Checkpoint Charlie e a divisão da Alemanha

0

Atualizado em 25 de agosto de 2017

O mais emblemático ponto geográfico da Guerra Fria, Checkpoint Charlie, era o começo e o fim da divisão que separou a Alemanha durante décadas. Hoje, transformado em um memorial, esse ponto de fronteira é procurado por turistas do mundo inteiro, que querem conhecer o lado histórico de Berlim.

Na prática, a guarita e os tanques militares americanos controlavam, aqui, tudo o que entrava e saia da região ocupada pelos Estados Unidos depois da Segunda Guerra Mundial. Se quiser saber mais sobre este período, leia: Conheça os monumentos da Segunda Guerra em Berlim.

Checkpoint Charlie e a divisão da Alemanha

A guarita transformada em memorial.

Na esquina das ruas Friedrichstrasse e Zimmerstrasse, onde os setores americano e soviético se encontravam depois da construção do Muro de Berlim – veja mais em: Como é visitar o Memorial do Muro de Berlim –, eram frequentes as tentativas de moradores do lado comunista de atravessarem para o lado capitalista em busca de melhores oportunidades de vida.

Alguns casos foram bem sucedidos, mas a maioria das fugas acabava sendo impedida pelo exército da ex-União Soviética e isso, quase sempre, terminava em morte. Como aconteceu com Peter Fechter, que agonizou diante dos olhos do mundo depois de ter sido atingido, nas costas, por soldados soviéticos.

Checkpoint Charlie e a divisão da Alemanha

Turista tirando fotos com supostos soldados americanos.

Além do Checkpoint Charlie, havia outras duas fronteiras: Alpha e Bravo. Depois de quase trinta anos, com a queda do Muro de Berlim, todas foram fechadas. Checkpoint Charlie foi desativado em junho de 1990 durante uma cerimônia na presença de americanos e soviéticos.

Museu Checkpoint Charlie

Bem perto do Checkpoint Charlie funciona o museu que conta sua história e muitos outros detalhes do período histórico em que a Alemanha esteve dividida entre Oriental e Ocidental.

Inaugurado bem antes da Guerra Fria acabar, em 1962, o Museu Checkpoint Charlie servia como uma espécie de propaganda americana para mostrar que o trabalho do exército naquele ponto era proteger os direitos dos alemães, e, portanto eles jamais atirariam para matar.

Checkpoint Charlie e a divisão da Alemanha

O Isetta usado na fuga de alemães orientais.

Atualmente, um acervo bastante rico – que inclui um Isetta, veículo usado para fuga – e bem organizado mostra como eram gritantes as diferenças entre a vida comunista e capitalista, reconta a história do Muro de Berlim – incluindo os incidentes envolvendo fugitivos – e lembra casos bem-sucedidos de escapadas.

Programe sua visita ao Checkpoint Charlie

Quando ir | Dá para visitar Checkpoint Charlie todos os dias do ano. O Museu abre das 9h às 22h, incluindo em feriados com Natal e Páscoa.

A primavera e o verão são as melhores épocas do ano para visitar a Alemanha. Os dias são mais claros, mais longos e a temperatura mais agradável, ideal para atividades ao ar livre. Em Berlim, chove mais nos meses de junho a agosto, e o frio é constante de dezembro a fevereiro.

Quanto custa | Você pode visitar Checkpoint Charlie gratuitamente, mas, para entrar no museu, será preciso pagar EUR 14,50. Estudantes pagam EUR 9,50.

Como chegar | Pra chegar aqui, você pode usar a linha U6 do metrô, e descer na estação Kochstrasse, ou a linha U2, e descer na estação Stadtmitte. De ônibus, a melhor opção é a linha M29.

Onde ficar | Berlim tem ótimas opções de hospedagem, mas escolher uma localização ideal para o seu perfil vai fazer toda a diferença. Eu mostro os melhores lugares e indico alguns hotéis em: Onde se hospedar em Berlim.

Visto | Brasileiros não precisam de visto para entrar na Alemanha, e podem permanecer aqui por até 90 dias. Na chegada, o oficial da imigração poderá exigir, além de seu passaporte, a passagem de volta e o comprovante do seguro viagem, que é obrigatório para todos os países que assinaram o Acordo de Schengen.

Outras informações | Para ver outras informações sobre a Alemanha e planejar sua viagem com mais precisão, leia: Viagem para a Alemanha: o que você precisa saber. Para quem gosta de cinema, uma boa dica é dar uma olhada nessa lista: Nove filmes sobre a Segunda Guerra Mundial.

CONPARTILHE COM SEUS AMIGOS

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

Escreva um comentário