Como chegar a Jujuy, no norte da Argentina: as melhores rotas de avião, ônibus e carro

Atualizado em 5 de outubro de 2022 – 5 min de leitura

Como chegar a Jujuy

Jujuy é uma província do norte da Argentina e faz divisa com Chile e Bolívia. Tomada pela paisagem da Cordilheira dos Andes, ela é ideal para quem está procurando uma viagem diferente e por lugares bem pitorescos. Se você já ficou interessado, eu mostro como é fácil chegar a Jujuy.

Esta região corresponde a menos de dois por cento do território argentino, mas as belezas que e encontrei, aqui, foram tantas, que voltei para casa sem conhecer todas – para ter uma ideia, leia: Salta e Jujuy: o exuberante norte da Argentina.

Então, eu já lhe adianto que, para conhecer bem este lugar, você vai precisar de, pelo menos, dez dias.

Como chegar a Jujuy

Um desses lugares incríveis é a Quebrada de Humahuaca, uma grande área de cânions, montanhas e vales cortados por riachos que triplicam de tamanho na estação chuvosa. Sem falar, ainda, nas Salinas Grandes, um imenso deserto de sal.

Como chegar a Jujuy

Apesar da capital, San Salvador de Jujuy, ficar a 1.259 metros de altitude, na Quebrada de Humahuaca, por exemplo, a gente chega a 4.000 metros acima do nível do mar, e a variação de temperatura por aqui pode ser tão grande, que, em algumas épocas do ano, os termômetros alcançam zero e 25 graus no mesmo dia.

Para escolher seu hotel na cidade, leia: Onde se hospedar em Jujuy na Argentina.

Neste artigo, eu vou explicar sobre:

Como chegar a Jujuy

De avião

A província de Jujuy é atendida pelo Aeroporto Internacional Gobernador Horacio Guzmán (JUJ), que fica na cidade de Perico, a 33 quilômetros do centro de San Salvador de Jujuy.

O terminal á bem simples, pequeno, mas atende as demandas locais. No momento que estive aqui, vi apenas três companhias aéreas operando: Aerolíneas Argentinas, Andes e Austral. Todos os voos de aeroportos domésticos antes de chegar a Jujuy.

Como chegar a Jujuy

No primeiro andar, estão as seções de check-in das companhias e a área de desembarque. No segundo andar, há lojinhas, restaurantes e é onde também ficam os portões de embarque.

Para ir do Aeroporto ao Centro, você pode tomar um táxi particular – que também é chamado de remis nessa parte da Argentina – e pagar cerca de ARS 600, o que pode ser interessante para grupos com três ou mais pessoas.

Porém, a opção mais barata é ir de micro-ônibus até o centro, e de lá seguir para o seu destino final a pé ou de táxi.

chegar a Jujuy

O micro-ônibus faz três paradas principais: no Terminal Nueva, que é a nova rodoviária da cidade, ideal para quem já vai seguir viagem para outra cidade, como Tilcara ou Purmamarca, por exemplo; no Terminal Viaja, que é a rodoviária antiga da cidade e que fica bem no Centro; e na Plaza Belgrano, a principal de Jujuy.

Como chegar a Jujuy

A empresa que faz esse traslado opera nos horários dos voos, então, não é preciso fazer reserva, porque sempre há um veículo esperando por você na saída do aeroporto.

A passagem custa ARS 220 e você compra o bilhete no balcão que funciona no saguão de desembarque, ainda dentro do aeroporto – como ele é bem pequeno, você verá facilmente assim que chegar a Jujuy.

Como chegar a Jujuy

Para ir do Centro ao Aeroporto, você pode tomar um táxi, que vai lhe cobrar cerca de ARS 500. Do Terminal Nueva, dá para tomar um ônibus da linha Agua Caliente, que passa em frente ao aeroporto.

Mas, fique de olho, porque ele passa de hora em hora. Já a linha que vai direto a Perico, tem mais partidas. Da cidade, você pode tomar um táxi até o Aeroporto. A passagem de ônibus custa ARS 50.

VALE A PENA
Uma ótima ideia é aproveitar sua viagem a Jujuy para conhecer os países vizinhos, Chile e Bolívia. O roteiro que une o maior deserto de sal do mundo, o Salar de Uyuni, e o deserto mais seco do planeta, o Atacama, pode começar ou terminar no norte da Argentina. De Jujuy para qualquer desses lugares você tem muitas opções de ônibus.

SAI FORA
Nesta região da Argentina, há muitos taxistas operando de forma ilegal. Conhecido como remis ou taxi compartido – compartilhados, em português –  eles são mais rápidos que os ônibus e mais baratos que os táxis convencionais. Porém, os motoristas não foram treinados para transportar passageiros e não existe um seguro contra acidentes. O risco é por sua conta.

De ônibus

É moleza chegar a Jujuy de ônibus e, daqui, ir para qualquer outro lugar dessa região: inclusive cruzar a fronteira com o Chile, para ver de perto do Atacama, ou com a Bolívia, para visitar o Salar de Uyuni.

Para quem sai de Buenos Aires, a viagem é longa, dura cerca de 23 horas e quem faz esse trecho são as empresas Balut, La Veloz Del Norte e Flecha Bus. As passagens variam entre ARS 2.480 e 3.150.

Um site muito utilizado pelos argentinos para consultar horários, preços e comprar passagens de ônibus é o Plataforma 10.

Como chegar a Jujuy

Os veículos são básicos: alguns mais, outros menos confortáveis, mas em todos que viajei, encontrei água, refrigerante e televisão a bordo.

Algumas empresas podem cobrar pela bagagem que vai no porão do ônibus, mas á baratinho, apenas ARS 5.

Viagens de última hora também são possíveis, visto que o número de chegadas e partidas do Terminal Nueva de Jujuy para outras cidades é muito grande, mas, claro: deixar para comprar passagem na hora é contar com a sorte.

Como chegar a Jujuy

De carro

Quando estava planejando esta viagem, tive a ideia de alugar um carro para fazer tudo sem pressa, mas, ainda bem, não fiz isso.

Como estava sozinho, eu teria que pagar pelo aluguel do carro e pelo combustível e, ainda, cuidar de toda a logística, o que acabaria sendo desgastante.

E tem mais: nesta região, a altitude e o clima variam muito e muita gente se sente mal ao volante. Tontura, dor de cabeça, sonolência, enjoo e vômito são os principais sintomas, como eu mostro em: Aprenda como prevenir o mal de altitude.

Como chegar a Jujuy

As estradas, na maioria dos trechos, são asfaltadas e estão em boas condições. Mas, à medida que chegamos a povoados menores, o calçamento some e os obstáculos aparecem: eu atravessei um rio com o carro da ADN Travel, a agência com quem fiz os passeios locais.

Além de todos esses pontos, você deve saber que, para circular em território brasileiro, você deve ter a Carteira Nacional de Habilitação brasileira válida, a carteira de identidade, considerada o documento oficial de identificação, e o seguro chamado Carta Verde, que, na maioria dos casos pode ser comprado na fronteira com o Brasil.

Dicas de onde ficar em Jujuy

Antes de decidir onde se hospedar em Jujuy, veja essas dicas:

    • A melhor área é nos arredores da Plaza Belgrano, a principal de Jujuy;
    • As acomodações são, geralmente, simples e rústicas;
    • Escolha um lugar que tenha sistema de calefação, pois o inverno é congelante;
    • Ficando no Centro, você vai poder fazer praticamente tudo a pé;
    • Eu explico isso melhor em: Onde ficar em Jujuy.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser prorrogado por mais 90 dias.

Documentos

Brasileiros podem apresentar o passaporte ou a carteira de identidade, desde que tenha sido emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

O peso argentino, identificado pela sigla ARG, é a moeda nacional. Para sua viagem, leve reais ou dólares.

Vacinas

Nenhuma vacina específica é obrigatória, independentemente do motivo da viagem.

Informações sobre covid-19

De acordo com o decreto publicado no dia 24 de agosto de 2022, não há mais nenhuma exigências quanto à covid-19. Portanto, não é necessário apresentar comprovante de vacinação nem resultados de exames RT-PCR.

Até então, era obrigatório preencher a Declaración Jurada Electrónica para el Ingreso al Territorio Nacional e ter  um seguro viagem com cobertura para a covid-19.

Retorno ao Brasil

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar para a Argentina sem o seguro viagem não e uma boa ideia.  Sem ele, você poderá ter que pagar caro, caso precise de uma consulta médica ou de atendimento hospitalar.

Ter um seguro viagem é ainda mais importante se você for viajar para áreas mais remotas do país, como a Patagônia e o norte argentino – na região de Jujuy e Salta, muitas pessoas se sentem mal por causa da altitude.

Além disso, o custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

GOLPE NO TÁXI

Na hora de pegar um táxi – que ainda é a melhor opção para se locomover nas cidades da Argentina –, utilize veículos de frota e fique de olho na hora de pagar: sempre olhe para o motorista e diga qual o valor em espécie você está entregando a ele.

Esse cuidado tem uma razão: alguns motoristas trocam a sua nota e dizem que a que você o entregou é falsa. Há casos em que eles deixam o dinheiro cair no chão do carro e pegam uma nota falsa para lhe repassar.

Outro golpe praticado por motoristas de táxi contra turistas é alegar que você entregou a ele uma nota no valor inferior ao pretendido.

Uma amiga chegou a Buenos Aires à noite. Cansada, depois de tomar um táxi, ela fez o pagamento com uma nota de ARS 100. Entretida com as malas, ela não percebeu que o taxista tinha trocado a sua nota por uma de ARS 10.

Ela se desculpou, entregou-lhe novamente uma nota de ARS 100, e manteve a postura desatenciosa. O motorista aproveitou e, novamente, disse que tinha recebido outra nota de ARS 10. No final das contas, ela pagou ARS 300 por uma corrida de táxi que custou menos de ARS 100.

Infelizmente, carros de aplicativo ainda não são tão comuns em várias cidades argentinas e isso nos faz reféns dos taxistas.

Veja mais dicas da Argentina

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Argentina.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

13 Comentários

  1. jussara hass

    olá bom dia gostaria de conhecer são salvador de jujuy sai muito caro as despesas para um casal?

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Jussara.

      Depende do padrão de cada pessoa, né? Eu não consigo dizer o que é caro ou barato nesse caso. Mas, dá para fazer de uma forma mais econômica sim, ficando em hotéis mais baratos e indo a restaurantes mais em conta. Há muitas opções.

      Um abraço.

      Responder
  2. bruna

    e os valores dos passeios sao baratos ou caros? eu estou pensando em ir sozinha em julho, vc acha q fica mais barato se eu encontrar pessoas para dividir os gastos ou na agencia o valor meio q da no mesmo?

    Responder
  3. Juliano

    Muito maneiro, Altier! Agradeço por compartilhar suas experiências com essas dicas tão valiosas. Minha esposa e eu viajaremos pra Jujuy em abril e já comecei a planejar o roteiro. Estou analisando umas opções de hospedagem em Jujuy e tenho dúvidas com relação a segurança de alguns bairros. Você sabe se há ocorrência de furtos ou assaltos, ou a região inteira é tranquila com relação a isso? Obrigado, parabéns pelo conteúdo do Blog. É fantástico!

    Responder
  4. RAFAEL MOLIN

    Altier, boa noite.

    Os passeios na região, consegue fazer alguns sem guia ou agencia local de turismo??

    Responder
  5. Paulo

    Altier,
    Sobre o serviço de micro-ônibus, você sabe qual é o horário de operação? Meu voo tem chegada prevista às 21:30 e não encontrei website da empresa e nem informações precisas na internet.

    Obrigado!

    Paulo

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Paulo.

      Eles operam de acordo com as chegadas dos voos no aeroporto. Aliás, o guichê só funciona quando há voos chegando.
      O meu voo foi neste mesmo horário.
      Além do micro-ônibus, há táxis no aeroporto.

      Um abraço.

      Responder
  6. Mari

    Oi, Altier! Tava doida pra ver estes posts sobre o norte da Argentina desde que vc postou fotos no Instagram 🙂
    É um sonho ir para essa região! Li em diversos lugares que o ideal seria alugar um carro, mas como geralmente viajo sozinha, essa não é uma ideia que me agrada. Vc está mostrando que é possível conhecer sem carro, já me animei!
    Obrigada por compartilhar!!

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Mari.

      Estou escrevendo vários textos de Jujuy e Salta e, realmente, vale muito a pena.
      EU não aluguei carro e fiz muita coisa. Fique tranquila! 🙂
      Continue acompanhando.

      Um abraço.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2