O que fazer em Santa Cruz do Sul

20

Atualizado em 26 de fevereiro de 2018

Essa cidade cravada no coração do Rio Grande do Sul há tempo estava na minha lista de destinos. Por vezes planejei aqui chegar, mas esses planos sempre eram adiados. Agora, em pleno verão – quando os dias são mais longos e o sol ainda pode ser visto às 20h, desembarco em Santa Cruz do Sul, famosa por sua produção de fumo e por sediar a terceira maior Oktoberfest do planeta.

Aqui, a beleza parece ser uma das características naturais da cidade, e ela não está restrita apenas às pessoas. Arborizada, bem organizada e salpicada de casarões que datam do início do século passado, Santa Cruz do Sul tem aquele clima de cidade pequena, onde todo mundo se conhece, mas nem por isso as opções de diversão – de dia ou à noite – são poucas.

Se incluir as cidadezinhas ao redor, então, você vai poder visitar um museu com fósseis de dinossauros, escalar o monte Botucaraí, mergulhar no Rio Pardo e comer uma comida saborosa que mistura muito bem as heranças da culinária alemã e italiana com o tempero brasileiro.

Santa Cruz do Sul é, muito mais do que um destino de negócios, uma das pérolas do Rio Grande do Sul e, ao encontra-la, você jamais a esquecerá. Pra te ajudar, fiz uma lista com os principais atrativos da cidade.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Parque da Gruta | Esse parque arborizado e bem ajustado fica próximo ao centro e tem quase 18 hectares. Aqui, as grandes atrações são a gruta que dá nome ao parque e a trilha que te leva até a uma pequena cascata que se forma em um pequeno córrego. As crianças, no entanto, vão curtir o mini zoológico com aves, macacos e répteis, e o teleférico que funciona aos sábados e domingos. Se animar, um piquenique de fim de tarde pode ser uma ótima pedida para os dias mais quentes.  Rua Capitão Pedro Werlang, s/nº, Centro. Diariamente, das 8h ás 18h. Entrada gratuita.

Catedral São João Batista | Essa imponente construção não é simplesmente mais uma igreja. Além de ser um dos elementos que mais representa o município, ela é o maior templo em estilo neogótico de toda a América Latina. Se por fora ela já é atraente, não perca a chance de conhecer o seu interior. Você pode, também, subir as suas torres. Basta agendar na Cúria, que funciona na rua atrás da igreja. Rua Ramiro Barcelos, s/nº, Centro. Entrada gratuita.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

A Catedral São João Batista.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Entrada para o Parque da Gruta.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Túnel verde: orgulho de Santa Cruz do Sul.

Santuário Schoenstatt | Essa pequena capela faz parte do Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt. Inaugurado em 1977, é uma cópia fiel do santuário original fundado na Alemanha, em 1914. BR-471 – km 53, Distrito Industrial.

Lago Dourado | Toda a água de Santa Cruz do Sul vem desse lago. Construído para armazenar a água do Rio Pardo, ele se transformou em um agradável ponto de encontro e caminhada nos fins de tarde. Aqui, os únicos problemas são a falta de árvores e abrigos – nos dias de sol quando as temperaturas beiram facilmente aos 40 graus isso faz muita falta – e a localização. Como está em uma região mais periférica, você pode se sentir inseguro se estiver sozinho. Porém, essas duas questões parecem que serão resolvidas em breve. A prefeitura anunciou um projeto de reurbanização do lugar. Não deixe de assistir o pôr-do-sol aqui e então você entenderá porque ele tem esse nome. Na RS- 409, saindo para Vera Cruz, próximo ao trevo do bairro Bom Jesus.

Parque da Santa Cruz | Essa antiga pedreira fica a poucos minutos do centro de Santa Cruz do Sul e é o mirante oficial da cidade. Daqui vejo a Catedral, o Lago Dourado e os contornos da pequena Santa Cruz. Se tiver oportunidade, aproveite os dias de inverno quando o sol se põe exatamente atrás do lado formando um cenário espetacular. Entrada gratuita.

Casa das Artes Regina Simonis | Esse prédio que começou a ser construído em 1920 para ser um banco, hoje abriga obras de artes e exposições itinerantes. Rua Marechal Floriano, esquina Júlio de Castilhos. Entrada gratuita.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

A famosa Santa Cruz no alto da antiga pedreira.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

O Lago Dourado.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Assim fica mais fácil entender porque ele tem esse nome.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Santuário Schoenstatt: modelo alemão.

Onde comer e beber em Santa Cruz do Sul

Uma das boas coisas de Santa Cruz do Sul é a comida. E o melhor, essa mistura de sabores tem um fator que ajuda muito: no geral, comer por aqui é sempre barato.

Amélia | Separe um dia para almoçar ou jantar aqui. Bem colorido e com pratos saudáveis, esse restaurante é uma fuga de tudo o que há na cidade. Eu paguei R$ 12,50 pelo meu prato. De sobremesa, aprecie o manjar de nozes. É sensacional. Rua Borges de Mederiros, 394, Santa Cruz do Sul. Diariamente, das 11h ás 14h. De terça a sábado, o jantar é servido das 19h30 ás 23h30.

Dorinho | Essa loja tem fama de ser também um café descolado com uma decoração fantástica. Não deixe de ir o banheiro, nem que seja para olhar seu estilo praiano. Rua 28 de Setembro, 252, Centro.

Iluminura | Numa linha diferente do Dorinho, o Iluminura é o ponto de encontro de gente mais alternativa e sempre de bem com a vida. Como ele funciona em uma livraria, você sempre vai encontrar gente jovem. Peça um dos criativos sucos (R$ 6) e seja feliz. Rua Júlio de Castilhos, 325, Centro.

Panela de Barro | Esse restaurante serve ricos pratos da culinária brasileira nas tradicionais panelas de barro do Espírito Santo. Rua Marechal Floriano, Centro.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

O almoço do Amélia.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Fuga: um bom lugar para o seu almoço ou jantar.

Amsterdam | Ao se esconder, o sol abre espaço para ruas movimentadas e calçadas cheias de mesinhas, principalmente ao redor da Praça da Bandeira. É aqui que está o descolado Amsterdam, um bar com música boa e gente bacana de todas as idades. Nos dias quentes você sempre verá esse lugar lotado. Rua Borges de Medeiros, 510, Centro.

Provisório | O Provisório disputa com o Amsterdam a preferência de quem chega por essas bandas. Mais moderno e com atendimento jovial, ele tem rodada dupla de chope nas quintas. Se tiver fome, peça o delicioso sanduíche de pão com linguiça artesanal e queijo. Você vai comer muito! Rua Marechal Floriano, 318, Centro.

Heiliege | Bom para beliscar e tomar o chope que eles mesmos produzem. Peça o filé a xadrez com molho quatro queijos (R$ 31). No verão, opte por uma mesa no pátio externo que tem um deque sobre a piscina. Mas atenção, só venha para cá se quiser encontrar gente jovem e bonita. Rua Venâncio Aires, 1449, Centro.

Centenário | Vir ao Rio Grande do Sul e não comer churrasco é como ir a Roma e não ver o Papa ou ignorar a Torre Eiffel durante uma visita a Paris. Portanto, o Centenário deve ser a sua escolha se quiser comer carne da boa com ótimo preço. O mini rodízio custa R$ 38,90. Rua Tenente Coronel Brito, 405, Centro.

Cuca Alemã | Você jamais deve pensar em sair de Santa Cruz do Sul sem experimentar essa iguaria. Eu saboriei as do Lisaruth, loja especializada em preparar cucas de dezenas de sabores – morango, coco, uva, framboesa, requeijão, leite condensado e muito mais – e as do Cucas Gressler, que fica já na estrada de Rio Pardinho. Ah, não estranhe se alguém lhe convidar para beber um espumante acompanhado de cucas e linguiças. Esse é mais um jeito santa-cruzense de viver que descobri aqui.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Não vá embora sem comer uma cuca.

O que fazer em Santa Cruz do Sul

Cuca de maçã do Lisaruth.

Como chegar a Santa Cruz do Sul

De carro | A cidade está a 150 quilômetros de Porto Alegre. Siga pela BR-448 até o trevo com a BR-386. Nessa rodovia, siga até Tabai e depois pegue a BR-287. Apesar do péssimo estado de conservação, há vários pontos de cobrança de pedágio (R$ 5,20) nesse trajeto.

De ônibus | A empresa que opera o trecho até a cidade é a Santa Cruz. A passagem em ônibus direto custa R$ 32,50. A viagem dura cerca de duas horas e alguns veículos estão equipados com internet sem fio e tomadas.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um viajante apaixonado pelas coisas desse mundo. Um jornalista que adora contar boas histórias e compartilhar informações de viagem. Meu propósito de vida é ajudar outras pessoas a conhecerem lugares novos e a viverem experiências inesquecíveis.

20 Comentários

  1. Avatar
    Ariane Fernanda Koehler on

    Ah, sei lá, quis acrescentar mais uns pontinhos daqui de Santa Cruz.

    Tem também o Museu do Colégio Mauá, adorava aquele local quando pequena, nossa. Fica bem no centro, na frente da praça da Prefeitura, ou praça da Bandeira, que é bonita também ^_^.
    Tem o Autódromo Internacional, e tem o Aeroclube, que o por do sol é lindo também, as vezes os teco teco estão lá, pousando e decolando ^_^ é legal de ver!
    Tem os shoppings, não dá para se dizer NOSSA QUE SHOPPING ENORME, kkkkk, mas são considerados shoppings.
    Tem a casa de Retiro Loyola, que tem uma cascata linda, fica perto do Costa Leste.
    Tem o Country Club, que é lindo, apesar que ali acho que só jogador de golf que pode entrar, deixa ver que mais…
    Tem o monumento do Imigrante que recentemente foi feito construções em volta para pessoas tomarem chimarrão, acho que é isso! 🙂

  2. Avatar
    Ariane Fernanda Koehler on

    Oi! Nasci em Santa Cruz e sempre morei aquii! Fiquei encantada de como tu abordou minha cidade natal, e como tu foi sensível em captar as nobrezas, especiarias e pontos turísticos daqui. Até eu fiquei com vontade de ir em todos esses lugares kkkkk Muito legal, parabéns por esse olhar tão bonito daqui! Gratidão pela reportagem super bem feita 😉

  3. Avatar
    Júnior Briskow on

    Essa city que você falou do Botucaraí é Candelária. Eu já morei lá. Não tem muito pra fazer, mas eu fiz umas boas amizades. Acho importante falar disso nas viagens, já que normalmente um turista como você parece ser sempre solitário.

  4. Avatar
    Emerson Hanzen on

    Boa noite Altier!
    Primeiramente, quero te parabenizar pelo blog e tbm pela matéria aqui de nossa cidade, pois explanaste muito bem ela como um todo.
    Quanto à questão do lago, gostaria de colaborar com um comentário visto que compartilho da mesmo informação da Katieli.
    O que acontece é que possivelmente tenham acrescido esta informação da cor do lago nos flayers e meios de comunicação turísticos mais recentemente , visto que o lago quando ainda apenas projeto, já era tido como lago em formato de peixe dourado . Ao menos assim, era veiculado nos meios de comunicação na época que foi concebido como projeto e posteriormente construido.
    Grande abraço.

    • Altier Moulin

      Oi Katieli,

      Acredito que você tenha se equivocado. A informação que apurei durante minha viagem é outra, inclusive fui checar no site da prefeitura e lá está assim:

      “O Lago Dourado é uma área de belezas naturais que impressiona os visitantes. O efeito proporcionado pelo pôr-do-sol confere às águas uma cor dourada que originou o nome do lago.”

      Um abraço!

  5. Avatar
    Hanelore Herberts on

    Gostei muito do teu jeito de apresentar Santa Cruz, Altier Moulin. Dá para ver que conheceu a cidade recolhendo as informações importantes, mas com muita sensibilidade. Parabéns ao teu blog!

Escreva um comentário