Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

0

Atualizado em 21 de março de 2018

Jerusalém, uma das mais icônicas cidades do mundo, tem beleza e arquitetura singulares. Rica em história e cheia de lugares memoráveis, aqui, é impossível não visitar o Muro das Lamentações. Este é um dos locais mais tocantes da parte antiga.

Quando estamos subindo a serra de Israel, Jerusalém se destaca por causa do revestimento de suas construções. A cor amarelada da pedra de Beer’Sheva – Bersebá, em português – domina o cenário. Isso porque, até 1870, uma lei do antigo Império Otomano determinava que todas as construções fossem revestidas com esse material. Embora a lei tenha passado, o costume permanece.

Essa tradição fica mais evidente na cidade velha. Esta é a porção de Jerusalém cercada pelos muros construídos para proteger a cidade.

Mas, o que faz Jerusalém ser tão cobiçada? Aqui, eu ainda busco as respostas. Porém, já sei que além do fato de várias religiões santificarem este lugar, Jerusalém tem uma aura especial, indescritível, e isso a faz ser tão particular.

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

A cor amarelada das construções de Jerusalém.

Jerusalém Velha

A construção de Jerusalém tem data incerta, mas estudiosos acreditam que isso aconteceu por volta do ano 5.000 a.C.. Aqui, como conta o texto sagrado, Abraão, patriarca das religiões abraâmicas, teria se encontrado com Melquisedeque, rei de Salém.

Solene, silenciosa e cheia de histórias em suas estreitas ruas, Jerusalém Velha tem quatro grandes bairros. Um, é o armênio, por causa da quantidade de russos que veio para cá no pós-guerra. Outro, é o cristão, nos arredores do Sinédrio, onde Jesus Cristo foi condenado à crucificação. O terceiro bairro é o árabe, já que Jerusalém também é especial para os muçulmanos, que se concentram nos arredores da Esplanada das Mesquitas, onde fica o Domo da Rocha. E, por fim, o bairro judeu.

Uma coisa muito interessante de Jerusalém Velha é o silêncio. Andando por suas ruas estreitas, você vai perceber que elas são cheias de solenidade. Quase não se vê carros dentro da cidade velha. Ainda assim, quando vemos, é na parte de saída dos limites dos muros.

Muro das Lamentações

Na cidade velha, um dos destaques é o Qotel, mais conhecido como Muro das Lamentações. Ele não é o que restou do templo, como alguns pensam, mas parte da muralha que servia de apoio para o platô construído pelo rei Herodes ao redor do Monte do Templo.

Este monte também é conhecido como Monte Moriá, onde Abraão levou seu filho, Isaque, para ser sacrificado e teve a provisão de Deus. Era aqui, no alto deste morro, que ficava o imponente Templo de Jerusalém. No ano 70 d.C., o grande templo foi destruído pelos romanos, restando apenas esta que é a parte mais simbólica para o Judaísmo.

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

O Muro das Lamentações é um tradicional lugar de oração para os judeus. Foto: Samy Kauffmann

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

O Muro visto do alto. Foto: Samy Kauffmann

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

De perto, a atmosfera é realmente especial.

Esse lugar exala algo que não há como descrever. É uma sensação única. Quando desci ao pátio do muro, fui invadido por uma emoção singular, pois essa é uma construção milenar muito representativa para tantos religiosos.

Ao visitar o Muro das Lamentações, claro que não deixei de fazer minhas orações encostando as mãos nessas paredes tão surradas.

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

É preciso passar por detectores de metal antes de chegar aqui.

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

Eu também fiz minhas orações.

Como se vestir

Como este é um lugar sagrado, lembre-se que tudo é muito solene e que você deve se vestir e se comportar com muito respeito ao visitar o Muro das Lamentações.

Mulheres devem ter os ombros e os joelhos cobertos, além de não ter a barriga à mostra. Homens devem usar chapéu, boné ou o quipá, um tipo de touca usado pelos judeus para cobrir o topo da cabeça como símbolo de temor a Deus.

Não é necessário ter medo, porque aqui tudo é muito vigiado e protegido. Aliás, Israel, de maneira geral, é muito seguro, ao contrário do que a gente pensa quando está do outro lado do mundo.

Jerusalém: como é visitar o Muro das Lamentações

Homens precisam cobrir a cabeça ao visitar o Muro das Lamentações. Foto: Samy Kauffmann

Programe-se para visitar o Muro das Lamentações

Quanto custa | A visita ao Muro das Lamentações é gratuita.

Quando ir | Você pode visitar o Muro das Lamentações 24 horas por dia, todos os dias do ano.

Quem leva | Fazer um passeio guiado por Jerusalém pode ser muito interessante, principalmente se você deseja saber mais sobre a história de cada lugar. Para consultar os preços e fazer sua reserva, você pode acessar o site da Viator.

Como chegar | O Muro das Lamentações fica no bairro judeu, dentro da cidade velha de Jerusalém. Como esta parte da cidade tem várias vielas, o mais adequado é o acesso pela Rua Batei Mahase. Para chegar ao Muro das Lamentações, é preciso passar por vários detectores de metal. Por isso, eu aconselho que você não leve muita coisa além de seus itens pessoais indispensáveis.

Onde ficar | Jerusalém é uma das cidades mais visitadas do mundo e isso garante que você tem variadas opções para se hospedar por aqui, mas a localização deve ser um critério importante na hora de escolher seu hotel. É que a cidade é divida em bairros judeus e árabes, e de uma forma geral, as áreas ocupadas por judeus são mais seguras, com mais policiamento.

Os preços geralmente são mais altos do que gostaríamos, e a qualidade nem sempre é correspondente. Como as atividades mais procuradas estão dentro das muralhas da Cidade Velha, e como não dá para circular de carro por aqui, a melhor opção é ficar perto dela, só que é justamente aqui que ficam os hotéis mais caros. Dentro da cidade murada, há bem poucas opções de hospedagem.

A parte nova de Jerusalém, no lado ocidental, tem ótimas opções de hospedagem com redes famosas e hotéis de alto padrão. Essa região pode ser bastante interessante se você vem à cidade com tempo e quer desfrutar tudo com calma.

Vejas as melhore opções para onde se hospedar em Jerusalém.

Visto e documentos | Brasileiros precisam de visto para entrar em Israel, mas fique tranquilo porque o processo é feito no aeroporto, no momento de sua chegada ao país. Você só precisa apresentar um passaporte com pelo menos seis meses de validade e fornecer informações sobre sua hospedagem e o que pretende fazer no país, por exemplo.

O visto é válido por até três meses, mas sua permanência no país será definida pelas autoridades de imigração. Para saber mais sobre o visto, acesse o site da Embaixada de Israel no Brasil.

SOBRE O AUTOR

Estevão Pires

Futuro economista que gosta de uma boa experiência gastronômica e de desbravar o desconhecido, sempre quero ultrapassar meus limites. Meu maior sonho é conhecer novos lugares e, se for acompanhado de um bom azeite e uma boa comida, melhor ainda.

Escreva um comentário