O que fazer em Budapeste: o imperdível da cidade

4

Atualizado em 14 de junho de 2019

Cada vez mais, a gente ouve falar de Budapeste. Na cidade em que Buda e Peste são unidas pelo emblemático Rio Danúbio, gente do mundo inteiro chega aqui. Turistas, como nós, vem para visitar prédios históricos, andar pelos parques e conhecer monumentos. Ah, e também, curtir uma das melhores noites da Europa Central. Nesse ritmo, descobrir o que ver e fazer em Budapeste não é uma tarefa difícil.

Mas se a capital da Hungria ficou fechada para o mundo até poucas décadas atrás, hoje ela se abre para todos. Nos últimos anos, nós, brasileiros temos descoberto como ela é interessante e, principalmente, barata. Fora da zona do euro, Budapeste é um semiparaíso que espera por nós.

→ Veja onde se hospedar em Budapeste

Quando estiver caminhando por Buda, o lado mais calmo da cidade, você se encantará com castelos, imensas igrejas e com o estilo pacato e muito especial de quem vive desse lado do rio. Em Peste, onde as coisas acontecem de fato, a vida é mais moderna e agitada. Mas, isso não significa que você não irá se envolver com os mistérios de seus prédios clássicos. Isso, mesmo sabendo que quase tudo foi reconstruído depois da Segunda Guerra Mundial, quando a cidade foi praticamente destruída.

O que fazer em Budapeste

O estilo dos prédios de Budapeste.

A Hungria foi aliada da Alemanha no início da guerra. O país tinha interesse em obter de volta o território perdido na Primeira Guerra Mundial. Mas, depois de perceber que Hitler estava interessado, apenas, no apoio dos soldados húngaros, o país decidiu desfazer a aliança buscando o apoio da Inglaterra e da União Soviética.

Sem sucesso, a Hungria virou inimiga e foi ocupada, pelos nazistas, em 1944. Depois disso, passou a ser atacada pelos países aliados e milhares de pessoas morreram. Além disso, um grande número de judeus húngaros foram enviados e executados nos campos de concentração, como os de Auschwtiz, na Polônia.

Agora que você está mais familiarizado com a cidade, veja o que você não pode deixar de fazer em Budapeste.

O que fazer em Budapeste

Vista de Peste, o lado mais moderno da cidade.

O que fazer em Budapeste

Praça dos Heróis | A mais importante praça de Budapeste é adornada por um conjunto de esculturas que lembram momentos importantes da história da nação. Porém, mais do que isso, a Praça dos Heróis é uma homenagem aos principais líderes da nação.

Chamado de Memorial do Milênio, o monumento foi construído entre 1896 e 1929, para comemorar o milésimo ano de fundação da Hungria. Para saber mais, leia: Conheça a Praça dos Heróis em Budapeste.

Conheça a Praça dos Heróis

Os cavaleiros, líderes das tribos que deram origem ao país.

Prédio do Parlamento | O belíssimo palácio onde funciona o Parlamento húngaro faz parte do conjunto de prédios considerados Patrimônio Mundial da Humanidade, pela Unesco. Se do lado de fora ele já parece espetacular, na visita guiada você pode conhecer um pouco de seu interior. O passeio dura cerca de uma hora e inclui uma visita aos plenários e a uma coleção com as joias da Coroa Húngara. O passeio está disponível em várias línguas e é gratuito.

O que fazer em Budapeste

A Casa do Parlamento foi construída no estilo gótico.

Castelo de Buda | O Castelo de Buda é, na verdade, um conjunto de prédios que fica na margem ocidental do Rio Danúbio. Aqui, o Palácio Real abriga museus com coleções de arte. Enquanto isso, o Palácio de Sandor permanece como gabinete do presidente da Hungria.

Nessa área, ainda estão a Biblioteca Nacional, a Igreja de São Matias e as muralhas do Szent István szobra. Esta última, é uma fortaleza cheia de detalhes, esculturas e torres no estilo gótico. Daqui, você terá uma visão incrível do Rio Danúbio e de Peste, do outro lado. A visita é gratuita.

O que fazer em Budapeste

A Castelo de Buda.

O que fazer em Budapeste

As muralhas de Santo Estevão.

Parque da Cidade | A maior e mais importante área verde de Budapeste fica no final de uma de suas principais avenidas, a Andrássy. No Napozórét – como é chamado o parque em húngaro –, você vai ver lagos, monumentos, o Castelo Vajdahunyad. Poderá, ainda, visitar o zoológico de Budapeste – um dos mais antigos do mundo – e o jardim botânico.

O que fazer em Budapeste

O Castelo Vajdahunyad.

Ponte das Correntes | A primeira ponte construída para ligar Buda e Peste foi praticamente destruída durante a Segunda Guerra Mundial. Reconstruída no pós-guerra, a Széchenyi Lánchíd – em húngaro – é um dos mais importantes cartões-postais da cidade e não há quem resista uma foto aqui.

O que fazer em Budapeste

Detalhe da Ponte das Correntes.

O que fazer em Budapeste

A ponte foi praticamente destruída durante a guerra. Foto: Kurutz Marton

Colina Gellért | Essa pequena montanha com 130 metros de altura é uma das mais interessantes atrações naturais da capital húngara. Se você se sentir a vontade, dá para subir caminhando pela estrada ou pela escadaria que começa em frente à Ponte das Correntes. No topo, duas atrações são imperdíveis: a famosa Estátua da Liberdade e a cidadela, cercada por uma imensa fortificação.

Piscinas Termais | Nenhum outro lugar do mundo concentra tantas fontes de águas termais como a Hungria. No frio do inverno ou no ameno verão, as piscinas termais são disputadas por turistas e por moradores. Mas o que, talvez, você não pudesse imaginar é que a maioria dos clubes de banho foi instalada pelos turcos – durante o Império Otomano – e permanece ativa depois de mais de 500 anos.

Eu fui na Széchenyi que fica no Parque da Cidade. Construído, em 1913, no estilo neobarroco, o complexo é belíssimo e eu recomendo que você tire algumas horas de seu dia para relaxar aqui.  No Széchenyi há três piscinas principais onde homens e mulheres nadam juntos, mas eu ouvi falar que em algumas casas de banho há separação por sexo. A segregação parece óbvia: nesses lugares é permitido nadar pelado.

O banho nas piscinas termais custa, em média, HUF 5.200.

O que fazer em Budapeste

Muitas casas de banho foram construídas há séculos.

Ilha Margarete | Essa ilha fica no meio do Rio Danúbio e, você pode visita-la quando fizer o passeio de barco pelo rio ou, de ônibus, atravessando a Ponte Margarete – Margit Híd, em húngaro. A ilha é, na verdade, um grande parque com fontes, quadras de esportes, trilhas, ciclovias, ruínas que datam da Idade Média e algumas casas de banho termais, como a Palatinus.

O que fazer em Budapeste

O ambiente da Ilha Margarete.

Monumento dos sapatos | Esse triste memorial lembra os judeus húngaros que foram executados e lançados no Rio Danúbio durante a Segunda Guerra Mundial. Esse é um lugar triste onde você sentirá um pouco do que foi o período mais terrível da humanidade.

O que fazer em Budapeste

O monumento que lembra as vítimas de Holocausto.

O que fazer em Budapeste

Antes da Segunda Guerra, cerca de 850 mil judeus viviam na Hungria.

Casa do Terror | Nessa casa funcionou uma prisão onde também eram torturados os inimigos do regime nazista e, mais tarde, do comunismo. Mas, apesar de ter um bom acervo, o museu é mal sinalizado: a maioria das placas está em húngaro e alguns vídeos têm legenda em inglês. De qualquer forma, uma visita à Casa do Terror é válida, mas vá com tempo para explorar todos os andares do prédio que fica na Avenida Andrássy, e isso inclui as celas e as salas de tortura do sótão. A entrada custa HUF 2.000.

O que fazer em Budapeste

Uma das salas da Casa do Terror.

O que fazer em Budapeste

Ex-prisioneiros têm suas fotos estampadas na fachada do prédio.

Hospital Subterrâneo | Esse antigo hospital, construído no subterrâneo de uma colina, funcionou durante a Segunda Guerra Mundial. Esteve em funcionamento também, durante a Guerra pela Independência, que foi travada contra a antiga União Soviética, em 1956.

Naquela época, o hospital que tinha sido planejado para atender 60 pessoas chegou a abrigar 600. Transformado em museu, hoje o Sziklakórház Múzeum – em húngaro – pode ser visitado por turistas. É possível caminhar pelos corredores gelados do hospital, que alcançam até 80 metros de profundidade. Aqui, são mantidos objetos, máquinas e bonecos de cera que representam pacientes e médicos. Para visitar o Hospital Subterrâneo é preciso pagar HUF 4.000.

O que fazer em Budapeste

Entrada do hospital subterrâneo que funcionou durante a guerra.

O que fazer em Budapeste

Alguns dos objetos da época.

Noite de Budapeste | Budapeste é famosa por ter uma das melhores noites do centro-leste europeu. Aqui, os famosos pubs de ruínas lotam em qualquer estação. Mas, é no verão que turistas do mundo inteiro se unem aos húngaros para fazer a cidade ferver.

Além das baladas cheias de gente bonita, as bebidas exóticas e baratas de Budapeste fazem desse lugar o mais divertido que já conheci. Eu explico tudo em: Para curtir a noite de Budapeste.

Para curtir a noite de Budapeste

O ambiente descolado dos pubs de ruína.

Planeje sua viagem a Budapeste

Quando ir | Budapeste tem um verão quente e um inverno muito rigoroso. Nos meses de julho e agosto, quando o clima fica mais quente, a temperatura pode chegar a 30 graus. Em contrapartida, no inverno, especialmente em janeiro, os termômetros caem para abaixo de zero. Nessa época, é muito comum nevar.

De forma geral, não chove muito na cidade, mas os meses com mais incidência de chuva vão de maio a agosto. Curiosamente, julho e agosto são os meses com maior quantidade de dias ensolarados.

Quem leva | Há vários passeios que incluem esses e outros lugares na cidade de Budapeste. Veja as opções e faça sua reserva.

Como chegar | O aeroporto que atende Budapeste é o Aeroporto Ferenc Liszt (BUD) e ele tem voos partindo e chegando das principais cidades europeias, além do norte de África, do Oriente Médio e da China. Não há voos diretos do Brasil.

De ônibus, dá pra chegar a Budapeste partindo de várias cidades. Uma boa opção é a Regio Jet, empresa tcheca que tem linhas espalhadas por, praticamente, toda a Europa. Com preços altamente competitivos e um agradável atendimento, a companhia – que também é conhecida como Student Agency – é uma das preferidas dos húngaros.

Todas as rotas têm um serviço de bordo com sistema de entretenimento e máquina de café, cappuccino e chocolate quente. Você pode se servir a vontade. Lanches rápidos podem ser comprados com a atendente que acompanha toda a viagem. Além disso, todos os ônibus têm dois andares e são muito bem equipados. Eles têm ar-condicionado, aquecedor, banheiro, tomadas de energia e telas individuais que funcionam com o toque do seu dedo.

Outra opção é viajar de trem. Você pode consultar as tarifas no site da Máv-Start. Partindo de Viena, na Áustria, por exemplo, a viagem dura cerca de três horas.

Onde ficar | Budapeste é a junção de duas cidades – Buda e Peste – unidas pelo Rio Danúbio. De certa forma, podemos dizer que Buda concentra mais atrações históricas, como castelos, igrejas e museus. Aqui, os bairros residenciais são calmos e pouco movimentados durante a noite.

Do outro lado do rio, Peste é vibrante, jovem e cheia de boas opções durante o dia e, principalmente, à noite. Cheio de prédios belíssimos, praças, parques e avenidas largas, esse canto da cidade é ideal para você se hospedar. Nos arredores do antigo quarteirão judeu, há lugares fantásticos como o Gozsdu Udvar, que é muito famoso entre os moradores da cidade. Aqui há uma concentração de bares, pubs e restaurantes. Veja as melhores opções de hospedagem em Budapeste.

Eu aluguei um apartamento exatamente aqui e foi sensacional. O All-4 U Apartments é espaçoso, todo mobiliado e tem uma ótima relação custo benefício. Mas, lembre-se que, como a cidade é muito concorrida, é melhor fazer a reserva com antecedência.

No centro de Peste, há várias outras opções de hotéis e hostels. O grande barato de ficar aqui é que dá para fazer muita coisa a pé. Budapeste é linda e vale a pena andar pelas ruas para descobrir seus encantos. Além disso, essa região tem mais opções de transporte público.

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias. Mas, é preciso apresentar o passaporte, com validade de, pelo menos, seis meses e o seguro viagem. Sem ele, você pode ser impedido de entrar no país.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

4 Comentários

    • Altier Moulin

      Oi Amanda,

      Você consegue aproveitar a cidade em quatro dias. Uma preciosa dica: vá num fim de semana para curtir a noite da cidade. É imperdível.

      Um abraço.

  1. Avatar
    Débora Blumtritt on

    Altier, parabéns pelo blog !
    Estou pretendendo ir para Budapeste em dezembro, e estava em dúvida de quantos dias ficar, e vc me ajudou muito.
    Obrigada !
    Débora Blumtritt

Escreva um comentário