Como é o safári no Kruger National Park

4

Atualizado em 28 de fevereiro de 2018

Mundialmente famoso, o safári no Kruger National Park é o que muita gente acredita ser a melhor experiência de vida selvagem da África do Sul. O parque foi criado em 1898, numa área amplamente explorada por mineradoras que buscavam ouro e outros minerais. São quase dois milhões de hectares da savana africana protegidos. A diversidade de suas formas de vida e as técnicas de gestão, aliadas a modernas políticas ambientais, fazem dele um dos mais importantes do mundo. Durante anos de pesquisa, foram catalogadas 507 diferentes tipos de aves e 147 espécies de mamíferos. Isso além de peixes, anfíbios, répteis e uma rica flora.

Eu estive no Kruger quando fiz uma viagem que saiu de Joanesburgo, na África do Sul. Meu roteiro passou por Botsuana e chegou a Livingstone, na fronteira da Zâmbia com o Zimbábue. A bordo de um tipo híbrido de ônibus e caminhão, o trajeto de Joanesburgo até o acampamento onde dormi antes de chegar ao Numbi Gate, portão de entrada do parque, durou cerca de quatro horas.

O passeio dentro do Kruger é chamado de game e começa bem cedo. O carro que nos leva para esta aventura é uma caminhonete com a carroceria aberta, protegida no teto e nas laterais. Ela deixa o acampamento às 5h20, e não demora meia hora até chegarmos ao portão. Por incrível que pareça, faz frio, mas logo os primeiros raios de sol espantam o vento gelado e as gotas de chuva que insistem em cair levemente.

Dentro do Parque, não demora quase nada para que eu veja o primeiro animal. Uma enorme girafa aguarda nosso carro na estrada, logo após uma curva. Simpática, caminha lentamente antes de se esconder na vegetação. Ela nos dá as boas-vindas para um dia de muita emoção.

Em seguida, nosso carro para silenciosamente para apreciar uma matilha de cachorros selvagens. Esta é uma espécie ameaçada de extinção, raramente vista no Kruger. Estima-se que existam apenas 150 desses animais espalhados por todos os quase dois milhões de hectares do parque.

Como é o safári no Kruger National Park

Em menos de cinco minutos dentro do parque, esta girafa aparece para dar as boas-vindas.

Como é o safári no Kruger National Park

Cachorros selvagens: existem menos de 150 deles em todo o parque.

safari-07

A sorte de ver os Big Five

Big five é um termo criado por caçadores e se refere aos cinco mamíferos selvagens mais difíceis de serem abatidos em todo o continente. São eles o leão, o elefante, o búfalo, o leopardo e o rinoceronte. Estes são os animais mais temidos da savana africana, e curiosamente é por causa deles que gente do mundo todo se despenca até aqui. Eu, felizmente, tive a grande chance de ver todos esses animais em apenas nove horas dentro do Kruger.

Os elefantes e os leões aparecem logo no início do passeio. Os búfalos são mais fáceis de serem vistos nas margens dos rios. O leopardo, animal de hábito noturno, apareceu descansando na copa de uma árvore. Pouco antes de irmos embora os rinocerontes surgiram em meio à vegetação, para completar a minha lista.

Estima-se que existam 1.500 leões, 12.000 elefantes, 2.500 búfalos, 1.000 leopardos e cerca de 5.000 rinocerontes brancos e negros dentro do parque. Entretanto, esses animais não devem ser seu único objetivo ao fazer um safári no Kruger National Park, já que aqui existem muitos outros animais tão incríveis quanto eles. Além dos big five, eu vi muitas girafas, zebras, cabras-de-leque, macacos, um guepardo e muitos tipos de aves. Todos livres e protegidos da agressão humana.

Como é o safári no Kruger National Park

Um dos muitos leões que vivem no Kruger National Park.

Como é o safári no Kruger National Park

Búfalos estão entre os animais mais perigosos da savana.

Como é o safári no Kruger National Park

De hábitos noturnos, o leopardo descansava em uma árvore.

Como é o safári no Kruger National Park

Os rinocerontes apareceram quase no final do passeio.

Como é o safári no Kruger National Park

Os elefantes são muitos e estão em todos os cantos.

Planeje seu safári no Kruger National Park

Quanto custa | Para fazer um safári no Kruger National Park é preciso pagar uma entrada que custa ZAR 280. Crianças com menos de dois anos não pagam, e quem tiver até doze tem direito a meia-entrada. A Sanparks é a administradora dos parques e reservas nacionais da África do Sul. No site da instituição, você encontra as regras detalhadas para a visita ao parque. Além disso, você pode usar o sistema de reservas on-line para garantir seu ingresso antecipado.

Quando ir | Uma boa época para fazer o safári no Kruger National Park é entre junho e agosto, quando quase não chove. Com a vegetação menos exuberante e com a água mais escassa, fica mais fácil ver os animais. Isso porque eles se aglomeram próximos a rios e lagos. Nessa época faz frio, especialmente pela manhã e à noite. Os termômetros chegam quase a zero. Portanto, é imprescindível estar bem agasalhado. No verão, entre dezembro e fevereiro, faz muito calor. É nessa estação que se observa com mais facilidade os filhotes que nasceram na primavera.

É muito importante ficar atento aos horários de fechamento dos portões. De forma geral, eles abrem entre 4h30 e 6h e fecham entre 17h30 e 18h30. A entrada ou a saída depois desses horários estará sujeita a uma multa de ZAR 500. Atualmente, são nove as opções de entrada e saída do Kruger: Pafuri, Punda Maria, Phalaborwa, Orpen, Paul Kruger, Phabeni, Numbi, Malelane e Crocodile Bridge.

Quem leva | Eu contratei os serviços da Acacia Africa, empresa especializada em safári no Kruger National Park e paguei USD 880 por seis dias de viagem, incluindo guia, transporte, hospedagem e alimentação. Eles oferecem vários roteiros e aqui você encontra todas as opções e preços.

Como chegar | Há voos diários partindo de Joanesburgo para os aeroportos de Skukuza, Phalaborwa, Hoedspruit e Mpumalanga. Também há saídas de Cape Town e de Durban para esta região. A PC Tours, empresa de ônibus local, opera o trecho entre o Aeroporto Internacional Kruger Mpumalanga e o Kruger National Park.

De carro, é bem tranquilo seguir pelas rodovias sul-africanas, já que a maioria é duplicada e bem sinalizada. Nas principais cidades ao redor do Kruger, é fácil alugar um carro, mas observe que há algumas limitações para entrar no Parque: veículos que pesam mais de oito toneladas por eixo não são permitidos, assim como as motos. Reboques, trailers e ônibus podem circular em áreas limitadas, e veículos de carroceria aberta são permitidos desde que o motorista tenha uma licença especial.

Como é o safári no Kruger National Park

Uma das estradas de terra do Kruger.

Algumas estradas internas não têm calçamento e é importante observar o limite de velocidade para cada área: nas vias asfaltadas, você não deve ultrapassar os 50 km/h; nas estradas de terra, o limite estabelecido é de 40 km/h; nas áreas de acampamento, o máximo permitido é 20 km/h.

Uma das opções mais procuradas por turistas que querem conhecer o Kruger é contratar uma empresa que faça todo o traslado, oferecendo o que considero mais importante nesse passeio: informação e segurança. Não são raros os casos de turistas que passam por apuros dentro do Kruger. Há histórias de pessoas que ficaram presas aqui dentro depois que os portões se fecharam, e outras que foram agredidas por animais, como é o caso deste casal.

Onde ficar | Joanesburgo é uma cidade grande, populosa e cheia de atrativos. Por isso, escolher bem onde se hospedar aqui é essencial para aproveitá-la melhor. Veja as minhas dicas de onde se hospedar na cidade. Há várias opções de acampamentos dentro e fora do Kuger National Park. Eu fiquei no Nkwathle Bush Camp, um acampamento bem interessante. Por aqui você pode escolher dormir em barracas ou até mesmo ficar em luxuosos apartamentos. Dê uma olhada nas opções.

[bdotcom_bm bannerid=”23032″]

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer na África do Sul por até 90 dias. Entretanto, é necessário apresentar o passaporte com validade de, pelo menos, um mês depois da data prevista para o retorno. É muito importante ter um seguro viagem enquanto estiver no país, para ser atendido em caso de incidentes. Veja como comprar o seguro viagem com descontos exclusivos.

O Certificado Internacional de Vacinação (CIVP) contra a febre amarela é obrigatório. Sem ele, você pode ser impedido de entrar no país. Nessa região, há muitos insetos e, também, casos de malária. Veja como se proteger aqui.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

4 Comentários

  1. Avatar

    Olá querido! Estou planejando ir para a Africa do Sul com meu noivo, e nos interessamos muito por esse tour no truck. Como você fez para conseguir, existem sites especializados? E tem posts narrando além dos dois primeiros dias, que já li? Obrigada desde já, um beijo