

Em torno da abertura do túmulo e de acontecimentos posteriores, gerou-se uma lenda relacionada com uma suposta “maldição” ou “praga da morte”, lançada por Tutancâmon contra aqueles que perturbaram o seu descanso eterno. O mecenas de Carter [patrocinador], Lord Carnarvon, faleceu no dia 5 de abril de 1923, não tendo por isso tido a possibilidade de ver a múmia e o sarcófago de Tutancâmon. No momento da sua morte, ocorreu na capital egípcia uma falha elétrica sem explicação e a cadela do lorde teria uivado e caído morta no mesmo momento na Inglaterra.

Nos meses seguintes, morreram o meio-irmão do lorde, a sua enfermeira, o médico que fizera as radiografias e outros visitantes do túmulo. Além disso, no dia em que o túmulo foi aberto oficialmente, o canário de Carter foi engolido por uma serpente, animal que se acreditava proteger os faraós dos seus inimigos. Os jornais da época fizeram eco desses fatos e contribuíram de forma sensacionalista para lançar no público a ideia de uma maldição. Curiosamente, Howard Carter, descobridor do túmulo, viveu mais treze anos.

A impressionante visita ao Vale dos Reis

Entrada da tumba de Tutancâmon. Foto: Zolakoma

A impressionante visita ao Vale dos Reis

Máscara mortuária de Tutancâmon, que pode ser vista no Cairo. Foto: Mutante

Planeje sua visita ao Vale dos Reis

Quanto custa | A entrada no Vale dos Reis custa, atualmente, EGP 100 e lhe permite visitar três das 63 tumbas, exceto a de Tutancâmon, que requer um ingresso adicional que custa EGP 100. Embora a visita seja merecida, os pertences do antigo faraó não estão aqui, mas no Museu Nacional do Egito, que fica no Cairo. Na área onde estão as tumbas, não há exatamente nada além delas. Até mesmo as sombras são escassas. Portanto, é bom levar água e um lanche rápido.

Quando ir | A visita ao Vale dos Reis pode ser feita todos os dias do ano, das 6h às 17h. No inverno, os portões são fechados uma hora mais cedo. O melhor período para visitar o Egito é de outubro a maio, quando as temperaturas não são muito agressivas. Nos feriados de fim de ano e na Páscoa, tudo fica muito mais tumultuado por causa dos turistas europeus que chegam aqui com frequência – principalmente para fazer um cruzeiro pelo Rio Nilo.

Nos outros quatro meses – junho, julho, agosto e setembro –, é verão no Egito e as temperaturas muitas vezes podem chegar perto dos 50 graus, principalmente em Luxor, Aswan e em outras partes do sul do país. Apesar do calor, é nessa época que dá para ver o país sem aqueles milhões de turistas.

Como chegar | Para chegar a Luxor, cidade a 700 quilômetros do Cairo, você pode fazer a viagem de trem. Todos os detalhes eu conto neste post: O trem para Luxor e Aswan. O Vale dos Reis fica na margem oeste do Rio Nilo e não há transporte público que chegue aqui. A melhor maneira de fazer essa visita é contratando um passeio com tudo incluso, mas avalie bem o preço que vão lhe cobrar – de forma geral é barato e vale a pena. Uma boa opção é consultar a recepção de seu hotel.

Onde ficar | Luxor é destino de muitos turistas do mundo todo – principalmente europeus e asiáticos –, e a oferta de hospedagem aqui é bem ampla: vai de resorts à beira do Rio Nilo até hostels baratinhos. Veja as melhores opções disponíveis na cidade.

Visto | Brasileiros precisam de visto para entrar no Egito. Mas o processo é simples e rápido. Todos os detalhes que você precisa saber estão aqui: Como solicitar o visto para o Egito.

Comida e Costumes | Se você nunca viajou para um país árabe, é importante saber um pouco da cultura para minimizar o impacto. Eu escrevi sobre algumas experiências que tive no post Costumes e comida do Egito.

CONPARTILHE COM SEUS AMIGOS

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

2 Comentários

  1. Gostaria de saber se vc conheces o cruzeiro pilo Nilo a bordo de Sonesta St. George da Memphis Tours???

    Estou tentando buscar tb conhecimento da idoneidade da empresa Memphis Tours…pois gostaria de realizar minhas ferias com eles.
    Como já fui LEZADA!!!!! por uma empresa de turismo Portuguesa em minhas ferias passadas…Não gostaria de realizar o mesmo…
    Desde já agradeço sua atenção
    Att Moema

Escreva um comentário