Santiago e Puerto Plata: o norte dominicano

8

Atualizado em 21 de maio de 2018

Eu conheci as praias de Barahona, uma área menos frequentada por turistas no oeste dominicano e descobri que existem muitas outras praias interessantes, além de Punta Cana, que fica no extremo leste da ilha. Além disso, conheci as belas construções da Zona Colonial de Santo Domingo, e agora, sigo para o norte da República Dominicana. Em uma viagem rápida, meu objetivo é conhecer um pouco de duas cidades dessa região: Santiago e Puerto Plata.

São 150 quilômetros de viagem até a segunda cidade mais importante da República Dominicana. Santiago teve – e ainda tem – forte influência na trajetória política e econômica da nação. Ou seja, quem quiser conhecer um outro lado desse país deve dar um pulo até aqui.

Monumento a los Heroes de la Restauración | Quem chega à cidade é recebido por esse grandioso monumento edificado na parte mais alta da plana Santiago. Daqui, é possível ver os principais pontos da cidade. Além disso, em cada andar, você tem uma aula sobre a história do país desde a chegada de Cristóvão Colombo, passando pelo período de ditadura até a implantação da democracia.

Chamado, antigamente, de Monumento de Santiago, no alto dos seus 67 metros de altura está a estátua do Anjo da Paz. Porém, há um fato curioso sobre isso: como o monumento foi construído durante o período amargo do governo de Trujillo – feroz ditador que comandou o país por 30 anos – havia a possibilidade de que uma estátua do tirano ditador ocupasse o ponto mais alto da construção. Por um surto de sabedoria, decidiu-se pelo Anjo da Paz, e a estátua de Trujillo acabou indo para outro lugar, sendo destruída logo após de seu assassinato, em 1961.

Além do famoso anjo, no hall de entrada e no jardim que ornamenta o monumento, há uma série de personagens folclóricos e figuras históricas de todo o país. As visitas podem ser feitas de segunda a sábado, das 9h às 17h, e a entrada custa entrada DOP 60.

Santiago e Puerto Plata | Monumento a los Heroes de la Restauracion

O Monumento a los Heroes de la Restauración, em Santiago.

Santiago e Puerto Plata | Estátua

Personagens folclóricos ornamentam o jardim do monumento.

Avanço mais 60 quilômetros rumo ao litoral norte dominicano e chego a Puerto Plata. Aqui, já estou às margens do Oceano Atlântico. A cidade tem dois principais atrativos turísticos, um deles é o teleférico que nos leva até o topo do Monte Isabel de Torres, onde está o Cristo, semelhante ao do Rio de Janeiro. Enquanto, o outro, é a Fortaleza San Felipe.

Fortaleza San Felipe | Essa edificação militar foi construída em 1540, e é o primeiro forte do continente americano – nesse país sempre é muito fácil encontrar o primeiro “alguma coisa”. Hoje, a fortaleza abriga um museu que conta a sua própria história. Acompanhado por um sistema de audioguia – em português –, percorro todos os ambientes do forte. Entretanto, a visão mais interessante é a que tenho ainda do lado de fora. A sua perfeita arquitetura, às margens do mar dominicano, cria um cenário fascinante. As visitas acontecem de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, e a entrada custa DOP 100.

Santiago e Puerto Plata | Fortaleza San Felipe

A bela arquitetura da Fortaleza San Felipe.

Santiago e Puerto Plata | Fortaleza San Felipe

Detalhe da primeira edificação militar das Américas.

Monte Isabel de Torres | Para acessar o topo do monte você tem duas opções. Uma é caminhar pelas trilhas do Parque Nacional Loma Isabel de Torres. Enquanto, a outra é pagar DOP 350 para entrar em uma das cabines do primeiro e único teleférico do Caribe. Aqui, a principal atração é mesmo o passeio no bondinho que vai nos levar a desfrutar da vista espetacular da cidade e do Oceano Atlântico. Ah, isso acompanhado de uma réplica do Cristo Redentor carioca.

Se puder, escolha subir no período da manhã, pois é quando as temperaturas são mais amenas. Ou, você também pode subir no fim da tarde, quando as luzes fazem a cidade ganhar um contorno diferente. A visita pode ser feita de quinta a terça, das 8h30 às 17h.

Santiago e Puerto Plata | Telefério

O primeiro e único teleférico do Caribe.

Santiago e Puerto Plata | Cristo

O Cristo do Monte Isabel de Torres. Foto: Rdsmartlibrary

Planeje sua visita a Santiago e Puerto Plata

Quando ir | De junho a setembro, a ocorrência de furacões e tempestades ciclônicas pode ser maior. É nesse período que os preços quase batem no chão, já que o número de turistas cai bastante. Em contrapartida, dezembro e janeiro sãos os meses mais movimentados. Nessa época, o céu é o limite para os preços.

Quem leva | Você pode fazer essa viagem sozinho. Porém, se preferir, pode contratar um passeio com uma das agências locais. Consulte os preços e faça sua reserva..

Como chegar | A Carretera Duarte corta o país de norte a sul e, nela, é cobrado um pedágio no valor de DOP 30 apenas em um sentido. A mais importante empresa de ônibus do país é a Caribe Tour, que tem uma frota nova que nos leva a diferentes pontos do país. Outras empresas, como a Metro e Expreso Bávaro também têm saídas regulares.

O principal aeroporto da República Dominicana é o Aeroporto Internacional Las Américas (SDQ). E, há voos diretos saindo do Brasil para cá. A Gol opera voos para a capital dominicana e para Punta Cana, a 198 quilômetros. Além dela, outras companhias aéreas fazem o trecho de Guarulhos a Santo Domingo, como a Avianca e a Latam.

ATUALIZAÇÃO | A Gol suspendeu seus voos para Santo Domingo desde 1º de fevereiro de 2015. Não há previsão de retorno.

Onde ficar | Santo Domingo é uma cidade complexa, agitada e com um trânsito mais que caótico. Ou seja, nos momentos de pico, os engarrafamentos são quilométricos. Por isso, escolher onde se hospedar aqui faz toda a diferença. Para conhecer melhor a cidade e seus arredores, o ideal é ficar no Centro. Veja todas as opções de hospedagem em Santo Domingo.

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar na República Dominicana, mas é necessário apresentar o passaporte e pagar uma taxa de USD 10 na entrada. Esse valor somente poderá ser pago em dólares americanos. Portanto, sugiro que você já tenha isso em mãos para evitar fazer a conversão no aeroporto.

A viagem teve o patrocínio de Betta Câmbio e Vital Card.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um viajante apaixonado pelas coisas desse mundo. Um jornalista que adora contar boas histórias e compartilhar informações de viagem. Meu propósito de vida é ajudar outras pessoas a conhecerem lugares novos e a viverem experiências inesquecíveis.

8 Comentários

    • Altier Moulin

      Oi Fernanda,

      A estrada é boa, mas bem movimentada já que liga as duas principais cidades do país. Por isso, é bom dirigir com cuidado e ficar esperto pois os dominicanos não respeitan muito as leis de trânsito.

      Um abraço.

  1. Avatar

    Conheci seu blog hoje e estou muito indecisa. Li muitas matérias e me ajudou bastante. Muito rico em informações.

    Sucesso. Um dia chego lá como você.

    Abraço.

  2. Avatar

    Olá! Muito bom ter encontrado todo esse conteúdo sobre a República Dominicana! Irei no Carnaval para esse país e não vou a Punta Cana. Resolvi conhecer Samaná. Vc por acaso foi até lá?
    Outra dúvida: vamos alugar um carro. Vi seu post sobre o trânsito doido de Santo Domingo. Vc chegou a dirigir na cidade ou só alugou carro para sair da cidade? Estou em dúvida do que faço, se alugo desde o aeroporto de Santo Domingo ou se alugo qd sair de Santo Domingo.

    Obrigada desde já!

    • Altier Moulin

      Oi Thaissa,

      Infelizmente eu não fui a Samaná. Preferi ir para outro lado do País. Quanto ao carro, eu estava acompanhado de uma pessoa que mora em Santo Domingo – um amigo de CouchSurfing, na verdade – e ele é quem dirigiu por conhecer melhor as estradas e o trânsito. Eu não acredito que seja impossível dirigir por lá, mas você vai precisar ter muita atenção e uma dose extra de paciência.

      Um abraço!

Escreva um comentário