Peru de carro: tudo que você precisa saber para planejar sua viagem

354

Atualizado em 21 de junho de 2022

Há alguns anos, ouvi falar da opção de viajar para o Peru de carro e, durante a minha visita a Rio Branco, aproveitei para verificar informações, preços, e para ouvir as histórias de quem fez esse trajeto pelas belas estradas que nos levam até Cusco, ponto de partida para Machu Picchu.

Eu já falei que o Peru é  um dos países mais fantásticos  e surpreendentes que já conheci.

A cultura e as paisagens que conciliam o deserto, as montanhas e a floresta amazônica fazem desse cantinho da América Latina um empolgante destino, e um dos países mais ricos em biodiversidade de todo o planeta.

O roteiro da viagem

Quem vai nos acompanhar nessa viagem é o servidor público Antonio Oliveira Neto. Ele já fez o percurso entre Rio Branco e Cusco três vezes, e é ele quem vai nos conduzir até o Peru de carro.

Para começar, Antonio apresenta três motivos que vão lhe impulsionar a planejar a sua viagem ao Peru de carro: essa é uma das opções mais baratas para conhecer o país vizinho, a paisagem ao longo do trajeto é fantástica e, somente de carro, você passa pelo Pico Abra Pirhuayani, a 4.725 metros de altitude.

A viagem começa pela rodovia Interoceânica, em Rio Branco, capital do Acre. Também chamada de Estrada do Pacífico, ela nasceu com o objetivo de unir os oceanos Atlântico e Pacífico.

Depois de 40 anos de sonho e planejamento, a rodovia está pronta, mas ainda é muito pouco divulgada e explorada.

A obra custou R$ 2 bilhões, demorou cinco anos e foi conduzida por um consórcio de empresas peruanas e brasileiras que, agora, começam a investir em novos negócios turísticos e comerciais.

CONDIÇÕES DA ESTRADA

O trecho da Interoceânica que fica no território brasileiro começa na BR-364, em Porto Velho, no estado de Rondônia, e é identificado como BR-317. Ela passa por Rio Branco e vai até a fronteira com o Peru e com a Bolívia.

No Peru, a estrada é chamada de Carretera Interoceanica. Aqui, ela se divide em duas: um braço segue pela rodovia PE-030, até Nazca, passando por Cusco, e a outra rota segue em direção ao Sul, se subdividindo em duas, na região próxima ao Lago Titicaca.

Antonio orienta que, para a viagem não ficar muito cansativa, o ideal é fazer o trajeto Rio Branco a Cusco em dois dias, pernoitando em Puerto Maldonado, uma cidade pequena que serve mesmo como um ponto de descanso. Para facilitar a sua vida na hora de escolher um lugar para dormir em Puerto Maldonado, eu fiz uma lista com as melhores opções e hotel da cidade.

“De Rio Branco a Assis Brasil, na fronteira com Iñapari, são aproximadamente 330 quilômetros de estrada asfaltada, porém mal conservada. A partir da fronteira, são 230 quilômetros até Puerto Maldonado e depois, mais 474 quilômetros até Cusco. O trecho peruano está em ótimo estado e é muito bem sinalizado. A conservação só é possível porque existem quatro postos de pedágios nesse percurso. Na semana passada, última vez que fui, o valor cobrado para cada pedágio era de PEN 5,10”, explica.

O viajante ainda alerta para que o condutor tenha atenção no trecho entre Iñapari e Puerto Maldonado, devido ao limite de velocidade ser de 60 km/h. Além disso, segundo ele, existem algumas lombadas ao longo do trajeto e muitos animais cruzam a pista, o que pode causar acidentes.

Uma boa dica é viajar durante o dia.

Cuidados com a saúde

Em Puerto Maldonado, você pode – e deve – comprar o Gravol, o remédio para o mal de altitude, que é vendido normalmente em farmácias. Compre também a folha de coca, que você deve mascar para evitar tontura, mal-estar, falta de ar e sono.

A folha pode ser encontrada no mercado municipal da cidade, mas não abuse da erva, pois ela pode causar taquicardia quando consumida em excesso.

Em boa parte da Interoceânica você será acompanhado por paisagens de tirar o fôlego, como conta o servidor público. Ao longo desse sinuoso trajeto, não deixe de observar alguns marcos que ele considera essenciais, como a Puente Iñambari, que divide a Carretera Interoceanica em duas.

“Atravessando a ponte, na via da direita, você chegará a Urcos e a Cusco. Seguindo reto, você chegará a Juliaca e a Puno, regiões próximas ao Lago Titicaca”, orienta.

Na região do Pico Abra Pirhuayani, como falamos anteriormente, você pode encontrar neve acumulada na pista, depende da época do ano. Já no Pico Abra Cuyni, a 4.185 metros de altitude, a suaúnica preocupação será observar a paisagem exuberante da Cordilheira dos Andes.

Cruzando a Fronteira

Na fronteira, a fiscalização é precária. Brasileiros e peruanos vão e vêm de qualquer maneira, a qualquer hora. Raramente alguém vigia quem entra ou sai. O expediente da Polícia Federal brasileira vai somente até às 20h, mas a fronteira continua aberta a noite inteira.

DOCUMENTOS INDISPENSÁVEIS

Para entrar no Peru de carro, a Constância Consular poderá ser exigida. Este documento é uma autorização para brasileiros trafegarem em território peruano com um veículo cujo documento não esteja em nome do motorista ou de um dos passageiros, ou seja, caso o veículo seja de uma empresa, emprestado, financiado por leasing, de consórcio ou de CDC.

A Constância Consular é expedida pela Embaixada ou pelos Consulados do Peru no Brasil e é exigido no momento de entrada no país. Isso significa que, sem ele, você não cruza a fronteira.

Para solicitar a declaração, você deve apresentar cópias do documento do veículo, dos documentos pessoais do proprietário do carro e de quem será o condutor durante a viagem.

O prazo para emissão da Declaração Consular é de, aproximadamente, dois dias.

Estão aptos para emitir a Constância Consular a Embaixada do Peru em Brasília e os Consulados Gerais do Peru no Brasil localizados em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Branco e Manaus. Também dá para fazer o pedido na fronteira, em Iñapari.

OUTROS DOCUMENTOS

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) permite que brasileiros dirijam no Peru por até seis meses depois da data de entrada no país. Cumprido esse período, você deve trocar a CNH pela carteira de habilitação peruana.

Para circular no Peru de carro, o governo exige a contratação do Seguro Obrigatório Contra Acidentes de Trânsito (SOAT), caso o seu veículo não tenha um seguro internacional com cobertura de danos a terceiros. Para automóveis de passeio, esse seguro custa em torno de USD 8.

Vale lembrar que a CNH não é válida como documento de identificação. Por isso, você precisará da sua carteira de identidade, desde que ela esteja em bom estado e que tenha sido emitida há menos de dez anos, ou do passaporte, com pelo menos seis meses de validade.

Crianças, independente da idade, também devem apresentar a carteira de identidade ou o passaporte. A certidão de nascimento não é válida para cruzar a fronteira. Leia outras informações oficiais sobre documentação no portal do Mercosul.

Outras dicas para viajar ao Peru de carro

CÂMBIO

Nas vezes que foi ao Peru de carro, Antonio achou mais vantajoso trocar o nosso real pelo nuevo sol peruano na fronteira, já na cidade de Iñapari.

É uma transação segura e se você não utilizar todo o dinheiro trocado na ida, os cambistas trocam por reais no retorno. Aqui você vai perder alguns centavos, mas é o melhor negócio encontrado”, conta.

CUIDADOS

Antonio sugere utilizar veículos com motor 1.6 ou superiores, devido aos longos trechos de subida. Além disso, ele lembra que existem trechos sinuosos e que exigem bastante atenção. Entretanto, há relatos de pessoas que fizeram a viagem em veículos 1.0 sem qualquer problema.

COMBUSTÍVEL

O gasto estimado para o trajeto é de dois tanques para a ida e dois para a volta. Em todo o percurso é fácil encontrar postos de combustível.

BÔNUS

Ao viajar pelo Peru de carro você pode visitar o interior do país, e isso lhe dará a chance de vivenciar a realidade de pequenos povoados e explorar algumas das áreas que não foram transformadas pelo turismo.

INFORMAÇÕES BÁSICAS
Visto | Brasileiros não precisam de visto para entrar no país e o prazo máximo de permanência é de 90 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias.
Documentos | Você deve apresentar o passaporte, com seis meses de validade, ou a carteira de identidade, emitida há menos de dez anos.
Dinheiro| A moeda peruana é o nuevo sol, identificado pela sigla PEN e pelo símbolo S/. Para sua viagem, leve dólares e troque nas casas de câmbio.
Vacinas | A vacina contra covid-19 não é obrigatória, mas é necessário apresentar um teste RT-PCR. A vacina contra febre amarela é recomendada para quem for viajar para a região amazônica.

INFORMAÇÕES SOBRE COVID-19

Desde que reabriu suas fronteiras, o Peru adotou várias regras de prevenção e controle dos casos de covid-19. Isso significa que é preciso cumprir alguns requisitos sanitários e legais para entrar no país.

De forma geral, os documentos exigidos para a entrada de brasileiros – além dos já citados acima – são os seguintes:

  1. Comprovante de vacinação contra covid-19 com esquema vacinal completo – a terceira dose é exigida para maiores de 40 anos –, esta regra vale para viajantes maiores de 12 anos;
  2. Resultado negativo de teste RT-PCR feito há, no máximo, 48 horas antes do embarque, exigido apenas de viajantes não vacinados;
  3. Formulário Declaração de Autorização de Saúde e Geolocalização preenchido e enviado eletronicamente até 72 horas antes da partida, exigido de todos os viajante.
  4. Comprovante de hospedagem, que pode ser solicitado para que as autoridades peruanas monitorem seu estado de saúde.

É importante saber que, para viajantes vacinados, a dose final deve ter sido administrada pelo menos 14 dias antes da viagem.

Todos os viajantes – vacinados ou não – podem ser submetidos a verificação de temperatura e a testes aleatórios para detecção de covid-19 na chegada ao Peru. Se o resultado der positivo, será necessário seguir as instruções das autoridades de saúde e pode ser necessário cumprir quarentena de até 14 dias.

No caso de crianças menores de 12 anos, basta que estejam assintomáticas para embarcar, não sendo exigido comprovante de vacinação ou teste RT-PCR.

É obrigatório o uso de máscara dupla – uma máscara cirúrgica e uma máscara de pano ou apenas uma do modelo KN95 – durante os voos e nos aeroportos peruanos.

Em todo o Peru, o estado de emergência continua em vigor. Por isso, o comprovante de vacinação contra covid-19 pode ser exigido para entrar em museus, sítios arqueológicos, shoppings, supermercados, restaurantes e em outros ambientes fechados.

Você pode acompanhar os números oficiais da covid-19 no site do Governo do Peru.

SEGURO VIAGEM

Apesar de não ser obrigatório,  viajar sem o seguro viagem durante a pandemia não é uma boa ideia.  Ainda que você esteja com o esquema vacinal completo, é bom saber que terá atendimento médico e hospitalar na hora que precisar.

Além disso, o preço do seguro viagem é menor do que se costuma pensar e ele também garante que você estará amparado em situações como cancelamento da viagem, extravio de bagagem e muitas outras.

→ Faça uma cotação do seguro viagem

Então, antes de embarcar, compre o seguro viagem, imprima o comprovante e tenho o número de emergência em local de fácil acesso.

Eu sempre uso a plataforma da Seguros Promo para comparar valores antes de fazer a compra. Eles têm um suporte muito eficiente e preços sempre muito bons.

Veja mais dicas do Peru

Ficou mais fácil planejar sua viagem? Se tiver alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários que eu respondo.

Se preferir, pode falar comigo no Instagram: @altiermoulin. Agora, aproveite para ver mais dicas do Peru.