Como viajar de trem bala na China

2

Atualizado em 13 de julho de 2018

Quando resolvi conhecer a China, comecei a planejar meu roteiro lendo muitas dicas em blogs na internet. Minha viagem teria início em Hong Kong. Dali, entraria na parte continental pela cidade vizinha, Shenzhen, e, logo depois, partiria para conhecer Pequim. Esse era o meu plano: viajar de trem bala na China, cruzando o país de sul a norte por terra.

Mas, logo, comecei a ler algumas coisas assustadoras, do tipo: estrangeiros não podem comprar passagens de trem ou avião. Eu fiquei apavorada. Afinal, como iria de uma cidade para outra? Como iria comprar a passagem?

Reserve já o seu hotel em Pequim e garanta os melhores preços.

Mais tarde, descobri que as coisas não são bem assim, mas, como marinheira de primeira viagem, precisei passar por algumas situações para entender isso melhor. Para lhe ajudar a planejar sua viagem de trem bala na China, vou contar como foi essa experiência.

Como viajar de trem bala na China

O moderno trem bala da China.

Comprar a passagem

Na época, eu só encontrei apenas um site que vendia passagens para estrangeiros três dias antes da viagem, e, mesmo assim, se tivesse lugar sobrando, pois, para os chineses, as passagens ficavam disponíveis bem antes. Só que, como tenho amigos brasileiros morando na China, um deles pediu para um conhecido chinês comprar minha passagem.

Hoje, depois de três viagens à China, aprendi que eles vendem, sim, passagens para qualquer pessoa, tanto de avião, quanto de trem, e que, nos próprios sites das companhias aéreas, é possível comprar os bilhetes. Também descobri um aplicativo, o Trip – que antes se chamava Ctrip -, no qual é possível reservar hotéis e comprar passagens de trem e avião. Agora só uso este.

Voltando à história: com a passagem comprada pela internet – aqui tudo se compra por aplicativos no celular – as coisas pareciam certas. Que nada! A empresa só entregaria a passagem a mim, pessoalmente.

Como viajar de trem bala na China

As filas eram enormes na estação de Shenzhen.

Então lá fui eu, sozinha, porque o tal chinês não poderia me acompanhar naquele momento.  Essa foi a minha primeira experiência de falar com alguém que só sabia se comunicar em chinês.

Parti, então, para uma das estações de trem gigantes da cidade de Shenzhen. Chegando lá, me deparei com filas enormes para compra e troca de passagem. Depois de perguntar para algumas pessoas, descobri qual a fila correta e fiquei cerca de meia-hora esperando. Aliás, na China você tem que se acostumar com muita gente e muitas filas.

Finalmente, chegou a minha vez de ser atendida, só que eles só falavam chinês. Depois de muita mímica e do auxílio de um aplicativo chinês de tradução, consegui a tal passagem, mas tive que pagar um valor a mais, que até hoje não sei por quê.

Como viajar de trem bala na China

O tão desejado bilhete que me levou para Pequim.

Embarcando no trem

No dia seguinte, voltei à estação Shenzhen North para começar minha viagem de trem bala na China. Como era início de outubro, um dos maiores feriados chineses, estava muito cheia, com filas para todo lado.

Os chineses são muito rígidos com a segurança. Então, para entrar na estação, todo mundo tinha que passar pelo Raio-X, parecido com aqueles de aeroporto. Ou seja, mais filas, mais tempo de espera.

A estação era bem sinalizada e as placas com os horários e indicação das plataformas de partida estavam em inglês e chinês, o que facilitou bastante.

Apesar de muitas filas, é costume não respeitá-las. Eles passam na frente uns dos outros mesmo, sem vergonha, e a gente acaba se acostumando com isso e fazendo o mesmo. Apesar disso, os lugares no trem são marcados e isso todo mundo respeita.

Eu viajei na classe econômica, mas o trem bala também tem classe executiva e primeira classe, que são bem mais caras. A viagem durou cerca de dez horas, e eu escolhi ir durante o dia, justamente, para poder ver a paisagem, afinal, a China é um país enorme e eu cruzei seu território de sul a norte.

Quanto mais ao centro do país, mais rural são as localidades. Por muitos quilômetros, só se viam plantações e pequenos vilarejos. Mas, à medida em que nos aproximávamos de Pequim, grandes edifícios tomavam conta da paisagem.

A velocidade do trem bala na China é incrível e chega a mais de 300 km/h em alguns trechos. Como falei, a viagem durou dez horas, com paradas em várias cidades. É, sim, cansativa, mas muito enriquecedora.

Como viajar de trem bala na China

A velocidade supera os 300 quilômetros por hora.

Comida a bordo

O trem possui um restaurante e também há vendedores de comida que passam pelos vagões o tempo todo. Porém, essas comidas são bem caras. Comprei um pacotinho de bolacha por CNY 40, cerca de R$ 20.

Além disso, há, em quase todos os vagões, água quente: é costume chinês beber água quente o tempo todo, tanto pura, quanto com algum chá. Eles também usam essa água para fazer macarrão instantâneo – os chamados noodles.

Na ida, eu não sabia o que iria encontrar de comida a bordo, então, levei sanduíche, bolo, água e refrigerante: uma farofada total. Os chineses também fazem piquenique no trem, só que eles comem frutas, nozes e semente de girassol. Bem mais saudáveis do que eu.

Na volta, a fome apertou e arrisquei a comer a comida do trem mesmo. Provei um frango apimentado que estava muito bom e sorvete Häagen-Dazs – bem chique e nada chinês -, e ainda aproveitei a água quente pra fazer café.

Um momento de tensão foi quando estava chegando perto de Pequim e descobri que há mais de uma estação de trem na cidade. Na verdade, são quatro. Foi, então, que decidi pedir ajuda às moças do restaurante.

Como viajar de trem bala na China

Criei coragem e experimentei a comida chinesa do trem.

Muito queridas, elas tentaram me ajudar de todas as maneiras, mas não falavam nenhuma palavra em inglês e também não entendiam o que mostrava no Google Maps. Devido aos bloqueios na internet – como já mostramos em: Aprenda a usar a internet na China – eles não usam os mesmos aplicativos que estamos acostumados.

Mais uma vez, depois de muita mímica, acabei descobrindo que a estação que iria descer – Beijingxi/Beijing Western Station – era, relativamente, perto do meu hotel.

Na volta, mais filas me aguardavam na estação de Pequim, mas agora já estava mais que acostumada. Então, era só aproveitar a viagem, as paisagens e tentar achar alguém no trem que falasse inglês.

Planeje sua viagem de trem bala na China

Quanto custa | Há vários trechos para você viajar de trem bala na China. Eu fiz a viagem de Shenzhen a Pequim. São dez horas dentro do trem e a passagem custa entre CNY 950 e CNY 3.000.

Onde comprar | Hoje, há vários sites que vendem passagens de trem para estrangeiros. Para comprar, você vai precisar de um cartão de crédito internacional. O site que eu uso é o Ctrip. O China Train Booking é um aplicativo muito bom para consultar rotas e preços e para comprar passagens.

O site oficial de venda de passagens de trem bala na China é o www.12306.cn, mas o problema é que ele está todo em chinês e, por isso, você deve buscar uma das opções para estrangeiros, como mostrei acima.

Uma dica importante, é que nos sites os tipos de trens aparecem por códigos. Os trens de alta velocidade são os que aparecem com a letra G na frente do código, enquanto que os com as letras K, Z e T são trens lentos.

O que levar | Se você tem problema com a comida chinesa, eu aconselho levar lanches rápidos para comer na viagem. O trem tem um vagão restaurante, mas só há opções de comidas locais. Como a viagem é longa, leve algo para lhe entreter como um livro ou filmes no computador.

Estação correta | É importante planejar seu roteiro pensando na estação que irá chegar. Partindo de Shenzhen, o trem bala chega à estação Beijing Western, mas isso pode variar dependendo de sua origem.

Veja todos os posts da China

SOBRE O AUTOR

Ana Giulian

Servidora federal e fotógrafa nas horas vagas, sempre gostei de conhecer lugares e culturas diferentes. Comecei a desbravar o mundo pela Itália e, depois, fui parar na China. Os próximos destinos são desconhecidos, mas a meta é desbravar os cinco continentes.

2 Comentários

Escreva um comentário