O que fazer em Sengés, no Paraná: dicas para escolher quando ir e onde ficar

2

Atualizado em 10 de abril de 2021

O que fazer em Sengés

Se você  nunca ouviu falar desse pequeno refúgio,  eu explico tudo que você precisa saber para decidir o que fazer em Sengés.

Um lugar de natureza exuberante, mas ainda pouco conhecido. A pequena Sengés – que fica na região dos Campos Gerais, no interior do Paraná – é um lugar de cânions gigantescos, cachoeiras de beleza cênica, trilhas para todo tipo de aventureiro e ar puro, bem longe de qualquer aglomeração.

A cidade fica a 270 quilômetros de Curitiba e a pouco mais de 360 quilômetros de São Paulo. Então, como a viagem é curta, dá para aproveitar um final de semana ou um feriado prolongado com tranquilidade.

Se tiver pouco tempo, em dois ou três dias você vai conseguir ver muita coisa. Mas, claro, não vai dar para ver tudo.

É que, apesar de pequena, Sengés e as cidades vizinhas têm muita coisa boa para a gente ver e fazer. Dê uma olhada no mapa para entender melhor as distâncias.

Além disso, para quem vem de Curitiba,  é melhor escolher um hotel ou uma pousada em Jaguariaíva,  que tem uma infraestrutura melhor.

Quem vem de São Paulo,  eu aconselho ficar em Itararé,  cidade que fica da divisa dos dois estados e que, mesmo pequena, tem mais opções de hospedagem.

Jaguariaíva e Itararé

Jaguariaíva fica a 39 quilômetros de Sengés e também tem muitos atrativos interessantes. Se eu tivesse que escolher os três melhores, seriam: Cachoeira do Lago Azul, que fica perto do centro da cidade; Parque Estadual do Cerrado, onde dá pra fazer trilhas incríveis; e, claro, Túnel Fábio Rego.

Itararé fica um pouco mais perto, a apenas 16 quilômetros, e, de certa forma, Sengés e Itararé se complementam. Então, você vai acabar passando por ela para visitar alguns lugares como o Parque Ecológico da Barreira.

O que fazer em Sengés

Mas esse post é sobre o que fazer em Sengés, e é isso que eu começo a mostrar a partir de agora.

O que fazer em Sengés

Para começar bem do comecinho, vou explicar que o nome da cidade é uma homenagem ao engenheiro Gastão Sengés, responsável pela construção do trecho da estrada de ferro que cortava a cidade.

Essa cidadezinha fica no noroeste do Paraná e tem, mais ou menos, 20 mil habitantes, que vivem no Centro, que é bem pequeno, e na zona rural. Uma curiosidade é que Sengés é  considerada a Capital da Madeira , já que o setor madeireiro é a principal fonte de renda dos sengeanos.

Mas a gente que falar é dos atrativos turísticos da cidade, não é mesmo? Então, se prepare porque são inúmeras as belezas naturais desse refúgio rústico e tranquilo paranaense.

Cânion do Jaguaricatu

O gigantesco Cânion do Jaguaricatu  – Jaguaricatu é o nome do rio que corta essa região – é o principal ponto turístico natural da cidade. Ele tem uma paisagem linda e uma energia sensacional, dessas que renovam a gente. Sabe como é?

Ele fica no Vale do Jaguaricatu, e a parte principal,  onde fica o mirante,  está a 20 quilômetros da sede de Sengés.

A caminhada até o mirante não é cansativa,  pois os carros podem chegar até 100 metros,  mas, mesmo assim, prefira usar roupas leves e tênis confortável para aproveitar melhor as trilhas.

O Cânion tem paredões de arenito que chegam a 100 metros de altura, cobertos pela vegetação nativa do Cerrado, que se mostra majestosa nessa parte do Paraná.

Mas, como falei o Cânion é gigantesco, com uma extensão superior a 85 quilômetros e, junto com o Cânion do Guartelá, formando a Área de Proteção Ambiental (APA)  da Escarpa Devoniana, que tem uma imensa cadeia de paredões de arenito com forte presença da Mata Atlântica que deixa ainda mais bonita essa parte do Paraná.

O que fazer em Sengés

Cachoeira Véu de Noiva

Se você gosta de cachoeira, pode ter certeza de que escolheu a cidade certa. Sengés tem  mais de 60 cachoeiras  de diferentes tamanhos espalhadas por todo lado, mas a mais famosa é a Véu de Noiva.

A Cachoeira Véu de Noiva fica a poucos menos de três quilômetros do mirante do cânion. Esse é o nome popular, porque o nome correto é Cachoeira do Sobradinho.

É considerada por muitos a mais linda da região – e eu concordo. Além disso, ela é ótima para banho,  apesar da água gelada. 

Dá para chegar de carro bem perto também, mas é preciso caminhar um pouco – mais ou menos uns 600 metros. O ponto inicial da trilha também está marcado no mapa lá do começo do post.

O que fazer em Sengés

Toda a trilha é cercada por árvores e a maior parte é feita na sombra, não exige tanto esforço, principalmente quando feita sem pressa – que é o que vale, né?

A queda tem aproximadamente 40 metros e forma uma piscina natural com água cristalina. A mata ciliar que cerca a cachoeira ainda é bastante preservada – poderia ser mais? sim – e isso deixa o ambiente mais especial ainda. É demais!

O que fazer em Sengés

Foto: Rodrigo Vasconcelos

Árvore da Lenda

Essa árvore fica no meio do caminho, entre o Mirante do Cânion e a Cachoeira do Sobradinho, e uma parada na Árvore da Lenda é indispensável para qualquer viajante.

Apesar do nome despertar a nossa curiosidade,  ele não tem nenhum significado especial.  É “apenas” uma árvore solitária no meio de uma plantação – que pode ser de soja ou de feijão, dependendo da época.

O que fazer em Sengés

Mas é que ela virou ponto de parada obrigatório dos trilheiros que fazem o o trajeto entre um atrativo e outro e, por isso, virou uma lenda. É bom parar um pouco para tomar uma brisa e, claro, contemplar a paisagem ao redor.

Cachoeira do Corisco

Outra cachoeira sensacional e que não pode ficar de fora da sua lista de lugares para conhecer em Sengés. Na verdade, ela fica praticamente na divisa com Itararé, então não estranhe se ouvir de alguém que ela fica na cidade vizinha.

A Cachoeira do Corisco tem a maior queda da região: são impressionantes 106 metros de altura. E há uma história muito interessante sobre ela, mas, dessa vez, eu não vou dar spoiler.

O que fazer em Sengés

Como fica em uma propriedade particular, é preciso ter autorização dos donos, mas isso você consegue com uma agência de turismo da região.

Sem a companhia de um guia,  dificilmente você conseguirá ter acesso  à cachoeira e ao Vale do Corisco, que tem uma paisagem deslumbrante, com muito verde que até se perde no horizonte.

Toda estrada até o mirante da cachoeira e de terra, mas dá para ir com carro de passeio. Como você estará com guia, não terá dificuldade.

Cachoeiras e mais cachoeiras

Como falei, Sengés é um município pequeno, mas tem uma grande quantidade de atrativos naturais e para quem gosta de explorar a natureza é um destino imperdível – isso não é papo de blogueiro.

São 60 cachoeiras e  seria impossível descrever todas,  mas se você quiser conhecer as principais é só seguir esta lista:

  • Cachoeira do Sobradinho (Véu de Noiva)
  • Cachoeira do Corisco
  • Cachoeira do Barão
  • Cachoeira do Funil
  • Cachoeira do Erva-doce
  • Cachoeira dos Veadinhos
  • Cachoeira do Postinho
  • Cachoeira do Lajedão
  • Cachoeira do Navio
  • Cachoeira das Comadres

Poço do Encanto

O Poço Encantado é um daqueles lugares para a gente ficar parado, contemplando e agradecendo pelas maravilhas da natureza.

Esse pequeno lago de cor azul-esverdeada é, na verdade, uma nascente e por isso a água é tão cristalina. 

O que fazer em Sengés

Assim como a Cachoeira do Corisco, o Poço fica em uma propriedade particular e é preciso ter autorização para entrar: tem todo um controlo de acesso e, claro, não é permitido entrar no lago, já que toda a área é protegida ambientalmente.

É um lugar para contemplação.

Esportes de aventura

Com toda essa beleza natural, claro que dá para fazer vários esportes de aventura na cidade e nos arredores.

Para quem gosta da adrenalina de se ver nas alturas, as opções são rapel e parapente. Para quem gosta de trilhas off-road, há muitos caminhos interessantes, mas o maior desafio é atravessar o Túnel Fábio Rego, que fica na cidade vizinha Jaguariaíva.

Foto: Thiago Silva

O túnel foi construído para a estrada de ferro que ligava o Paraná a São Paulo e passava pela cidade, mas desde que o trem deixou de correr por essas bandas, o túnel virou um símbolo do turismo na região.

Da mesma forma, o Pontilhão, que fica na cidade de Itararé, é uma herança desse tempo. É uma boa caminhada, mas é preciso ficar atendo com o buracos da ponte de ferro.

O que fazer em Sengés

Dicas para organizar seu roteiro

É importante organizar seus dias por região. Assim, você conhece os principais atrativos de uma área e economiza tempo e dinheiro.

Quer um exemplo? A maioria da cachoeiras fica entre Sengés e Jaguariaíva, no sentido Curitiba: a Cachoeira Véu de Noiva o mirante do Cânion do Jaguaricatu, por exemplo. Você pode conhecer todos esse lugares em um dia – ou em dois, se tiver tempo para fazer tudo com calma.

Já no sentido São Paulo, estão outros atrativos para visitação, como a incrível Cachoeira do Corisco, o Poço Encantado, e o Parque Ecológico da Barreira. Faça esse percurso em outro dia e conseguirá aproveitar melhor o seu tempo.

Informações essenciais

Agora que você já ficou com muita vontade de partir para Sengés,  é hora de por na prática esses planos.  Para isso, eu organizei todas as dicas práticas que são uma mão na roda.

Quando ir

Durante o inverno, de junho a agosto, praticamente não chove na região de Sengés. Por isso, as trilhas são mais seguras nessa época, incluindo os trajetos de carro.

Com menos chuvas, algumas cachoeiras podem ter o volume de água bastante reduzido, mas ainda assim vale a pena. A temperatura média varia entre 12 e 23 graus.

No verão, de dezembro a fevereiro, a chance de chover é maior, mas são raros os dias de chuva constante. Uma coisa com a qual você deve tomar  cuidado é com as cabeças d’água,  enchentes que descem rio abaixo quando chove muito na cabeceira.

Nos dias mais quentes, a temperatura chega perto dos 30 graus.

Os meses mais indicados para visitar a região são abril e maio e agosto e setembro, mas, claro, é possível visitar os atrativos de Sengés o ano todo.

Como chegar

O aeroporto mais perto fica em Curitiba. Do Aeroporto Internacional Afonso Pena (CWB) a Sengés são 300 quilômetros de viagem, passando por Ponta Grossa e seguindo pela PR-151.

Outra opção e pousar em São Paulo, no Aeroporto de Congonhas (CGH) ou no Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU), seguindo viagem pelas rodovias SP-258 e PR-239.

De ônibus, saindo de Curitiba, quem faz o trajeto é a Transpen. Para quem vem de São Paulo, a viagem é feita com a Expresso Jóia.

Onde comer

O prato tradicional de Sangés é o arroz com frango. Um prato simples, mas que tem origem no tempo dos tropeiros: o frango caipira era o alimento mais consumido durante o transporte de gado e riquezas do Sul para o Sudoeste durante os séculos 16 e 17.

Então, não vá embora sem experimentar o famoso arroz com frango de Sengés.

Os restaurantes mais tradicionais são A Padroeira, uma churrascaria simples de beira de estrada que funciona 24 horas, e o Teodoro’s, que tem um café bem legal também.

O Centro de Lazer Bela Vista é um complexo de turiso e tem até uma pousada com bastante conforto. O restaurante é muito bom.

Outro café super bacana é o Dona Augusta. Quem goste de lanches, eu indico a Street Burguer.

No Centro, há três supermercados bons, com preços justos – pelo menos eu considero. Eles podem ser muito úteis para você comprar os lanches que vai comer durante o dia, porque praticamente em todos os lugares  não há estrutura de lanchonete ou restaurante. 

Se for sair cedo, se organize para comprar tudo no dia anterior, por que, normalmente, os mercados funciona de 9h às 19h.

Onde ficar na região de Sengés

Eu já adiantei lá no começo do texto que há poucas opções de hospedagem em Sengés. Para falar a verdade, são apenas duas: o Hotel Sengés e o Centro de Lazer Bela Vista – eles não estão em nehum site de reservas e, portanto, não dá para ver a avaliação dos hóspedes. Eu sempre uso essa informação para escolher onde ficar.

Com esse probleminha,  ficar em Jaguariaíva é a melhor opção.  A cidade é um pouco maior – ou bem maior – e tem uma estrutura melhor tanto de hospedagem quanto de restaurantes e outros serviços.

Estas são as melhores opções de hospedagem em Jaguariaíva:

CHAKRAS POUSADA E CAMPING

O Chakras Pousada e Camping tem a melhor avaliação dos hóspedes que escolhem ficar na pousada para explorar a região de Sengés.

O que fazer em Sengés

Os espaços são amplos, arejados, muito em cuidados e  se encaixam perfeitamente na natureza  ao redor, já que a pousada fica na área rural, a seis quilômetros do centro.

SAN JUAN BUSINESS JAGUARIAÍVA

O San Juan Business Jaguariaíva fica no Centro e é uma boa opção para quem vai estar sem carro. O hotel tem conforto na medida, tranquilidade e preço justo.

Os quartos são básicos, mas muito bem resolvidos. A  área da piscina é bem agradável  e o café da manhã é super elogiado.

HOTEL DOM THOMAZ

O Hotel Dom Thomaz também fica no Centro, perto de tudo. É uma excelente opção para quem quer um quarto confortável para dormir sem gastar muito.

O serviço é sempre muito elogiado: atendimento, limpeza e café da manhã tudo do jeito que a gente gosta e merece.

Em Itararé, cidade vizinha, já no Estado de São Paulo, as duas opções mais viáveis são essa:

HOTEL ITARARÉ

O Hotel Itararé é um basicão daqueles típicos de cidade pequena do interior, sabe como é? Então, não precisa elevar muitos as expectativas.

Quantos super simples, mas bem limpos, café da manhã com muitas variedades e preço justo. São essas características que fazem ele valer a pena.

HOSPEDARIA FREI CANECA

Como o nome diz, a Hospedaria Frei Caneca tem a simplicidade como característica e isso nem sempre é negativo.

Basta dar uma olhada nas avaliações dos hóspedes para ver que a limpeza em dia, o atendimento caloroso e o café da manhã conquistam a todos.

RECOMENDAÇÕES DE VIAGEM - COVID-19

Devido à pandemia de Covid-19, novas medidas de saúde e segurança foram adotadas. Elas são importantes para evitar o contágio, protegendo você, quem trabalha diretamente com o turismo e as comunidades locais.

Antes de viajar, verifique a situação do seu destino para não encontrar atrativos fechados e, claro, não colocar a sua vida e a de seus familiares em risco.

Veja algumas medidas adotadas:

  • Álcool gel disponível nos quartos e nas áreas comuns;
  • Uso obrigatório de máscaras nas áreas comuns;
  • Respeito às regras de distanciamento físico;
  • Uso de produtos de limpeza eficazes contra o coronavírus;
  • Café da manhã pode ser servido no quarto.

Veja mais dicas do Paraná

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Paraná.

SOBRE O AUTOR

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

2 Comentários

Escreva um comentário