Cânion do Colca e o majestoso voo do condor: imperdíveis em Arequipa

Atualizado em 7 de janeiro de 2012 – 4 min de leitura

Cânion do Colca e o majestoso voo do condor

A cidade de Arequipa é a segunda maior do Peru. Ela está encravada na Cordilheira dos Andes, a 2.300 metros acima do nível do mar. Além dos prédios do Centro Histórico e dos imponentes picos nevados que cercam a cidade, eu descobri o Cânion do Colca. Um destino imperdível para quem está planejando visitar este lado do Peru.

Reconhecido como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o Centro Histórico foi construído com sillar, uma rocha vulcânica de cor clara, e por isso, Arequipa é também chamada de Cidade Branca.

→ Onde ficar em Arequipa

Embora a cidade tenha todo esse apelo histórico, a maioria dos turistas que chega a Arequipa faz o passeio bate-volta até o Cânion do Colca. Isso porque, a não ser que você tenha um forte motivo, não é necessário pernoitar na região do Cânion.

Bate-volta ao Cânion do Colca

A viagem de Arequina até o Cânion do Colca começa cedo, porque é preciso percorrer 250 quilômetros – uma grande parte em estrada de terra – cruzando dezenas de pequenas vilas às margens do rio Colca.

O vale do Colca foi formado pela movimentação da placa tectônica sul-americana. Ele é um dos mais profundos do mundo, chegando a ter 3.400 metros em seu ponto máximo, que fica mais longe, na cidade de Canco.

O ponto mais alto da região é o vulcão inativo Ampato, com 6.288 metros de altitude, enquanto que o mais baixo é onde se encontra o leito dos rios Colca e Andamayo, a 970 metros do nível do mar.

Todo o vale tem uma extensão de 100 quilômetros e ocupa apenas um setor da bacia do rio Colca, entre os distritos de Callalli e Huambo.

Nesta área, existem 16 aldeias collaguas e cabanas, herdeiras de uma rica tradição cultural. Entretanto, as aldeias de Chivay e Cabanaconde são as mais visitadas por turistas.

Porta de entrada para o Cânion, Chivay fica a 42 quilômetros de Arequipa e a paisagem até ela já vale o passeio: a gente viaja sobre uma área de vulcões, alguns inativos e outros apenas adormecidos e não é raro encontrar neve pelo caminho.

Em Chivay estão as piscinas de águas termais que brotam a quase 90 graus e descem do vulcão Misti carregadas de enxofre. Nas piscinas, peruanos e estrangeiros se banham para se aquecer do frio e por acreditarem em seus poderes curadores.

Não é preciso andar muito para perceber que a gente está em terras de longa história.

Os povos que habitavam esta região, antes da chegada dos incas, eram mestres no cultivo do maíz, uma espécie de milho. Além disso, foram eles os primeiros a criar os terraços nas montanhas para ampliar as possibilidades de plantio.

Cânion do Colca e o majestoso voo do condor

Hoje, os collaguas e os cabanas dividem o domínio da região e se diferenciam de uma forma muito peculiar.

Os collaguas habitam as partes mais altas do vale e as mulheres usam sempre chapéus bordados. Já os cabanas ocupam a parte mais próxima ao rio e as mulheres não têm enfeites nos chapéus.

Cânion do Colca e o majestoso voo do condor

O VOO DO CONDOR

A estrada sinuosa que margeia o cânion nos leva até o ponto mais alto da rota. Cabanaconde é famosa por ser o lugar onde assistimos ao enigmático voo do condor-dos-andes, no mirante Cruz del Condor.

Não há quem venha ao Colca e não almeje apreciar o voo de uma das maiores aves do planeta, que desperta grande admiração em boa parte dos países andinos.

Cânion do Colca e o majestoso voo do condor

Medindo quase 1,5 metro de altura e com mais de três metros de envergadura, o condor-dos-andes abre as suas asas sobre o cânion e proporciona momentos de entusiasmo e plenitude.

Apesar do dia ter começado frio e nublado, o sol apareceu e eu tive a sorte de ver e de fotografar o voo destes gigantes bem de perto.

No caminho de volta para Arequipa, Maca é um pequeno vilarejo que sofreu durante anos com a erupção do Quehuisha.

Na última vez, o vulcão começou lentamente a soltar fumaça e cinzas em um processo de erupção que durou mais de um ano e atingiu fortemente a cidade. Com isso, centenas de moradores tiveram que abandonar suas casas.

Ainda hoje, é possível ver as evidências da destruição causada pelo vulcão.

A viagem pelo Cânion do Colca não termina antes de cruzar uma estrada longa e com poucas curvas, que corta o Parque Nacional de Aguada Blanca.

Ele é a morada de lhamas e vicunhas selvagens que, assim como o condor, são símbolo da Cordilheira dos Andes.

Cânion do Colca e o majestoso voo do condor

QUANDO IR

De forma geral, as temperaturas de Arequipa são amenas, com termômetros oscilando entre dez e 24 graus praticamente o ano todo.

Um ponto positivo da cidade é que ela tem mais de 300 dias de sol por ano. No verão, de novembro a abril, a temperatura gira em torno dos 20 graus.

No inverno, os termômetros variam entre cinco e nove graus. As chuvas são mais frequentes de janeiro a março, quando chove praticamente todos os dias – apesar disso, não são chuvas duradouras.

Cânion do Colca e o majestoso voo do condor

A melhor época para programar uma viagem para Arequipa é de novembro a abril: os meses ideais são dezembro e janeiro.

Em agosto, a cidade lembra o aniversário de sua fundação espanhola com feiras, fogos de artifício e até brigas de touros. Nessa época faz frio especialmente à noite.

COMO CHEGAR

Uma viagem de carro de Lima a Arequipa pode ser longa o suficiente para lhe deixar entediado. São mais mil quilômetros de estrada saindo do nível do mar até uma altitude de 2.380 metros.

O roteiro pode ficar mais interessante se você tiver tempo e disposição para fazer paradas em cidades estratégicas, como em Paracas, Nazca, Ica, e vilarejos pelo caminho.

A maneira mais fácil de chegar a Arequipa é de avião. O Aeroporto Rodriguez Ballon (AQP) fica a oito quilômetros do Centro.

→Principais companhias aéreas do Peru

Há dois terminais de ônibus na cidade: o Terminal Terrestre e o Terminal Terrapuerto. Eles estão um do lado do outro, a cerca de três quilômetros do Centro Histórico. Um táxi até eles custa cerca de PEN 10.

→ Principais empresas de ônibus no Peru

Onde ficar em Arequipa

Para quem vai fazer o bate-volta até o Cânion do Colca, a melhor opção é ficar nos arredores da Plaza de Armas, em Arequipa.

A praça fica perto de tudo, e justamente por isso o preço das diárias pode ser mais caro – ainda assim, eu acho que vale a pena pela comodidade.

Naturalmente, à medida em que se afasta da praça, é fácil encontrar opções mais baratas.

Eu listei as opções de hospedagem mais bem avaliadas e preferidos dos viajantes independentes – como nós – para você dar uma olhada.

Casa Andina Select Arequipa Plaza

O Casa Andina Select Arequipa Plaza fica no Centro Histórico, a poucos metros da Plaza de Armas. Ele é perfeito para quem quer explorar esta área e poder fazer muita coisa a pé. Os funcionários são super atenciosos e ajudam bastante com dicas e informações.

Onde ficar em Arequipa

Os quartos são ótimos, sempre muito limpos, assim como todas as instalações. O restaurante é super elogiado e o café da manhã é fantástico, com muita coisa boa. É uma das melhores opções para ficar em Arequipa.

Onde ficar em Arequipa

Katari Hotel at Plaza de Armas

O Katari Hotel é outra ótima opção para ficar em Arequipa. Ele também está localizado na Plaza das Armas, o ponto de partida para explorar a Cidade Branca. Todos os quartos são decorados no estilo andino e o café da manhã nos dá energia suficiente para as andanças do dia.

Onde ficar em Arequipa

Uma dica que dou é conhecer o terraço do hotel, que tem vista panorâmica da cidade e dos vulcões ao redor. Além disso, dá para relaxar no belíssimo jardim. À noite, curta o bar local e conheça os outros hóspedes.

Onde ficar em Arequipa

Casa Andina Premium Arequipa

O Casa Andina Premium Arequipa é um hotel boutique deslumbrante que funciona em um casarão com mais de dois séculos de história. Ele é super bem cuidado, cheio de obras de arte incríveis, quartos amplos e com uma qualidade incrível.

Onde ficar em Arequipa

O pessoal que faz o atendimento é bastante atencioso, e a limpeza e a organização também são super criteriosas. Ele não fica tão pertinho da Plaza de Armas, mas dá para explorar muita coisa com uma curta caminhada.

Onde ficar em Arequipa

Palla Boutique Hotel

O Palla Boutique Hotel também fica no Centro Histórico e é uma ótima opção para quem faz questão de conforto e elegância. Todos os quartos são ótimos, confortáveis e alguns têm área de estar, sendo mais espaçosos. Se quiser, pode solicitar um quarto com vista para montanha ou para o rio.

O café da manhã é bastante elogiado e, antes de sair para explorar a cidade, aproveite a vista privilegiada do terraço ao ar livre. À noite, curta o happy hour no bar do hotel. Quando o cansaço for grande, não hesite em pedir o serviço de quarto.

Casona Plaza Hotel Arequipa

O Casona Plaza Hotel Arequipa tem vários pontos positivos que fazem dele uma excelente opção para ficar em Arequipa: equipe super atenciosa e que faz de tudo para nos ajudar, localização excelente, a três quadras da Plaza de Armas, e café da manhã muito bom.

Onde ficar em Arequipa

Os quartos são ótimos, espaçosos, com camas grandes e roupa de cama maravilhosa. Não é um hotel grande, mas que preza pela qualidade em tudo que oferece.

Ayenda Casona Terrace

O Ayenda Casona Terrace tem um bom custo-benefício e tudo que a gente precisa para ficar em Arequipa: limpeza em dia, check-in antecipado gratuito, ótimo pátio interno, construção em estilo colonial, com paredes grossas de lavastone, como toda a cidade.

Onde ficar em Arequipa

Recepcionistas prestativos em todos os sentidos, o que facilita muito a vida da gente. Os quartos são ótimos e o terraço é maravilhoso. Vale a pena dar uma olhada com calma neste hotel.

Los Tambos

O Los Tambos é charmoso e fica no Centro Histórico, pertinho da maioria das atrações da região. Os quartos são bem iluminados e espaçosos, com grandes janelas. O café da manhã, muito elogiado pelos hóspedes, é a melhor forma de começar o dia.

Onde ficar em Arequipa

Durante seu tempo no hotel, não deixe de conhecer o terraço, com vista para o vulcão Mista, e aproveite os diversos serviços de massagem, que você pode solicitar por um custo adicional. Além disso, o transporte para o aeroporto também é oferecido, mas é preciso agendar.

Maison Verte

O Maison Verte já foi um dos melhores hostels de Arequipa, mas se remodelou e hoje é um excelente hotel com ótimo custo-benefício, com opções de quartos triplos que ajudam muito a baixar o custo da diária.

Onde ficar em Arequipa

Ele tem uma localização perfeita, a 100 m da Catedral e da Plaza de Armas, ambientes super arejados, bem decorados e sempre muito limpos e organizados e aquele atendimento aconchegante, sabe?

Onde ficar em Arequipa

El Albergue Español

O El Albergue Español fica a menos de 300 metros da Plaza de Armas e o valor cobrado pela diária com certeza cabe no seu bolso. A casa onde ele funciona tem estilo colonial, com internet boa e terraço ao ar livre. Então, não deixe de apreciar a vista da região – incluindo o vulcão Misti – enquanto conhece os outros hóspedes.

Nas redondezas, você também encontra mercados, ideal para quem não quer gastar muito, e pode usar a cozinha do hostel para preparar as refeições. É uma boa opção para quem quer ficar em Arequipa sem se comprometer financeiramente.

Faixas de preço em Arequipa

Agora que você já viu as minhas opções preferidas – não só as minhas, mas as de muita gente também – é hora de dar uma olhada nos preços antes de decidir onde ficar em Arequipa.



Booking.com

No mapa acima estão todas as opções de hospedagem da cidade, especialmente as nos arredores da Plaza de Armas.  Para saber mais, você só precisa clicar nos pins azuis e pronto. 

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar no país e o prazo máximo de permanência é de 90 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias.

Documentos

Você deve apresentar o passaporte, com seis meses de validade, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos e em bom estado de conservação.

Dinheiro

A moeda peruana é o nuevo sol, identificado pela sigla PEN e pelo símbolo S/. Para sua viagem, leve dólares e troque nas casas de câmbio.

Vacinas

A vacina contra febre amarela é recomendada para quem for viajar para a região amazônica. Veja como solicitar o certificado pela internet.

Informações sobre covid-19

Desde que reabriu suas fronteiras, o Peru adotou várias regras de prevenção e controle dos casos de covid-19. Isso significa que é preciso cumprir alguns requisitos sanitários e legais para entrar no país.

De forma geral, os documentos exigidos para a entrada de brasileiros – além dos já citados acima – são os seguintes:

  1. Comprovante de vacinação contra covid-19 com esquema vacinal completo – a terceira dose é exigida para maiores de 40 anos –, esta regra vale para viajantes maiores de 12 anos;
  2. Resultado negativo de teste RT-PCR feito há, no máximo, 48 horas antes do embarque, exigido apenas de viajantes não vacinados;
  3. Formulário Declaração de Autorização de Saúde e Geolocalização preenchido e enviado eletronicamente até 72 horas antes da partida, exigido de todos os viajante.
  4. Comprovante de hospedagem, que pode ser solicitado para que as autoridades peruanas monitorem seu estado de saúde.

É importante saber que, para viajantes vacinados, a dose final deve ter sido administrada pelo menos 14 dias antes da viagem.

Todos os viajantes – vacinados ou não – podem ser submetidos a verificação de temperatura e a testes aleatórios para detecção de covid-19 na chegada ao Peru. Se o resultado der positivo, será necessário seguir as instruções das autoridades de saúde e pode ser necessário cumprir quarentena de até 14 dias.

No caso de crianças menores de 12 anos, basta que estejam assintomáticas para embarcar, não sendo exigido comprovante de vacinação ou teste RT-PCR.

É obrigatório o uso de máscara dupla – uma máscara cirúrgica e uma máscara de pano ou apenas uma do modelo KN95 – durante os voos e nos aeroportos peruanos.

Em todo o Peru, o estado de emergência continua em vigor. Por isso, o comprovante de vacinação contra covid-19 pode ser exigido para entrar em museus, sítios arqueológicos, shoppings, supermercados, restaurantes e em outros ambientes fechados.

Você pode acompanhar os números oficiais da covid-19 no site do Governo do Peru.

Retorno ao Brasil

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem o seguro viagem durante a pandemia não é uma boa ideia.  Ainda que você esteja com o esquema vacinal completo, é bom saber que terá atendimento médico e hospitalar na hora que precisar.

Além disso, o preço do seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele também garante que você estará amparado em situações como cancelamento da viagem, extravio de bagagem e muitas outras.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

MAL DE ALTITUDE

Se você vai viajar para o Peru, já sabe que é importante se prevenir do mal de altitude. Também conhecido como soroche, ele é muito comum em viajantes que se aventuram por regiões próximas a 3.000 metros de altitude.

Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, enjoo, vômito, tontura, cansaço excessivo e mal-estar. Esses são os principais reflexos da dificuldade do nosso organismo em absorver o oxigênio, e, embora seja raro, em condições extremas, o mal de altitude pode levar à morte.

Isso acontece porque, à medida que a altitude aumenta e a pressão atmosférica cai, o ar fica mais rarefeito. Assim, a concentração de oxigênio diminui e o nosso corpo sente isso. Para prevenir ou diminuir seus efeitos, é bom evitar fazer movimentos rápidos e esforço físico nos primeiros dias.

Mascar folhas de coca é uma forma bastante eficaz de prevenir o mal de altitude. A forma correta de usar a folha é deixar a erva no canto da boca e sugar o sumo que ela libera quando em contato com a saliva. O uso do chá pode ser mais saboroso e nas farmácias é fácil encontrar pílula para soroche.

Veja mais dicas do Peru

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Peru.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13