Pesquisar
Close this search box.

Como chegar a Jujuy: dicas para planejar sua viagem

Atualizado em 1 de abril de 2024 – POR ALTIER MOULIN

Como chegar a Jujuy

Jujuy é uma província do norte da Argentina e faz divisa com Chile e Bolívia. Tomada pela paisagem da Cordilheira dos Andes, ela é ideal para quem está procurando uma viagem diferente e por lugares bem pitorescos. Se você já ficou interessado, eu mostro como é fácil chegar a Jujuy.

Esta região corresponde a menos de dois por cento do território argentino, mas as belezas que e encontrei, aqui, foram tantas, que voltei para casa sem conhecer todas – para ter uma ideia, leia: Salta e Jujuy: o exuberante norte da Argentina.

Você vai precisar de tempo

Eu já adianto que, para conhecer bem este lugar, você vai precisar de, pelo menos, dez dias.

Como chegar a Jujuy

Um desses lugares incríveis é a Quebrada de Humahuaca, uma grande área de cânions, montanhas e vales cortados por riachos que triplicam de tamanho na estação chuvosa. Sem falar, ainda, nas Salinas Grandes, um imenso deserto de sal.

Como chegar a Jujuy

Apesar da capital, San Salvador de Jujuy, ficar a 1.259 metros de altitude, na Quebrada de Humahuaca, por exemplo, a gente chega a 4.000 metros acima do nível do mar, e a variação de temperatura por aqui pode ser tão grande, que, em algumas épocas do ano, os termômetros alcançam zero e 25 graus no mesmo dia.

Para escolher seu hotel na cidade, leia: Onde se hospedar em Jujuy na Argentina.

Como chegar a Jujuy

De avião

A província de Jujuy é atendida pelo Aeroporto Internacional Gobernador Horacio Guzmán (JUJ), que fica na cidade de Perico, a 33 quilômetros do centro de San Salvador de Jujuy.

O terminal á bem simples, pequeno, mas atende as demandas locais. No momento que estive aqui, vi apenas três companhias aéreas operando: Aerolíneas Argentinas, Andes e Austral. Todos os voos de aeroportos domésticos antes de chegar a Jujuy.

Como chegar a Jujuy

No primeiro andar, estão as seções de check-in das companhias e a área de desembarque. No segundo andar, há lojinhas, restaurantes e é onde também ficam os portões de embarque.

Para ir do Aeroporto ao Centro, você pode tomar um táxi particular – que também é chamado de remis nessa parte da Argentina – e pagar cerca de ARS 600, o que pode ser interessante para grupos com três ou mais pessoas.

Porém, a opção mais barata é ir de micro-ônibus até o centro, e de lá seguir para o seu destino final a pé ou de táxi.

chegar a Jujuy

O micro-ônibus faz três paradas principais: no Terminal Nueva, que é a nova rodoviária da cidade, ideal para quem já vai seguir viagem para outra cidade, como Tilcara ou Purmamarca, por exemplo; no Terminal Viaja, que é a rodoviária antiga da cidade e que fica bem no Centro; e na Plaza Belgrano, a principal de Jujuy.

Como chegar a Jujuy

A empresa que faz esse traslado opera nos horários dos voos, então, não é preciso fazer reserva, porque sempre há um veículo esperando por você na saída do aeroporto.

A passagem custa ARS 220 e você compra o bilhete no balcão que funciona no saguão de desembarque, ainda dentro do aeroporto – como ele é bem pequeno, você verá facilmente assim que chegar a Jujuy.

Como chegar a Jujuy

Para ir do Centro ao Aeroporto, você pode tomar um táxi, que vai lhe cobrar cerca de ARS 500. Do Terminal Nueva, dá para tomar um ônibus da linha Agua Caliente, que passa em frente ao aeroporto.

Mas, fique de olho, porque ele passa de hora em hora. Já a linha que vai direto a Perico, tem mais partidas. Da cidade, você pode tomar um táxi até o Aeroporto. A passagem de ônibus custa ARS 50.

<strong>VALE A PENA</strong>
Uma ótima ideia é aproveitar sua viagem a Jujuy para conhecer os países vizinhos, Chile e Bolívia. O roteiro que une o maior deserto de sal do mundo, o Salar de Uyuni, e o deserto mais seco do planeta, o Atacama, pode começar ou terminar no norte da Argentina. De Jujuy para qualquer desses lugares você tem muitas opções de ônibus.

<strong>SAI FORA</strong>
Nesta região da Argentina, há muitos taxistas operando de forma ilegal. Conhecido como remis ou taxi compartido – compartilhados, em português –  eles são mais rápidos que os ônibus e mais baratos que os táxis convencionais. Porém, os motoristas não foram treinados para transportar passageiros e não existe um seguro contra acidentes. O risco é por sua conta.

De ônibus

É moleza chegar a Jujuy de ônibus e, daqui, ir para qualquer outro lugar dessa região: inclusive cruzar a fronteira com o Chile, para ver de perto do Atacama, ou com a Bolívia, para visitar o Salar de Uyuni.

Para quem sai de Buenos Aires, a viagem é longa, dura cerca de 23 horas e quem faz esse trecho são as empresas Balut, La Veloz Del Norte e Flecha Bus. As passagens variam entre ARS 2.480 e 3.150.

Um site muito utilizado pelos argentinos para consultar horários, preços e comprar passagens de ônibus é o Plataforma 10.

Como chegar a Jujuy

Os veículos são básicos: alguns mais, outros menos confortáveis, mas em todos que viajei, encontrei água, refrigerante e televisão a bordo.

Algumas empresas podem cobrar pela bagagem que vai no porão do ônibus, mas á baratinho, apenas ARS 5.

Viagens de última hora também são possíveis, visto que o número de chegadas e partidas do Terminal Nueva de Jujuy para outras cidades é muito grande, mas, claro: deixar para comprar passagem na hora é contar com a sorte.

Como chegar a Jujuy

De carro

Quando estava planejando esta viagem, tive a ideia de alugar um carro para fazer tudo sem pressa, mas, ainda bem, não fiz isso.

Como estava sozinho, eu teria que pagar pelo aluguel do carro e pelo combustível e, ainda, cuidar de toda a logística, o que acabaria sendo desgastante.

E tem mais: nesta região, a altitude e o clima variam muito e muita gente se sente mal ao volante. Tontura, dor de cabeça, sonolência, enjoo e vômito são os principais sintomas, como eu mostro em: Aprenda como se prevenir do mal de altitude.

Como chegar a Jujuy

As estradas, na maioria dos trechos, são asfaltadas e estão em boas condições. Mas, à medida que chegamos a povoados menores, o calçamento some e os obstáculos aparecem: eu atravessei um rio com o carro da ADN Travel, a agência com quem fiz os passeios locais.

Além de todos esses pontos, você deve saber que, para circular em território brasileiro, você deve ter a Carteira Nacional de Habilitação brasileira válida, a carteira de identidade, considerada o documento oficial de identificação, e o seguro chamado Carta Verde, que, na maioria dos casos pode ser comprado na fronteira com o Brasil.

Dicas de onde ficar em Jujuy

Antes de decidir onde se hospedar em Jujuy, veja essas dicas:

    • A melhor área é nos arredores da Plaza Belgrano, a principal de Jujuy;
    • As acomodações são, geralmente, simples e rústicas;
    • Escolha um lugar que tenha sistema de calefação, pois o inverno é congelante;
    • Ficando no Centro, você vai poder fazer praticamente tudo a pé;
    • Eu explico isso melhor em: Onde ficar em Jujuy.

Onde ficar em Jujuy

Eu sempre uso o Booking.com para fazer as minhas reservas. É o site que eu mais confio e ele tem várias facilidades. Quer alguns exemplos? Você escolhe a moeda que quer pagar, se quer pagar antecipadamente ou na hora da chegada, e nem precisa ter cartão de crédito para fazer as reservas.

Sem falar que a maioria das hospedagens tem cancelamento gratuito – é gratuito mesmo – e quanto mais você usa o site, mais descontos você ganha: veja como participar aqui. Dito isso, vamos às minhas dicas de hotéis, hostels e apartamentos.

Agora, antes de ver as opções de hospedagem da cidade, dê uma olhada no mapa abaixo para se localizar melhor.

Gregorio I

Muito bem avaliado pelos hóspedes, o Gregório I Hotel é um dos hotéis mais tradicionais de Jujuy. Os funcionários são sempre prestativos e deixam a hospedagem de qualquer um mais leve e menos complicada. A cama é ótima, o chuveiro com água quente é indispensável no inverno e a limpeza dos quartos é sempre bem elogiada.

Onde ficar em Jujuy

Pertinho da Plaza Belgrano, ele tem internet sem fio e café da manhã com iguarias locais. O hotel é um “básicão” que pode ser ideal para você ficar em Jujuy, mas, fique esperto, porque nem sempre é fácil encontrar uma vaga no hotel. Por isso, reservar com antecedência é obrigatório.

Se você gosta de conhecer a vida noturna das cidades, o hotel é indicado para você. É que ele fica a poucos metros de vários barzinhos: dá para ir caminhando. Resumindo: o preço é justo, compatível com que o hotel oferece e a localização é excelente.

Onde ficar em Jujuy

Howard Johnson

Para quem gosta de hotéis grandões no melhor estilo internacional, o Howard Johnson Plaza Jujuy  é a melhor opção. Cheio de elogios dos hóspedes, ele tem um excelente custo-benefício e quartos amplos com camas grandes e confortáveis. O hotel tem restaurante e até um cassino, onde você pode passar o tempo e até arriscar a sorte.

Onde ficar em Jujuy

Eu também preciso falar da piscina e da vista bem interessante para as montanhas que cercam a cidade. Para quem não gosta de ficar sem fazer uma atividade física, há uma sala com alguns aparelhos de musculação e de pilates – nada que me faça dizer que é uma academia, mas vale a pena. Se precisar de ajuda para contratar os passeios na região, o pessoal da recepção pode ajudar. Eles são realmente muito atenciosos.

Onde ficar em Jujuy

O hotel fica no Centro, perto de tudo, e daqui você pode andar sem pressa pela cidade. Mas, antes, claro, não perca o café da manhã que também é muito elogiado. Na minha opinião, este é o melhor hotel de Jujuy.

Onde ficar em Jujuy

Guest House Jujuy

O Guest House Jujuy fica pertinho da Plaza Belgrano, no centro de Jujuy, e tem quartos aconchegantes e internet sem fio em todas as áreas. O tamanho dos quartos, geralmente, é bem elogiado e alguns têm mesa, cadeiras e geladeira, o que pode ser ótimo para quem pensa em fazer refeições rápidas no quarto.

Onde ficar em Jujuy

A localização é mesmo imbatível, perto de lojas, centros comerciais e restaurantes, e a segurança também é uma questão muito elogiada. Aliás, de forma geral, esta região de Jujuy é bem segura, claro, com os cuidados que temos em qualquer lugar.

A limpeza é outro ponto muito positivo do hotel. Sem falar, claro, que o sistema de aquecimento é indispensável para os dias mais frios. Se estiver de carro, você ainda pode usar o estacionamento do hotel.

Munay

A apenas duas quadras da praça principal de Jujuy, o Munay é uma empresa familiar e só por isso você pode imaginar que o atendimento é bem elogiado. A decoração rústica valoriza a imersão na cultura do norte argentino, embora esteja precisando de uns reparos.

Onde ficar em Jujuy

Os quartos são simples, mas o diferencial é o preço, ideal para quem está só de passagem e não quer ficar muito distante do centro. O café da manhã é básico, mas bem saboroso: muitos hóspedes acham que é compatível com o que se paga pela diária.

O hotel pode parecer apenas mais um basicão, mas tem duas coisas muito importantes: sistema de aquecimento e tratamento acústico. É que mesmo estando em uma avenida bem movimentada, o barulho nos quartos é mínimo.

Onde ficar em Jujuy

Alto Belgrano

Fantástico! Esta é a avaliação dos hospedes que já ficaram no Alto Belgrano, e isso não é por acaso. É que o dono do apartamento, o Nicolas, capricha na limpeza, no atendimento e no conforto dos quartos: tudo o que a gente precisa para ter noites revigorantes, não é mesmo?

Onde ficar em Jujuy

A cozinha completa é ideal para quem pensa em cozinhar e para quem está com crianças ficar em Jujuy: o supermercado fica a cerca de 400 metros daqui e o Shopping Annuar está a três quadras. Por falar nisso, ele fica perto de tudo: a Plaza Belgrano fica a meia quadra e a rua de pedestres, onde há bares e restaurantes, a duas quadras. Se você está procurando um apartamento para ficar em Jujuy, na minha opinião, esta é uma das melhores escolhas.

Faixas de preço em Jujuy

Agora que você já viu as minhas opções preferidas – não só as minhas, mas as de muita gente também – é hora de dar uma olhada nos preços antes de decidir onde ficar em Jujuy.



Booking.com

No mapa acima estão todas as opções de hospedagem da cidade, especialmente as do Centro.  Para saber mais, você só precisa clicar nos pins azuis. 

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser prorrogado por mais 90 dias.

Documentos

Brasileiros podem apresentar o passaporte ou a carteira de identidade, desde que tenha sido emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

O peso argentino, identificado pela sigla ARG, é a moeda nacional. Para sua viagem, leve reais ou dólares.

Vacinas

Nenhuma vacina específica é obrigatória, independentemente do motivo da viagem.

Informações sobre covid-19

Desde de 1º de setembro de 2022, não há mais restrições ou requisitos de entrada na Argentina relacionados à pandemia de covid-19.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar para a Argentina sem o seguro viagem não e uma boa ideia.  Sem ele, você poderá ter que pagar caro, caso precise de uma consulta médica ou de atendimento hospitalar.

Ter um seguro viagem é ainda mais importante se você for viajar para áreas mais remotas do país, como a Patagônia e o norte argentino – na região de Jujuy e Salta, muitas pessoas se sentem mal por causa da altitude.

Além disso, o custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

→ PLANOS MAIS INDICADOS

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

O plano TRAVEL ASSIST 30 AM. LATINA +COVID-19 tem cobertura médica e hospitalar de até USD 30.000 e um custo-benefício muito bom: ele é um dos preferidos dos viajantes.

GTA 9 SLIM AMÉR. LATINA é um dos seguros mais baratos, mas ele só tem USD 9.600 de despesas médicas e hospitalares.

O meu preferido é o AC 35 MUNDO COVID-19 (Exceto EUA), que é super completo e tem cobertura de assistência médica e hospitalar de até USD 35.000.

Veja mais dicas da Argentina

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Argentina.

SOBRE O AUTOR

COMENTÁRIOS

13 respostas

  1. Oi, Jussara.

    Depende do padrão de cada pessoa, né? Eu não consigo dizer o que é caro ou barato nesse caso. Mas, dá para fazer de uma forma mais econômica sim, ficando em hotéis mais baratos e indo a restaurantes mais em conta. Há muitas opções.

    Um abraço.

  2. e os valores dos passeios sao baratos ou caros? eu estou pensando em ir sozinha em julho, vc acha q fica mais barato se eu encontrar pessoas para dividir os gastos ou na agencia o valor meio q da no mesmo?

  3. Muito maneiro, Altier! Agradeço por compartilhar suas experiências com essas dicas tão valiosas. Minha esposa e eu viajaremos pra Jujuy em abril e já comecei a planejar o roteiro. Estou analisando umas opções de hospedagem em Jujuy e tenho dúvidas com relação a segurança de alguns bairros. Você sabe se há ocorrência de furtos ou assaltos, ou a região inteira é tranquila com relação a isso? Obrigado, parabéns pelo conteúdo do Blog. É fantástico!

  4. Oi, Paulo.

    Eles operam de acordo com as chegadas dos voos no aeroporto. Aliás, o guichê só funciona quando há voos chegando.
    O meu voo foi neste mesmo horário.
    Além do micro-ônibus, há táxis no aeroporto.

    Um abraço.

  5. Altier,
    Sobre o serviço de micro-ônibus, você sabe qual é o horário de operação? Meu voo tem chegada prevista às 21:30 e não encontrei website da empresa e nem informações precisas na internet.

    Obrigado!

    Paulo

  6. Oi, Mari.

    Estou escrevendo vários textos de Jujuy e Salta e, realmente, vale muito a pena.
    EU não aluguei carro e fiz muita coisa. Fique tranquila! 🙂
    Continue acompanhando.

    Um abraço.

  7. Oi, Altier! Tava doida pra ver estes posts sobre o norte da Argentina desde que vc postou fotos no Instagram 🙂
    É um sonho ir para essa região! Li em diversos lugares que o ideal seria alugar um carro, mas como geralmente viajo sozinha, essa não é uma ideia que me agrada. Vc está mostrando que é possível conhecer sem carro, já me animei!
    Obrigada por compartilhar!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2