Uma inesquecível viagem para Whistler

2

Atualizado em 20 de abril de 2020

O sol já começa a se esconder quando alcanço a Sea to Sky, a belíssima rodovia que vai me levar aos braços de Whistler, a cerca de 130 quilômetros de Vancouver . É verão no hemisfério norte e a neve já não aparece. Os únicos pontos brancos que se mantêm nas colinas geladas do Canadá são do gelo glacial. Mesmo assim, a paisagem que me guia nesse caminho é irretocável.

Eu vou passar um final de semana inteiro por aqui. Em meu primeiro dia na cidade, escolho subir até o topo do Whistler Blackcomb, o maior resort de esqui da América do Norte. No inverno, quando milhares de pessoas visitam a cidade para se divertir na neve, as gôndolas levam os turistas-atletas até o topo da montanha. Nos dias mais quentes, o passeio suspenso nos permite apreciar sua beleza natural e, com sorte, avistar ursos caminhando livremente pela floresta.

Um inesquecível final de semana em Whistler

O ponto mais alto de Whistler é o pico Black Tusk.

Um inesquecível final de semana em Whistler

O gelo glacial que nunca derrete, mesmo sob o sol.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Com sorte, dá para ver ursos durante a subida até o topo da montanha.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Eu consegui ver um urso negro, ainda filhote, passeando pelo gramado.

Chego ao ponto mais alto da montanha. Estou a 2.284 metros acima do nível do mar, e meus olhos não alcançam onde termina a cadeia de montanhas à minha frente. Diante dessa preciosidade, minha reação é parar, respirar fundo e admirar a bela paisagem.

Além de caminhar por um dos pontos mais altos de Whistler, aqui eu vou andar na maior gôndola do mundo. A Peak2Peak liga as montanhas Whistler e Blackcomb por cabos de aço em um vão livre de 3.024 metros. Inaugurado em 2008, esse sistema tem 28 gôndolas que percorrem o trajeto de 4,4 quilômetros em pouco mais de 10 minutos.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Aqui no alto, dá para explorar a montanha e se divertir com a paisagem.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Na Peak2Peak, eu tenho uma visão incrível das montanhas geladas de Whistler.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Muitas lagoas se formam com o degelo e ganham essa cor espetacular.

O Inukshuk também está aqui no topo do monte. Ele é a representação da figura humana construída com pedras pelos povos que habitam o extremo norte das Américas. Em 2010, quando Vancouver e Whistler sediaram os Jogos Olímpicos de Inverno, o Inukshuk foi escolhido o mascote do evento. Porém, muito mais do que isso, ele é o símbolo de todo o oeste canadense.

 

Um inesquecível final de semana em Whistler

O Inukshuk é um símbolo criado pelos primeiros habitantes do Canadá.

Aventura e esportes radicais

Whistler é uma cidade que vive do turismo e principalmente do turismo de aventura. São milhares os atletas e turistas que viajam milhas e milhas para esquiar nas pistas do Whistler Blackcomb. Embora o inverno seja a estação mais atrativa, no verão a cidade não fica vazia. Pelo contrário, as pistas de esqui se transformam em rampas perfeitas para a prática do mountain bike, e a floresta, sem o gelo da neve, revela suas trilhas infinitas, realizando o sonho de qualquer aventureiro.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Atletas radicais exploram as pistas de esqui no verão.

Aqui, rios e lagos de águas transparentes e geladas também nos convidam para a prática de esportes radicais. O rafting foi a minha escolha. Depois do ritual da troca de roupa e de uma breve viagem, chego ao Green Lake. Sobre as águas verdejantenses desse imenso lago, aprendo as primeiras regras do esporte.

Descendo o Green River, levado pela correnteza, minha tarefa é desviar das rochas obedecendo às regras do capitão do grupo, tentando, é claro, me manter sobre o bote. Afinal, cair nessa água gelada não é uma boa ideia.

Um inesquecível final de semana em Whistler

O Green Lake, de onde partem os botes do rafting.

Um inesquecível final de semana em Whistler

O grupo que desceu comigo as águas geladas do Green River.

Legado olímpico

Não foi por coincidência que Whistler dividiu com Vancouver o sucesso das Olimpíadas de Inverno de 2010. Muitas foram as alterações feitas na cidade nos sete anos que antecederam os jogos. E, agora, todos os que a visitam colhem os frutos desse investimento: as rodovias foram duplicadas, estão bem sinalizadas e têm baixíssimos índices de acidentes. Além disso, a infraestrutura hoteleira e de lazer foram incrementadas, e o povo que aqui vive está cada vez mais orgulhoso da cidade que conquistou.

Se você quiser sentir um pouco do que foram os jogos olímpicos em Whistler, visite a Olympic Plazaonde aconteceram as cerimônias de entrega de medalhas dos jogos disputados aqui. No verão, é comum acontecerem apresentações musicais gratuitas em seus gramados. Eu assisti ao show de uma das bandas canadenses mais populares na América do Norte, a Barenaked Ladies. O som é empolgante, e ainda hoje me pego cantarolando seu maior sucesso, If I had $1.000.000.

Um inesquecível final de semana em Whistler

O bem cuidado centro de Whistler.

Um inesquecível final de semana em Whistler

A Olympic Plaza, onde aconteceram as entregas de medalha.

Programe seu final de semana em Whistler

Quanto custa | Para cruzar de uma montanha à outra no Peak2Peak, você precisa pagar CAD 51,95. Outras atividades como esqui, tirolesa e mountain bike são cobradas à parte e você confere os preços aqui.

Quando ir | Você pode visitar Whistler todos os dias do ano, mas lembre-se que o Canadá tem clima temperado e que as quatro estações são bem definidas. No inverno, entre dezembro e março, a cidade é um ótimo destino para quem gosta de esquiar e fazer outras atividades na neve. No verão, especialmente entre julho e agosto, os dias são mais quentes e ensolarados. É nessa época que as estações de esqui – sem a neve – viram destino ideal para quem gosta de esportes radicais. É justamente por isso que o verão é a minha época preferida.

Quem leva | Se você quiser ter uma experiência agradável em Whistler, sem se preocupar em organizar tudo, os serviços de uma agência especializada pode ser ideal para você. Como eu já expliquei, dá para aproveitar o básico da cidade em um final de semana, partindo de Vancouver. Consulte aqui as opções de passeios.

Como chegar | Whistler fica a cerca de 130 quilômetros de Vancouver, e o trajeto de carro até aqui é feito pela Sea to Sky, uma rodovia que te leva do mar às montanhas geladas do Canadá. Essa, sem dúvida, é a melhor opção para você aproveitar a viagem do começo ao fim. De ônibus, quem faz essa rota é a Pacific Coach. Os veículos são muito confortáveis, têm internet e você pode comprar as passagens on-line.

O Aeroporto Internacional de Vancouver (YVR) é o principal da região. Ele recebe voos de outras cidades canadenses e também de outros países.

Um inesquecível final de semana em Whistler

Um pouco da paisagem da Sea to Sky.

Onde ficar | Whistler tem opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos. Isso inclui apartamentos espaçosos, hotéis caríssimos a hostels superbaratos. Mas é importante fazer a reserva com bastante antecedência. Dê uma olhada nas opções de hospedagem da cidade.

Visto | Brasileiros precisam de visto para entrar no país. Veja como solicitar o visto para o Canadá.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um viajante apaixonado pelas coisas desse mundo. Um jornalista que adora contar boas histórias e compartilhar informações de viagem. Meu propósito de vida é ajudar outras pessoas a conhecerem lugares novos e a viverem experiências inesquecíveis.

2 Comentários

Escreva um comentário

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Altier Moulin (@penaestrada) em