Humberstone: uma visita ao passado chileno

0

Atualizado em 16 de julho de 2018

Entrar nas pequenas casas da cidadezinha onde moravam centenas de famílias de operários que viviam da extração do salitre na região de Tarapacá, a 45 quilômetros de Iquique, é realmente emocionante. Os utensílios domésticos, o rádio que não funciona mais, a escova sobre a penteadeira e os brinquedos das crianças espalhados pelo chão ainda lembram como era a vida em Santiago Humberstone, uma das principais indústrias de exploração mineral, setor que movimentou a economia chilena durante sessenta anos, a partir de 1880.

Convertida em um museu a céu aberto, Santiago Humberstone – que era chamada originalmente de La Palma – parece uma cidade fantasma. É como se todos os seus moradores tivessem sido abduzidos por extraterrestres ou como se tivessem fugido deixando quase tudo no lugar.

No meio do deserto mais árido do mundo, o que restou de Santiago Humberstone e de Santa Laura se tornou um culto à preservação da memória dessas pessoas que dedicaram suas vidas ao trabalho nas salitreiras. Hoje, essas duas antigas indústrias são reconhecidas como Patrimônio Mundial da Humanidade, pela Unesco, por registrarem perfeitamente o modo de vida dentro de seus muros.

humberstone-01

La Pampa: o vilarejo que mais tarde virou Humberstone.

humberstone-09

Os motores que movimentaram a economia chilena.

humberstone-06

As casas mantém móveis e objetos originais.

humberstone-02

Até os brinquedos estão espalhados pelo chão.

A primeira sala onde entro retrata a vida das crianças. Brinquedos improvisados com arames, pedaços de pau e latas velhas eram, provavelmente, tudo o que elas podiam ter. A sala de ferramentas é muito rústica e simples. Aliás, tudo aqui é assim. As exceções ficam para as casas dos líderes, como a do engenheiro responsável pela indústria e a do único médico que vivia aqui e que atendia a mais de 500 pessoas.

Na praça principal de Humberstone, onde se desenvolvia a vida social do lugar no seu período de esplendor, estão o hotel, a piscina e a estação de trens. A única igreja do vilarejo foi demolida, mas ainda estão de pé o mercado, a escola e o belo teatro, onde aconteciam espetáculos de dança, música e teatro. Hoje, ele é usado apenas em ocasiões especiais.

Embora seja bem grande, você consegue visitar Humberstone sem pressa em pelo menos três horas. Se animar, dê um pulo em Santa Laura, que mantém quase intacto todo o processo industrial de extração do salitre. Você pode ver as informações complementares no site do Museo del Salitre.

humberstone-04

As ferramentas usadas por homem simples.

humberstone-07

A escola onde estudavam os filhos dos operários.

humberstone-10

Dois exemplos de como era simples a vida em Humberstone.

humberstone-08

Uma cidade fantasma no meio do deserto mais seco do mundo.

humberstone-03

Cozinha de umas das pequenas moradias.

Planeje sua visita a Humberstone

Quanto custa | Adultos pagam CLP 3.000. Idosos e estudantes têm desconto.

Quando ir | Humberstone pode ser visitada durante todo o ano. No mês de novembro acontece a semana do salitre, quando a comunidade pampina se une para dar vida a cada canto do povoado.

Como chegar | Existem ônibus, vans e táxis desde Iquique até Santiago Humberstone. O ponto de partida é o Mercado da cidade. O preço em vans compartilhadas é CLP 10.000 e há vários horários de partidas. De carro, partindo de Iquique, é preciso pegar a rota A-16 no sentido a Pica. No km 47, à esquerda da estrada, está a entrada da antiga salitreira.

humberstone-11

O ponto de venda de passagens e de partida das vans. 

Onde ficar | Iquique é uma cidade pequena, mas muito movimentada durante o verão: em janeiro, acontece o carnaval da cidade e, para conseguir uma boa hospedagem aqui, é preciso fazer a reserva com antecedência. O mesmo acontece em novembro, quando se comemora a semana do salitre. Se você escolher ficar no Centro, as opções de transporte público e de serviços, como mercados e restaurantes, são maiores. Vejas as melhores opções da cidade.

Visto e documentos | Não é necessário visto para entrar no país, e o tempo de permanência é de até 90 dias. Brasileiros podem apresentar o passaporte ou a carteira de identidade, desde que ela esteja em bom estado de conservação. Não há exigência de vacinação para nenhuma doença, independentemente do motivo da viagem.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

Escreva um comentário