Visitar o Convento da Penha é uma viagem

19

Atualizado em 8 de fevereiro de 2017

Sempre que visito o Convento da Penha com alguém que chega aqui pela primeira vez tenho que explicar porque, ainda nos primeiros anos de Brasil, alguém teve a corajosa decisão de construir essa igreja em cima do morro. Se hoje seria difícil, imagina em 1558 quando chegou ao Espírito Santo o Frei que daria vida a esse projeto tão grandioso.

Falando assim, até parece que a decisão de construir aqui o Convento da Penha foi tomada racionalmente numa mesa de reuniões onde todos calcularam friamente os riscos de tal empreendimento. Nada disso! A história desse lugar é cheia de misticismo como ele próprio.

Assim, enquanto subimos a ladeira que nos leva ao Convento, vou explicando um pouco dessa história: Pedro Palácios, o frei que tinha chegado de Portugal recentemente, encontrou aos pés do monte uma gruta onde fez morada. Perto dali, o eloquente Frei construiu um pequeno altar para o quadro com a imagem de Nossa Senhora das Alegrias e, rapidamente, o local se tornou um ponto de encontro para aqueles que queriam ouvir os ensinos do Frei português.

Visitar o Convento da Penha

A ladeira do Convento da Penha.

Visitar o Convento da Penha

Gruta onde morou o frei Pedro Palácios.

Visitar o Convento da Penha

Oratório construído para abrigar a imagem de Nossa Senhora das Alegrias.

Chegamos ao pátio principal que dá acesso ao Convento. A paisagem de Vitória interrompe a história que conto rotineiramente. É hora de apreciar a magnitude da Terceira Ponte, a mais alta do Brasil; o desenho da ilha de Vitória e o Penedo, mais ao fundo. Tudo está em nossa frente, mas é quando nos viramos que vemos, bem de parto, a construção que chama atenção a quilômetros de distância. O Convento da Penha, ponto turístico mais visitado do Espírito Santo, está a poucos metros de nossos pés.

Seguimos, então, pela escada que vai nos levar de fato até ele e aproveito para continuar a contar sua história: tudo seguia normalmente com as orações do Frei até que o quadro sumisse do oratório que construíra. Desesperados, o Frei e seus seguidores começaram uma busca pela santa imagem até que alguém a encontrasse no topo do morro. Esse fato se repetiu por algumas vezes até que o Frei interpretasse que aquele era um sinal para que uma capela fosse construída aqui em cima. Assim, em 1562, foi construída a capela de São Francisco, que ainda hoje pode ser visitada. Mais tarde, a construção foi ampliada e, em 1652, teve início à construção do Convento da Penha.

Visitar o Convento da Penha

Vista da entrada da Baía de Vitória.

Visitar o Convento da Penha

O Convento da Penha é visto por diversos pontos da Região Metropolitana.

Visitar o Convento da Penha

Visão do Convento a partir do pátio principal.

Visitar o Convento da Penha

Brasão da Ordem Franciscana.

Chegamos à entrada principal. É horário de missa. Entramos silenciosamente depois de sermos cumprimentados pelas irmãs recepcionistas. Apesar de sua imponência, a capela do convento é pequena e não tem bancos. Esculpido em uma madeira escura, o altar tem a imagem de Nossa Senhora da Penha vestida com as cores rosa, azul e branco, que também estão na bandeira do estado capixaba.

Cruzamos a sala de celebrações e chegamos a um salão onde estão os quadros do arista plástico Benedito Calixto que reconta toda essa história em imagens. Ignorar essa parte será uma blasfêmia.

Visitar o Convento da Penha

A pequena capela do Convento com Nossa Senhora da Penha no altar.

Visitar o Convento da Penha

Uma das telas de Benedito Calixto.

Como visitar o Convento da Penha

O Convento fica na Rua Vasco Coutinho, no bairro da Prainha, em Vila Velha. Quem vem de Vitória, deve atravessar a Terceira Ponte até o cruzamento com a Rua Antônio Ataíde. Nela, siga direto até a Rua Vasco Coutinho. Para quem não quiser subir caminhando, confortáveis vans fazem esse trajeto de 15 em 15 minutos e a passagem custa R$ 3,50, ida e volta. Se vier de carro próprio, saiba não há cobrança de estacionamento, mas há um limite de acessos. Assim, um veículo só sobe quando outro desce.

As missas acontecem de segunda a sexta-feira, às 6h, 7h, 8h, 9h30 e 15h. Aos sábados, às 6h, 7h30, 9h, 11h e 15h30. Aos domingos, às 5h, 7h, 9h, 11h, 14h e 16h.

Você pode visitar o Convento todos os dias do ano, mas fique atendo aos horários de fechamento do portão. De segunda a sábado, das 5h15 às 16h45. Aos domingos a entrada é permitida a partir das 4h15 até às 16h45. A entrada é gratuita.

* O Convento da Penha foi um dos lugares que visitei a convite do Governo do Estado e do Sebrae/ES durante o Encontro Nacional de Blogueiros no Espírito Santo que aconteceu entre os dias 28 de novembro e 1º de dezembro de 2013. Utilize a hashtag #descubraoes para acessar fotos, vídeos e outros conteúdos publicados no, Twitter, Iinstagram e no Facebook.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um viajante apaixonado pelas coisas desse mundo. Um jornalista que adora contar boas histórias e compartilhar informações de viagem. Meu propósito de vida é ajudar outras pessoas a conhecerem lugares novos e a viverem experiências inesquecíveis.

19 Comentários

  1. Pingback: Convento da Penha: 18 Fotos E Curiosidades Para Você Vir Correndo Para Cá – Balança Certa

  2. Avatar

    Olá Altier, estou indo para Vitória dia 26 de outubro e o Convento da Penha é certo em meu roteiro. Estou com dúvidas se existem exigências sobre as roupas a serem usadas para o acesso. Será que pode ir de bermuda, chinelo, ou tem que ser calça e tênis, etc?

    • Altier Moulin

      Não há nenhuma exigência, Lilian, mas vale lembrar que o Convento é um lugar de culto, então é bom vestir-se de forma adequada.

      Um abraço!

  3. Avatar

    Amei sua matéria. Sou mineira e ainda não conheço, mas sempre tive vontade.
    Vi sua foto da Praia de Conceição da Barra e lá sim eu conheço.
    Um paraíso brasileiro. Vale a pena fazer uma matéria também.

  4. Avatar
    ALBERTO MAGNOS DA SILVA on

    CONVENTO DA PENHA – Local que faz parte da história de nossa família. Momentos de alegria, paz, confraternização e muito AMOR. Lá estiveram pessoas queridas, amigos, familiares , alguns já partiram e deixaram lembranças. Imperdível ! Não deixem de conhecer. Agora em julho deverei retornar para reviver lindas emoções, com certeza! Alberto Magnos – Belo Horizonte – MG.

    • Altier Moulin

      Náo é verdade, Lusiana. Somente durante a Festa da Penha, que acontece uma semana depois da Páscoa, é que o acesso decarro não é permitido.

      Um abraco.

  5. Avatar
    Odilon Silva, RJ on

    No próximo mês de abril, agora em 2014, irei se Deus quiser na Festa da da Penha. É a terceira maior festa religiosa do Brasil, ficando atrás apenas da festa do Círio de Nazaré e de Nossa Senhora Aparecida. Vou aproveitar essa festa de N.S. Da Penha para curtir um pouco a Barra do Jucu. Em abril estaremos aí, estamos chegando.

    • Altier Moulin

      Olá Odilon,

      Bom saber que vem para a festa. Eu já participei e realmente é muito grande. Se você tiver interesse, tente participar da Romaria dos Homens. É muito linda! Ah! Esteja preparado para subir o Convento a pé, pois durante as festas o acesso de carro é interrompido.

      Um abraço!

  6. Avatar

    Lindo demais esse lugar, cheio de paz e belezas! Estive aí há duas semanas mas devido às chuvas não conseguimos subir… Adorei as fotos, parabéns! D

    • Altier Moulin

      Que pena, Denya. A situação da ladeira ficou realmente muito ruim e o Convento ficou, mesmo, fechado alguns dias. Volte outra vez. Você não vai se arrepender.

      Um abraço!

Escreva um comentário