Praia de Sagi: o último paraíso do Rio Grande do Norte

3

Atualizado em 16 de fevereiro de 2018

Alguém já disse que não se chega às maiores recompensas por estradas asfaltadas, e com a Praia de Sagi não é diferente. Distante 90 quilômetros de Natal, para chegar à última praia do Rio Grande do Norte é preciso dirigir por 20 quilômetros de estrada de terra. É só assim que você poderá descobrir o que ela tem de especial.

Sagi é uma pequena vila de pescadores que há pouco se abriu para o turismo. Então, se você gosta de novidade e é um turista amante da natureza, compre logo sua passagem porque as belezas dessa praia devem atrair muita gente pra cá, e isso não vai demorar:  a praia é comparada a Pipa, também no litoral potiguar, há dez anos atrás.

praia-de-sagi-04

A paisagem de Sagi.

praia-de-sagi-09

A praia com suas fartas ondas.

praia-de-sagi-06

A foz do Rio Sagi.

O cenário não poderia ser mais interessante: estrada de terra vermelha, dunas de areias brancas, mar feito de uma mistura de tons de verde. Acrescente a isso uma comunidade cheia de gente simpática e engajada na preservação da praia, do Rio Sagi e da Mata Estrela, o maior remanescente de mata atlântica em região de dunas do país, e onde está a Lagoa Araraquara, chamada pelos moradores de Lagoa da Coca-Cola, por causa de suas águas escuras.

praia-de-sagi-01

A mistura de cores da última praia do Rio Grande do Norte.

praia-de-sagi-05

A estrada exige atenção em alguns trechos.

É pertinho do encontro do Rio Sagi com o mar que está a área mais movimentada do balneário. Mas lembre-se que Sagi é um lugar para quem quer tranquilidade e paz, e a movimentação aqui só acontece na área dos restaurantes que ladeiam a praia, e perto das poucas pousadas. No cair da noite o legal é andar pelas ruas e conversar com os nativos, ou se esticar em um dos bangalôs que as pousadas armam na areia da praia.

Além de desfrutar do mar e da foz do rio, não deixe de fazer o passeio de canoa pelo manguezal. Guiado por um dos pescadores da vila, o barquinho vai subindo o rio e nos revelando os sons, os cheiros e a paisagem natural do lugar. No fim da navegação, paro para um mergulho e experimento o banho de argila que dizem ser bom para a pele.

praia-de-sagi-08

O passeio de canoa pelo mangue.

praia-de-sagi-03

Um banho de natureza.

Planeje sua viagem à Praia de Sagi

Como chegar | Sagi é um distrito de Baía Formosa, cidade que fica a 90 quilômetros de Natal, e a 120 de João Pessoa, na Paraíba. Os últimos 20 quilômetros da estrada não têm calçamento por uma decisão dos moradores que rejeitaram o assalto. Para chegar à Lagoa Araraquara você precisará de um veículo tracionado ou poderá contratar um passeio de Buge na vila. A negociação é pessoal, já que não há um preço pré-estabelecido.

Vai alugar um carro?
Faça uma cotação aqui e encontre o melhor preço para sua viagem a Ingá.

Quanto custa | O passeio no Rio Sagi custa R$ 20 e dura cerca de 40 minutos. As saídas acontecem na Barraca do Toreba.

Onde comer | Os principais restaurantes de Sagi são Ombaque, Uça e Nativo. Todos ficam pertinho da praia, mas é importante consultar o horário de funcionamento na baixa estação. Um fato importante é que todo o caranguejo que você consumir em Sagi não é daqui. Os nativos não permitem a cata do marisco como forma de preservação. Portanto, o que os restaurantes servem vem de longe.

Onde ficar | Há poucas mas boas opções de hospedagem em Sagi. A pousada mais concorrida é a Sagi Iti, que é construída em uma encosta e tem uma piscina com borda infinita de frente para a praia. Outra opção é a Pousada Sabambugi, toda construída e decorada de forma rústica.

praia-de-sagi-02

A piscina da Pousada Sagi Iti.

praia-de-sagi-07

Quer algo melhor que essa tranquilidade?

Ainda precisa de hospedagem?
Veja outras opções de pousadas em Sagi.

Minha viagem teve o apoio do Hotel Ibis João Pessoa e da Edelman Significa. Veja outras matérias produzidas nessa viagem e utilize a tag #PNEParaíba para acessar todo o conteúdo publicado nas redes sociais.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

3 Comentários

Escreva um comentário