Dinheiro na Argentina: dicas e cuidados para não cair em golpes

Atualizado em 26 de agosto de 2013 – 2 min de leitura

Dinheiro na Argentina

Como qualquer país do mundo, a Argentina tem suas peculiaridades, e Buenos Aires, capital do país, é uma cidade acostumada a viver sua própria rotina. Então, para facilitar sua viagem a primeira que precisa saber é como usar seu dinheiro na Argentina.

A moeda do país é o peso, identificado pela sigla ARS. O câmbio, quase sempre, favorece os brasileiros. Mas, nos últimos anos a inflação que adoece o país vizinho tem nos feito sentir na pele a desvalorização da moeda.

Uma boa opção é levar dólares e, ao chegar a Buenos Aires, prefira trocar o seu dinheiro em casas de câmbio ou em bancos.

Nelas, as cotações são mais justas e você evita receber notas falsas, um dos crimes mais cometidos contra turistas no país.

O real é bastante aceito, mas é bom perguntar a contação antes de fazer o negócio.

Cuide da Segurança

Como qualquer outra grande cidade, Buenos Aires exige atenção e certas medidas preventivas. Evite ostentar joias, relógios caros e máquinas fotográficas avantajadas, isso chama a atenção de oportunistas em qualquer parte do mundo.

Na Calle Florida, um dos principais centros de compras da cidade, tenha cuidado com os trombadinhas. Pessoas que carregam muitas sacolas ou que se distraem com as promoções e se esquecem da carteira e da bolsa são presas fáceis.

Dinheiro na Argentina

GOLPES DOS TAXISTAS

Na hora de pegar um táxi – a melhor opção para se locomover na cidade –, utilize veículos de frota e fique de olho na hora de pagar.

Sempre olhe para o motorista e diga qual o valor em espécie você está entregando a ele.

Isso tem uma razão: alguns motoristas trocam a sua nota e dizem que a que você o entregou é falsa. Há casos em que ele deixa o dinheiro cair no chão do carro e pega uma nota falsa para lhe repassar.

Dinheiro na Argentina

Outro delito cometido por motoristas de táxi contra turistas é alegar que você entregou a ele uma nota no valor inferior ao pretendido.

Tenho uma amiga que chegou à cidade durante a noite. Cansada, depois de tomar um táxi, ela fez o pagamento com uma nota de ARS 100. Entretida com as malas, ela não percebeu que o taxista tinha trocado a sua nota por uma de ARS 10.

Ela se desculpou, entregou-lhe novamente uma nota de ARS 100, e manteve a postura desatenciosa. O motorista aproveitou e, novamente, disse que tinha recebido outra nota de ARS 10.

No final das contas, ela pagou ARS 300 por uma corrida de táxi que custara menos de ARS 100.

Outras dicas

BALADA

Em Buenos Aires, o movimento nas boates – chamadas de boliche – começa bem tarde, por isso não saia de casa antes de 1h. Um bom horário para chegar é entre 2h e 3h, quando a ferveção acontece. Aqui, jamais use ‘gato’ ou ‘gata’ para se referir a uma pessoa. Esse termo é utilizado para designar prostitutas e garotos de programa.

RESTAURANTES

O jantar – la cena – é servido tarde, sempre depois das 22h. Estranhamente, em Buenos Aires você paga para usar os talheres, pratos e copos durante uma refeição. Isso vem discriminado como cubierto em sua conta, e os valores variam entre ARS 5 e ARS 30.

Em bares e restaurantes não fique com vergonha de chamar o garçom – mozo – com gestos. Se não agir assim, você vai esperar um bom tempo. Normalmente, a sensação é de que há bem menos gente para lhe atender do que o necessário.

Informações Básicas

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Esse prazo pode ser prorrogado por mais 90 dias.

Documentos

Brasileiros podem apresentar o passaporte ou a carteira de identidade, desde que tenha sido emitida há menos de dez anos.

Dinheiro

O peso argentino, identificado pela sigla ARG, é a moeda nacional. Para sua viagem, leve reais ou dólares.

Vacinas

Nenhuma vacina específica é obrigatória, independentemente do motivo da viagem.

Informações sobre covid-19

De acordo com o decreto publicado no dia 24 de agosto de 2022, não há mais nenhuma exigências quanto à covid-19. Portanto, não é necessário apresentar comprovante de vacinação nem resultados de exames RT-PCR.

Até então, era obrigatório preencher a Declaración Jurada Electrónica para el Ingreso al Territorio Nacional e ter  um seguro viagem com cobertura para a covid-19.

Retorno ao Brasil

Viajantes com o esquema vacinal completo não precisam fazer teste de antígeno (teste rápido) ou RT-PCR para retornar ao Brasil, e também não é preciso preencher a Declaração de Saúde do Viajante, que está suspensa pela Anvisa.

Viajantes não-vacinados ou vacinados parcialmente precisam apresentar resultado negativo de teste de antígeno (teste rápido), coletado até 24 horas antes do voo, ou RT-PCR, coletado até 72 horas antes do embarque.

Seguro viagem

Apesar de não ser obrigatório,  viajar para a Argentina sem o seguro viagem não e uma boa ideia.  Sem ele, você poderá ter que pagar caro, caso precise de uma consulta médica ou de atendimento hospitalar.

Ter um seguro viagem é ainda mais importante se você for viajar para áreas mais remotas do país, como a Patagônia e o norte argentino – na região de Jujuy e Salta, muitas pessoas se sentem mal por causa da altitude.

Além disso, o custo de um seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele garante que você terá atendimento em casos de emergências médicas comuns, como acidentes de trânsito, intoxicações alimentares, acidentes vasculares e infartos cardíacos, por exemplo.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

GOLPE NO TÁXI

Na hora de pegar um táxi – que ainda é a melhor opção para se locomover nas cidades da Argentina –, utilize veículos de frota e fique de olho na hora de pagar: sempre olhe para o motorista e diga qual o valor em espécie você está entregando a ele.

Esse cuidado tem uma razão: alguns motoristas trocam a sua nota e dizem que a que você o entregou é falsa. Há casos em que eles deixam o dinheiro cair no chão do carro e pegam uma nota falsa para lhe repassar.

Outro golpe praticado por motoristas de táxi contra turistas é alegar que você entregou a ele uma nota no valor inferior ao pretendido.

Uma amiga chegou a Buenos Aires à noite. Cansada, depois de tomar um táxi, ela fez o pagamento com uma nota de ARS 100. Entretida com as malas, ela não percebeu que o taxista tinha trocado a sua nota por uma de ARS 10.

Ela se desculpou, entregou-lhe novamente uma nota de ARS 100, e manteve a postura desatenciosa. O motorista aproveitou e, novamente, disse que tinha recebido outra nota de ARS 10. No final das contas, ela pagou ARS 300 por uma corrida de táxi que custou menos de ARS 100.

Infelizmente, carros de aplicativo ainda não são tão comuns em várias cidades argentinas e isso nos faz reféns dos taxistas.

Veja mais dicas da Argentina

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas da Argentina.

Sobre o Autor

<a href="https://www.penaestrada.blog.br/author/altier/" target="_self">Altier Moulin</a>

Altier Moulin

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

comentários

10 Comentários

  1. Fabiano de Barros

    Uma boa pratica que aprendi para lidar com os taxistas argentinos foi sempre ao “tomar un taxi” entrar no táxi pelas portas de traseiras e saúda lós antes de tudo, em seguida passar o destino sendo claro no nome da rua e número do destino desejado (La altura), no momento de encerrar a corrida ¿Cuánto es?, pois dessa forma ele fala o valor exato e você ao entregar o valor informa quanto está entregando!

    Responder
    • Altier Moulin

      Ótimas dicas, Fabiano. 🙂

      Responder
      • Fabiano de Barros

        Outra boa dica é fazer uso do “monedero” com essa “tarjeta” pode se fazer uso do metro e dos ônibus e pode ser adquirido nos “Kioscos” espalhados pelo centro da cidade por um valor de 20 pesos de recarga inicial, para isso basta ter em mãos o passaporte ou R.G., o comprovante de imigração e o endereço do local de hospedagem e o mesmo é emitido na hora!

        Responder
        • Altier Moulin

          Obrigado mai suma vez pela dica, Fabiano.

          Responder
  2. Raissa Cordeiro

    Os taxista são muito pouco receptivos aos brasileiros. Teve um q simplesmente largou eu e minha amiga a três quadras do hotel, às três da madrugada pelo simples fato de ‘não querer’.

    E nota falsa recebi de uma cafeteria famosa de lá. Fique esperto.

    Responder
    • Altier Moulin

      É assim mesmo, Raissa. Tem que ficar ligado. 🙂

      Responder
  3. jose rivaldo bianchim

    Vou dia 25 para argentina, estou em duvida se levo real,dolar ou peso , ou um valor de cada moeda.
    agradeço maiores dicas.

    Responder
    • Altier Moulin

      Oi José,

      Olha, eu prefiro levar dólar e fazer a troca na Argentina. Essa opção sempre tem sido mais vantajosa. Leve apenas uns 200 pesos para as necessidade básicas como comprar um cafezinho ou tomar um táxi no aeroporto.

      Um abraço!

      Responder
  4. Dan - Muita Viagem

    Dicas preciosas! Viajar para Buenos Aires é barato e pode ser ainda mais se você seguir algumas dicas, como as colocadas aqui no “Pé na Estrada”.

    Também temos algumas dicas legais no Muita Viagem!

    Parabéns pelo blog!!

    Responder
    • Altier Moulin

      Valeu, Dan. Vou aproveitar para dar uma olhada e incluirei seus links nos próximos posts. Um abraço!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.