Pirenópolis, em Goiás: um retrato da história e de suas festas tradicionais

2

Atualizado em 11 de abril de 2021

Pirenópolis: um retrato da história e das festas tradicionais

A encantadora Pirenópolis fica a 128 quilômetros de Goiânia. Tombada como Patrimônio Histórico Nacional e consagrada como pólo turístico regional, a cidade é, com seus casarões seculares e ruas de pedra, um e retrato vivo da história goiana e do Brasil.

→ Onde ficar em Pirenópolis

Cercada por uma natureza exuberante, Piri – como é chamada carinhosamente – tem muitas surpresas escondidas: cachoeiras, reservas ecológicas, parques e mirantes são algumas delas.

Mas, claro, eu não vou contar todas para não estragar a festa.

Por falar nisso, a comida é boa e as festas folclóricas tradicionais movimentam intensamente a cena cultural da cidade.

Festas e folclore

Pirenópolis mantém viva a Cavalhada, festa herdada dos portugueses que gira em torno da representação dramática de uma batalha entre mouros e cristãos.

Em três dias de festejo, a Cavalhada reúne centenas de mascarados que invadem as ruas de Piri para brincar e agitar a cidade.

Pirenópolis: um retrato da história e das festas tradicionais

O mascarado típico de Pirenópolis usa a máscara de boi ou de onça, e a festa é considerada uma das mais belas e expressivas do Brasil.

Quando estive na cidade, acontecia a Cavalhada Mirim, quando as crianças se fantasiam e saem às ruas para brincar.

Pirenópolis: um retrato da história e das festas tradicionais

Já a Festa do Divino Espírito Santo é um festejo religioso que dura doze dias. Ela também tem origem portuguesa, é reconhecida como Patrimônio Cultural Brasileiro e tem como símbolos o Imperador do Divino, a Coroa, o Cetro e as Bandeiras.

A Cavalhada e Festa do Divino acontecem durante as festividades de Pentecostes, 50 dias depois da Páscoa, e reúnem diversas outras manifestações, como congadas, reinados, juizados, folias, queima de fogos, pastorinhas, missas e a Novena do Divino, com seus cânticos em Latim.

Ufa! É muito coisa interessante em um só lugar, não é?

Um pé na natureza

Além de toda essa manifestação cultural incrível, Piri tem um pé na natureza – um, não, os dois.

E, explorar um pouco da natureza que cerca a cidade, uma boa ideia é começar pela Fazenda Vagafogo.

Ela é uma das primeiras Reservas Particulares do Patrimônio Natural criadas no Brasil e a primeira de Goiás. A fazenda tem 46 hectares e é formada por cerrado, cerradão e mata ciliar, e cortada pelo Rio Vagafogo que dá nome à reserva.

Transformada em uma estância de educação ambiental e agroturismo, a fazenda produz mais de 70 deliciosos produtos ali mesmo: o brunch é sensacional e você não pode perder.

Onde ficar em Pirenópolis

Pirenópolis não é grande, mas para aproveitar o melhor da cidade, eu sugiro ficar no Centro ou o mais perto possível.

Essa é a parte mais antiga da cidade e onde estão os melhores restaurantes, as lojinhas de artesanato, os prédios históricos e serviços como bancos e outros que a gente sempre precisa durante uma viagem.

Além disso, há outro segredo: no Centro, há uma área específica onde tudo acontece.

Conhecida como Rua do Lazer de Piri, essa parte da Rua do Rosário é o lugar onde há mais movimento durante o dia e à noite.

É como se fosse o centro do Centro, entendeu?

É um lugar ótimo para turistas, mas não é a parte mais tranquila para se hospedar em Pirenópolis. Então, ficar algumas ruas de distância é o ideal.

Para escolher o melhor lugar, é bom dar uma olhada nas minhas dicas de onde ficar em Pirenópolis. Agora, aproveite para ver outras dicas de Goiás.

Veja mais dicas de Goiás

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas.

SOBRE O AUTOR

Sou jornalista, capixaba e apaixonado pelo universo viajante. Sempre gostei de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo e, já adulto, isso virou um propósito de vida.

2 Comentários

  1. Excelente matéria, Altier. Estou morando faz 2 anos em Caldas Novas e ainda não tive oportunidade de ir até Pirenópolis. Já ouvi falar muito bem, mas depois de ler esse conteúdo me aguçou ainda mais.
    Abraço.

Escreva um comentário