Os dinossauros de Candelária

3

Atualizado em 26 de fevereiro de 2018

Bem no meio do mapa do Rio Grande do Sul, existe uma pequena cidade chama atenção. Aqui, são feitas frequentes descobertas de fósseis que datam de milhões de anos. Candelária, já é famosa entre paleontólogos do Brasil e do mundo. Mas, os turistas que passam pela região ainda não sabem que sob o chão que pisam, podem estar escondidos os restos mortais de animais pré-históricos.

Candelária pertence à Paleorrota, como é chamada essa região central do estado. Ela é cortada pela BR-287, apelidada de Rodovia dos Dinossauros. Assim, para quem vem de Porto Alegre, a área dos fósseis começa em Venâncio Aires, a 135 quilômetros da capital.  Mas é em Candelária que foram encontrados e classificados o maior número de fósseis dos dinossauros que habitaram isso aqui no Triássico. Este é o período geológico que se estende de 250 a 200 milhões de anos atrás, quando todos os continentes ainda eram um só.

Na cidadezinha, um pequeno museu expõe algumas das espécies de fósseis encontrados no município. Aqui, você vê o Dicinodonte, o Tecodonte e o Rincossauro. O acervo do Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues inclui ainda uma réplica do Guaibassaurus Candelarienses. Ele foi encontrado na Sanga Pinheiro, dentro dos limites de Candelária.

Dinossauros de Candelária

A fachada do Museu.

DSC_0026-Recuperado

O prédio do Museu: a entrada é pela Biblioteca Municipal.

DSC_0013-Recuperado

Alguns dos fósseis encontrados na região de Candelária.

Infelizmente, o Museu não tem recebido o cuidado que merece. Muitos fósseis coletados na cidade foram destinados a outros museus brasileiros, enquanto alguns estão sendo estudados em universidades como a de Harvard, nos Estados Unidos.

Para começar, a entrada do Museu é feita pela Biblioteca Municipal, que funciona no mesmo prédio. Não há monitores ou profissionais que acompanham as visitas, com exceção do curador, que não tem formação específica. Ainda assim, ele empresta o seu conhecimento acumulado durante anos e as suas horas de voluntariado para atender estudantes e grupos de visitantes que agendam a visita previamente.

No salão principal – o Museu tem apenas duas salas – estão árvores fossilizadas, esqueletos fossilizados e um cenário improvisado que mostra como era e como vivia o Guaibassauro. Esta é uma espécie encontrada pela primeira vez em Candelária.

Além disso, com o auxílio de uma lupa e um microscópio, você poderá entender um pouco do trabalho de identificação e classificação dos fósseis.

Dinossauros de Candelária

Madeira fossilizada.

Dinossauros de Candelária

Esqueleto quase completo de um Dicinodonte.

Dinossauros de Candelária

Detalhe dos fósseis.

Dinossauros de Candelária

Uma das menores mandíbulas já encontradas.

O Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues fica na Avenida Pereira Rego, 1000 e funciona de segunda a sexta, das 9h às 17h. Visitas guiadas podem ser agendadas pelos telefones (51) 3743-8171 – 3743-8105, ou pelo e-mail [email protected] Entrada gratuita.

Visite outros museus da Paleorrota

Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS Museu de História Geológica do Rio Grande do Sul Museu Educativo Gama D’Eça Museu Vicente Pallotti Museu Aristides Carlos Rodrigues Museu Paleontológico e Arqueológico Walter Ilha Museu Padre Daniel Cargnin.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

3 Comentários

Escreva um comentário