Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

8

Atualizado em 18 de agosto de 2017

A administradora Anne Marie Rangel mora em João Pessoa, na Paraíba, e sempre ouviu falar da Chapada Diamantina, na Bahia. Quando via fotos e lia relatos de outros viajantes, ela ficava encantada com os depoimentos e com as imagens. “Tudo me chamava atenção e eu pensava: que lugar mágico é esse? Então, resolvi conhecer”, conta.

Foram cinco dias na Chapada Diamantina, tendo a cidade de Lençóis como base para os passeios. Nesse tempo, ela explorou lugares fascinantes, como Poço do Diabo, Gruta da Lapa Doce e Fazenda da Pratinha, e mergulhou em águas revigorantes, como as da Cachoeira da Fumaça, da Cachoeira do Sossego e do Ribeirão de Cima, do Meio e Debaixo. Ela fez até rapel da Gruta do Lapão.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

Anne Marie e a paisagem da Chapada Diamantina.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

Muitos mergulhos para renovar as energias.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

O incrível Poço Azul da Chapada Diamantina.

Quando a gente pergunta do que ela mais gostou, a resposta é direta. “Pode parecer clichê: eu gostei de tudo, mas se tivesse que escolher um lugar entre eles, eu escolheria a Cachoeira do Sossego, pois senti uma paz enorme nesse lugar”, indica Anne Marie.

Viajando sozinha

Muito mais do que uma viagem para um lugar especial, essa foi, também, a primeira viagem sozinha de Anne Marie. Experiência que ela quer repetir.

Foi a melhor escolha da minha vida. Quando disse isso aos meus amigos, uns me chamaram de louca, mas outros me incentivaram. Viajar sozinha representa um amadurecimento imenso na vida de qualquer pessoa. Acho que todo mundo precisa fazer isso um dia”, incentiva.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

Viajar sozinha foi a melhor coisa que fez, diz Anne Marie.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

A foto clássica não podia faltar.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

O escorregador natural do Ribeirão de Baixo.

Ela ainda conta que, neste curto período de tempo, que também envolve o planejamento de uma viagem sozinha, vivenciou momentos que a fizeram entender melhor sua posição de viajante.

Eu me conheci mais, superei alguns medos que tinha, voltei mais corajosa e aprendi que muitas vezes nós somos a nossa melhor companhia. Claro que viajar com pessoas que gostamos é ótimo, também, mas a experiência é diferente. Voltei dessa viagem completamente realizada em todos os quesitos de vida”, conta a administradora.

Planejando a viagem

Anne Marie fez toda a programação de sua viagem: escolheu os lugares que queria ver, comprou as passagens, decidiu onde se hospedaria e partiu. Fazer tudo isso foi muito fácil, como ela conta.

Existe um site e um aplicativo chamado Guia Turístico Chapada Diamantina com dicas de restaurantes, informações sobre o Parque, hotéis, albergues e pousadas, e uma lista com todas as agências credenciadas a fazer os passeios com segurança”, explica.

Chapada Diamantina: sozinha e sem arrependimento

Como não se sentir bem neste lugar?

Anne Marie lembra que é indispensável ter um guia que conheça bem o Parque para que você aproveite melhor seus dias por aqui.

Não organizem passeios às cachoeiras ou trilhas sem uma pessoa que conhece bem a região porque é perigoso. Eu tive a sorte e o prazer de ir com a Nayara, da Chapada Soul, que é um amor de pessoa e com quem mantenho contato até hoje. Há muitos guias maravilhosos por aqui”, orienta.

Conheça a Chapada Diamantina

Quem está planejando conhecer a Chapada Diamantina sempre pergunta quanto custo uma viagem assim. Anne Marie diz que dá para gastar cerca de R$ 1.900 incluindo hospedagem, alimentação e passeios. Apesar o investimento ser considerável, a dica que a viajante nos deixa é simples:

Apenas vá e deixe se encantar pela Chapada Diamantina. Cada pedaço desse lugar é mágico, a vibe e as pessoas são ótimas. É um destino que todo brasileiro tem acesso, mas poucos conhecem. Eu voltaria à Chapada todos os anos se eu pudesse”, incentiva.

Compartilhe também suas histórias de viagem enviando seu relato para [email protected].

CONPARTILHE COM SEUS AMIGOS

SOBRE O AUTOR

Altier Moulin

Sou um jornalista que gosta de contar histórias e de extrair do cotidiano um valor que muitos não percebem. Desde menino, meu desejo era viajar pelo mundo. Já adulto, descobri que isso não era apenas um sentimento, mas um propósito de vida.

8 Comentários

  1. Parabéns Anne por descobrir o prazer de sua própria companhia. Te digo por experiência própria que essa foi a primeira de muitas viagens(sozinha) que irão acontecer em tua vida, pq agora vc já não espera por ninguém….vc simplesmente vai!!!…E cada vez melhor…é gratificante!! E que venham novas emoções…abraços!!

Escreva um comentário

Inline
Inline