Aventuras radicais no Morro do Moreno, em Vitória

0

Atualizado em 20 de fevereiro de 2018

O cenário que o mar desenha na entrada da Baía de Vitória tem um personagem grandioso: o Morro do Moreno. Ele nem sempre atrai os primeiros olhares. Afinal de contas, dividir a atenção de quem chega até aqui com o Morro do Convento e com a Terceira Ponte, a quinta maior do Brasil com um vão central de 70 metros de altura, não é nada fácil. Entretanto, aqueles que escolhem se aventurar por suas trilhas e encostas vão desfrutar de uma visão única com os seus dois concorrentes vistos do alto.

Esse monte rochoso tem 274 metros de altura e ganhou esse nome devido a João Moreno. João foi um colono que desembarcou em terras capixabas no navio de Vasco Fernandes Coutinho. Ele era o responsável por, do alto do morro, vigiar a entrada da baía.

Atualmente, o que atrai os visitantes até o seu topo não tem nada a ver com questões protecionistas. Os deveres de antigamente foram substituídos pelo prazer de assistir, daqui, o pôr-do-sol em um fim de tarde ensolarado, por exemplo.

Morro do Moreno

O Morro do Moreno visto a partir do Morro do Convento. Foto: Gabriel Scapin

Morro do Moreno

A Terceira Ponte a Grande Vitória a partir do Morro do Moreno.

Mas isso não é tudo. Atividades mais radicais como o rapel e o parapente estão na lista das opções que atraem aventureiros frequentes para cá.  Uma leve caminhada de 30 minutos nos conduz  até o local conhecido como Testa da Macaca Este é um dos locais de onde é feita a descida de frente para a Terceira Ponte e para o Convento da Penha. Outra opção é descer apreciando a bela Praia da Costa.

Essa descida de rapel tem cerca de 50 metros e parte dela é aérea. Isso quer dizer que o praticante se descola do paredão de rocha ficando totalmente pendurado na corda. Além disso, ele proporciona uma espetacular vista da Grande Vitória, que alcança até o Mestre Álvaro, na Serra. Essa é uma aventura ideal para iniciantes.

Duas modalidades de rapel estão disponíveis no Morro do Moreno. A primeira é a descida guiada, que utiliza o sistema de segurança redundante. Neste o instrutor está ligado ao praticante por uma corda de segurança e o acompanha durante todo o tempo, ensinando as técnicas e as medidas de segurança necessárias. A segunda é a descida livre. Nessa opção o aventureiro pode desenvolver a sua autoconfiança seguindo as orientações técnicas passadas pelo instrutor antes do início da descida. Você descerá sozinho pelas cordas, mas terá apoio de estrutures em solo.

Morro do Moreno

Rampa natural de parapente no Morro do Moreno. Foto: For4saken

Morro do Moreno

Rapel guiado com o Convento e a Terceira Ponte ao fundo. Foto: Leandro Novaes

Morro do Moreno

Rapel livre: liberdade e autoconfiança. Foto: Arquivo Planeta Vertical

Como chegar ao Morro do Moreno

O acesso ao Morro do Moreno é feito pela Avenida Antônio Gil Veloso entrando na Rua João Joaquim da Mota, no final da Praia da Costa, em Vila Velha.  O trecho de subida pode ser feito em veículos 4×4, de bicicleta ou a pé pelas trilhas.

Durante o réveillon, muitas pessoas sobem o morro para ver a queima de fogos que acontece na orla das praias de Vila Velha.

Quem te leva

A Outside é a única empresa capixaba especializada em turismo de aventura e ecoturismo que tem instrutores treinados em montanhismo pelo Grupamento de Resgate em Locais Perigosos (GRELP) e pelos Comandos Anfíbios da Marinha do Brasil (COMANF). Além disso, a parte de trilha da subida é acompanhada por um biólogo que orienta sobre os procedimentos de caminhada na trilha criando mais chances de encontrar animais, como saguis e pássaros.

A Planeta Vertical é certificada pelo Inmetro, especializada em montanhismo e tem programas ideais para quem busca atividades de aventura com segurança e orientação profissional em montanhas, cachoeiras e trilhas.

O rapel no Morro do Moreno custa R$ 40, é destinado a maiores de 18 anos – menores devem estar acompanhados por um responsável -, e está disponível para grupos de 10 a 20 pessoas, portanto faça o agendamento com antecedência.

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

Escreva um comentário