Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães: veja como visitar

6

Atualizado em 2 de setembro de 2020

Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães

Dentro dos limites do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, no estado de Mato Grosso, existe uma Cidade de Pedra, um dos lugares mais fantásticos de toda essa região de relevo natural e exuberante.

São impressionantes paredões que alcançam 350 metros de altura e que formam imensos desníveis na paisagem: as rochas esculpidas pelo vento e pela chuva lembram ruínas de uma cidade antiga, desenhada pelo tempo.

Do alto da Chapada, meu olhar se estende até onde os olhos não alcançam mais e, pela frente, há tanta beleza que paro alguns minutos apenas observando essa maravilha toda.

Nesse momento, tenho certeza de que estou em um dos lugares mais fantásticos de Chapada dos Guimarães, cidadezinha que já se acostumou em trazer para cá gente do mundo todo que é apaixonada pela natureza.

Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães

O maior atrativo

Claro, isso não é atoa: o Parque Nacional de Chapada dos Guimarães é um Patrimônio Mundial da Humanidade reconhecido pela Unesco.

Mas, se no alto, são as araras e tantas outras aves que desfrutam da beleza dessa cidade natural, lá embaixo brotam córregos e riachos formando veredas verdinhas, coberta pela Mata Ciliar que protege o solo e o leito dos pequenos rios.

Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães

Para visitar a Cidade de Pedra, eu preciso de um guia, já que o ICMBio – órgão federal que administra o Parque – não autoriza a entrada de visitantes desacompanhados, exceto aos sábados das 12h às 16h, quando monitores promovem caminhadas guiadas.

Na verdade, a Cidade de Pedras fica dentro da área da Fazenda Chafariz e o processo de desapropriação ainda tramita na justiça, sem previsão de definição.

Mas, de qualquer forma, toda esta área é preservada e está disponível para visitas.

Trilha da Cidade de Pedra

A trilha é curta, tem aproximadamente 300 metros, e a melhor sensação que tenho é quando avisto os primeiros picos da Cidade de Pedra.

Mas, antes de chegar a este ponto, cruzo 20 quilômetros de estrada de chão, sendo que metade é de areia fofa, daquelas que fazem o carro deslizar facilmente na pista. O segredo é manter uma velocidade segura e constante.

Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães

Dentro da área do Parque, como de praxe, tenho que obedecer às regras e não ultrapassar os limites estabelecidos pelas cordas.

Pode parecer bobeira, mas estou pisando em um solo instável: o arenito se desprende facilmente e placas de rocha caem dos penhascos de tempos em tempos. Por isso, todo cuidado é pouco.

Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães

Como visitar a Cidade de Pedra

A entrada no Parque é gratuita, mas você precisa estar acompanhado de um guia autorizado pelo ICMBio. Você encontra todos os condutores autorizados pelo ICMBio nesta lista.

A Cidade de Pedra pode ser visitada diariamente das 9h ás 16h, mas a reserva dever ser feita antecipadamente pelo guia, no site do ICMBio.

Aos sábados, das 12h às 16h, monitores do ICMBio promovem caminhadas acompanhadas. Exclusivamente neste dia e horário não é necessário estar acompanhado por guia.

A Chapada dos Guimarães fica a 80 quilômetros de Cuiabá. Siga pela BR-251 que está duplicada e em ótimo estado de conservação: bem sinalizada e sem buracos. Depois, vire à esquerda na MT-020.

Apesar de não estar duplicada, também é de fácil navegação com sinalização horizontal e vertical adequadas.

O acesso à Cidade de Pedra é feito pela BR-251, que atravessa todo o Parque. A rodovia não tem acostamento e a entrada para a Fazenda Chafariz não é claramente sinalizada.

Depois de deixar o asfalto, você vai dirigir por mais 20 quilômetros de estrada de chão, sendo que metade sobre areia fofa.

Cidade de Pedra, na Chapada dos Guimarães

Onde ficar na Chapada dos Guimarães

A cidade da Chapada dos Guimarães é pequena, tem pouco menos de 20 mil moradores e é fácil encontrar um bom lugar para ficar.

Nos arredores do Centro – na praça do Santuário de Sant’Ana -, há várias pousadas interessantes e esse é o melhor lugar para ficar, porque você fica perto de tudo: bares, restaurantes, bancos, agências de turismo e todos os serviços que você pode precisar durante a viagem.

→ Onde ficar na Chapada dos Guimarães

Só tem um segredo: é preciso fazer a reserva com antecedência, porque há vários eventos que acontecem na cidade que lotam as pousadas e, se deixar para última hora, você corre o risco de pagar mais caro.

As melhores pousadas são a aconchegante Pousada das Orquídeas, a charmosa Villa Guimarães, e a rústica Vento Sul.

Quem gosta de hotel, vai se dar bem no Hotel Turismo MT.

Mas, se quiser ter a melhor experiência da Chapada deve escolher a Pousada do Parque, que tem um visual incrível e uma energia inigualável.

Veja mais sobre o Mato Grosso

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo, e aproveite para ver outras dicas.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde criança, sonhei em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

6 Comentários

  1. Avatar

    Oi, Altier!

    Adorei sua matéria, parabéns!

    Gostaria de saber se o passeio para a Cidade de Pedra faz em um único dia, ou se dá para fazer outro passeio junto?

    Estou indo para Nobres e Chapada dia 20/3.

    Obrigada,

    • Altier Moulin

      Oi Cátia,

      Eu não sei se você está acostumada a ler blogs de viagem, pois escrever em primeira pessoa é justamente a principal característica de quem está compartilhando uma experiência pessoal. Blog é isso.

      Em momento algum eu quis ser egoísta, até porque se fosse assim não estaria dedicando meu tempo para escrever e ajudar a outros viajantes. 😉

      Um abraço!

    • Altier Moulin

      Olá,

      Estava com um Novo Uno e foi tranquilo. Sobre a localização, como eu digo no texto, só se chega lá com um guia. Não há autorização para visitas autônomas.

      Um abraço.

Escreva um comentário