Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

4

Atualizado em 19 de setembro de 2017

Quando as águas do Rio Tocantins foram represadas para fazer girar as turbinas da hidrelétrica Luiz Eduardo Magalhães, um imenso lago inundou boa parte de Palmas. Artificialmente construída, a Ilha do Canela marca o local onde ficava o distrito de quem herdou o nome.

Nessa época, seu Dermeval, piloto do barquinho que me leva até o meio do lago, estava longe. Nascido em uma cidade perto da capital, ele havia deixado o Tocantins na década de 1980, quando essa terra ainda era parte de Goiás.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

O imenso lago que se formou no Rio Tocantins.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

Seu Dermeval, o guia do barquinho que me leva à Ilha do Canela.

Diariamente, muita gente deixa o porto da Praia da Graciosa em direção à Ilha do Canela. A viagem é rápida, dura cerca de dez minutos, e o desembarque é feito na areia da praia, com vista da capital tocantinense no horizonte.

Só que quem olha as águas calmas do lago não imagina seus perigos. Sentado na margem do Rio Tocantins, seu Dermeval explica que, quando o vento bate mais forte formando os banzeiros, é melhor não arriscar.

Há um ano morando na Ilha do Canela, ele conta que já viu muita embarcação sendo virada por perigosas ondas e confessa que nem entra na água em dias de ventania.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

A vista de Palmas no horizonte.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

Quem vê o lago assim, tão calmo, não imagina que ele pode ser muito perigoso.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

A paisagem gostosa desta ilha artificial.

Se você chegou aqui são e salvo, aproveite para dar uma volta na ilha. Abuse das praias de areia amarela, caminhe pelo deque de madeira e se permita mergulhar nesta água agradável.

Há muitas barracas que servem petiscos e bebidas da forma mais refrescante que você pode imaginar: as mesas e as cadeiras ficam na beira do lago, opção ideal para se refrescar no calor de Palmas.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

As barracas mais refrescantes de Palmas.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

Não resista a um banho.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

A água é agradável e limpinha.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

Uma das praias de areia amarela.

Planeje sua visita à Ilha do Canela

Quanto custa | O transporte nas embarcações custa R$ 25, ida e volta, por pessoa. Você pode pagar em dinheiro ou em cartão de crédito e débito.

Quando ir | Dá para visitar a Ilha do Canela todos os dias. De segunda a sexta, a última embarcação sai da ilha às 16h. Nos finais de semana, o último barco volta para Palmas às 18h.

Como chegar | As embarcações que nos levam à Ilha do Canela saem do porto que fica na Praia da Graciosa, a mais famosa de Palmas. Aqui, há um quiosque onde você pode se informar e chamar um barquinho.

Ilha do Canela, o pequeno oásis de Palmas

A chegada na Ilha do Canela é assim.

Onde ficar | Em Palmas, eu me hospedei no MAC Hotel. Inaugurado recentemente, ele fica no centro, bem perto da Praça dos Girassóis, e tem quartos confortáveis e equipados com ar-condicionado – item essencial no Tocantins – televisão e internet. O café da manhã é básico, mas saboroso. Outro fator importante é que o preço das diárias cabe no nosso bolso. Se preferir, consulte outras opções de hospedagem na cidade.

O que levar | Como aqui faz sol praticamente o ano inteiro, é indispensável trazer protetor solar, roupas leves e um boné ou chapéu.

Minha viagem a Palmas teve o apoio de Cerrado Dourado.

CONPARTILHE COM SEUS AMIGOS

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

4 Comentários

Escreva um comentário

Inline
Inline