Gruta do Limoeiro: o tesouro de Castelo

2

Atualizado em 13 de março de 2018

O pequeno município de Castelo, no Espírito Santo, tem pouco mais de 35 mil habitantes e é aqui que está o sítio arqueológico mais importante do Estado: a Gruta do Limoeiro. Apesar de ser pouco conhecida, ela é facilmente acessada pela ES-166, a 15 quilômetros do centro da cidade.

O que faz a Gruta ser um tesouro tão fascinante para o mundo da arqueologia foi confirmado em 1979, quando estudiosos se dedicaram na busca por vestígios de civilizações que habitavam a região. A Expedição 1979, como ficou conhecido esse movimento dos estudiosos, serviu para consolidar a importância do lugar. Dentro dos seis salões foram encontradas ossadas de índios da tribo Puris que habitavam a região durante o período colonial e outros indícios de que ela já era habitada há pelo menos 4,5 mil anos.

Na verdade, os fosseis foram encontrados por acaso pela professora carioca Hilda de Sá. Naquela época, a professora levava regularmente os seus alunos até a entrada da gruta e em um determinado dia ela decidiu fazer uma busca por uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes, que acreditava existir lá dentro.  Para isso, foi preciso escavar e tirar a vegetação que ocupava a entrada. Assim, os restos mortais dos Puris foram encontrados.

Gruta do Limoeiro

A Expedição 1979. Foto: Portal Castelo

Gruta do Limoeiro

No Centro de Visitantes, orientações e uma breve explicação.

Entretanto, engana-se quem pensa que essa é a única atração da Gruta do Limoeiro. Do lado de fora, um paredão com mais de seis metros de altura quase coberto pela vegetação nativa pouco mostra a sua grande preciosidade. Eu mesmo confesso que imaginei se tratar de uma pequena caverna. Mas, pelo contrário, andamos mais de 150 metros pelos quatro corredores por onde são conduzidos os turistas.

A cada metro que nos distanciamos da entrada, mergulhávamos em um densa escuridão que era vencida apenas com a luz das nossas lanternas. Em alguns trechos foi preciso caminhar de cócoras para avançar sob estalactites e formações rochosas no mínimo criativas. Em todo o período que estivemos dentro da Gruta fomos acompanhados por uma guia que além de orientar sobre as medidas de segurança, nos informava sobre os elementos que compunham o cenário.

Gruta do Limoeiro

A galera do Clube de Viagem.

Gruta do Limoeiro

A escuridão nos acompanhava.

Gruta do Limoeiro

Lanternas e capacetes são essenciais dentro da gruta.

Como visitar a Gruta do Limoeiro

Castelo está a 150 quilômetros da capital do Espírito Santo. Para chegar à Gruta do Limoeiro, partindo de Vitória, siga pela BR 262 até Venda Nova do Imigrante, depois entre na Rodovia Pedro Cola e, em seguida, na ES-166.

O passeio começa no Centro de Visitantes onde conhecemos o memorial que reconta toda a história da gruta. O atendimento é feito de terça a domingo, das 9h às 19h, e a entrada custa R$ 5. O passeio é feito exclusivamente com guias e eles oferecem lanternas e capacetes sem custo adicional.

* A viagem até Castelo aconteceu durante uma programação do Clube de Viagem, um projeto do Pé na Estrada que reúne viajantes experientes e iniciantes para trocarem informações e esclarecerem dúvidas. Os encontros do Clube são mensais. Para saber como participar acesse aqui.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

2 Comentários

  1. Avatar

    Não sei de enviei meu comentário, então mando novamente: Os primeiros ossos humanos indígenas foram encontrados ha mais de um século, em 1882, encontraram ossos de adultos e de uma criança, além de adornos, restos de fogueiras etc.

Escreva um comentário