Quanto custa viajar para Budapeste: lista de preços

10

Atualizado em 18 de julho de 2019

Provavelmente, você já ouviu muitas coisas legais sobre a capital da Hungria e, certamente, já se perguntou quanto custa viajar para Budapeste. Será que passar uns dias na cidade fica caro? De forma geral, eu achei as coisas bem baratas, se compararmos com outras capitais europeias.

→ Veja onde se hospedar em Budapeste

Outra boa notícia é que a Hungria faz parte da União Europeia, mas optou por manter moeda própria: isso ajuda muito. Então, como o país está fora da zona do euro, o câmbio sempre nos favorece.

Quanto custa viajar para Budapeste

Como trocar dinheiro em Budapeste

A moeda de Budapeste – assim como de toda a Hungria – é o forint húngaro, identificado pela sigla HUF e pelo símbolo Ft. Você não vai encontrar o forint nas casas de câmbio do Brasil. Então, a sua  melhor opção é levar euros  e fazer a troca quando chegar à Hungria.

Eu sugiro que você troque um pouco de dinheiro no aeroporto para usar nas despesas imediatas, como no transporte público.

Os lugares mais indicados para fazer a troca do seu dinheiro são as casas de câmbio mais afastados dos pontos turísticos – é só caminhar um pouco e você vai encontrar uma.

Há notas de 500, 1.000, 2.000, 5.000, 10.000, 20.000 em circulação. As moedas, que aqui são muito importantes, são de 5, 10, 50, 100 e 200: você sempre receberá muitas moedas de troco.

Quanto custa viajar para Budapeste

Antes de viajar, eu fiz uma pesquisa bem detalhada de preços. Comparando informações que encontrei em sites gringos, eu consegui planejar bem o que iria gastar na cidade. Assim, eu já saí de casa sabendo quanto custa viajar para Budapeste.

Lista de preços em Budapeste

Dê uma olhada nos preços de alguns itens que eu acho importante você saber. O valor em real é aproximado, apenas para que você consiga fazer uma comparação.

  • Passagem de ônibus e metrô (tíquete único): HUF 350 = R$ 4,60
  • Litro de gasolina: HUF 385 = R$ 5,20
  • Garrafa de água (1,5l): HUF 85 = R$ 1,15
  • Cerveja 500ml (marcas locais): HUF 450 = R$ 6,10
  • Cerveja 350ml (importada): HUF 500 = R$ 6,75
  • Refrigerante lata: HUF 320 = R$ 4,33
  • Capuccino pequeno: HUF 460 = R$ 6,20
  • Diária em hostel: HUF 2.300 = R$ 30
  • Diária em hotel mediano: HUF 5.200 = R$ 70
  • Almoço em restaurante econômico: HUF 1.500 = R$ 20
  • Jantar em restaurante mediano: HUF 2.300 = R$ 30
  • Passeio no rio Danúbio: HUF 3.900 = R$ 52

Passagem aérea

A passagem aérea, quase sempre, é o item mais pesado do orçamento de quem está planejando uma viagem. Mas, para quem tem mais disponibilidade de tempo, voar na baixa estação pode ser uma grande solução.

Para driblar os altos preços, escolha os meses de março a junho ou de setembro a novembro. Evite, também, viajar no período das férias escolares aqui no Brasil e no mês de agosto, quando é altíssima temporada na Europa.

→ Veja aqui os preços das passagens aéreas

Eu estive em Budapeste no mês de setembro e explico tudo em: Quando ir a Budapeste.

Infelizmente, não há voo direto para Budapeste saindo do Brasil. Portanto, será necessário fazer uma escala em outro país europeu. Geralmente, as tarifas mais baratas têm como ponto de partida o Aeroporto Internacional de São Paulo (GRU).

Ônibus e trem

Se você já estiver na Europa, é possível viajar para Budapeste de trem e de ônibus. De ônibus, uma boa opção é a Regio Jet, empresa tcheca que tem linhas espalhadas por, praticamente, toda a Europa. Com preços altamente competitivos e um agradável atendimento, a companhia – que também é conhecida como Student Agency – é uma das preferidas dos húngaros.

Todas as rotas têm serviço de bordo, sistema de entretenimento e máquina de café, cappuccino e chocolate quente para você se servir à vontade. Lanches rápidos podem ser comprados com a atendente que acompanha toda a viagem.

Além disso, todos os ônibus têm dois andares e são equipados com ar-condicionado, aquecedor, banheiro, tomadas de energia e telas individuais que funcionam com o toque do seu dedo.

Tem também a FlixBus, que é excelente e tem rotas para muitas cidades a preços incríveis: eu já vi passagem por EUR 1.

Outra opção é viajar de trem. Você pode consultar as tarifas no site da Máv-Start. Partindo de Viena, na Áustria, por exemplo, a viagem dura cerca de três horas.

Transporte público

Para circular na cidade, você pode usar o sistema de transporte público, que inclui ônibus, trens, metrôs e trens elétricos. O preço médio do tíquete avulso é HUF 350, quando comprado nas máquinas disponíveis na estação, e HUF 450, se comprado dentro dos veículos.

Quanto custa viajar para Budapeste

Hospedagem

Budapeste é a junção de duas cidades – Buda e Peste – unidas pelo Rio Danúbio. De certa forma, posso dizer que Buda concentra mais atrações históricas, como castelos, igrejas e museus. Aqui, os bairros residenciais são calmos e pouco movimentados durante a noite.

Do outro lado do rio, Peste é vibrante, jovem e cheia de boas opções durante o dia e, principalmente, à noite. Cheio de prédios belíssimos, praças, parques e avenidas largas, esse canto da cidade é ideal para você se hospedar.

Em Belváros-Lipótváros, o centro de Peste, há muitas opções de hospedagem e o grande barato de ficar aqui é que dá para  fazer muita coisa a pé.  Budapeste é linda e vale a pena andar pelas ruas para descobrir seus encantos. Além disso, essa região tem mais opções de transporte público.

Preços das diárias

Na região do Centro, a diária em um quarto compartilhado de hostel varia de HUF 2.300 a HUF 7.000. Mas, se você prefere hotel, há muitas opções baratas e confortáveis na cidade, com preços variando entre HUF 5.600 e HUF 12.000. Outra boa escolha, especialmente para quem vai viajar para Budapeste com amigos ou em família, é alugar um apartamento.

→ Veja onde se hospedar em Budapeste

Eu aluguei um apartamento no Mango Aparthotel, que fica no bairro judeu, e essa foi uma ótima escolha pela relação custo-benefício. Mas, é bom lembrar que, como a cidade é muito concorrida, é melhor fazer a reserva com antecedência.

Alimentação

Comer em Budapeste é muito barato. Se você for daqueles viajantes mais descolados, que gostam de comida de rua, boas opções vão saltar em seus olhos. Nesse esquema, um café da manhã sai por HUF 600, o almoço por HUF 800 e o jantar, um pouco mais reforçado, por HUF 1.200.

Para aqueles viajantes um pouco mais exigentes, os preços devem variar entre HUF 1.500 e 6.300. Quem quiser pagar mais caro nos restaurantes mais badalados vai gastar, no mínimo, HUF 9.500.

Passeios

Há muitas opções para a gente ver e fazer em Budapeste. A cidade é incrível e eu sugiro que você destine, pelo menos, quatro dias aqui. E, para você se programar, eu mostro alguns dos atrativos em: O que fazer em Budapeste.

Uma boa notícia é que dá para fazer muita coisa de graça: praças, parques e monumentos podem ser visitados sem pagar nada, e isso inclui o imperdível Palácio Real, em Buda.

Outro passeio que você deve fazer é navegar pelo emblemático Rio Danúbio, que custa, em média, HUF 3.900. Uma visita ao museu Casa do Terror custa HUF 2.000. O banho nas piscinas termais custa, aproximadamente, HUF 5.200. Para visitar o Hospital Subterrâneo, que funcionou durante a Segunda Guerra Mundial, é preciso pagar HUF 4.000.

Quanto custa viajar para Budapeste

Para planejar sua viagem, é ideal que você adeque suas despesas à sua receita, ou seja, você deve gastar aquilo que tem. Isso significa que, se o seus ganhos são em reais, é importante que você saiba quanto, aproximadamente, você vai gastar em reais.

Então, durante o planejamento, é necessário fazer a conversão de cada item para se programar melhor. Porém, não se esqueça que estamos falando de países e cidades diferentes, e, portanto, com custos de vida distintos. Por isso, fazer as contas agora é um bom caminho para você não ficar convertendo cada centavo durante a viagem.

Eu fiz a conversão de alguns itens para mera comparação, apenas para você ter uma ideia de quanto custa viajar para Budapeste. A cotação da moeda húngara é a da data de publicação deste post (R$ 1 = HUF 74,80). Para consultar o câmbio oficial atualizado, acesse o site do Banco Central.

FORINT

REAL

TRANSPORTE
Passagem aérea

2.500

Passagem de ônibus local

450

6,10

HOSPEDAGEM
Diária de hostel

2.300

31

Diária de hotel

5.600

75

ALIMENTAÇÃO
Café da manhã

600

8,10

Almoço

800

10,80

Jantar

1.200

16,50

ATRAÇÕES TURÍSTICAS
Casa do Terror

2.000

27,10

Piscinas Termais

5.200

70

Passeio no Rio Danúbio

3.900

52

Veja todos os posts da Hungria

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se ainda tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo. Aproveite, também, para ler outros posts sobre a Hungria.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

10 Comentários

    • Altier Moulin

      Oi, Alexssander.

      A maioria da população fala inglês, principalmente as mais jovens.
      Em cidades grandes e pontos turísticos, isso é mais fácil, mas temos que entender que, quanto mais nos afastamos dos grandes centros, menos pessoas falam outro idioma.

      Um abraço.

    • Altier Moulin

      Oi, Geraldo.

      Eu havia considerado, equivocadamente, os preços mais caros, para quem quer comer em restaurantes mais luxuosos.
      Acabei de atualizar a tabela e os preços estão corretos. Eles são por pessoa.

      Um abraço.

  1. Avatar

    Olá Altier, não sei se estou enganada mas tirando a passagem, até que não é caro.
    Achei até mais barato ( alimentação, passeio e hospedagem) que cidades no Brasil como Natal, Gramado, Bonito, Búzios e meu querido interior de Minas onde gastei o triplo desses valores.

    P.s: Você me ajudou novamente indicando os onibus.. Excelente post.

    • Altier Moulin

      Oi, Ludmila.

      Realmente não é caro, porque está fora do euro. 😉
      Dá para fazer muita coisa barata e até de graça.

      Um abraço.

    • Altier Moulin

      Oi, Fernando.

      Três dias no mínimo.
      Tem muitos museus e lugares históricos para visitar. Além do passeio no Danúbio, claro.
      Vale a prna destinar um tempo para curtir com calma.

      Um abraço.

Escreva um comentário