Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

76

Atualizado em 31 de janeiro de 2022

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Seu verdadeiro nome é Rodovia MT-060, mas o Brasil a chama simplesmente de Transpantaneira, um nome emblemático que é  sinônimo de belezas naturais  e de muitas aventuras.

Esta estrada de chão, que corta o Pantanal do Mato Grosso ligando a pequena cidade de Poconé ao distrito de Porto Jofre, já na divisa com Mato Grosso do Sul, tem quase 150 quilômetros e é um dos grandes atrativos turísticos da região.

A viagem pela Transpantaneira

A viagem pela Transpantaneira começa em Poconé, cidade que está a 105 quilômetros de Cuiabá. Da capital até Poconé, as estradas são asfaltadas e estão bem cuidadas – mas, claro, poderiam estar melhores.

Seguindo por uma reta interminável – na verdade, existe a sensação de que é uma reta, mas não é -, a gente tem a companhia da planície alagada e de animais que tanto desejamos ver em seu habitat natural.

→ Onde ficar na Transpantaneira

Às margens da rodovia aparecem jacarés, veados, capivaras, garças, gaviões, martins-pescador e tantos outros bichos que vivem livres em uma das áreas de maior biodiversidade do planeta.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Eu escolhi viajar durante a estiagem. Neste, período, as águas já deveriam estar mais baixas, mas as chuvas se prolongaram além do costume e os imensos lagos temporários ainda aparecem.

Assim, com mais espaço para nadar e com alimento abundante, os animais ficam mais dispersos e não formam os grandes grupos normalmente vistos no auge da seca.

A vida na Transpantaneira

Mas, se os animais estão por todos os lados, as pessoas que vivem no Pantanal aprenderam a conviver com isso.

Nos finais de semana mais quentes, as prainhas que se formam às margens da rodovia viram lugar de lazer de famílias inteiras.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Também nessas águas cheias de jacarés e piranhas, destemidos pescadores se arriscam para tirar de lá o peixe que os alimenta.

Especialmente no cair da noite, é comum ver pessoas às margens da rodovia com equipamento de pesca.

Eu encontrei um grupo de amigos pantaneiros que, mais protegidos, pescavam piranhas sentados sobre uma das muitas pontes de madeira, enquanto alguns homens entravam na água para alcançar os pontos mais distantes da margem.

Aliás, se você ainda não experimentou caldo de piranha, faça isso, porque é simplesmente delicioso.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Passeio de barco no rio Pixaim

É justamente porque as águas ainda não baixaram completamente que eu tive a sorte de fazer um passeio de barco para aproveitar os últimos raios solares de dentro da água.

Navegando pelo rio Pixaim, que na verdade é um grande lago, que ganha correnteza durante a época de chuva, vejo um incrível pôr do sol e muito mais do que isso: aprecio bem de perto a ave que é símbolo do Pantanal: o tuiuiú.

É que durante o passeio, o barqueiro chama um casal de tuiuiús que vive por ali e eles vão acompanhando o barco até um certo ponto. É uma experiência linda ver como essas aves silvestres criaram uma relação de confiança com o barqueiro.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

No meio do pantanal, cercado por jacarés, cobras e muitos outros bichos, o tempo parece que parou para que eu contemplasse os tuiuiús e o pôr do sol, que se encaixava perfeitamente atrás da maior árvore da beira do rio.

Sabe como são aqueles momentos que a gente simplesmente agradece? Foi assim.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Como viajar pela Transpantaneira

Para fazer o percurso da Transpantaneira é preciso de planejar. Escolher a época certa, o veículo certo e onde ficar hospedado serão algumas das etapas do seu planejamento.

Mas, a ótima notícia é que é tudo muito fácil de organizar. Sem complicações, você vai poder aproveitar mais e gastar menos.

Fique de olhos nas dicas práticas que eu eu dou mostrar a partir de agora.

Quando ir

A estação das chuvas vai de outubro a março e favorece os passeios de barco. Neste período, o mais indicado é usar veículos 4×4. Como fui na seca, eu aluguei um Uno e não tive qualquer problema.

Na seca, que vai de abril a setembro, as estradas ressurgem e os veículos de passeio transitam sem problemas. É nesta época que animais aparecem mais frequentemente na beira dos rios.

No inverno, de maio a agosto, não deixe de levar roupas de frio, porque as temperaturas mínimas chegam próximas a dez graus. No resto do ano, as máximas ultrapassam a marca dos 25 graus, alcançando mais de 30 com bastante frequência. Leve repelente e protetor solar.

Como chegar

Você até pode contratar uma agência para fazer o passeio pela Transpantaneira, mas a melhor opção é alugar um carro em Cuiabá e fazer tudo de forma independente, no seu tempo.

Foi exatamente isso que fiz e – vou repetir mais uma vez – não tem mistério algum.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

A rodovia de Cuiabá a Poconé tem buracos? Sim, tem buracos, mas, sempre estão recebendo uma nova camada asfalto para manter a segurança dos motoristas.

A pista é toda formada por retas, quase sem curvas e com pouco movimento de veículos, o que faz dela uma rodovia muito tranquila para dirigir.

Depois de Poconé, você vai entrar na Transpantaneira – não se esqueça de tirar uma foto no pórtico da estrada. Aí, você terá que redobrar a atenção.

Dirija com tranquilidade na Transpantaneira e aproveite para tirar fotos dos animais. Nas margens da rodovia é possível ver pássaros, jacarés e muitos outros bichos – e, claro, eles atravessam na frente do carro sem avisar.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Portanto, ande devagar e seja cuidadoso para não atropelar nenhum animal.

Nos dias de muita chuva, alguns trechos podem ser perigosos para veículos sem tração nas quatro rodas.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

Em todo o percurso encontrei dezenas de pontes de madeira e algumas ainda estão em péssimo estado de conservação, mas elas estão sendo reformadas. As piores pontes estão depois do quilômetro 80 da rodovia.

Algumas pessoas vão dizer que você precisa de um guia para fazer o passeio pela Transpantaneira, mas eu discordo. É possível fazer tudo sozinho, tranquilamente, sem gastar com isso.

O que você pode fazer para complementar a sua experiência é ver, no hotel onde você vai ficar, se eles oferecem trilhas noturnas ou passeios de barco, como eu fiz. Mas, de fato, não é necessário estar com guia o tempo todo.

Cuidado

Mesmo sem um guia, lembre-se que você está em uma área de animais selvagens. Então, não saia do carro antes de checar que isso será seguro e evite se aproximar dos animais.

Não ofereça alimentos ou bebidas para os animais e evite fazer barulhos ou movimentos agressivos. Lembre-se que o visitante no Pantanal é você.

Onde ficar na Transpantaneira

Eu me hospedei no Hotel Pantanal Mato Grosso. Ele fica no distrito de Pixaim, às margens do rio Pixaim, que vira um lago na estação chuvosa.

O hotel fica mais ou menos no meio da Transpantaneira – no quilômetro 65 -, e eu achei uma forma interessante de organizar a viagem tendo ele como base no meio da estrada.

Transpantaneira: a estrada que cruza o Pantanal do Mato Grosso

O hotel é realmente muito bom, especialmente no aspecto localização e atendimento: quando eu estava na piscina, fui surpreendido por um dos funcionários que tirou um coco do pé para me servir sem que eu pedisse.

São cuidados assim que fazem um afago na gente quando estamos viajando, não é mesmo? A comida é farta e o ambiente é muitíssimo agradável.

O Hotel Pantanal Mato Grosso tem internet e uma torre de celular está instalada exatamente atrás dele. Logo, o sinal de celular funciou o tempo todo, até no meio do rio.

Há outras opções também muito interessantes para se hospedar na Transpantaneira.

Eu indico o Hotel Fazenda Santa Tereza – o preferido dos gringos -, a Pousada Piuval, que é mais moderna, e a Pousada Araras Pantanal Eco Lodge, que nos proporciona um contato incrível com a natureza e, por isso, eu indico para quem pensa em ficar mais tempo no Pantanal.

→ Onde ficar na Transpantaneira

Tem ainda a Aymara Lodge, com um estilo bem rústico e acolhedor, e a Pousada Rio Claro, uma das mais completas e com várias opções de passeios guiados.

RECOMENDAÇÕES DE VIAGEM - COVID-19

Devido à pandemia de covid-19, novas medidas de saúde e segurança foram adotadas. Elas são importantes para evitar o contágio, protegendo você, quem trabalha diretamente com o turismo e as comunidades locais.

Então, antes de viajar, verifique quais as medidas protetivas  estão sendo adotadas no seu destino. Alguns lugares exigem o comprovante de vacinação contra covid-19, o uso de máscara e até seguro viagem.

Veja algumas medidas adotadas:

  • Álcool gel disponível nos quartos e nas áreas comuns dos hotéis;
  • Uso obrigatório de máscaras nas áreas comuns;
  • Respeito às regras de distanciamento social;
  • Uso de produtos de limpeza eficazes contra o coronavírus;
  • Café da manhã pode ser servido no quarto;
  • Restrição de horários e de capacidade de público em museus e eventos.

Queimadas no Pantanal

Você deve ter acompanhado pela imprensa que, nos últimos meses, o Pantanal foi severamente atingido por queimadas que destruíram 15% de sua cobertura vegetal: são quase 2,2 milhões de hectares queimados, o que corresponde a quatro vezes o tamanho do Distrito Federal e chega perto do tamanho do estado de Sergipe.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), os focos de incêndios e queimadas aumentaram 210%, considerando o mesmo período do ano passado.

A Transpantaneira teve muitas áreas afetadas e algumas pontes ficaram comprometidas. Portanto, antes de confirmar sua viagem, é importante se informar sobre as condições da região.

Isso é importante porque muitos passeios estão suspensos e, com as queimadas ainda ativas, há risco para a saúde respiratória de qualquer viajante.

Veja mais dicas do Mato Grosso

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver outras dicas.