El Alfarcito, na Argentina: conheça a comovente história do padre Chifri

Atualizado em 18 de outubro de 2022 – 3 min de leitura

El Alfarcito e a história do padre Chifri

El Alfarcito é um daqueles lugares perdidos no mapa, dos quais pouca gente fala. Ele não é uma cidade e muito menos um destino turístico, mas tem virtudes que nos motivam a conhecê-lo.

Então, se você está planejando uma viagem para Salta e quer se surpreender com belas paisagens e com uma história inspiradora, eu lhe encorajo a pegar a estrada até a Quebrada del Toro, região montanhosa e de clima desértico.

Antes de começar a contar a história de El Alfarcito, preciso dizer que poucos lugares no mundo me emocionaram tanto quando esse pequeno vilarejo. É que, aqui, a principal atração é uma escola, que fica numa pequena praça, onde estão, também, uma igrejinha, um museu e uma loja de artesanato.

El Alfarcito e a história do padre Chifri

Neste artigo, eu vou explicar sobre:

Um lugar como outro qualquer

Este lugar, provavelmente, seria apenas mais uma comunidade do norte da Argentina sem muita expectativa para seus moradores. Mas, tudo mudou depois que um jovem padre – que ganhou o apelido de Chifri – decidiu tomar para si os anseios do povo.

Eu vou explicar melhor essa história: a Quebrada del Toro tem 25 comunidades e a maioria delas fica a quilômetros de distância, longe de qualquer serviço básico como educação, saúde e transporte público, por exemplo.

El Alfarcito e a história do padre Chifri

Nessas condições, as crianças tinham que caminhar horas e horas para chegar ao colégio. Isso era um grande problema e fazia com que muitos adolescentes desistissem de estudar ou, simplesmente, abandonassem as vilas.

É assim que começa a saga do homem que mudou o rumo dessa história

Um padre de parapente

Sigfrido Maximiliano Moroder – o padre Chifri – estava longe de ser um sacerdote convencional. É que ele usava um parapente para viajar de um povoado a outro, onde cumpria suas funções sociais e eclesiásticas.

Nascido em Buenos Aires, o padre chegou à região de Salta em 1995 e, logo depois, começou uma obra social, que incluiu a construção da escola – que funciona como internato – e muitas outras iniciativas, como o ônibus dos sonhos. Equipado com livros, brinquedos e jogos educativos, o veículo percorre as comunidades para despertar o interesse das crianças pela leitura.

El Alfarcito e a história do padre Chifri

Padre Chifri morreu jovem, aos 46 anos, no dia 23 de novembro de 2011. Sua saúde ficou debilitada depois de uma queda de parapente – ele despencou de uma altura de 40 metros –, o que o deixou em uma cadeira de rodas por mais de uma década.

Mesmo abatido, o padre continuou em Rosario de Lerma – a cidade de El Alfarcito – e toda sua história de recuperação está contada no livro Despues del Abismo.

El Alfarcito e a história do padre Chifri

Foto: Fundação Padre Chifri

Hoje, os restos mortais do sacerdote estão na igrejinha de El Alfarcito, mas o mais interessante é ver que o espírito de seu trabalho sobrevive em todos os cantos, com o serviço de outro padre e da Fundação Padre Chifri.

Como visitar El Alfarcito

Quando ir

Dá para visitar essa região em qualquer época do ano, mas, nos meses do meio do ano – de junho a agosto –, o tempo é mais estável, apesar de fazer muito frio.

Em julho acontece o famoso Festival da Papa Andina – um tipo de batata comum nesta região. Outras datas mais movimentadas no vilarejo são o Natal e a Páscoa. Para saber mais, leia: Quando ir a Salta.

Trem para as Nuvens: uma viagem de Salta para o céu

Como chegar

El Alfarcito fica na famosa Quebrada del Toro, a cerca de 100 quilômetros de Salta, onde estão, provavelmente, as paisagens mais deslumbrantes desta província. A 2.800 metros acima do nível do mar, para chegar aqui, você terá que vencer os desafios da Cordilheira dos Andes.

De carro, saindo da capital, Salta, você deve seguir pela RN-51, passando por Campo Quijano, em direção a Rosario de Lerma. Todo o trajeto é asfaltado e a estrada está em boas condições, apesar de não ser duplicada.

El Alfarcito e a história do padre Chifri

De ônibus, a viagem dura cerca de 1h30. A empresa que faz esse trajeto é a Ale Hermanos e a passagem custa cerca de ARS 120. Um site muito utilizado pelos argentinos para consultar horários, preços e comprar passagens de ônibus é o Plataforma 10.

Eu conheci El Alfarcito enquanto fiz a viagem pelo Trem para as Nuvens, como eu conto em: Trem para as Nuvens: uma viagem de Salta para o céu.

Onde ficar

Como você deve imaginar, Salta tem muitas opções de hospedagem.  O melhor lugar para ficar é no centro, nos arredores da praça Nove de Julio.

Especialmente, se você vem à cidade para fazer a viagem no Trem para as Nuvens, essa localização é uma mão na roda, porque você pode até ir para a estação a pé.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser prorrogado por mais 90 dias.

Documentos

Brasileiros podem apresentar o passaporte ou a carteira de identidade, desde que tenha sido emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

O peso argentino, identificado pela sigla ARG, é a moeda nacional. Para sua viagem, leve reais ou dólares.

Vacinas

Nenhuma vacina específica é obrigatória, independentemente do motivo da viagem.

Informações sobre covid-19

De acordo com o decreto publicado no dia 24 de agosto de 2022, não há mais nenhuma exigências quanto à covid-19. Portanto, não é necessário apresentar comprovante de vacinação nem resultados de exames RT-PCR.

Até então, era obrigatório preencher a Declaración Jurada Electrónica para el Ingreso al Territorio Nacional e ter  um seguro viagem com cobertura para a covid-19.

Retorno ao Brasil

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar para a Argentina sem o seguro viagem não e uma boa ideia.  Sem ele, você poderá ter que pagar caro, caso precise de uma consulta médica ou de atendimento hospitalar.

Ter um seguro viagem é ainda mais importante se você for viajar para áreas mais remotas do país, como a Patagônia e o norte argentino – na região de Jujuy e Salta, muitas pessoas se sentem mal por causa da altitude.

Além disso, o custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

GOLPE NO TÁXI

Na hora de pegar um táxi – que ainda é a melhor opção para se locomover nas cidades da Argentina –, utilize veículos de frota e fique de olho na hora de pagar: sempre olhe para o motorista e diga qual o valor em espécie você está entregando a ele.

Esse cuidado tem uma razão: alguns motoristas trocam a sua nota e dizem que a que você o entregou é falsa. Há casos em que eles deixam o dinheiro cair no chão do carro e pegam uma nota falsa para lhe repassar.

Outro golpe praticado por motoristas de táxi contra turistas é alegar que você entregou a ele uma nota no valor inferior ao pretendido.

Uma amiga chegou a Buenos Aires à noite. Cansada, depois de tomar um táxi, ela fez o pagamento com uma nota de ARS 100. Entretida com as malas, ela não percebeu que o taxista tinha trocado a sua nota por uma de ARS 10.

Ela se desculpou, entregou-lhe novamente uma nota de ARS 100, e manteve a postura desatenciosa. O motorista aproveitou e, novamente, disse que tinha recebido outra nota de ARS 10. No final das contas, ela pagou ARS 300 por uma corrida de táxi que custou menos de ARS 100.

Infelizmente, carros de aplicativo ainda não são tão comuns em várias cidades argentinas e isso nos faz reféns dos taxistas.

Veja mais dicas da Argentina

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Argentina.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

9 Comentários

  1. Gonzalo Monterroso

    Alfarcito é um topónimo repetido nas províncias do Noroeste argentino. Existem pelo menos dois povoados com esse nome na província de Salta e um El Alfarcito na Puna de Jujuy.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Gonzalo.
      Isso é muito comum em todos os lugares. No Brasil, também há inúmeras cidades com nome iguais ou parecidos.
      Como explico no texto, me refiro ao de Salta.
      Um abraço!

      Responder
  2. Wania Rubia

    Linda história desse lugar e de Padre Chifri, conheço Alfarcito, as obras e li o livro.
    Inspirador, emocionante, lindo , tocante.
    Um lugar cheio de amor

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Wania.

      Essa história é sensacional.
      Me impactou bastante e me fez muito bem.
      Indico a todos uma parada em El Alfarcito.

      Um abraço.

      Responder
  3. Junia

    Olá Altier,
    Parabéns pelo post. Acabamos de voltar de Salta e conhecemos El Alfarcito. Ficamos muito tocados com a bela historia de vida do padre Chifri. As visitas em parapente, o gosto pelos esportes, pela música, a visão empreendedora, o incentivo à educacao, sua fé e seu amor ao próximo,. Um ser humano que, apesar dos poucos anos de vida, deixou um legado maravilhoso para a comunidade de Quebrada del Toro. Podemos sentir a presença dele em toda parte por lá. Realmente inspirador.

    Responder
  4. Teddy Moroder

    Prezado Altier,
    Boa tarde.
    fiquei muito emocionado do seu blog sobre Alfarcito… Eu sou um primo do Chifri; o pai dele me mandou o seu relato… Faz prazer ver que outras pessoas fiquem interesadas do trabalho que ele fiz… e que infelizmente nao tivi tempo de continuar alguns anos a mais.
    Obrigado por contar a historia dele no Brasil

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi, Teddy.

      Que felicidade tive ao ver sua mensagem. Como tantos turistas, eu fiquei emocionado com a história do padre Chifri e quero contá-la a mais pessoas, pois o mundo precisa de gente com atitudes como as dele.
      Um abraço a toda família e, de alguma forma, ao Chifri por seu legado tão inspirador.

      Muito obrigado!

      Responder
      • Junia

        Olá Altier,
        Parabéns pelo post. Acabamos de voltar de Salta e conhecemos El Alfarcito. Ficamos muito tocados com a bela historia de vida do padre Chifri. As visitas em parapente, o gosto pelos esportes, pela música, a visão empreendedora, o incentivo à educacao, sua fé e seu amor ao próximo,. Um ser humano que, apesar dos poucos anos de vida, deixou um legado maravilhoso para a comunidade de Quebrada del Toro. Podemos sentir a presença dele em toda parte por lá. Realmente inspirador.

        Responder
        • Altier Moulin

          Oi, Junia.

          Voltei muito inspirado com a história desse jovem padre e acho que todos que visitam essa região devem conhecê-la.
          Realmente nos provoca uma grande reflexão sobre amar o próximo.

          Um abraço.

          Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *