A experiência de ficar num kibbutz

0

Atualizado em 15 de agosto de 2017

Você sabe o que é um kibbutz? Os Kibbutzim foram experiências socialistas dentro de Israel. Essa ideologia chegou aqui com judeus que migraram da Rússia para a região da Palestina, e o primeiro kibbutz foi o Degania Alef, criado em 1910, na margem sul do Mar da Galileia.

Muito antes da formação do Estado de Israel, os colonos viram que sozinhos seria impossível tornar a terra própria para a agricultura e resolveram, então, se unir para fortalecer a produção. Assim, cada um oferecia seu serviço para que todos evoluíssem juntos.

Hoje, nem todos os kibbutzim são como imaginavam seus fundadores. Há vários que foram privatizados e, claro, com o avanço da tecnologia na área agrícola, essas grandes fazendas comunais foram se desenvolvendo e deixando para trás seu ideal original. Porém, mesmo privatizados, alguns kibbutzim mantêm parte de sua estrutura inicial: refeitório, cozinha e escola, por exemplo, todos comunitários.

A experiência de ficar num kibbutz

A lavoura que nasce no deserto é fruto do cuidado comunitário.

A experiência de ficar num kibbutz

Um dos kibbutz onde me hospedei.

Vida em comunidade

Durante minha viagem a Israel, eu me hospedei em dois kibbutzim, e nessa experiência vi que os pais, quando trabalham nas lavouras, deixam seus filhos na escola. Nela, há equipes designadas para educar as crianças e para preparar as refeições, por exemplo, e diga-se de passagem, que comida maravilhosa.

Passar um dia num lugar como esse e ver que existem grupos que ainda vivem a essência da iniciativa socialista é muito fascinante. Para você ter uma ideia, dependendo do kibutz, há um carro para toda a comunidade, e quem quiser usar o veículo deve fazer a reserva com antecedência. Sinceramente, eu acho que no Brasil isso não funcionaria, porque aqui tudo é bem diferente do que estamos habituados.

Um dos kibbutzim que mais me chamou a atenção foi o Gvulot. Ele fica mais ao sul de Israel, na região do deserto de Negev. Aqui, temos instalações hoteleiras de alto padrão, e o mais interessante é que os visitantes podem ter contato com animais e desfrutar de um passeio dentro das instalações.

Outra coisa muito legal dessa experiência é que comemos de alimentos frescos, produzidos dentro do próprio kibbutz. Então, se você se preocupa com a origem e com o preparo do que come, essa é uma ótima ideia.

Dicas de kibbutz

Quando conheci Gvulot, estávamos celebrando o Shabbat, então muitas atividades não foram realizadas, mas, em compensação, uma enorme piscina nos aguardava. E, vai por mim, uma piscina no verão israelense vale mais que ouro.

Para quem se interessa pelas cidades do norte, minha indicação é o Tiratzvi, um lugar fresco e muito arborizado. Ele é uma ótima opção de hospedagem e o café da manhã é espetacular. Outra coisa interessante nesse kibbutz é que ele também esta perto do Mar da Galiléia e da cidade de Tibérias, uma das mais interessantes da região.

Existem vários passeios para fazer nessa área: banana boat no Mar da Galiléia, caminhada pelos afluentes e até mesmo rafting no rio Jordão.

A maioria dos kibbutzim tem programação interna para quem quer experimentar viver um dia nessa realidade que para nós, brasileiros, parece meio surreal.

A experiência de ficar num kibbutz

Pôr do sol sobre o Mar da Galiléia.

A experiência de ficar num kibbutz

O rafting no rio Jordão.

Há centenas de kibbutzim espalhados de norte a sul de Israel e, sem dúvida, ficar em um deles é uma experiência incrível. Se quiser saber mais, veja as melhores opções de hospedagem em Israel.

CONPARTILHE COM SEUS AMIGOS

SOBRE O AUTOR

Estevão Pires

Futuro economista que gosta de uma boa experiência gastronômica e de desbravar o desconhecido, sempre quero ultrapassar meus limites. Meu maior sonho é conhecer novos lugares e, se for acompanhado de um bom azeite e uma boa comida, melhor ainda.

Escreva um comentário

Inline
Inline