Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

2

Atualizado em 7 de agosto de 2017

Apesar de não ter águas azuis como diz a famosa valsa de Johann Strauss, o passeio pelo Rio Danúbio é um clássico que você não pode deixar de fazer quando estiver em Budapeste. O rio que une Buda e Peste, para formar a capital da Hungria, é emblemático e, aqui, você vai entender porque todo mundo que vem à cidade fica encantado por ele.

Esse rio é o segundo mais longo da Europa – perdendo apenas para o rio Velga, que fica na Rússia -, e serve como fronteira natural para dez países. Muito importante para a vida comercial dessa parte do continente, o Danúbio tem, ainda, uma gigantesca relevância histórica, já que seu curso sempre serviu de rota natural para os povos que habitaram a região central da Europa. Por isso tudo, a Unesco incluiu, em 1987, o rio Danúbio na lista de Patrimônio Mundial da Humanidade.

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre esse famoso presente da natureza, é hora de planejar seu passeio pelo rio Danúbio.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

A belíssima Ponte das Correntes une Buda e Peste,

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

Um das embarcações que faz o passeio no rio Danúbio.

Passeio pelo Rio Danúbio

Há várias empresas que oferecem o passeio pelo Danúbio e não vai ser difícil encontrá-las: na margem do rio, no lado de Peste, as embarcações ficam paradas esperando os turistas aparecerem. Tudo é muito organizado: há placas indicando os horários, as regras de segurança e você pode, então, escolher a que melhor se encaixar no seu gosto.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

É fácil encontrar empresas que fazem esse passeio na margem de Peste.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

O castelo de Buda fica na margem do rio.

O roteiro é, quase sempre, o mesmo: o barco vai flutuando devagar pela correnteza do rio, enquanto apreciamos as sensacionais construções da cidade, como os prédios do complexo do Castelo de Buda, e o Parlamento, no lado de Peste.

Sem falar, é claro da Ponte das Correntes – Széchenyi Lánchíd, em húngaro – a mais emblemática da cidade, que foi inaugurada em 1849 e reconstruída depois de ter sido devastada durante a Segunda Guerra Mundial. Além dela, você verá outras duas pontes: a Margarida e a Elizabete.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

O sensacional prédio do Parlamento húngaro.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

Detalhes do estilo gótico do prédio.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

A ponte Elizabete.

Ilha Margarida

O catamarã faz uma parada na Ilha Margarida – Margit-Sziget, em húngaro – que é cheia de parques, com boas opções para você passar o tempo, fazer caminhadas, andar de bicicleta e mergulhar nas águas temais do Palatinus Bath.

Aqui, eu gastei alguns minutos observando a fonte de águas que se movimenta de acordo com a música tocada. Esse som enche o ambiente e nos traz uma tranquilidade muito agradável. Sentado sobre o banco de madeira, percebo turistas e moradores desfrutando deste momento e me acalmo.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

A fonte que nos acalma na Ilha Margarida.

Geralmente essa parada tem horário marcado, e você terá que voltar ao píer para tomar o barco novamente e regressar ao ponto de partida. Mas, se você preferir desfrutar mais da Ilha Margarida – como eu acho que deve fazer –, uma opção é voltar de ônibus ou de Uber. Isso é possível porque a ilha está ligada aos dois lados de Budapeste pela Ponte Margarida – Margati Híd, em húngaro.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

A Ponte Margarita une a ilha às duas margens do Rio.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

Detalhe da Ponte Margarida.

Programe o seu passeio pelo rio Danúbio

Quanto custa | Há vários preços e opções para este passeio. Eu comprei uma passagem no Big Bus, o ônibus panorâmico que percorre vários pontos turísticos da cidade, e ela incluía o passeio pelo rio Danúbio. O tíquete, que dá direito a um dia de viagem, duas excursões a pé e o passeio no rio, custa cerca de USD 30. Se quiser, você pode comprar no site da Viator.

Quando ir | Budapeste tem um verão quente e um inverno muito rigoroso. Nos meses de julho e agosto, quando o clima fica mais quente, a temperatura pode chegar a 30 graus. Em contrapartida, no inverno, especialmente em janeiro, os termômetros caem para abaixo de zero. Nessa época, é muito comum nevar.

De forma geral, não chove muito na cidade, mas os meses com mais incidência de chuva vão de maio a agosto. Curiosamente, julho e agosto são os meses com maior quantidade de dias ensolarados.

Quem leva | Há várias empresas que oferecem passeios pelo Rio Danúbio. Na margem do Rio, no lado de Peste, várias embarcações ficam paradas esperando os turistas chegarem. Há opções que incluem jantar e passeio de bicicleta pela Ilha Margarida. Se preferir, você pode consultar os preços e fazer sua reserva com antecedência.

Como chegar | Para chegar até o píer de onde partem as embarcações, você pode descer na estação Vörösmarty do metrô e caminhar até à margem do rio. Nesta região, será fácil identificar as empresas que fazem o passeio.

O aeroporto que atende Budapeste é o Aeroporto Ferenc Liszt (BUD) e ele tem voos partindo e chegando das principais cidades europeias, além do norte de África, do Oriente Médio e da China. Não há voos diretos do Brasil.

De ônibus, dá pra chegar a Budapeste partindo de várias cidades. Uma boa opção é a Regio Jet, empresa tcheca que tem linhas espalhadas por, praticamente, toda a Europa. Com preços altamente competitivos e um agradável atendimento, a companhia – que também é conhecida como Student Agency – é uma das preferidas dos húngaros.

Todas as rotas têm um serviço de bordo com sistema de entretenimento e máquina de café, cappuccino e chocolate quente para você se servir a vontade. Lanches rápidos podem ser comprados com a atendente que acompanha toda a viagem. Além disso, todos os ônibus têm dois andares e são equipados com ar-condicionado, aquecedor, banheiro, tomadas de energia e telas individuais que funcionam com o toque do seu dedo.

Outra opção é viajar de trem, e você pode consultar as tarifas no site da Máv-Start. Partindo de Viena, na Áustria, por exemplo, a viagem dura cerca de três horas.

Budapeste: o clássico passeio pelo Rio Danúbio

O clássico passeio pelo Rio Danúbio.

Onde ficar | Budapeste é a junção de duas cidades – Buda e Peste – unidas pelo Rio Danúbio. De certa forma, podemos dizer que Buda concentra mais atrações históricas, como castelos, igrejas e museus. Aqui, os bairros residenciais são calmos e pouco movimentados durante a noite.

Do outro lado do rio, Peste é vibrante, jovem e cheia de boas opções durante o dia e, principalmente, à noite. Cheio de prédios belíssimos, praças, parques e avenidas largas, esse canto da cidade é ideal para você se hospedar. Nos arredores do antigo quarteirão judeu, há lugares fantásticos como o Gozsdu Udvar, que é muito famoso entre os moradores da cidade, e concentra bares, pubs e restaurantes. Veja as melhores opções de hospedagem em Budapeste.

Antes de decidir, leia: Onde se hospedar em Budapeste.

Eu aluguei um apartamento exatamente aqui e foi sensacional. O All-4 U Apartments é espaçoso, todo mobiliado e tem uma ótima relação custo benefício. Mas lembre-se que, como a cidade é muito concorrida, é melhor fazer a reserva com antecedência.

No centro de Peste, há várias outras opções de hotéis e hostels, e o grande barato de ficar aqui é que dá para fazer muita coisa a pé – Budapeste é linda e vale a pena andar pelas ruas para descobrir seus encantos -, além disso, essa região tem mais opções de transporte público.

Visto e documentos | Brasileiros não precisam de visto para entrar e permanecer no país por até 90 dias, mas é preciso apresentar o passaporte, com validade de pelo menos seis meses e o seguro viagem. Sem ele, você pode ser impedido de entrar no país.

CONPARTILHE COM SEUS AMIGOS

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

2 Comentários

Escreva um comentário

Inline
Inline